Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Youtuber Kéfera é condenada a pagar R$ 25 mil por incitar ataques a taxista em vídeo

Segundo o processo, a discussão teve início porque o motorista a proibiu de comer marmita dentro do veículo, durante a corrida

0

A youtuber Kéfera foi condenada a pagar R$ 25 mil de indenização a um taxista por divulgar um vídeo no qual discutia com o motorista, além de expor seus dados pessoais. Para o juiz Jair de Souza, da 1ª Vara Cível de São Paulo, a reação da autora do vídeo foi desproporcional e inconsequente, uma espécie de “vingança privada”.

O caso aconteceu em julho de 2015, quando Kéfera — que possui mais de 10 milhões de inscrito em seu canal no YouTube — discutiu com o motorista de táxi. Segundo o processo, a discussão teve início porque o motorista a proibiu de comer marmita dentro do veículo, durante a corrida.

Em meio à discussão, ela sacou o celular e começou a filmá-lo e o motorista fez com que ela descesse do veículo. A youtuber então continuou o vídeo expondo os dados do motorista, inclusive seu número de telefone, e pedindo para que seus seguidores o denunciassem no Departamento de Transportes Públicos (DTP).

Na ação, o motorista afirmou que após o ocorrido recebeu mais de 5 mil ligações e mensagens, inclusive algumas em tom de ameaça de agressão e inclusive de morte. Com isso, precisou trocar de número, além de ter suas chamadas pelo aplicativo de táxi suspensas. Além de pedir indenização por danos morais, o motorista pede também que o Google seja obrigado a excluir os links com os vídeos.

Por entender que a reação de Kéfera foi desproporcional à discussão, o juiz Jair de Souza condenou a youtuber. O juiz destacou que ela é seguida por milhões de pessoas e, por ter esse papel de destaque na mídia, implica o uso com responsabilidade de sua imagem.

“O uso inconsequente destas vias para macular a honra e a imagem do requerente implicou em transtornos que em muito extrapolam a esfera do dissabor, a ponto de criar uma verdadeira onda de ódio e perseguição a sua pessoa, principalmente no ambiente em que aufere renda e sustento”, afirmou o juiz.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO CONJUR

Comentários
Carregando