Se você tem um destes celulares, diga adeus ao WhatsApp

Não é possível dizer que este “apagão” definitivo pegará de surpresa quem for afetado, já que o WhatsApp tinha anunciado, no ano passado, que deixaria de funcionar em vários celulares antigos, mas que, no entanto, continuam muito populares entre alguns usuários. Esse grupo de indivíduos irredutíveis que se negam a jogar fora um aparelho que continua funcionando bem terá agora que decidir entre comprar um smartphone novo ou se isolar por completo e desaparecer de uma das plataformas de troca de mensagens mais utilizadas do país. Já é definitivo: não haverá mais prazo de carência e, em 30 de junho, o WhatsApp deixará de funcionar nos celulares que mencionamos a seguir.

Apesar de a lista não ser ampla, ela atinge um bom número de aparelhos que, em sua época, foram emblemáticos, e que muitas pessoas continuam usando – segundo o WhatsApp, eles representam 0,5% dos clientes do aplicativo. Assim, quem tiver um BlackBerry – tanto o BlackBerry OS quanto o BlackBerry 10 – pode ir se despedindo dos grupos dos quais participa ou terá que optar por comprar um novo aparelho. Os fãs da marca canadense deverão escolher alguns dos últimos modelos que funcionam com o Android, se quiserem seguir fiéis a ela. O mesmo acontecerá com os donos dos Nokias com as plataformas S40 e S60. As duas estão presentes em uma extensa gama de celulares, muitos dos quais continuam completamente operativos.

O grande problema desta data final é que o WhatsApp não só não permitirá baixar o aplicativo nesses modelos, como também deixará de oferecer o serviço aos aparelhos mencionados. A única alternativa para aqueles que quiserem se manter conectados a partir de 1º de julho é comprar um celular mais moderno e tentar resgatar as conversas (nas duas plataformas, isso pode ser feito exportando-as por e-mail e depois importando-as para o novo modelo).

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta