Meditação pode melhorar vida sexual das mulheres, diz estudo

Desejo, orgasmos e lubrificação: tudo isso é mais frequente entre quem medita. E nem é necessário passar anos entoando mantras

Se tem uma assunto que sempre aparece como cura de todos os males internos e externos do ser humano, esse assunto é a meditação. E um novo estudo feito com 450 mulheres diz que o mesmo se aplica à vida sexual: em geral, as mulheres que meditam têm uma qualidade de vida maior também nesse setor.

A pesquisa comparou três grupos de mulheres, que tinham entre 19 e 70 anos de idade. Um grupo era de moças sem experiência nenhuma em meditação, outro de mulheres com uma experiência curta com a prática e, o último, de voluntárias que meditam há anos.

Pela internet, elas responderam sobre vários detalhes de suas vidas sexuais: com que frequência sentiam desejo, o quão satisfeitas elas estavam com suas relações, se tinham orgasmos e lubrificação natural durante os encontros.

Os testes também mediram um sentido chamado “interocepção” – que é a nossa capacidade de perceber o que acontece dentro do nosso próprio corpo. Interocepção é o que te permite sentir que a bexiga está cheia, ou que está na hora de comer, que você está febril ou se tem alguma coisa errada com a sua pressão. E esse mesmo sentido parece estar relacionado com o prazer e a capacidade de chegar ao orgasmo.

Basicamente, o estudo mostrou uma forte correlação entre as pessoas que meditavam e a qualidade da sua vida sexual, incluindo seus níveis de interocepção. O que surpreendeu os pesquisadores, porém, é que não fazia diferença se a pessoa praticava a meditação há meses ou há anos – as novatas tinham tanta vantagem sexual quanto as meditadoras mais experientes.

Essa relação fica bastante óbvia quando olhamos para a outra descoberta do estudo: a saúde mental, em geral, é intimamente correlacionada com o desejo sexual. Se algo não está bem na cabeça, é difícil manter uma vida sexual funcional. E os benefícios da meditação para a saúde mental são bem documentados.

Obviamente, portanto, o bem estar e o sexo caminham juntos – e a meditação é só um dos caminhos para alcançar o primeiro. Mesmo assim, parece ajudar no curto prazo, não só a promover o prazer mas a conexão com o próprio corpo.

Por fim, vale lembrar que o que foi descoberta é uma correlação, não uma causa: é possível que a meditação melhore a vida sexual. Mas também é possível que pessoas que já se sintam bem mental e sexualmente pratiquem mais a meditação que a média.

No mínimo, vale a pena tentar: meditar tem, no mínimo, outros 6 benefícios e você pode começar onde quer que você esteja.

Fonte: superinteressante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *