Vítima de latrocínio na Zona Leste

latrocinio15A tarde desta sexta-feira (01) foi marcada pela violência na zona leste da Capital. O trabalhador identificado como sendo Aldivan dos Santos Silva, 49 anos, foi morto durante um assalto, na Rua Tereza Amélia, Bairro Mariana.

Segundo informações, Aldivan, que é chefe de manutenção de uma empresa de ônibus coletivo na Capital, estaria indo almoçar em casa em uma motocicleta HONDA NXR Broz de cor vermelha, quando dois homens se aproximaram e anunciaram o assalto. Os suspeitos foram identificados como sendo Welliton Gomes da Silva, 18 anos e Luiz Gonzaga Cunha Neto, 19 anos.

A vítima reagiu, segurando o revólver pelo cano e, durante luta corporal a arma disparou e um dos assaltantes foi atingido na mão esquerda. Posteriormente, Luiz conseguiu se desvencilhar da vítima e disparou contra o rosto de Aldivan. Após isto, a dupla fugiu em uma bicicleta, tomando rumo ignorado.

latrocinio5
Luiz Gonzaga, foi ferido durante o assalto na mão esquerda.

A vítima foi socorrida às pressas e encaminhada para a UPA da Zona Leste, localizada na Avenida Rio de Janeiro com Rio Madeira, mas, devido a gravidade dos ferimentos causados pelo tiro, Aldivan não resistiu e morreu.

Várias guarnições da Policia Militar realizaram diligências pelas redondezas no intuito de localizar os meliantes. Em dado momento, uma guarnição fora informada por populares, sobre um rapaz que estava correndo na rua com a mão ensanguentada e pedindo ajuda. Os policiais então conseguiram localizar e prender primeiramente Luiz Gonzaga. Durante a prisão de Luiz, sua mãe passou a proferir diversas palavras de baixo, inclusive agrediu alguns policiais, sendo contida e presa, por desacato à autoridade.

Após questionamentos, Luiz revelou quem era seu comparsa e indicou aos policiais onde o mesmo estaria escondido. Realizada diligência, os PMs conseguiram prender o outro acusado, Welliton. Perguntado sobre onde estaria a arma do crime, ele alegou que a teria jogado em uma vala, ali próximo, mas na verdade, a arma estava escondida dentro de uma residência localizada na Rua Larimar, ainda no Bairro Mariana.

latrocinio2
Welliton Gomes, comparsa de Luiz Gonzaga.

Trata-se de um revólver calibre 38 com uma munição intacta e cinco deflagradas. O proprietário da casa onde estava escondida a arma também foi preso, pois segundo os policiais, ele deu cobertura ao suspeito, escondendo a arma na tentativa de complicar o trabalho da policia.

Após colhidos os dados, todos foram encaminhados à central de policia para prestar esclarecimentos ao delegado plantonista.

Veja mais fotos:

latrocinio1

latrocinio6

latrocinio13

latrocinio14

Fonte: ImagensNews

Descubra qual a música mais deprimente do mundo, culpada de 100 suicídios

Um compositor húngaro chamado Reszo Seress escreveu, em 1933, uma música chamada Gloomy Sunday – Domingo Sombrio em tradução livre – que está relacionada a pelo menos cem suicidios ao redor do mundo e ficou conhecida como “música húngria suicida” no seu país de origem.

REZSO

Seress foi um compositor que lutou para viver de sua música e, no ano de 1933,  teve problemas em seu relacionamento e foi deixado pela namorada. Na época, o compositor entrou em um momento depressivo de sua vida e Gloomy Sunday foi escrita como forma de desabafo.

A angustia de Rezso só aumentou quando a música não emplacou quando foi lançada e sim alguns anos depois, quando regravada por Pál Kálmar. Após a regravação, vários suicídios começaram a acontecer na Hungria e todos relacionados à música e, graças a isso, a canção teve sua reprodução proibida.

Apesar da censura, em 1036 a música já tinha sido traduzida e regravada para o inglês. Em 1941, Billie Holliday regravou a canção w os Estados Unidos não impediu que o sucesso fosse divulgado, mesmo que anos antes a BBC tivesse considerado a música triste demais para ser reproduzida.

BH

SUICÍDIO DO MÚSICO

Seress foi capiturado e enviado a um campo de concentração na Segunda Guerra Mundial, porém conseguiu fugir. Após isso, dedicou tempo ao teatro e o circo, mas nenhuma de suas músicas chegaram a fazer sucesso novamente.

Depois de se tornar mundialmente conhecido, Rezso tentou reconciliar-se com a ex-namorada, a mesma que inspirou a triste música, porém ficou sabendo que ela havia cometido suicídio por envenenamento e, ao lado dela, a letra de sua música estava escrita em uma folha de papel.

No ano de 1968 o compositor pulou da janela do prédio onde morava e deixou um bilhete onde falava o seguinte sobre a música “essa fama fatal me machuca. Eu chorei todas as tristezas de meu coração nessa música e parece que outras pessoas, com sentimentos como os meus, encontraram sua própria dor”.

Abaixo a música, com legenda em português, cantada por Billie Holliday.

Sem vaga para a mãe com câncer, mulher dá tapa na cara de prefeito

tapa_na_cara_prefeito_dumont_mae_cancer_01_foto_weber_sianUma mulher agrediu, com um tapa na cara, o prefeito de Dumont (SP), Adelino da Silva Carneiro (PSD), na tarde de terça-feira (31), alegando ter sido ofendida pelo chefe do Executivo por reivindicar melhor atendimento para a mãe com câncer. Janete Dutra, de 48 anos, afirma que Maria de Lourdes Oloco Camargo, de 78 anos, ficou por mais de 12 horas sem receber atendimento e que foi tratada com descaso. Em nota, a Prefeitura informou que a agressão ao prefeito não teve justificativa e que o atendimento foi oferecido à paciente. Segundo a Policia Civil, a mulher e o prefeito registraram boletim de ocorrência e ainda serão ouvidos.
Janete relata que foi até a Prefeitura na terça-feira depois que o caso de sua mãe, com câncer de laringe há três anos e problemas pulmonares há quatro anos, foi encarado, segundo ela, com descaso pela unidade mista de saúde da cidade. Ao cobrar melhor atendimento, ela alega ter sido recebida com ofensas pelo prefeito. “Ele me atendeu na varanda da Prefeitura. Depois da conversa, eu já estava indo embora quando ele me chamou de vagabunda. Perguntei: ‘o que você falou?’. Ele disse de novo: ‘vagabunda!’. Aí eu dei um tapa na cara dele. Ele ameaçou vir pra cima de mim, armou o braço, mas umas pessoas que estavam trabalhando lá seguraram e o trancaram lá dentro”, diz Janete, que após o ocorrido registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil contra o chefe do Executivo por agressão verbal.

A moradora afirma que procurou falar com o prefeito como última tentativa de conseguir internação para sua mãe com câncer na unidade mista de saúde de Dumont. De acordo com ela, a busca começou no sábado (26), quando Maria de Lourdes teria ficado 12 horas esperando até ter o atendimento negado porque seu estado de saúde foi considerado terminal. “Minha mãe não acordava, expelia uma secreção muito forte. Ela precisava de atendimento. (…) Fui perguntar como funcionava para conseguir uma vaga em um dos leitos e me disseram que minha mãe não foi internada porque ela não aguentaria até segunda-feira (28).”

No início desta semana, Janete conta que, por um apelo da família, a secretária de Saúde, Crisley Roberta Alves, e um médico visitaram sua mãe em casa, mas, mais uma vez, trataram o caso como sem solução e não ofereceram nenhuma assistência. “Eles chegaram na minha casa e o médico agachou ao lado da minha mãe e perguntou se ela estava acordada. Depois começou a dizer que ela estava cansada, que estava muito doente e que ela iria descansar em breve do outro lado, que algo muito bonito esperava por ela. Depois que ele soube que ela luta contra o câncer há três anos, me deu os parabéns e disse que ela tinha superado as expectativas. Depois, deu as costas e foi embora”, afirma Janete.

A filha alega que pediu ajuda à secretária, mas esta teria a aconselhado a não dar mais soro, nem levá-la ao hospital, pois não havia mais o que fazer. “Minha mãe está em uma situação irreversível. Eu sei disso, os atendimentos que fazemos são paliativos. O que quero é amenizar a dor e seu sofrimento. (…) Hoje minha mãe deu resposta muito boa, abrindo o olho, conseguiu se sentar. Queria que vissem como minha mãe melhorou.”

Prefeitura
Em nota, a assessoria de imprensa da Prefeitura de Dumont informou que o atendimento à paciente Maria de Lourdes foi realizado normalmente e que Adelino da Silva Carneiro foi agredido sem justificativa. A administração municipal alega que, em nenhum momento, o prefeito tentou revidar a agressão. A Prefeitura informou ainda que “tomará as medidas cabíveis contra a agressora”.

Autor: G1

Jonatas Faro investe em carreira de cantor e lança cover de “Impossible”

Jonatas Faro lançou nessa sexta-feira, 01, um vídeo onde interpreta Impossible da cantora Shontelle. O vídeo marca o início da carreira de Jonatas como cantor, que em breve lançará seu primeiro single.

Desde o fim da novela “Cheias de Charme”, onde interpretou o vilão Conrado, Jonatas Faro vem se preparando e investindo na carreira de cantor. Filho de uma professora de violão, o ator sempre foi envolvido com o meio musical e fez sucesso quando protagonizou o musical Hairspray ao lado de sua ex-mulher, Danielle Winits.

Confira o vídeo a seguir:

O futuro em nossas mãos – José Hiran da Silva Gallo

Quando desembarquei em Rondônia para exercer a Medicina, cheguei jovem e cheio de planos. Três décadas depois, ainda acredito que é possível fazer mais e melhor. Se foi assim até o agora, assim o será no futuro. Aprendi com o povo deste Estado – nativo ou adotado pelo coração da Amazônia – que com determinação se chega longe. No entanto, as sucessivas experiências me deram outra lição como presente: além da força para lutar, é necessário dar cada passo ponderando as consequências de nossas ações.

Em 30 anos, Rondônia floresceu. Deixou de ser território, virou Estado e se desenvolveu muito além do que se imaginava. Orgulho-me de ter participado e contribuído com este processo como cidadão e como profissional. Aqui, estão minha família, meus amigos e alguns dos mestres que ensinaram os valores que orientam minha vida: a solidariedade, a ética, a justiça e o respeito pelo outro.

Infelizmente, o mesmo Estado que me enche de orgulho, me deixa preocupado. O futuro é incerto e, por conta de sucessivos equívocos de gestão, os sonhos de desenvolvimento e bem estar de milhões podem ser comprometidos. Em meio a uma série de problemas, me chama a atenção redobrada o caos instalado no campo da saúde pública, que afeta pacientes e penaliza os profissionais da área, em especial os médicos.

Há poucos dias, um grupo de 10 médicos cubanos foi recebido com pompa e circunstância pelo Governo. Foram os primeiros intercambistas do Programa Mais Médicos a chegar ao Estado. A premissa de base (melhorar o acesso à assistência em saúde) é incontestável, contudo, a forma como esta estratégia tem sido alavancada deixa exposto o real interesse dos seus apoiadores: iludir a população em busca de apoio eleitoral em 2014.

Os defensores do Mais Médicos agem de forma irresponsável ao reduzir a resposta às enormes dificuldades vivenciadas pelos rondonienses a simples presença de um médico num posto de saúde. Numa lógica perversa, atiram sobre os médicos brasileiros a responsabilidade do caos nos centros de atendimento, dão aos estrangeiros ares de “salvadores da pátria” e posam de mocinhos. Mas essas falácias não resistem aos argumentos.

Em primeiro lugar, é preciso deixar claro: a população merece a atenção de médico que consiga comprovar que sabe fazer Medicina. Os cubanos e os outros intercambistas do Mais Médicos até o momento não fizeram isso. Podem até ser bem intencionadas, mas será que têm competência para atender um paciente grave, durante um ataque cardíaco? Médico que é médico tem que saber de tudo um pouco: desde uma consulta até um procedimento urgente para salvar uma vida. Se não sabe ou não pode agir assim, o povo recebe um meio-médico.

Outro ponto ignorado pelos gestores: um médico sozinho – sem apoio de equipe (enfermeiros, auxiliares, etc.), sem medicamentos, sem exames, sem leitos, sem instalações adequadas – consegue fazer bem Medicina. Ele pode até trazer conforto psicológico, mas efetivamente não terá a resolutividade esperada. Ficará sempre a meio caminho entre o ideal e a necessidade do paciente. Isso configura outra injustiça grave estimulada pelos gestores que preferem soltar rojões do que investir na melhora da saúde pública no Estado.

Finalmente, vejo o desrespeito grosseiro com os nossos médicos, que têm dedicado suas vidas e trajetórias ao trabalho no Estado. O gestor passa a nos tratar como vilões e dirige aos “recém-chegados” mensagens de estímulo e elogios que a categoria jamais recebeu. Essa outra injustiça é apenas um exemplo da indiferença com que o Governo trata os profissionais. Certamente, o problema de acesso teria sido resolvido há tempos se, em lugar de fazer programas midiáticos, o Governo tivesse criado uma carreira de Estado para os médicos do SUS, com remuneração adequada e oferta de condições reais de trabalho.

Vou me limitar a estes três pontos, mas podem estar certos que as críticas são muito maiores. Precisamos mudar essa situação em prol de uma assistência de qualidade para o paciente e pela valorização dos nossos médicos. Fechar os olhos a esta realidade é equívoco grave, que, como disse antes, será cobrado das futuras gerações.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero) tem sido um espaço importante de luta por esses objetivos. Ao questionar politicamente as medidas adotadas, denunciar os erros da gestão e fiscalizar a boa prática médica, essa importante entidade cumpre seu papel. Para tanto, a autonomia, a independência e a isenção são fundamentais. Por isso, seu corpo de conselheiros deve ser composto por homens e mulheres que não tem vínculos que comprometam esse trabalho.

A presença de pessoas com cargos importantes em órgãos do governo, por exemplo, me faz questionar se o Cremero terá fôlego para continuar agindo como tem feito. Será que ele não ficaria subordinado aos interesses de um grupo específico? Certamente, sem essa reação do Cremero, esse grupo não enfrentaria resistência para continuar agredindo o cidadão e o médico rondoniense com medidas e ações que em nada contribuem para uma saúde melhor.

Quero continuar sentindo orgulho de meu Estado e manter-me ativo na luta contra os interesses que prejudicam nossa população. Por isso, peço a todos a reflexão necessária que pode ser a diferença entre a submissão e a altivez. Cabe a nós decidir como queremos ser reconhecidos.

Vigilante leva a chave da escola e deixa alunos trancados do lado de fora

carmela dutraAlunos e funcionários da escola Carmela Dutra, centro de Porto Velho, ficaram impedidos de entrar no prédio na manhã desta quinta-feira (31). O vigilante do período noturno cumpriu seu tuno de trabalho, foi embora e levou a chave dos portões da escola.

O caso ocorreu no dia em que se encerra o contrato com Governo com as empresas de vigilância privada que prestavam serviço nas escolas.

Com o impasse, a entrada dos alunos foi possível somente às 8 horas, cerca de 30 minutos de atraso.

Fonte: ImagensNews

Mulher abusa de cadáver no necrotério e fica grávida

Uma mulher de 38 anos, que trabalha em um necrotério, foi presa e condenada a pagar uma fiança de 250.000 dólares depois “abusar” de um cadáver de um homem. O suposto crime ocorreu em um necrotério de Lexington em Missouri, Estados Unidos. A polícia acusou Felicity Marmaduke de necrofilia. De acordo com as autoridades competentes, um morto sofreu uma ereção pós morte (muito comum) enquanto era banhado pela funcionária do necrotério Marmaduke.

A mulher então, aproveitou que estava sozinha e passou ter relações sexuais com o morto. Para sua grande surpresa, o morto chegou ao orgasmo depois de alguns minutos de sexo. Algumas semanas mais tarde, ao fazer um exame médico de rotina, foi constatada a gravidez da mulher. A polícia foi notificada pelo médico depois que Marmaduke contou para ele as circunstâncias que a levaram à concepção. Em uma reviravolta bizarra, Marmaduke pretende agora processar os herdeiros do homem morto para tentar conseguir uma pensão alimentícia e apoio à criança.

É um tipo de ereção pós-morte que ocorre quando um homem morre verticalmente ou de bruços, permanecendo o cadáver nesta posição. Durante a vida, o bombear do sangue pelo coração assegura uma distribuição relativamente uniforme em torno dos vasos sanguíneos do corpo humano. Uma vez que este mecanismo para de funcionar, somente a força da gravidade atua sobre o sangue. Como com toda a massa, o sangue estabelece-se no ponto mais baixo do corpo e faz com que o edema ou inchamento ocorram.

Bandido morre e outro foge após troca de tiros com PM’s e Ariquemes

Várias pessoas que frequentavam um bar na Avenida Canaã, Setor 01 em Ariquemes, foram surpreendidos por dois assaltantes que chegaram ao bar, cada um com uma arma, e anunciaram o assalto. Depois de roubarem diversos objetos dos fregueses e dinheiro, a dupla se evadiu do local em uma motocicleta da marca Honda, modelo CG Titan 125 de cor vermelha, placa NCI-6903, tomando sentido a Avenida Candeias.

A PM foi acionada e iniciou as diligências. Quando uma guarnição chegou na altura da Avenida Canaã e entrou na Avenida Candeias, visualizou os elementos saindo da Avenida Canaã e entrando na Rua Dourados. Ao notar que foram visualizados pela PM os indivíduos iniciaram fuga em alta velocidade efetuando vários disparos contra a viatura. Os PMs pararam a viatura e depois de se abrigarem, revidaram os disparos, acertando um dos elementos que ficou caído ao solo, enquanto o comparsa correu disparando contra os PMs até se embrenhar em um matagal não sendo localizado.

Um dos assaltantes F. F., de 32 anos, foi levado ao Hospital Municipal, aonde chegou com vida mas veio a óbito.

Foi recuperada a moto usada no roubo, dois aparelhos celulares, um cordão dourado com pingente, uma aliança dourada, um anel com a letra A, a quantia de R$ 964,00 em dinheiro e uma pistola da marca Taurus de calibre 9 mm com 10 cartuchos intactos.

 

3(12) DSC_1264(2)

 

 

 

 

 

WP_20131030_005[1]

Após 30 anos Exército requer área doada pelo INCRA a agricultores de Vilhena

Os militares dizem que os 17 mil hectares pertence à força armada; proprietários das terras estão no local desde a década de 1980

Mais uma vez, o Exército do Brasil cria obstáculos na produção rural de Vilhena, que apesar dos pesares se desenvolve normalmente.

Depois de conseguirem lotes valiosos em troca da área correspondente à Aspronvida e Cooperfrutos, os militares deram um prazo de 60 dias para que produtores de uma outra enorme área (que fica um pouco mais adiante da Asprovida e Cooperfrutos) saiam depois de mais de 30 anos sob os lotes, inclusive com autorização do INCRA no apogeu da criação do Estado de Rondônia, sob a alegação de pertencer ao Exército.

O prazo estipulado pelo oficiais se encerra neste domingo, 3. O local que o Exército diz possuir tem aproximadamente 17 mil hectares, usados atualmente para agricultura de subsistência, além de gado e eucaliptos. Um dos fatos que está estimulando o Exército a retomar a área é justamente o tamanho de cada propriedade.

Alguns agricultores chegam a ter 700 hectares e já não são mais considerados como “pequenos produtores”. Várias placas informativas de que a área pertence ao Exército brasileiro foram colocadas na região. O município não pode fazer nada em relação ao assunto por se tratar de “grandes áreas”, pois não tem lotes com o mesmo tamanho para oferecer aos militares.

A celeuma sobre as áreas da Aspronvida e Cooperfrutos terminou, e agora o Exército conta com áreas nobres na área urbana de Vilhena.

Fonte: Extra de Rondônia