Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Sindicato da Polícia Civil divulga carta à população

0
“As delegacias assemelham-se às masmorras, policiais civis trabalhando em ambientes totalmente insalubres, sem local adequado ao atendimento do cidadão, que ficam expostos, isso é facilmente percebido por qualquer pessoa que comparece às unidades policiais do Estado”, esse é um dos tópicos que uma carta aberta divulgada pelo Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Rondônia – SINSEPOL, na última quarta-feira, relata as condições em que se encontra a segurança pública de Rondônia. Os policiais também questionam a falta de contingente para trabalhar e as “burocracias e embaraços” em relação as aposentadorias. Veja a íntegra da carta:

CARTA ABERTA À POPULAÇÃO RONDONIENSE

Os Servidores da Polícia Civil de Rondônia vêm a público repudiar as ações do atual Governo do Estado de Rondônia, principalmente porque suas atitudes não condizem com “a falsa” realidade que querem passar aos servidores e a população.

O Governo, mesmo sendo direito constitucional, alega não ter condições de fazer o reajuste inflacionário dos servidores públicos, mas possui recursos financeiros para aumentar o salário do governador e dos servidores abastados que recebem no seu teto, ocasionando um rombo de mais de 4 milhões de reais/mês. Não bastasse isso, acaba de enviar para a Assembleia Legislativa projeto para criar mais de 800 cargos, cujos salários chegam até 16 mil reais.

Destacamos a total ausência de políticas públicas destinadas à polícia judiciária, o que contribui sobremaneira para o retrocesso nas investigações de infrações penais, para o aumento dos índices de criminalidade, além do crescimento da sensação de insegurança em todo o Estado.

Quanto a este tópico, a Polícia Civil de Rondônia está na UTI, pois hoje está com um quadro altamente defasado, precisando, urgentemente, de 800 novos servidores. Em resposta à essa carência o governo de Rondônia faz um concurso ridículo de apenas 144 vagas, o que não resolve nem os problemas de contingente da metade das delegacias da capital do Estado, que já estão com vários setores fechados e outros prejudicados por falta de contingente. E mesmo assim, apesar de todos os 144 estarem aptos para realização de academia, não houve sequer a convocação, provando que o governo não está preocupado com a Segurança Pública.

As delegacias assemelham-se às masmorras, policiais civis trabalhando em ambientes totalmente insalubres, sem local adequado ao atendimento do cidadão, que ficam expostos, isso é facilmente percebido por qualquer pessoa que comparece às unidades policiais do Estado.

A total ausência de políticas públicas de valorização profissional, a exemplo do que vem ocorrendo devido a nenhuma providência prática no sentido de promover o encaminhamento dos projetos de lei do PCCS à Assembleia Legislativa e, muito menos, providências quanto ao pagamento dos precatórios e do adicional de insalubridade. Neste ponto, é necessário lembrar que quando este governo assumiu, éramos a quarta policia mais bem paga do Brasil. Agora, depois de apenas 4 anos, caímos para a 22ª colocação.

É preciso também esclarecer que os servidores da Polícia Civil não estão mais aguentando o descaso do governo. Muitos estão adoecendo, e pasmem, mesmo com o tempo fechado para a aposentadoria, não estão conseguindo este direito, pois o Estado tem criado burocracias e embaraços, tendo processos de aposentadoria, que é um direito natural do servidor, com mais de dois anos tramitando junto ao IPERON.

Diante dos fatos, denunciamos a precariedade a que são submetidos os profissionais de segurança da Polícia Judiciária, conclamando à sociedade para que conheça a realidade da Polícia Civil de Rondônia e apoie a nossa luta a fim de, no mínimo, sensibilizar e abrir os olhos do Senhor Governador do Estado, para que dê respostas efetivas para o fim desse quadro degradante, propiciando, assim, um serviço de segurança pública digno, que todo cidadão a que todo cidadão tem direito.

Comentários
Carregando