URGENTE: Nova rebelião Manaus, presos arrancaram coração de colegas; familiares protestam

Em Brasil

Movimentação de detentos começou por volta das 3h no horário local; quatro foram mortos

Quatro pessoas foram mortas durante uma rebelião na Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro de Manaus, neste domingo (8), segundo o secretário de Administração Penitenciária do estado, Pedro Florêncio. Dois dos  quatro mortos em rebelião na Cadeia Pública Raimundo Vidal Pesso, na madrugada deste domingo, um foi queimado vivo e dois tiveram o tórax aberto e o coração arrancado.

A movimentação dos detentos começou por volta das 3h do horário local (5h de Brasília). Inicialmente, o secretário havia informado cinco mortes, mas depois revisou o número para quatro.

Em nota, o Comitê de Gerenciamento de Crise informou que os presos iniciaram uma briga por motivo desconhecido. Quatro foram mortos pelos próprios internos. Das vítimas, três foram decapitadas e uma foi morta por asfixia.

A situação neste momento é considerada estável e com policiamento reforçado pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar. As mortes serão investigadas, segundo o Comitê.

Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML), para identificação. Ainda de acordo com o secretário, está sendo realizada uma contagem dos presos. Os mais de 280 detentos instalados na unidade passaram por uma revista após a rebelião.

Fora da Cadeia Pública, familiares iniciaram um tumulto em busca de informações sobre os detentos. O Batalhão de Choque interveio com spray de pimenta.

Ainda neste domingo (8), a asessoria do Ministério da Justiça informou que o titular da pasta, Alexandre de Moraes, autorizou o envio de apoio federal para atender a pedidos dos governos de Amazonas, Rondônia e Mato Grosso. Os três estados solicitaram ajuda da União para conter a crise penitenciária e modernizar as penitenciárias locais.

O Ministério da Justiça disse ainda que o governo amazonense solicitou “ajuda imediata” da Força Integrada de Atuação do Sistema Penitenciário. Ainda de acordo com a assessoria da pasta, os pedidos encaminhados por Manaus já foram autorizados por Moraes, “dentro dos termos legais”.

Tumulto na sexta
A penitenciária é a mesma que recebeu detentos transferidos após o massacre em presídios que resultou na morte de 60 pessoas. Houve tumulto no local na tarde desta sexta-feira (6). De acordo com a Polícia Militar, os presos reclamam da estrutura do lugar, que abriga mais de 200 na capela e na enfermaria da unidade prisional.

Na ocasião, detentos queriam ir para o raio B, uma das alas da cadeia que tem 24 celas. As secretarias de Segurança Pública e de Administração Penitenciária e membros da Defensoria Pública do Estado foram até a cadeia para conversar com os detentos após a confusão.

O secretário de Segurança Pública do estado, Sérgio Fontes, informou na sexta que os presos concordaram em permanecer onde estavam alojados até o término de obras, que estão sendo feitas nas celas do presídio.

Estrutura deteriorada
O número de presos transferidos para a cadeia pública chegou a 284. O local foi desativado em outubro de 2016 por recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e foi alvo de críticas do Ministério Público do Amazonas (MP-AM).

A Cadeia Vidal Pessoa foi reaberta na segunda-feira (2) para a acomodação de presos ameaçados de morte pela facção criminosa Família do Norte (FDN), apontada como responsável pelas 56 mortes no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), na semana passada. A medida foi adotada de modo emergencial para “preservar vidas”, segundo Fontes.

Devido ao abandono do prédio, o local está com estrutura deteriorada, incluindo as celas, que contém restos de obras e entulho. O procurador geral do MP, Pedro Bezerra, fez uma visita ao local na quarta-feira (4). Segundo ele, os presos “estão muito amontoados porque as outras partes [da cadeia] não estavam em condições de recebê-los”.

Familiares fazem protesto após mortes em cadeia reativada

Familiares de detentos abrigados na Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro de Manaus, iniciaram uma manifestação, na manhã deste domingo (8), em frente a unidade prisional. O local foi palco de uma rebelião durante a madrugada, que deixou quatro mortos.

O tumulto de famílias iniciou por volta de 8h. Dezenas aguardavam em frente ao local em busca de informações sobre os presos e a situação dentro da cadeia após a rebelião.

Revoltados com a falta de informação, os manifestantes tentaram bloquear a Avenida Sete de Setembro, onde o presídio fica localizado. A polícia e agentes de trânsito bloquearam ruas no entorno da cadeia por segurança.

O Batalhão de Choque está no local para conter a movimentação. Em um momento do tumulto, os policiais usaram spray de pimenta para dispersar o grupo.

O grupo fez ainda uma roda de oração enquanto aguardava por informações de parentes presos na cadeia pública. “A gente não teve notícias de quem estava aqui, e nem de quem tinha morrido. Aqui não tem segurança. Esse prédio é velho, essa situação é horrível. Não sabemos ainda quem morreu hoje. A gente só pode pedir a Deus mesmo pela segurança deles”, disse uma mulher, que não quis ser identificada.

A movimentação dos detentos na Vidal Pessoa começou por volta das 3h do horário local (5h de Brasília). Inicialmente, o secretário havia informado cinco mortes, mas depois revisou o número para quatro.

Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) para identificação. A Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros estão no local. Ainda de acordo com o secretário, está sendo realizada uma contagem dos presos. Ele informou que a situação está controlada dentro da unidade.

Com informações do G1

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

Leia também!

Estado tem responsabilidade civil sobre morte de detento por overdose

Em janeiro de 2016, quase 2 mil pessoas estavam presas ilegalmente no Rio

No entanto, a ministra Rosa Weber pediu vista do processo, que ainda não voltou a ser analisado pela corte.

Read More...
Sindicato não pode cobrar honorários advocatícios de sindicalizado

Sindicato precisa de autorização para representar filiado na Justiça, fixa STJ

Os sindicatos precisam de autorização expressa de seus filiados para os representarem junto à Justiça. A jurisprudência do Superior

Read More...
WhatsApp Web lança atualização que afeta layout e GIFs; entenda

Mensagens difamatórias em grupo geram indenização

Rapaz pagará R$ 10 mil a mulher por ofensas. A 8ª câmara de Direito Privado do TJ/SP manteve sentença

Read More...

Deixe uma resposta

Menu slide para smartphones