Romário e Gurgacz vão votar “buscando o melhor para o Brasil”

Jornais do sudeste mantém informação que ambos devem mudar os votos no processo de impeachment

O que tem em comum nessas duas frases? “Como sempre, votarei com a minha consciência e tendo como referência a vontade da maioria da população de Rondônia e do Brasi”. E essa, “ tomarei minha decisão final guiado pela minha consciência e buscando o melhor para o Brasil”.

Elas são de dois senadores, a primeira de Acir Gurgacz (PDT-RO) e a segunda de Romário Faria (PSB-RJ), ambos justificando a possibilidade de votarem à favor do retorno de Dilma Rousseff à Presidência.

O senador rondoniense vem sendo sistematicamente cobrado por eleitores em seu perfil no Facebook, todas as postagens que faz, uma chuva de comentários surge, exigindo que ele se posicione com clareza sobre seu voto. Até assuntos que nada tem a ver com política, como a postagem que fez em homenagem ao aniversário de seu pai, o empresário Assis Gurgacz, no último dia 31, teve cobrança de internautas. Uma mulher chegou a questionar, “virar a casaca dá margens para pensar que o nobre senador também é corrupto. Um Brasil destroçado pela administração petista não pode continuar!!!! Não envergonhe seu pai e parabéns para ele!!!” e recebeu inúmeros comentários de apoio e alguns contrários.

Em outra postagem, dessa vez com um bebê no colo, um simpatizante do PT afirmou, “reveja seu voto senador. Em primeiro lugar não há crime por pedaladas, do contrário dezenas de governadores e prefeitos seriam impitimados. O que há é conspiração pelo poder e eleição indireta. Não aposte nesse governo corrupto e golpista. Respeite a democracia, meu voto e de mais de 54 milhões de brasileiros” e obteve pelo menos uma dezena de respostas contrárias. Gurgacz passa alheio à toda essa cobrança, se limitando apenas a ter emitido uma nota que foi encerrada com a frase que abriu essa matéria.

Na noite de quarta-feira, o senador Romário Faria divulgou um “textão” em sua página no Facebook e afirma que votou pela admissibilidade do impeachment para que se tivesse uma oportunidade de “aprofundar as investigações”.

Romário considera que cabe ao presidente interino Michel Temer dar uma “nova cara” ao país. Ele ainda afirma que seu voto ao final do processo de impeachment de Dilma levará em conta o “conjunto da obra” e faz críticas a Temer.

Os primeiros dias do governo interino não foram como deveriam ser. No lugar de ministros “notáveis”, conforme Temer prometeu, tivemos ministros investigados. Vimos ministérios estratégicos para o país serem fundidos e perderem relevância, como o fundamental Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação. Assim como a extinção do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Temas relevantes e tão caros ao país, como o das pessoas com deficiência perderam relevância e foram abrigadas no Ministério da Justiça e Cidadania. Além da já anunciada extinção do Ministério da Previdência Social, órgão responsável pela elaboração de políticas, gestão e fiscalização de importantes benefícios sociais. Houve ainda a extinção Controladoria-Geral da União que, de certa medida, prejudica o combate à corrupção. Defendo o enxugamento da máquina pública e redução de custos do governo, mas não acredito que estas tenham sido as melhores alternativas”, diz trecho do texto publicado na página do senador.

Aproveito para anunciar que abri mão da vaga de titular da Comissão do Impeachment. De agora em diante, vou acompanhar os trabalhos como não membro, já que isso é possível. Sou presidente da Comissão de Educação, da CPI do Futebol e atuo em importantes causas sociais que não podem ser deixadas de lado”, e encerra com o famoso “guiado pela minha consciência e buscando o melhor para o Brasil”.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário