A superlua e o novo prefeito – por Professor Nazareno

Em Artigos
Meus pêsames, Dr. Hildon! - Professor Nazareno

Nelson Rodrigues disse certa vez que, por causa da democracia, o mundo seria governado por idiotas. Não por competência, claro, mas por que eles são a maioria. E idiotas infelizmente é o que não falta em Porto Velho e também no Estado de Rondônia inteiro. Acredita-se que em torno de oitenta por cento dos nossos cidadãos eleitores sejam perfeitos idiotas: não têm leitura de mundo, não têm escolaridade, geralmente nada leem, são despolitizados, votam quase sempre como uma “Maria vai com as outras”, não enxergam um palmo diante do nariz e obviamente não sabem escolher corretamente seus representantes. Senão vejamos: o que esperar de uma população de eleitores que vota em Roberto Sobrinho e o elege duas vezes seguidas, em Mauro Nazif e uma Câmara de Vereadores de Porto Velho como a que “está saindo do forno” agora?

Pior: quase 150 mil pessoas votaram em Hildon Chaves e o elegeram para prefeito da capital dos “destemidos pioneiros” achando que estavam fazendo uma grande coisa para a sua imunda, fedorenta, suja e descuidada cidade. O Dr. Hildon do PSDB não acreditava que pudesse ganhar um pleito já na primeira eleição. Chegou inclusive a admitir esta possibilidade quando o Ibope errou feio ainda no primeiro turno. “Esperava um terceiro ou um quarto lugar”, disse o novo prefeito desta capital. Estreante na política, o ex-promotor público queria apenas lançar seu nome entre os eleitores para, futuramente, talvez se candidatar com êxito para deputado federal ou mesmo senador da República. Só que deu azar: foi eleito, para sua surpresa e espanto. Ninguém em sã consciência quer ser prefeito daqui. Mariana Carvalho que o diga.
Ser prefeito de Porto Velho é uma maldição que muita gente quer evitar, pois quase todos os últimos administradores caíram no ostracismo e praticamente morreram politicamente. A capital das “sentinelas avançadas” destrói a carreira política de qualquer um. A cidade, cujo protetor é o Satanás, não tem mais jeito. E até agora ninguém descobriu como quebrar o miserável encanto. Até a superlua não deu certo por estas bandas. Como única atração turística da cidade escura, o macabro fenômeno encantou a matutos e beiradeiros e só serviu para iluminar a desnecessária e também escura ponte e também a entrada (e a saída) da cidade nas imediações dos tortos viadutos ainda inacabados. Pela primeira vez “deu-se à luz” por aquelas bandas que imitam o breu. Muitos incautos disseram que o fato já pode ser obra do novo prefeito.

Disseram que a lua estava maior e por isso, mais bonita, brilhosa e encantadora. Muitos trouxas acreditaram na lorota e ficaram horas a esmo de “cara pra cima” observando o ridículo fenômeno que de novo não tinha absolutamente nada. A mesma lua, nem maior nem menor, voltará com o mesmo brilho nos meses seguintes. Mas os tolos portovelhenses acreditaram e ainda juram que viram uma lua maior do que o normal. Assim como acreditaram também nas “poesias” toscas do candidato tucano recém-eleito. E ainda continuam acreditando. “Na minha administração só terá fichas limpas”, alardeou convicto o novo prefeito como se o seu chefe de transição não fizesse parte da nova administração da capital da fedentina. Não creio que a superlua e muito menos o novo mandatário possam resolver os problemas de Porto Velho, que nasceu para ser a latrina do Brasil. Mas tomara que o tucano brilhe muito mais do que essa lua.
*É Professor em Porto Velho.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

Leia também!

Sindicato não pode cobrar honorários advocatícios de sindicalizado

Sindicato precisa de autorização para representar filiado na Justiça, fixa STJ

Os sindicatos precisam de autorização expressa de seus filiados para os representarem junto à Justiça. A jurisprudência do Superior

Read More...
WhatsApp Web lança atualização que afeta layout e GIFs; entenda

Mensagens difamatórias em grupo geram indenização

Rapaz pagará R$ 10 mil a mulher por ofensas. A 8ª câmara de Direito Privado do TJ/SP manteve sentença

Read More...
A ética nas empresas não se limita a um manual de boas práticas, diz Andreas Pohlmann

A ética nas empresas não se limita a um manual de boas práticas, diz Andreas Pohlmann

Andreas Pohlmann, um dos maiores especialistas em ética empresarial no mundo, fala sobre o combate à corrupção corporativa no

Read More...

Deixe uma resposta

Menu slide para smartphones