Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Vídeo que mostra carro forte explodido não é de assalto, e sim de acidente

0

Um vídeo que mostra um carro forte da empresa Proforte, de São Paulo e vem circulando em grupos de Whatsapp atribuiu a situação a um assalto, onde bandidos teriam usado uma “bazuca” na ação, é completamente falso. O trecho que está sendo compartilhado mostra um funcionário da empresa dentro de um carro forte completamente destruído, agonizando e pedindo socorro.

Normalmente o vídeo vem acompanhado dos dizeres, “Assalto a carro forte com BAZUCA, em Apucarana/PR. Que barbaridade! Como sabem, a bazuca é uma arma antitanque. A polícia, também, não tem blindagem para se proteger dessa arma. As cenas são fortes.  Polícia desacreditada pelo próprio estado e marginais alcançando níveis bélicos de guerra. Estão aí, trabalhadores estraçalhados e agonizando no interior do carro forte.
E ONGs e ORGs de direitos “humanos” preocupadas com os métodos com que a polícia pode interrogar esse VERME, que foi preso com a bazuca” e mostram uma foto de uma pessoa presa, atribuindo a ela a responsabilidade do suposto assalto.

Na verdade as cenas são de um acidente ocorrido em 2013, na rodovia PR-466, próximo a cidade de Turvo, na qual três pessoas morreram. A batida envolveu um caminhão Scania R440, placas de Londrina, conduzido pelo caminhoneiro Odinei Camargo Guimarães, 26 anos, e carro forte da empresa Proforte de São Paulo, dirigido por Júlio César Nogueira, 33 anos. Segundo testemunhas, o acidente aconteceu por volta 17h10, a 8 quilômetros da cidade de Turvo. O caminhão Scania seguia sentido Pitanga, enquanto o carro forte no sentido Guarapuava. Ambos bateram de frente em um aclive.

Com o impacto, o tanque de combustível explodiu e destruiu o caminhão, que estava carregado com soja.

Duas pessoas morreram no local: o motorista da Scania, Odinei Guimarães, que morava em Pitanga; e um dos ocupantes do carro forte, Ivan Roberto Silvério, 32 anos.

O motorista do veículo de transporte de valores, Júlio Nogueira, morreu na manhã seguinte, em um hospital de Guarapuava.

Veja a reportagem sobre o acidente:

Abaixo, o vídeo sobre o suposto assalto. Observe que o número do carro forte é o mesmo do acidente.

Comentários
Carregando