DestaqueEstilo de vidaSociedade

O que você sempre acreditou sobre segurar o xixi poder estar errado

0

Segundo especialista, o organismo possui alguns mecanismos de defesa que impedem que a gente segure o xixi mais do que o corpo poderia aguentar.

Você é uma daquelas pessoas que, em meio à correria das tarefas diárias, sempre acaba deixando para ir ao banheiro depois? Muitas vezes, segurar o xixi é apontado como o principal motivo do desenvolvimento de doenças como a infecção urinária, por exemplo.

Contudo, segundo Fernando Almeida, urologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), essa preocupação é um mito. Isso porque não existem evidências de que, de fato, segurar a urina seja a causa da infecção.

Ele explica que o organismo possui alguns mecanismos de defesa que impedem que a gente segure o xixi mais do que o corpo poderia aguentar. “O cérebro recebe informações conforme a bexiga vai se distendendo. A primeira mensagem e desejo de urinar ocorre quando a bexiga está com volume de aproximadamente 150 ml. Quando essa quantidade passa para o intervalo de 400ml a 500ml, o desejo é tão forte que não é possível mais adiar a ida ao banheiro”, aponta.

De acordo com o profissional, a atenção principal deve estar na cor da urina, que pode ser um ótimo “termômetro” para você saber se seu corpo está ou não hidratado. “Não é preciso que ela esteja transparente, mas quanto mais clarinha, mais hidratado está o corpo”, explica ele. “Quando a urina apresenta aspecto amarelo escuro é sinal de que está passando da hora de beber água”, complementa.

Fonte: womenshealth

Painel Político
Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Apresentador de telejornal da Globo chora ao vivo ao noticiar desaparecimento de estudantes e morte de adolescente

Previous article

Marrone se envolve em caso de Eduardo Costa, acusado de estelionato

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Destaque