fbpx
Temer cobra ministros para tentar derrubar denúncia e aprovar reformas

Na reunião de emergência convocada para a noite desta quarta-feira (5/7) no Palácio do Planalto, com 22 ministros e representantes dos titulares de pastas que não estavam em Brasília, o presidente Michel Temer (PMDB) cobrou de todos que trabalhem junto às suas bancadas para garantir os votos para derrubar, na Câmara, a denúncia apresentada contra ele pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. “Agora, é um momento em que todos têm de dar provas efetivas do seu engajamento”, cobrou o presidente, de forma enérgica, conforme relatou um dos ministros presentes.

Temer quer que todos ajam para mostrar que o governo não está parado, como ele mesmo está tentando assegurar, ao embarcar para a Alemanha nesta quinta (6), para a reunião do G-20. A reunião foi convocada no mesmo dia em que o presidente apresentou, no Congresso, sua defesa à denúncia de Janot. Temer quer apoio não só político para derrubar a peça de acusação, mas também para garantir votações importantes, como a reforma trabalhista, que considera fundamental para dar um “fôlego político” ao seu governo.

Ao pedir o engajamento total de cada um, Temer lembrou que, como eles são ministros políticos, têm de trabalhar junto a seus partidos para garantir os votos que o governo precisa para ter continuidade. Lembrou que os ministros são “lideranças expressivas” das suas legendas e que, portanto, “têm autoridade política para cobrar o partido”.

Os recados foram dirigidos principalmente ao PSDB, que tem sete votos na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, onde a denúncia será analisada antes de ir ao plenário. Estima-se que apenas um tucano votará a favor de Temer no colegiado, apesar de o partido contar com quatro ministros no governo.

O presidente quer reduzir ao mínimo possível o número de traições. Para isso, pediu que todos passem a agir efetivamente desde já para tentar conquistar votos para barrar a denúncia, seja na CCJ, seja no plenário. O governo estima ter 34 dos 66 votos na comissão assegurados — apenas um acima do necessário. Com o argumento de que as provas são “frágeis”, o Planalto espera convencer os parlamentares a votarem contra a denúncia.

Segundo relato de outro presente no encontro, Temer fez muitas críticas ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Fonte: metropoles.com

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Deixe uma resposta