Comportamento

Como seria nossa vida se soubéssemos quando vamos morrer?

0

Embora seja impossível saber o dia da nossa própria morte, pensar a respeito pode lançar luz sobre nossas motivações como indivíduos e sociedades — e dar pistas de como usar nosso tempo limitado na Terra da melhor forma possível

Você e todos os que já conheceu irão morrer um dia. De acordo com psicólogos, essa verdade desconfortável fica escondida no fundo de nossas mentes e acaba direcionando tudo o que fazemos, desde ir à igreja, comer vegetais e fazer ginástica a nos motivar a ter filhos, escrever livros e fundar um negócio.

Para pessoas saudáveis, a morte geralmente exerce uma influência subconsciente. “Na maior parte do tempo, passamos os dias sem pensar em nossa mortalidade”, diz Chris Feudtner, pediatra e especialista em ética do Hospital Infantil da Filadélfia e da Universidade da Pensilvânia, nos EUA. “Lidamos com isso focando em coisas que estão mais à nossa frente”.

O que aconteceria, no entanto, se não houvesse dúvida sobre o momento de nossa morte? E se de repente soubéssemos exatamente o dia e como morreríamos? Embora isso seja impossível, considerações cuidadosas desse cenário hipotético podem lançar luz sobre nossas motivações como indivíduos e sociedades – e dar pistas de como usar nosso tempo limitado na Terra da melhor forma possível.

Primeiramente, como a morte define o comportamento no mundo? Nos anos de 1980, psicólogos passaram a estudar como lidamos com a enorme ansiedade e o medo da percepção de que não somos nada além de “peças de carne conscientes que respiram e defecam e que podem morrer a qualquer momento”, como define Sheldon Solomon, professor de psicologia de Skidmore College, em Nova York.

A teoria de gerenciamento de terror, cunhada por Solomon e colegas, sugere que os humanos se apegam a crenças culturalmente construídas – de que o mundo tem sentido, por exemplo, e de que nossas vidas têm valor – a fim de afastar o que de outra forma seria um terror existencial paralisante.

Defesa de crenças

Em mais de mil experimentos, pesquisadores concluíram que, quando lembrados de que vamos morrer, nos apegamos mais às nossas crenças e nos esforçamos para aumentar o senso de valor próprio. Também ficamos mais defensivos de nossas crenças e reagimos com hostilidade a qualquer coisa que as ameace.

Mesmo acenos sutis à mortalidade – como um flash de 42,8 milissegundos da palavra “morte” na tela do computador ou uma conversa que comece numa casa funerária – são suficientes para engatilhar mudanças comportamentais.

Como são algumas dessas mudanças? Quando lembrados da morte, tratamos aqueles que são semelhantes a nós em aparência, inclinação política, origem geográfica e crenças religiosas de forma mais favorável. E nos tornamos mais desdenhosos e violentos com pessoas que não compartilham dessas semelhanças.

Professamos um compromisso mais profundo com parceiros românticos que validam nossas visões de mundo. E estamos mais inclinados a votar em líderes mão de ferro que incitam o medo de pessoas de fora.

Também nos tornamos mais niilistas, bebendo, fumando, comprando e comendo em excesso – e ficamos menos preocupado com o meio ambiente.

Se todo mundo de repente soubesse o dia e a forma da morte, a sociedade poderia se tornar mais racista, xenófoba, violenta, belicista, auto e ambientalmente destrutiva do que já é.

Mas isto não é uma predestinação. Pesquisadores como Solomon acreditam que, ao se tornar cientes dos efeitos negativos da ansiedade pela morte, poderíamos combatê-los. Na realidade, cientistas já registraram alguns exemplos de pessoas derrubando essas tendências gerais.

Monges budistas da Coreia do Sul, por exemplo, não respondem dessa forma aos lembretes de morte.

Pesquisadores estudaram um estilo de pensamento chamado “reflexão sobre a morte” e notaram que as reações são diferentes se as pessoas pensam em morte de maneira ampla ou, ao contrário, se forem específicos sobre como o episódio ocorreria e qual impacto ele teria em suas famílias.

Nesse último caso, as pessoas ficaram mais altruístas – com a vontade, por exemplo, de doar sangue, mesmo que não houvesse uma demanda imediata. Elas também ficam mais abertas a refletir sobre os papéis positivos e negativos de eventos em suas vidas. Com essas descobertas, saber o dia da morte poderia levar indivíduos a focar mais em objetivos de vida e vínculos sociais em vez de se isolarem.

Isso seria especialmente verdadeiro “se promovêssemos estratégias para aceitar a morte como parte da vida e se esse conhecimento fosse integrado a nossas escolhas de vida e comportamento”, diz Eva Jonas, professora de psicologia da Universidade de Salzburgo, na Áustria. “Entender a escassez da vida pode aumentar a percepção de valor da vida e desenvolver um senso de que ‘estamos todos no mesmo barco’, aumentando a tolerância e a compaixão e minimizando as respostas defensivas”.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NA BBC.

Painel Político
Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Vereador envolvido em esquema de venda de CNH é preso em TO

Previous article

Campanha pede doação de livros para biblioteca do Museu Nacional

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *