fbpx
Selfies mataram mais que ataques de tubarão neste ano

São 12 mortes na tentativa de tirar uma foto contra 8 devido ao animal

Tirar uma selfie é algo inofensivo, correto? Parece que não. Em 2015, a tentativa de registar uma imagem de si próprio já matou mais no mundo que ataques de tubarão. Até agora, 12 pessoas morreram tentando o melhor ângulo, enquanto 8 óbitos foram reportados no mar.

Na semana passada, um turista japonês de 66 anos faleceu depois de cair de uma escada enquanto tentava tirar uma selfie no Taj Mahal. Além dele, ao redor do mundo, paisagens deslumbrantes se tornam fúnebres devido a selfies mal sucedidas. Em maio, uma turista polonesa [su_frame align=”right”] [/su_frame]também faleceu ao cair de uma ponte em Sevilha, na Espanha.

Mas as selfies de risco não se restringem a cliques em paisagens estonteantes. A tentativa de fazer fotografias inusitadas, não raro, também acaba em morte. Há quatro meses, uma russa perdeu a vida ao tentar tirar uma selfie com uma pistola. Enquanto isso, no País de Gales, uma adolescente romana morreu eletrocutada ao tentar tirar uma foto no alto de uma estação de trem na cidade de Iasi, no nordeste da Romênia. Anna levantou uma perna e a deixou livre no ar. Acabou, então, encostando em um fio de energia elétrica que enviou um impulso elétrico de até 27 mil volts por seu corpo.

Devido às mortes cada vez mais recorrentes, alguns países têm alertado oficialmente sobre os riscos das fotos. O Ministério do Interior da Rússia, por exemplo, lançou em julho um folheto chamando atenção para selfies que “poderiam custar sua vida”. Em entrevista a uma rede de televisão, o ministro chegou a pedir que as pessoas pensem bem antes de tirar uma foto que possa acabar em morte.

As informações são do jornal O Globo

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta