Veja 9 carros que em breve vão sair de linha

Haverá despedidas importantes do mercado automotivo este ano. Alguns modelos, veteranos, darão adeus e abrirão passagem para novos projetos. Outros saem de cena apenas para gerações mais novas, mais modernas, menos poluentes e mais mais econômicas. Alguns, por sua vez, serão aposentados devido ao baixo retorno nas vendas. Confira, aqui, a lista dos nove carros que, em breve, só será possível comprá-los como seminovos.


Chevrolet Captiva

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

O utilitário-esportivo praticamente sumiu das ruas e não aparece nem entre os 40 SUVs mais vendidos do país. Por isso, a Chevrolet tratou de arranjar um substituto. O Equinox chegará no último quadrimestre. Por sinal, mostramos a apresentação dele no Salão de Buenos Aires.


Fiat Punto

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

O fim do Punto no Brasil foi decretado com a chegada do Argo. Nas lojas, só tem sobra de estoque (desde janeiro, não é mais produzido em Betim, Minas).


Hyundai Tucson

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

Com a chegada do Creta, que já é o terceiro SUV compacto mais vendido no país, a saída de cena do Tucson é certa. O modelo emplaca quase um décimo do irmão caçula. A primeira geração do modelo estreou no Brasil em 2005 e, atualmente, ele convive com as duas outras gerações do carro: o ix35 e o New Tucson.


Hyundai i30

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

O hatch médio que foi líder de vendas quando chegou ao Brasil e ajudou a projetar a marca da Hyundai terá um fim melancólico em solo brasileiro. O Grupo Caoa, responsável por importar os modelos da marca sul-coreana, interrompeu a vinda do modelo sem previsão de retorno. Lá fora, a nova geração do carro já estreou, mas com remotas chances de desembarcar em solo nacional. Quem sabe, a partir do próximo ano quando o peso do ‘Super IPI’ acabar.


Volkswagen Tiguan

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

A geração antiga do Tiguan ainda é vendida no Brasil – talvez pela sobrevida que teve com a versão 1.4 TSI. Mas está com os dias contados, embora, no exterior, já tenha sido atualizado, mas com produção restrita à Europa. Para cá, teremos o modelo que ainda será feito no México. A importação do Tiguan 2.0 foi encerrada já de olho na Tiguan Allspace, versão de sete lugares que estreia no Brasil em 2018.


Fiat Palio

 

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

A estreia do Argo irá canibalizar as versões mais caras do Novo Palio. Assim, a Fiat irá retirá-las do mercado, mantendo apenas as configurações mais em conta. O Palio que vende, na verdade, é com o motor 1.0 Fire, que por sua vez saiu de fininho com o lançamento do Mobi no fim do ano passado. Atualmente sua venda está restrita a encomendas feitas por frotista, porém vai se aposentar de vez.


Nissan Altima

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

O sedã grande da Nissan chegou em 2013 com uma tabela abaixo de R$ 100 mil à época – preço inferior a boa parte das versões topo de linha de modelos médios. O Altima traz atrativos como dimensões maiores, requinte da cabine e motor forte (2.5, de 182 cv), porém não conquistou o público brasileiro.


Chery Tiggo

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

O utilitário já não aparece mais no site da marca chinesa. Ele dará lugar para o Tiggo 2, que estreia em breve. Oferecido por aqui desde 2013, o SUV foi o primeiro chinês com câmbio automático no Brasil, chegando a ser o modelo mais barato nesse segmento. O Tiggo 2, que é um crossover, será construído sobre a mesma plataforma do Celer na fábrica de Jacareí (SP).


Mitsubishi Lancer

Foto: DivulgaçãoFOTO: DIVULGAÇÃO

O fim está previsto para agosto, sem deixar sucessor. A marca pretende concentrar as forças no segmento de SUVs, considerado mais lucrativo e promissor. Não à toa, a Mitsubishi desenvolve uma nova linha de crossovers de tamanhos compacto e médio, com lançamentos no exterior programados para este ano.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta