Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

SINSEPOL denuncia Confúcio Moura por improbidade administrativa

0

A denuncia foi protocolada na 20ª Promotoria de Justiça Curadoria da Segurança Pública do Ministério Público do estado de Rondônia.

O presidente do SINSEPOL (Sindicato dos Servidores da Polícia Civil do estado de Rondônia), Rodrigo Augusto Marinho, protocolou nesta última quinta-feira (28) uma denuncia de improbidade administrativa contra o governador Confúcio Moura (PMDB).

De acordo com o representante dos policiais civis, o ato improbo se deu em um decreto assinado pelo governador e publicado no Diário Oficial no dia 06 de junho de 2016. No Decreto 20.916 de 06 junho de 2016, o governador trata sob a disponibilização de materiais insalubres apreendidos durante as operações policiais e que acabam depositado nas delegacias, trazendo perigo aos servidores.

De acordo com a decisão, materiais como botijas de gás e gasolina, que não possua necessidade de pericia, devem ser encaminhados para órgãos estaduais que utilizarão os produtos para o desempenho de suas atividades, como a SEDUC e DER.

No último dia 25 de julho o Delegado Geral de Polícia Civil Eliseu Muller de Siqueira, emitiu uma portaria nas delegacias onde instruíam as novas regras de acomodações dos produtos apreendidos durante as operações policiais deflagradas pelos agentes de polícia civil.

A condenação por ato de improbidade administrativa pode levar à perda do mandado e dos direitos políticos por até 8 anos.

O presidente do SINSEPOL, alegou na denuncia que a determinação do governador fere a legalidade: “o Código Processual Penal em seu artigo 11 garante que os instrumentos do crime, bem como os objetos a quem interessarem à prova, acompanharão os autos do inquérito”, disse Rodrigo.

Para Rodrigo Marinho, essa normativa do governador foi elaborada com o interesse do poder executivo em retirar adicionais de insalubridades que esses servidores recebem. Muitos desses agentes só passaram a receber esse adicional após ação judicial, da gratificação que é de 30% do salário.

“Solicitamos ao MP que analise essa denuncia, pois não podemos aceitar que o poder executivo mude a legislação de forma inconstitucional no intento de retirar benefícios já conquistado pelos servidores, pois essa medida é uma clara tentativa de retirar o adicional de insalubridade e periculosidade recebido por esses se”, disse Rodrigo Augusto Marinho.

Denúncia Sinsepol
Denúncia Sinsepol

Denúncia Sinsepol 2

Denúncia Sinsepol 3

Denúncia Sinsepol 4

Denúncia Sinsepol 5

 

Comentários
Carregando