Endometriose: Tudo o que você queria saber sobre a doença

Atinge cerca de 10 a 15% das mulheres no período reprodutivo. Ela pode surgir logo após as primeiras menstruações

Endometriose: você sabe o que é? Já escutou alguma amiga dizendo sentir fortes cólicas e dores na relação sem explicação aparente? Esses podem ser alguns sintomas da endometriose, que atinge mais de 170 milhões de mulheres no mundo durante seu período mais produtivo e em sua fase reprodutiva, segundo dados do World Endometriosis Research Foundation. A Associação Brasileira de Endometriose fala em 7 milhões de mulheres apenas no Brasil, embora não existam dados oficiais.

Este ano a Women’s Health Brasil participou do “Workshop de Design Thinking sobre Endometriose“, realizado pela DUCO Design Intelligence, em parceria com a Johnson&Johnson Medical Devices e a Procuradoria Especial da Mulher do Senado Federal, a fim de debater possíveis políticas públicas para o tema. Nesse sentido, perguntamos às nossas leitoras se elas tinham dúvidas sobre endometriose. As respostas você confere aqui.

1 – Endometriose

Para falar sobre a doença e o seu diagnóstico, conversamos com Marcello Avella, ginecologista coordenador do Centro de Endometriose de Sorocaba (SP).

O que é endometriose?

A endometriose é uma importante doença ginecológica caracterizada pela presença de tecido endometrial só que fora do útero. O endométrio é uma camada de tecido composto por glândulas e estroma que recobre a cavidade interna do útero, ele é o responsável pela menstruação quando descama ao final de um ciclo menstrual.

O que acontece o corpo da mulher com endometriose e quais os riscos?

A forma como a endometriose acontece no corpo de uma mulher pode ser variável, em alguns casos ela pode persistir como uma doença mínima ou leve, e em outros casos, pode apresentar alguns sintomas graves devido à invasão e infiltração de tecidos, crescimento de endometriomas ou “cistos de chocolate”, adesões pélvicas severas, ou bloqueio pélvico que pode afetar outros órgãos, como tubas uterinas, ovários, intestino, vagina, bexiga e uretra.

Ela acontece em mulheres de todas as idades?

Atinge cerca de 10 a 15% das mulheres no período reprodutivo. Ela pode surgir logo após as primeiras menstruações.

Há predisposições?

Algumas alterações genéticas no DNA já foram identificadas em mulheres com endometriose, filhas e irmãs apresentam maior risco do que a população em geral.

Há formas de se prevenir?

Alguns tratamentos medicamentosos são feitos baseados em sintomas que começam a partir da adolescência, acompanhando a mulher também através de exames específicos, sendo assim, uma forma de prevenção secundária. E, como para qualquer doença crônica, é orientada uma alimentação saudável, sono de qualidade, a pratica de atividades físicas e diminuição do estresse, hábitos que ajudam na redução dos sintomas da doença.

Qual a diferença entre endometriose e endometrioma?

Sendo a endometriose um tecido de endométrio fora da cavidade interna uterina, o endometrioma é o nome que se dá a lesão de endometriose em forma de cistos nos ovários. Estes são cistos preenchidos por um sangue escuro envelhecido (na cor de chocolate) e por tecido endometrial. Podendo acometer um ou ambos os ovários.

Qual a diferença entre endometriose e adenomiose?

Ambas apresentam tecido do endométrio fora da cavidade uterina, porém na adenomiose, apresentam-se fragmentos de endométrio infiltrados no músculo do próprio útero, que causam, por exemplo, cólicas fortes, aumento do fluxo menstrual e dor durante a relação sexual.

A adenomiose impede a gravidez?

Ela pode provocar dificuldades, resultado da dificuldade do embrião em se fixar no útero. Por isso, é recomendado acompanhamento médico.

É possível engravidar com endometriose?

Sim, é possível. É recomendado acompanhamento médico para o tratamento da endometriose e da infertilidade.

Cisto no ovário pode ter relação com endometriose?

Existem diversos tipos de cistos no ovário relacionados ao ciclo menstrual, que podem causar alterações menstruais como sangramento intenso e dor. Através de exames pode-se diagnosticar se o cisto é um endometrioma ou não.

 

2 – Tratamento

Levamos as perguntas de nossas leitoras à especialista em ginecologia e obstetrícia Ivani Khedi, de São Paulo, sócia fundadora da Sociedade Paulista de Endoscopia em Ginecologia.

Qual tratamento mais eficaz indicado? Ele dificulta a gravidez?

Não existe tratamento mais eficaz, é necessário uma consulta à seu ginecologista para determinar a localização da doença, a gravidade e o desejo ou não de gravidez, para que, então, você seja orientada e assim realizar o melhor tratamento.

É imprescindível o uso de anticoncepcional especifico?

Existem medicações que são melhores para a endometriose como por exemplo os derivados do dienogeste.

Quando é feito manipulação no intestino, nas três camadas, é normal receber alimentação em menos de 24 horas após o procedimento?

Não há uma conduta única. É apenas uma questão de escolha da equipe cirúrgica.

Quem já realizou tratamento/cirurgia corre o risco de ter novamente?

Sim. A endometriose ainda não tem cura, apenas controle. Não se sabe ao certo porque a endometriose acontece, temos muitas hipóteses e portanto vários tratamentos.

Posso confiar no Allurene como um método contraceptivo seguro?

Não. A ovulação é inibida na maioria das mulheres que durante o tratamento com Allurene, mas este medicamento não é contraceptivo, então é necessário usar um método associado, como, por exemplo, a camisinha.

Uso o Allurene mas outro laboratório lançou um similar chamado Pietra e Allurax, a diferença de preço é de R$ 150. Será que posso confiar?

Teoricamente são iguais. A composição de todos é dienogeste 2 mg e são licenciados pela ANVISA.

Para quem não pode fazer uso de anticoncepcionais por risco de trombose, qual o tratamento?

Todos os hormonios esteróides (estrógenos e progestágenos) aumentam o risco de tromboembolismo. Quando temos uma paciente com risco de tromboembolismo, é necessário que o ginecologista e o vascular conversem para avaliar a real necessidade do medicamento e a possibilidade de administração. O tratamento cirúrgico é uma alternativa.

3 – Hábitos

Conversamos ainda com a nutróloga Letícia Fontes, da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

A endometriose pode ser tratado com alimentação ou somente com medicamentos? Quais alimentos podem me ajudar e de que forma?

Alimentos ricos em ácidos graxos essenciais do tipo ômega 3, como chia, linhaça e sardinha auxiliam na modulação da inflamação crônica e na diminuição das cólicas. Além disso, alimentos ricos em magnésio e cálcio, como folhas verdes escuras, brócolis e amêndoas também podem contribuir na diminuição dos sintomas.

Algum chá ou alimento estimula a menstruação? Quais?

O chá de canela em pau e também o chá de orégano podem estimular a ocorrência da menstruação, por estimularem a circulação sanguínea e a contração uterina.

Fonte: womenshealthbrasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *