Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Teste da pílula do câncer deve ser adiado pela terceira vez

0

PDT Pharma já descumpriu 3 vezes prazo de entrega das certificações

Previstas para ter início no primeiro trimestre deste ano, as pesquisas clínicas da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo com a fosfoetanolamina sintética, conhecida como “pílula do câncer“, deverão ser adiadas pela terceira vez.

A causa são os atrasos no envio de informações pelo laboratório PDT Pharma, escolhido pelos criadores da substância como o responsável pela produção do item.

Conforme previsto em contrato com a secretaria, o laboratório deveria produzir a fosfoetanolamina sintética em pó para que ela fosse apenas encapsulada pela Fundação para o Remédio Popular (Furp), unidade pública, e, então, usada nos testes em pacientes recrutados pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp).

O pó foi produzido e entregue à Furp, mas o laboratório não repassou à secretaria as informações necessárias para o encapsulamento, como as concentrações da substância no produto em pó e a quantidade de fosfoetanolamina que cada cápsula deve conter, entre outras especificações.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, David Uip, o PDT Pharma já descumpriu três vezes o prazo de entrega das certificações. A terceira data combinada com a empresa venceu nesta quarta-feira, 29. “É um negócio que está me preocupando muito, estamos com uma marcação muito próxima no laboratório. A Furp está pronta para encapsular e o Icesp está preparado para começar imediatamente os testes”, disse o secretário.

Impossível

Uip disse que é “impossível” começar as pesquisas sem essas informações. “Não dá para dar um passo à frente sem essas certificações. Elas são fundamentais e necessárias para a segurança dos voluntários. Você adicionar uma variável sem o devido conhecimento é impensável.”

Enquanto isso, a Furp é alvo de centenas de mandados judiciais de busca e apreensão em nome de pacientes com câncer que querem ter acesso à substância. “Já fomos obrigados a fornecer mais de dois quilos da fosfoetanolamina em pó, sem qualquer critério. Sabemos que há 800 ações em andamento”, afirmou o secretário. Segundo informações da PDT Pharma, dois quilos da substância seriam suficientes para a confecção de 4 mil cápsulas.

Questionado sobre o atraso, o diretor do laboratório, Sergio Perussi, afirmou que o PDT Pharma aguardava um laudo de teor da substância que estava sendo produzido externamente, por uma empresa especializada nesse tipo de análise.

Segundo Perussi, o laudo foi finalizado na quarta-feira, 29, e o laboratório iria informar a Furp e o governo do Estado sobre a conclusão do documento. “Essa substância (fosfoetanolamina) não tem padrão de análise, é inovadora. Isso tem exigido uma série de experimentos novos para o seu entendimento analítico. Assim, não é o PDT Pharma que está atrasando, mas a empresa que analisa a substância.

O produto está pronto desde 2 de maio aguardando essas análises para atender às normas da Anvisa para medicamentos a serem usados para estudo clínico. Tudo isso faz parte do processo natural e regulamentar”, afirmou o diretor.

Com informações do Estadão Conteúdo.

Comentários
Carregando