Serra chama relatório da OCDE de ‘bobagem’ e se irrita com jornalista

Em resposta às previsões pessimistas para a economia brasileira feitas pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), o ministro José Serra (Relações Exteriores) classificou o relatório da entidade como especulativo e pouco sofisticado.

Nesta quarta-feira (1º), a entidade, que representa 34 países, divulgou em Paris um texto prevendo o agravamento da recessão no Brasil por incerteza política. A OCDE fala em “recessão profunda” até 2017 e em aumento do desemprego no país.

“A OCDE não afirma coisa nenhuma. Eles estão especulando. Isso é bobagem. Eles estão especulando com as poucas informações com que dispõe”, reagiu Serra, que está na capital francesa participando de um fórum organizado pela OCDE.

O ministro entregou à entidade duas páginas com observações sobre o relatório no qual destacou, entre outros pontos, que a inflação prevista está menor que a inflação corrente, que há perspectiva de crescimento da agricultura e da demanda chinesa por produtos brasileiros.

“O relatório da OCDE não tem essa sofisticação de análise”, afirmou Serra.

Mas, pelas previsões da OCDE, o PIB brasileiro encolherá 4,3% este ano e 1,7% no ano seguinte.

Se confirmadas as estimativas, o Brasil entrará no terceiro ano consecutivo de recessão aguda.

“A recessão profunda deve continuar em 2016 e 2017 com um cenário de alta incerteza política e de revelações correntes de corrupção que minam a confiança dos consumidores e investidores, o que leva à contração contínua da demanda doméstica”, diz o relatório de perspectivas econômicas da entidade.

Para a OCDE, “divisões políticas profundas” reduziram a chance de o Brasil tirar do papel reformas. A curto prazo, diz o relatório, o deficit público vai continuar a crescer.

“Eles estão falando do período anterior. Posso garantir que não é essa coisa, que o OCDE e Brasil divergem. Isso é uma bobagem homérica. Até porque eles não têm informação do que estava acontecendo. […] Tudo o que eles querem é saber se há perspectiva de melhoras e eu dei elementos a respeito do quadro econômico”, afirmou o ministro, emendando que a economia brasileira não vai “bombar” mas é possível ter uma perspectiva mais otimista.

ACORDO
Serra afirmou que a OCDE ofereceu uma vaga ao Brasil como membro da entidade com a proposta de eliminar passos intermediários para a inclusão do país no bloco.

“Haveria um fast track, caso o Brasil queira”, disse o ministro, que ficou de levar a proposta ao presidente interino Michel Temer. Não é a primeira vez que a OCDE corteja o Brasil, que hoje desfruta da posição de parceiro da entidade.

Nesta quarta, foi firmado um acordo entre Brasil e OCDE para troca de informações tributárias com o bloco.

“Isso tem um papel muito importante no combate à sonegação e no combate à bitributação. É um avanço imenso. É um acordo de extrema importância. A OCDE reúne todo bloco de países desenvolvidos e boa parte das questões tributarias que nos interessa circula dentro dela”, explicou o ministro.

BATE-BOCA
Serra chamou de “mentiroso” o grupo que disse ter sido proibido, por uma suposta interferência do próprio chanceler, de manifestar contra o governo interino de Michel Temer em Paris.

Na manhã desta quarta-feira, aos gritos de “fora Serra” e “golpista”, um grupo de pelo menos 15 pessoas se reuniu próximo ao prédio da OCDE na capital francesa.

O episódio foi relatado em reportagem da “Radio France Internacional”, que atribuiu aos manifestantes a alegação de que a proibição foi “supostamente sob orientação do próprio Serra”, conforme teria dito a polícia em telefonema a representantes do grupo.

“Você é quem escreveu aquela bobagem, desculpe. Você escreveu uma besteira, que eu tinha pedido para por polícia… Você chutou”, reagiu Serra, visivelmente irritado, numa conversa com jornalistas, depois de se certificar de que quem lhe perguntava sobre o protesto havia escrito o texto.

A repórter reclamou. “O senhor não me conhece e está me acusando de ter chutado informação”, disse.

Ao ouvir da jornalista que fora publicada a versão dos manifestantes, sem juízo de valor, Serra emendou: “Eu não pedi [para proibir], portanto sua matéria é falsa, é mentira. Já dei a versão de que não falei nada, eram oito participantes. […] Volta para eles e fala: vocês mentiram. Você não pode por uma notícia sem antes confirmar com os dois lados. Quando você coloca um lado só, você leva o leitor a ficar induzido por isso. Não custaria nada ter tido um pouco de paciência para ter a informação completa”.

O ministro alegou ainda que “nem soube dessa manifestação”.

QUEM?
Nesta quarta, Serra também se recusou a comentar as declarações do ex-assessor internacional de Dilma Rousseff Marco Aurélio Garcia (PT) que classificou de “medíocre e submissa” a visão do novo chanceler.

“Quem?”, reagiu Serra o ser questionado se teceria algum comentário sobre as críticas de Garcia. Ao ouvir novamente o nome completo do ex-assessor internacional, o ministro interino afirmou: “Não vou comentar o Marco Aurélio, tenha paciência”.

Em um vídeo no Facebook, Garcia disse que atuação do tucano à frente do Itamaraty reflete uma visão “medíocre, pequena, provinciana e conservadora”.

À frente do Itamaraty, Serra optou por priorizar acordos bilaterais. Assim, por ora, colocou em segundo plano as negociações multilaterais intensificadas nos governos de Dilma Rousseff e de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta