Sinsepol emite carta aberta à população repudiando ações do governo

O Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Rondônia – SINSEPOL, reeditou uma carta aberta à população de Rondônia repudiando as ações do governo do Estado em relação á categoria.

No documento, o sindicato afirma que a sensação de insegurança que prevalece atualmente é de responsabilidade do governo, que mantém” total ausência de políticas públicas destinadas à Polícia Judiciária, o que contribui sobremaneira para o retrocesso nas investigações de infrações penais, para o aumento dos índices de criminalidade”.

Veja abaixo a carta do Sinsepol:

CARTA À POPULAÇÃO

O Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Rondônia-SINSEPOL vêm a público REPUDIAR as ações do atual Governo do Estado de Rondônia, principalmente porque suas atitudes não condizem com “a falsa” realidade que quer passar aos servidores e a população.

O Governo, mesmo sendo direito constitucional, alega não ter condições de fazer o reajuste inflacionário dos servidores públicos, bem como o envio de plano de Carreira da categoria para a ALE/RO, mas possui recursos financeiros para enviar a Assembleia Legislativa projeto para criar centenas de cargos, cujos salários chegam até 16 mil reais.

Agora depois de 3 anos em busca do PCCS,  os servidores da Polícia Civil não estão suportando o descaso do Estado com a categoria, sobretudo após a desrespeitosa atitude do Governo que já descumpriu 4 prazos firmados, somente nos últimos 4 meses, chegando-se ao ápice da revolta, quando a categoria chegou no horário marcado, e se deparou com as portas fechadas na última reunião.

O pedido, formulado pelo Sinsepol, quanto ao plano de cargos, está dentro dos patamares da lei de Responsabilidade Fiscal e dentro das possibilidades de pagamento, haja vista que o Estado de Rondônia vem crescendo a cada semestre, e este ano todos os meses foram positivos e crescente, tanto é que, pela decisão recente do TCE/RO, o Governo deverá aumentar o repasse aos outros poderes.

É de se esclarecer que mesmo não estando com a devida valorização, sobretudo durante este Governo, a PC/RO já configurou em diversas ocasiões colocando em Destaque Nacional o Estado de Rondônia, como uma das três policias mais honesta do Brasil, além disto a média nacional de elucidação de crimes, é de 2 casos a cada 10, no Estado de Rondônia, mesmo com todas as mazelas e falta de reconhecimento do Governo, a estatística é de 7 a cada 10 casos.

Destacamos a total ausência de políticas públicas destinadas à Polícia Judiciária, o que contribui sobremaneira para o retrocesso nas investigações de infrações penais, para o aumento dos índices de criminalidade, além do crescimento da sensação de insegurança em todo o Estado.

Quanto a este tópico, a Polícia Civil de Rondônia está na UTI, pois hoje está com um quadro altamente defasado, precisando, urgentemente, de 800 novos servidores. Em resposta à essa carência o governo de Rondônia faz um concurso ridículo de apenas 144 vagas, o que não resolve nem os problemas de contingente da Central de Flagrantes, nesta capital. E mesmo assim, a falta do cumprimento do acordo, que cria a carreira policial, está sendo o principal motivo das evasões, destes 144 acadêmicos, dezenas já pediram desligamento ainda na Academia de Polícia.

E pasmem, mesmo com o tempo fechado para a aposentadoria, os policiais civis, não estão conseguindo este direito, pois o Estado tem criado burocracias e embaraços, tendo processos de aposentadoria, que é um direito natural de qualquer servidor, com mais de dois anos tramitando, junto ao Instituto de Previdência do Estado, somado a isto aqueles que contam com o tempo fechado e querem permanecer trabalhando, o Estado tem tolhido o direito a percepção do Abono de Permanência, outro direito constitucional.

As delegacias assemelham-se às masmorras, policiais civis trabalhando em ambientes totalmente insalubres, sem local adequado ao atendimento do cidadão, que ficam expostos, isso é facilmente percebido por qualquer pessoa que comparece às unidades policiais do Estado.

Quanto a valorização profissional, é necessário lembrar que quando este governo assumiu, em 2011, estávamos, segundo estatísticas da Confederação Brasileira dos Policiais Civis do Brasil-COBRAPOL, uma das Policias mais bem paga do Brasil. Agora, depois de apenas 6 anos, despencamos para a 19ª colocação, só não sendo o pior salário do Brasil, por uma média de 300,00.

Entre os Estados da Região Norte, de Amapá, Tocantins e Roraima, mesmo com o PIB menor, a Polícia Civil está com seus salários, acima do Estado de Rondônia.

Diante dos fatos, denunciamos a precariedade a que são submetidos os profissionais de segurança da Polícia Judiciária, conclamando a sociedade para que conheçam a realidade da Polícia Civil de Rondônia e apoiem a nossa luta a fim de, no mínimo, sensibilizar e abrir os olhos do Senhor Governador do Estado, para que dê respostas efetivas para o fim desse quadro degradante, propiciando, assim, um serviço de segurança pública digno, a que todo cidadão tem direito.

News Reporter
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta