PT teme que Bumlai “entregue geral”

A prisão de José Carlos Bumlai confirmará ou sepultará de uma vez por todas um insistente temor de gente da cúpula do PT – o de que Bumlai não aguentaria a prisão e abriria o bico em velocidade supersônica.

Um petista que o conhece bem chegou a dizer diversas vezes, em tom de chiste, que Bumlai já no voo para Curitiba pediria a caneta e a papelada da delação premiada para assinar…

De acordo com a Polícia Federal, José Carlos Bumlai sacou mais de 3 milhões de reais em dinheiro vivo, em operações atípicas comunicadas ao COAF.

Segundo a revista Época, “vários saques foram feitos por um policial militar”.

O empresário será levado para a Superintendência da Polícia Federal no Paraná. O amigo do ex-presidente Lula será transferido em avião da PF.

Bumlai embarca às 9h para Curitiba, base da Lava Jato. O empresário fez exame de corpo de delito em Brasília. O amigo de Lula foi citado por dois delatores da Lava Jato. O lobista Fernando Baiano, um dos delatores do esquema de corrupção instalado na Petrobrás entre 2004 e 2014, declarou que repassou a Bumlai quase R$ 2 milhões destinados à mulher de um dos filhos de Lula.

Segundo outro delator, Eduardo Musa, ex-gerente da Petrobrás, Bumlai intermediou o pagamento de uma conta do PT de R$ 60 milhões, originada na campanha à reeleição de Lula, em 2006. O nome da operação, Passe Livre, remete ao fato de que o pecuarista tinha livre acesso ao Palácio da Alvorada durante o governo do ex-presidente Lula.

Segundo a PF, 140 policiais federais e 23 auditores fiscais cumprem 25 mandados de busca e apreensão, um mandado de prisão preventiva e 6 mandados de condução coercitiva – quando o investigado é levado para depor – nas cidades de São Paulo, Lins (SP), Piracicaba (SP), Rio de Janeiro, Campo Grande (MS), Dourados (MS) e Brasília.

Com informações de Lauro Jardim (OGlobo), O Antagonista e Fausto Macedo (O Estadão)

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário