Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Semob intensifica serviços no Canal Tancredo Neves

0

Há mais de noventa dias, a Secretaria Municipal de Obras (Semob) vem realizando serviços de drenagens no Canal dos Tanques e no Canal Tancredo Neves. Essas são as duas principais vias de vazão das águas pluviais da cidade e grande parte dos recursos em homens e equipamentos está designada para limpeza, alargamento das margens e escavação do fundo desses condutos. As operações incluem também a troca de manilhas, os desentupimentos de galerias, a colocação de pontes temporárias para a travessia de pedestres e muitos outros tipos de tarefas.

Ainda nos primeiros meses deste ano, o enfrentamento aos problemas com drenagens em Porto Velho teve início por meio de ações emergenciais, mas também se principiava um grande estudo sobre as bacias hidrográficas urbanas e as condições gerais das vias de escoamentos. Ainda em andamento, esses estudos que têm envolvido a Semob, Obras Especiais (Sempre), Planejamento (Sempla) e Serviços Básicos (Semusb) conta também com a singular parceria do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), que alimenta os levantamentos com imagens detalhadas de toda a hidrografia e de pontos isolados.

Semob drenagens 267px 06

Os problemas de represamentos já são conhecidos. Acréscimos constantes de novas conexões fazem aumentar muito o volume de vazão, as galerias antigas não foram construídas para suportar tal volume e também não possuem o nivelamento adequado para o declive necessário. Além disso, bueiros, manilhas e galerias estreitas estão entulhados de dejetos. Esses e outros problemas levantados com base nos relatórios têm impulsionado as equipes da Semob a concentrar serviços nos dois principais canais que coletam praticamente todo o volume pluviométrico da cidade.

De acordo com Gilson Nazif, secretário da Semob, a topografia dos canais demonstra ser urgente o trabalho pela declividade necessária à vazão. A desobstrução de alguns pontos apenas transferem os problemas de represamentos para outras partes. “Não podemos parar de fazer serviços de emergência para desafogar algumas áreas, e isso tem nos levado a enormes tarefas diárias, porque temos retirado muitas toneladas de lixo acumulado. No entanto, é imperativo que iniciemos logo as grandes obras de reconstrução de galerias. Só no caso da Zona Leste, precisamos fazer logo oito novas galerias e as obras estão orçadas em 200 milhões de reais. É claro que ainda não dispomos do recurso, mas queremos fazer algumas delas ainda neste ano”, afirmou.

 

Semob drenagens 267px 02

Segundo informações de Antônio Elisbão, encarregado de serviços de campo da Semob, no ano passado não aconteceu limpeza de galerias e isso fez acumular muito os dejetos, mas o principal problema é que galerias e manilhas das vias que se interconectam até desaguarem nos canais estão afixadas acima do nível necessário para permitir o fluxo livre das águas, de forma que precisam ser quase todas elas rebaixadas e as bitolas aumentadas.

Atualmente, os trabalhos estão mais concentrados no Canal Tancredo Neves e mais de vinte quilômetros estão sendo manipulados. Não se trabalha à noite devido aos perigos, mas os serviços se iniciam com o amanhecer.

 

Semob drenagens 267px 07

A parte de limpeza está quase que 50% concluída e a escavação do fundo e o alargamento das margens também andam rápidos, contudo, o caso de moradores à beira do Canal constitui-se em obstáculo à continuidade dos serviços. “Algumas vezes, temos que descer ao fundo do canal para que a máquina opere de dentro para fora, porque não há espaço para operação entre as casas e o canal”, disse Elisbão.

“Temos cento e quarenta e quatro quilômetros de canais para limpar. É importante que a comunidade também ajude para que não se acumule lixo nas galerias e manilhas”, finalizou Nazif.

 

Comentários
Carregando