Relembre (ou conheça) como eram os serviços à bordo das aeronaves; tinha até lagosta

Tem coisa pior que comida de avião? A maioria das vezes a comida é insípida, vem em pequenas quantidades e é preciso fazer ginástica em espaços muito reduzidos para não derrubar nada e nem acotovelar o passageiro do lado. Mas nem sempre foi assim, de fato eram muitíssimo melhor na “época dourada dos voos de avião”. Os pratos de primeira classe eram realmente impressionantes. Tudo era luxo e abundância uns tantos anos atrás.

Assim demonstra uma coleção de imagens tomadas a bordo dos vôos da Scandinavian Airlines entre os anos 50 e 80 que nos permitem dar uma olhada nesse luxuoso passado.

Cada prato era sinônimo de ostentação e bom gosto. Os menus não desagradavam ninguém. Tinha caviar, lagosta, todo tipo de carnes e inclusive bolos.

Eram tempos onde não tinha terror no ar. Pois eram usados talheres que hoje são proibidos a bordo.

Muitas das fotos foram tiradas antes de que o vôos se dividissem em classes, motivo pelo qual geralmente todos tinham a mesma comida.

Esta coleção de imagens foi lançada para celebrar os 70 anos de Scandinavian Airlines. Mas as companhias aéreas brasileiras da época tinham serviços similares, inclusive louças, conforme você confere nas imagens abaixo, da extinta Varig.

come2
Tinha até lagosta no cardápio
come3
Os aviões tinham mais espaço interno
come4
Iguarias também eram servidas aos passageiros
come5
Serviço de buffet era completo
come6
Normalmente um chef fazia parte da equipe de bordo
come7br
Louças da Varig eram usadas no vôos
come8br
Louças da Varig usadas nos vôos
come9br
Hoje em dia, no máximo o passageiro consegue um lanche desses

 

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta