fbpx
Remédio para HIV se mostra promissor em reduzir metástase em câncer de próstata

Uma droga destinada ao tratamento de HIV se mostrou promissora para evitar ou reduzir metástase nos casos de câncer de próstata. É o que revela um estudo publicado nesta semana no periódico Cancer Reasearch. Os pesquisadores mostraram que o receptor CCR5, que é conhecido na terapia do HIV, também pode ser um dos responsáveis por espalhar o câncer de próstata para os ossos.

Um dos autores do estudo, Richard Pestell, diretor do Centro de Câncer Sidney Kimmel, da Universidade Thomas Jefferson, explica que o trabalho mostra que é possível reduzir dramaticamente a metástase em estudos pré-clínicos. Além disso, o pesquisador cita que a droga já é aprovada para tratamento do HIV, portanto os estudos para outros fins poderão ser realizados mais rapidamente.
O estudo teve como base uma pesquisa anterior do laboratório de Pestell, que, em 2012, demostrou que o receptor CCR5 também está ligado à metástase de formas agressivas de câncer de mama para os pulmões. Esse estudo demonstrou que as células do câncer de mama que carregavam esse receptor na superfície eram levadas aos pulmões. A partir do dado que as células do câncer de próstata são particularmente atraídas pelos ossos e cérebro, o grupo liderado por Pestell investigou se o receptor poderia ser importante para a metástase desse tipo de câncer também.

Feito em ratos, o estudo teve alguns momentos complicados, pois os pesquisadores tiveram dificuldades em encontrar um rato com sistema imune comprometido, câncer de próstata e metástase nos ossos e cérebro.
Para driblar o problema, os pesquisadores desenvolveram uma linha de células cancerosas da próstata, conduzida por um gene que regularmente causa metástase nos ossos de ratos com sistema imune adequado. Pelo fato de o sistema imune ser muito importante nos casos de câncer de próstata, desenvolver um modelo que reflita a doença seria fundamental.

Os pesquisadores analisaram genes de metástases de tumores nos ossos e cérebro e descobriram que os genes que estavam levando a metástase também estavam envolvidos com o receptor CCR5. Em uma posterior investigação, os cientistas administraram uma droga que bloqueia o receptor CCR5 no novo modelo de rato com câncer de próstata. Em comparação aos outros animais do grupo de controle, a droga reduziu dramaticamente a mestástase em 60%, nos ossos, cérebro e outros órgãos.

Os receptores são uma proteína que faz parte da membrana plasmática da célula, na sua superfície. Em outras palavras, é como se fosse uma porta de entrada para a célula.

Por fim, os cientistas mapearam geneticamente pessoas com câncer de próstata e descobriram que o receptor CCR5 tinha muito mais expressão no câncer de próstata, e muito mais presente ainda em metástase.

O co-autor Xuanmao Jiao, instrutor do departamento de Biologia e Câncer na Universidade Thomas Jefferson explicou que eles notaram que os pacientes que tiveram uma expressão menor do gene CCR5 tiveram estavam relacionados a uma taxa maior de sobrevivência, enquanto os outros pacientes com uma expressão maior do gene estavam associados a uma baixa sobrevivência.

Fonte:Ig

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta