fbpx
Vídeo 360 graus mostra superlotação dos presídios brasileiros; assista

Um vídeo produzido pela Rede Justiça Criminal, formada por oito organizações não governamentais, mostra a realidade das celas dos presídios brasileiros: a superlotação.

A gravação em 360 graus, que foi filmada em uma reconstituição de cela com figurantes e duas pessoas que já haviam passado pelo cárcere privado, faz parte da campanha “Encarceramento em Massa não é Justiça”, que busca assinaturas para cobrar a adoção de políticas públicas para os problemas no sistema prisional.

Nos últimos 14 anos, o número de presos no sistema penitenciário do Brasil cresceu 167%, de acordo com o último levantamento do Ministério da Justiça, divulgado no final de 2016 com dados de 2014.

O problema é que os presídios brasileiros possuem apenas 371,8 mil vagas, mas abrigam, com sufoco, mais de 622,2 mil presos.

“Vinte e cinco pessoas vivendo dentro desse lugar aqui. Talvez um cachorro lá na rua tenha mais espaço do que a gente”, diz um dos egressos no vídeo.

Em menos de 48 horas, a gravação publicada na página do Facebook da ONG Conectas Direitos Humanos, que faz parte da organização, somou mais de 7,8 milhões de visualizações e 48,7 mil compartilhamentos na rede social.

A campanha também criou um site com histórias reais e dados sobre as prisões brasileiras.

Crise dos presídios

Já em janeiro deste ano, o Brasil enfrentou uma forte crise nas penitenciárias do país. Com mais de 130 mortos, os confrontos dentro dos presídios superaram até o massacre do Carandiru, em 1992, quando uma intervenção da Polícia Militar de São Paulo deixou 111 presos mortos.

A crise colocou em debate as elevadas taxas de superlotação nas cadeias.  O levantamento do Ministério da Justiça, porém, traz uma pista sobre como reduzir o problema.

Em dezembro de 2014,  quando foi feito o estudo, o Brasil operava com uma taxa de ocupação de 67% acima de sua capacidade máxima. Naquele momento,  a quantidade de presos provisórios (que ainda não tinham sido julgados) era equivalente ao tamanho do déficit de vagas no sistema prisional: exatamente 249.668 detentos estavam nessa situação.

Especialistas sugerem, no entanto, que nem todos presos provisórios precisariam estar nessa condição.

Uma medida para reduzir o volume excessivo de prisões preventivas e suas consequências desastrosas para o sistema carcerário é elevar o número de audiências de custódia. Lançado em 2013 pelo Conselho Nacional de Justiça, o projeto garante que um preso em flagrante seja apresentado a um juiz em menos de 24 horas.

Ao menos quatro estados brasileiros poderiam praticamente zerar o problema da superlotação carcerária se reduzissem pela metade o número de presos provisórios.

Veja o mapa da superlotação dos presídios brasileiros.

Fonte: exame.com

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Deixe uma resposta