Reforma do Estado deve preceder a tributária – Por José Américo Leite Filho

Em Artigos
Reforma do Estado deve preceder a tributária - Por José Américo Leite Filho

Antes de falar em reforma tributária e se é possível desenvolver o tema em tempo de crise, é necessário falar sobre teoria do Estado para nos questionarmos: queremos uma reforma do Estado? Pois falar em reforma tributária, antes de saber a resposta para esta pergunta, é querer tratar das consequências sem tratar das causas.

Para a resposta negativa, serão também negativas as chances de uma reforma tributária. Neste cenário, a questão central é sobretudo o montante arrecadado e como estamentos políticos e burocráticos se apropriam destes recursos para conservarem suas estruturas de poder. Apenas se a resposta for positiva é que teria cabimento se falar em reforma tributária. Mas o que significa fazer uma reforma do Estado brasileiro?

Raymundo Faoro, sobre a origem do Estado brasileiro, ensina que a “conquista da terra e a colonização foram obras do rei, que as orientou até nos detalhes mínimos. A iniciativa particular foi, ela própria, filha das vantagens e favores do Estado: agia sob a proteção e a tutela do rei e seus agentes. Certo, a colônia de plantação não era empresa pública, mas de interesse público, amparada pela vigilância de uma vontade onipresente, encarnada nos capitães, que cumpriam um mandato público”[1].

Ensina, ainda, que o “estudo da colonização brasileira não pode ser desenvolvido pelo símile das colônias inglesas da América do Norte. Lá prevaleceu, efetivamente, a iniciativa particular, sem nenhuma sombra de agenciamento e regulamentação estatais. Assim ocorreu com a ‘Virginia Co. of London’, fundada em 1606, com o capital de particulares, sendo o maior sócio Lord Delaware. Da mesma maneira se passou com Maryland, colonizada por Lord Baltimore, e com a extensa área entre a Virgínia e a Flórida (‘Carolina’), com os oito proprietários que lhe propiciaram a venda e povoação […]” e conclui que a “[…] diferença de estrutura das duas colonizações americanas – a portuguesa e a inglesa – decorria da diversa constituição do Estado, em uma e outra nação. Portugal, na era seiscentista, já se havia consolidado em Estado absoluto, governado por um estamento burocrático, centralizador. A Inglaterra, ao contrário, discrepando da orientação histórica continental, definiu-se numa transação capitalista industrial e feudal, repelindo a centralização burocrática. O contingente dos capitais dos proprietários territoriais, com terras e minas, desenvolveu-se no capitalismo industrial, ou com este aliando-se, na construção do engenhoso mecanismo constitucional garantidor das liberdades e assegurador dos direitos subjetivos”.

Desde a proclamação da República, duas ideologias embalaram várias gerações de brasileiros: o Positivismo e o Esquerdismo, ambas propugnando o Estado indutor da sociedade. Com a República Nova, o Estado recebeu o incremento de novos estamentos burocráticos a guiar a vida dos particulares. Durante o período militar, em que pese a clareza de intelectuais como Roberto Campos, por tradição das próprias Forças Armadas, o regime foi marcado por políticas positivistas. E recentemente, encerrou-se um período de treze anos de um governo esquerdista que levou o país a uma depressão econômica histórica ao apostar no desenvolvimentismo sonhado na ilha utópica dos comunistas.

Portanto, agora é a hora certa para fazermos aquela pergunta chave: queremos reformar o Estado brasileiro?

Falar em reforma do Estado é falar na redução dos estamentos burocráticos, que a pretexto do desenvolvimento se imiscuíram como agentes principais no seio da sociedade. Tornando-o caro e ineficiente. A par disso, falar em reforma tributária é falar em garantias cada vez maiores e constitucionais de proteção do contribuinte. Franquear a ordem pública e o desenvolvimento social aos privados, assegurando-lhes todos os seus direitos subjetivos.

Neste contexto, o núcleo axiológico do direito tributário brasileiro, conforme consignado no Código Tributário Nacional (CTN) e na Constituição, não merece reforma, senão ratificação. Em relação ao sistema de valores emanados do CTN e da Carta Máxima, a reforma tributária que se faz necessária é de ordem prática e deve se aplicar ao comportamento dos agentes de fiscalização, afinal, estes muitas vezes atuam como fontes do direito e indiferentes à Lei e à Constituição.

Sendo certo que no bojo da reforma do Estado está a redução dos estamentos burocráticos e da própria burocracia, como consequência natural, a reforma tributária deve espelhar esta simplificação. Para que, dessa forma, economizem-se meios a fim de que o contribuinte possa cumprir suas obrigações tributárias (principais e acessórias) com segurança jurídica. Neste sentido, já há algumas propostas colocadas na mesa que gozam de consenso de setores produtivos e de doutrinadores, mas que estão inertes, aguardando que aquela condição primeira se satisfaça.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

Leia também!

Sindicato não pode cobrar honorários advocatícios de sindicalizado

Sindicato precisa de autorização para representar filiado na Justiça, fixa STJ

Os sindicatos precisam de autorização expressa de seus filiados para os representarem junto à Justiça. A jurisprudência do Superior

Read More...
WhatsApp Web lança atualização que afeta layout e GIFs; entenda

Mensagens difamatórias em grupo geram indenização

Rapaz pagará R$ 10 mil a mulher por ofensas. A 8ª câmara de Direito Privado do TJ/SP manteve sentença

Read More...
A ética nas empresas não se limita a um manual de boas práticas, diz Andreas Pohlmann

A ética nas empresas não se limita a um manual de boas práticas, diz Andreas Pohlmann

Andreas Pohlmann, um dos maiores especialistas em ética empresarial no mundo, fala sobre o combate à corrupção corporativa no

Read More...

Deixe uma resposta

Menu slide para smartphones