• Homepage
  • >
  • Brasil
  • >
  • STF decide investigar vazamento da Lista de Fachin

STF decide investigar vazamento da Lista de Fachin

STF decide investigar vazamento da Lista de Fachin

Presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia quer saber como imprensa obteve documentos assinados por Fachin; preocupação é com segurança de sistema.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, determinou nesta quarta-feira que seja aberta uma comissão de sindicância para esclarecer a divulgação de atos processuais do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte. A relação de inquéritos abertos a partir das delações de 78 executivos e ex-executivos da construtora Odebrecht atingiu a elite política de Brasília e ganhou o nome de “Lista de Fachin”.

Os documentos foram assinados eletronicamente pelo ministro Edson Fachin no dia 4 de abril, vindo a público uma semana depois pela imprensa. Na relação, entre inquéritos instaurados, pedidos repassados para outras instâncias e solicitações à Procuradoria-Geral da República (PGR), nove ministros do governo Temer, os presidentes da Câmara e do Senado e lideranças do governo e da oposição.

Os vazamentos foram discutidos ao longo dos últimos dias entre a ministra Cármen Lúcia, Fachin e o secretário de Tecnologia da Informação do STF, Edmundo Veras dos Santos Filho. Uma das preocupações é com a segurança do sistema. A comissão de sindicância deverá entregar seu relatório em 30 dias.

O grupo será composto pelo assessor-chefe da assessoria processual da presidência, Rodrigo Abreu Martins de Lima, pela secretária de segurança, Regina Alencar Machado da Silva, e pelo coordenador de engenharia de software, Júlio Cesar Gomides de Almeida.

Em declaração enviada à imprensa, a presidente do Supremo “julgará os processos da Lava Jato que são de sua competência independentemente de qualquer percalço ou tentativa de atraso, honrando a responsabilidade jurídica e a importância histórica que a guarda da Constituição lhe confere”.

Fonte: veja.com

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Anterior «
Próximo »

Deixe uma resposta

Direto de Brasília