Cabo da PM é absolvido do crime de desacato

A ASSFAPOM (Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia), através de sua assessoria jurídica, teve mais uma sentença a favor de seu corpo jurídico. Desta vez, uma Ação Criminal Militar nº 0004531-44.2013.8.22.0501, que tramitou pela Vara da Auditoria Militar em desfavor do associado e diretor regional de Ji-Paraná, Cabo PM Valdecy Pereira Gomes, que estava sendo acusado de cometer a infração contida no artigo 298 do Código Penal Milita, desacato a superior hierárquico.

O Advogado de defesa, Graciliano Ortega Sanchez, pediu a absolvição com suporte no artigo 439, “a”, “c” e “e” do CPPM, pois para o advogado o crime sequer existiu ou não existia prova suficiente para a condenação do cabo Gomes.

Em seus depoimentos, o acusado relatou que ao retornar do interior da CIA, a suposta vitima TEN LUCAS voltou a parar no corpo da guarda e próximo à janela conversou com o SD ROMÃO e mencionou que a guarda estava desleixada, quando o réu questionou “como é que é Tenente?”, que se sentiu ofendido, entrou aos gritos na guarita “você tem que me responder sim Senhor e não Senhor” e lhe deu voz de prisão. Com a chegada do SGT CIPRIANO o TEN LUCAS fez o seu relato e pressionou o SD ROMÃO para confirmar sua versão, além de ter dito ao TAVARES e MOACIR que naquele dia ele havia brigado com a namorada e sofrido duas multas de trânsito.

O magistrado em sua fundamentação, entendeu que por estas e outras, a dúvida me leva a votar pela absolvição, sem com isso, dizer que a verdade esteja com o réu, ou que a vítima possa ver nesta decisão um desestímulo à hierarquia e disciplina. Para o direito penal a prova para a condenação tem de se clara como a luz e límpida como águas cristalinas. Narrou ainda em sua sentença que “Sem a certeza absoluta da existência do crime e sua autoria, o caminho é absolvição, princípio adotado pelo direito penal “in dubio pro reo”

Ao final, ACORDARAM os juízes do Conselho Permanente de Justiça, à unanimidade, nos termos do voto do juiz de direito, julgaram improcedente a acusação contra VALDECY PEREIRA GOMES, por não existir provas suficientes para condená-lo pelo crime de DESACATO A SUPERIOR (298, CPM).

Diante das circunstâncias o associado e diretor regional da ASSFAPOM, Valdecy Pereira Gomes, agradeceu ao empenho da assessoria jurídica, Graciliano Ortega Sanchez, e o presidente da entidade, Jesuino Boabaid, que disse ” graças ao empenho incansável de todos, fui inocentado, por unanimidade do crime que me foi imputado”.

Fonte: Assfapom

Eleitores se dizem inconformados com o sumiço de Lindomar Garçon

População, simpatizantes e desafetos se reúnem nas redes sociais tentando descobrir que fim levou o segundo colocado na ultima eleição para prefeito, em Porto Velho, Lindomar Garçon. A pergunta fica no ar principalmente porque até agora nenhum esclarecimento foi dado sobre o seu suposto envolvimento na Operação Apocalipse que levou para a cadeia alguns vereadores, deputados e empresários da capital.

Tudo o que se sabe no momento é que ele foi morar em um sítio na linha triunfo, seu reduto eleitoral na cidade de Candeias do Jamari, entregou o PV (partido verde), se filiou ao PMDB e se encaixou no Governo da Cooperação.

Veja o que o blog “A CRITICA DE RONDÔNIA” escreveu e virou rastilho de pólvora nas redes sociais.

Dez meses depois da Operação Apocalipse, nenhum esclarecimento sobre o suposto envolvimento de Lindomar Garçon e traficantes membros de uma também suposta Organização Criminosa instalada em Porto Velho para financiar campanhas eleitorais. A Operação Beta (arquivada e mantida sigilosamente) e posteriormente a Operação Apocalipse (herdeira da Operação Beta), tornaram público o que pode ser considerado o maior escândalo de campanha eleitoral no Estado. De vereador, passando por deputado, candidato a prefeito e até o próprio atual governador, são citados em vários momentos como beneficiários do esquema criminoso.

Herbert Lins (ex-“homem” forte do Governo Confúcio Moura) delatou em carta pública o governador Confúcio Moura e o ex-candidato a prefeito de Porto Velho, Lindomar Garçon. Diz ele que Confúcio e Garçon foram os maiores beneficiados por Fernando da Gata. Na carta, ele fez um desafio ao então secretário de Segurança Pública, delegado Marcelo Bessa: “Agora pergunto ao senhor delegado de Polícia Federal Marcelo Bessa: vai prevaricar?”. O tempo passou, Bessa acabou deixando o comando da Secretaria de Segurança Pública sem nenhuma resposta, principalmente do porque Garçon apesar de ter sido acusado vários vezes como beneficiário do esquema montado por supostos narcotraficantes, escapou de qualquer tipo de procedimento policial.

O ex-deputado Lindomar Garçon, candidato derrotado na última campanha eleitoral de Porto Velho, também foi flagrado nas escutas telefônicas da Polícia Civil durante a Operação Apocalipse. Dez meses transcorridos da ação da Polícia Civil, não se têm conhecimento dos desdobramentos do caso. Enquanto uma deputada e cinco vereadores foram indiciados por suas ligações com a Organização Criminosa, liderada por Fernando da Gata e Beto Baba (de acordo com a PC), o Garçon tem escapado.

Segundo depoimentos, Lindomar Garçon teve sua campanha eleitoral para prefeito de Porto Velho, financiada por Beto Baba (Alberto Ferreira Siqueira) e Fernando da Gata (Fernando Braga Serrão). Os dois teriam se envolvido diretamente e ativamente na campanha do seu candidato. Segundo colocado na eleição municipal de 2012, Garçon obteve 83.828 votos (36.97% do total). Em depoimento Luciana Dermani Aguiar (irmã da deputada Ana da 8) confirmou o financiamento da campanha de Garçon, pelos traficantes (de acordo com a PC).

No início deste ano, um ex-importante aliado do governador Confúcio Moura, também preso na Operação Apocalipse, fez graves denúncias envolvendo o governador e o ex-candidato a prefeito, Lindomar Garçon. Para Herbert Lins, Confúcio e Garçon foram os maiores beneficiados por Fernando da Gata e Beto Baba.

Linddomar

 

 

 

 

 

 

Fonte: Quenoticia.com.br

Vereador anuncia “superconvenção” e diz mais de 10 partidos apoiarão Expedito

O grupo liderado pelo ex-senador Expedito Junior (PSDB) em Vilhena vem anunciando a definição da data em que será sacramentada a candidatura do tucano. De acordo com o vereador Camozino Alves (FOTO), um dos coordenadores da campanha de Expedito na região, a aliança que tentará eleger o ex-senador ao governo poderá agregar entre doze e catorze partidos. Do Cone Sul, a perspectiva é que pelo menos quatro nomes sejam lançados para disputar vagas nas eleições proporcionais.

A convenção multipartidária acontece em Porto Velho, no dia 27 de junho, em local ainda a ser definido. Partidos de peso, como PSDB, PSDC, Solidariedade, DEM, PTdoB e PSD já estão fechados com a coligação. “Ainda estamos em entendimento com outras siglas, mas estou convicto de que pelo menos doze agremiações estarão conosco na campanha, e este número tende a aumentar”, afirmou Carmozino.

Os nomes confirmados para as disputas majoritárias são Expedito Junior para governador, Neodi de Oliveira como vice-governador e Rubens Moreira Mendes concorrendo ao Senado. O Cone Sul poderá ter ate quatro representantes no grupo disputando vagas na Câmara Federal, com Vera Paixão; e para concorrer às cadeiras na Assembléia Legislativa devem ser lançados os vilhenenses Hevert Bueno e Vanderlei Graebin, além do vereador Michael Barroso, de Cabixi.

Fonte: Folha do sul

Francisco Falcão é eleito presidente do Superior Tribunal de Justiça

O ministro Francisco Falcão foi eleito na manhã desta terça-feira (27/5) presidente do Superior Tribunal de Justiça com 29 votos, de um total de 32 votos possíveis. Sua vice será Laurita Vaz, escolhida com 30 votos. A ministra Nancy Andrighi foi eleita corregedora nacional de Justiça com 30 votos e assumirá o cargo depois de passar por sabatina no Senado.

As votações expressivas sinalizam que o tribunal optou por manter suas tradições a politizar as eleições para os ocupantes dos cargos administrativos. Os ministros saíram da sessão em clima de comemoração, pois “tudo ficou em paz”, como disse um deles. Seguiu-se a regra da antiguidade, prevista no artigo 102 da Lei Orgânida da Magistratura Nacional, a Loman, segundo o qual o mais antigo dos candidatos é eleito presidente, o segundo, a vice, e o terceiro, a corregedor.

Dos 32 votos possíveis (há um cargo vago), Falcão recebeu 29. Um voto em branco e dois na ministra Nancy. O placar foi considerado normal pelos colegas, apesar de as ministras Laurita Vaz e Nancy Andrighi terem recebido um voto a mais cada uma.

A ministra Nancy foi eleita corregedora por aclamação pelos demais ministros. Ela enfrentaria a concorrência do ministro Felix Fischer, atual presidente do STJ, mas ele retirou sua candidatura e a colega foi aclamada.

De todo modo, dificilmente Fischer seria eleito, segundo comentaram alguns dos ministros. Por mais que seja o mais antigo do tribunal, não poderia assumir um cargo hierarquicamente inferior ao que já está. Caso contrário, ele estaria livre para assumir qualquer cargo que ainda não tivesse ocupado. “A antiguidade deve andar para frente”, comentou um ministro.

Já a Corregedoria da Justiça Federal segue suas próprias regras internas de eleição. Os cargos de diretoria são definidos pela antiguidade dos membros eleitos para o órgão —, o terceiro mais antigo do STJ geralmente é nomeado corregedor do CNJ.

Fonte: Conjur

Permissão de acusado não autoriza polícia a fazer busca e apreensão

A polícia só pode fazer busca e apreensão em residências com mandado judicial. A regra não pode ser quebrada nem mesmo se o dono da casa autorizar a entrada dos oficiais, pois não existe previsão constitucional que ampare busca policial em domicílio feita com a permissão apenas do investigado. O argumento levou a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul a derrubar a condenação de um detento flagrado, durante o trabalho externo, na posse de drogas. Após ser abordado, ele levou os policiais até sua casa, onde foi encontrada mais cocaína.

Para o tribunal, o consentimento se deu sob flagrante constrangimento. Assim decidiu o relator das Apelações, desembargador Diógenes Hassan Ribeiro, disse que o consentimento para entrar na residência — como se refere o artigo 5º, inciso XI, da Constituição — não autoriza buscas sem determinação judicial. Caso contrário, os Mandados de Busca e Apreensão seria dispensáveis, já que a polícia poderia conseguir, extrajudicialmente, o “consentimento” do proprietário. “Ora, se a Constituição estabelece que a casa é asilo inviolável, isso significa dizer que apenas e tão-somente em estrita observância dos casos previstos em lei é que se pode proceder ao ingresso na residência alheia. Entre tais hipóteses, a mera suspeita de prática de ilícito criminal não é apta a relativizar o direito fundamental à inviolabilidade de domicílio”, escreveu no acórdão. Embora a droga e os objetos apreendidos na casa do acusado estejam “contaminados” pela ilegalidade, ressaltou o relator, tal não anula o processo, pois a busca pessoal foi revestida de legalidade, face às fundadas suspeitas de envolvimento com drogas. No entanto, frisou, não é possível manter uma condenação por tráfico apenas com base na palavra dos policiais, na ausência de outros elementos de prova.

A denúncia

Um casal de detentos do regime semiaberto, em regime de trabalho externo, foi acusado pela polícia de comercializar drogas perto de um hospital e de ginásios de esportes. A atividade do casal, que trabalhava em serviços de limpeza e manutenção na prefeitura de Vacaria, na Serra gaúcha, gerou várias denúncias à policia. Em abordagem em junho de 2013, os policiais encarregados da investigação encontraram cinco volume de cocaína na roupa do acusado. Após a apreensão, ele e a mulher foram levados à sua residência, onde a polícia efetuou novas buscas. O laudo registrou que foram encontradas no local outras 250 gramas de cocaína. A prisão em flagrante foi convertida em prisão preventiva, que acabou derrubada pela concessão de Habeas Corpus.

A sentença

A juíza de Direito Anelise Boeira Varaschin Mariano da Rocha, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Vacaria, afirmou, na sentença, que o tráfico de drogas é crime permanente, que não exige prévio Mandado de Busca e Apreensão para ingresso em residência. A permissão vem expressa nos termos do artigo 5º., inciso XI, da Constituição. O dispositivo diz que ninguém pode entrar na residência sem consentimento do morador, em função do seu caráter inviolável, “salvo em caso de flagrante delito ou desastre”. Além disso, flagrado de posse da droga, o próprio acusado franqueou a residência do casal para que os policiais fizessem busca e levantamento. Logo, emendou, no tocante a este aspecto, não se poderia falar em ilegalidade. Com relação ao mérito, a juíza, com base nos autos e em depoimentos, se convenceu de que não existiam provas para condenar a mulher do réu. Este, ao contrário, mantinha em depósito e vendia cocaína. O próprio relatório da investigação — destacou — indica que os usuários chegavam de carro no ginásio para contatá-lo, saindo logo em seguida. Acusação e defesa entraram com Apelação no TJ-RS. A primeira, pedindo aumento de pena, em função do comércio da droga ter se realizado perto de ginásios e hospitais, como dispõe o artigo 40, inciso III, da Lei 11.343/06. A segunda, arguindo preliminar de nulidade em razão do ingresso ilegal dos policiais na casa do acusado.

Ministério das Cidades autoriza mais 300 casas para Vilhena

O ministro das Cidades, Gilberto Occhi, autorizou a construção em Vilhena de mais 300 casas populares no “Programa Minha Casa Minha Vida”, com recursos do Governo Federal em parceria com a prefeitura do município. O anúncio aconteceu no início da noite desta terça-feira, 27, ao senador Ivo Cassol e ao prefeito de Vilhena José Rover, durante reunião no gabinete do ministro, em Brasília.

O processo de construção das casas foi encaminhado pela prefeitura de Vilhena solicitando 415 moradias mas a limitação orçamentária federal só permitiu a liberação de 300 de imediato e as demais unidades ficaram para o exercício de 2015. “Estamos enfrentando contingencionamento de recursos em todas as áreas por determinação da presidente, mas o pedido de Vilhena é anterior ao problema e o município está em dia com todas as prestações de contas, então conseguimos remanejar de outros municípios do país e garantir a construção destas casas ainda neste ano”, afirmou o ministro.

Para o senador Ivo Cassol, que cuidou pessoalmente da liberação dos recursos para a obra, esta é mais uma vitória da população vilhenense e de seus representantes. “De nada adianta a gente brigar aqui em Brasília pela liberação de recursos para máquinas e obras nos municípios se a prefeitura não estiver em dia com as prestações de contas junto ao Governo Federal. Já perdemos vários projetos que deixaram de ser executados devido à irresponsabilidade de administradores municipais, mas em Vilhena nunca tivemos qualquer problema, isso mostra a seriedade da administração do prefeito Rover. Além disso, o ministro Gilberto é meu amigo pessoal o que facilitou o encaminhamento do processo”, disse Cassol.

E na manhã desta quarta-feira, 28, o prefeito Rover e o senador Ivo Cassol, em reunião com o secretário adjunto do Tesouro Nacional, Eduardo Coutinho, receberam a confirmação que foram liberados R$ 35 milhões para asfaltamento de ruas e avenidas do município. De acordo com a programação da prefeitura, os bairros Cristo Rei, Setores 8, 9 e 17, as Avenidas Rondônia e 1º de Maio inteiras até o Jardim Universitário, Setor Bela Vista e as duas ruas principais do bairro Embratel serão asfaltadas e as obras deverão ter início ainda neste ano, dependendo apenas do depósito dos recursos na conta da prefeitura. “Vamos começar estas obras tão logo os recursos sejam liberados pela Caixa, o que deve ocorrer em 3 meses aproximadamente, agora é somente trâmite burocrático e em breve os moradores destes bairros poderão contar com mais este benefício. Viemos a Brasília garantir mais qualidade de vida para a população e valorização dos imóveis”, comemorou o prefeito José Rover.

Presidiário leva oito crianças para matagal e estupra uma delas

José Inácio Souza do Nascimento, 23, vulgo “Branco”, foi preso pela polícia, em Manaus, como suspeito de ter estuprado uma garota de 12 anos e aliciado e roubado outras sete, meninos e meninas entre 10 a 12 anos, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte da capital, na manhã de segunda (26). Ele é presidiário e foi capturado na manhã desta terça (27) quando tentava se esconder na casa da mãe.

Conforme depoimento das vítimas, as oito crianças voltavam a pé da escola para casa no bairro Santa Etelvina, por volta das 10h30, quando foram abordados por José Inácio, que portava uma arma de fogo. “Branco” fez ameaças e obrigou que todos entrassem na mata que cerca a região, inventando que procurava saber quem deles havia roubado a irmã mais nova dele.

Dentro da mata, o suspeito fez diversas perguntas e ordenou que cada um deles se despisse completamente das roupas, fazendo com que todos ficassem nus, para “verificar” quem estava com o “objeto roubado” da irmã dele. A partir daí, José Inácio recolheu os aparelhos de celular das oito crianças e questionou quem do grupo tinha mais “coragem” e quem era mais “medroso”.

De acordo com a delegada Linda Gláucia, da Delegacia Especializada na Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), as crianças foram coagidas pelo suspeito armado e apontaram duas meninas como a mais “medrosa” e a mais “corajosa”. Segundo a delegada, “Branco” levou para mata adentro a garota mais “medrosa”, afirmando que iria “ensiná-la a não ser mais medrosa”.

Baixe nosso app para Iphone, Android e Windows Phone  e fique sempre bem informado – (http://app.vc/painel_politico)

“Ele perguntou onde elas estudavam, quem delas era a mais corajosa, e quem era a mais medrosa, e disse que ia ensiná-la a não ser mais medrosa. Ele levou a menina mais para dentro do mato e cometeu o ato”, contou a delegada. Conforme Gláucia, antes de levar a garota “escolhida”, o suspeito disse que estava agindo com comparsas e que todos deveriam obedecê-lo, já que, caso algum deles tentasse gritar ou fugir, todos seriam mortos.

As crianças ficaram aproximadamente 40 minutos no meio do mato em poder de José e, após esse período, a vítima do estupro foi libertada, chorando. O grupo percebeu, então, que “Branco” não voltaria mais e que todos podiam fugir dali. As oito crianças foram até a casa de um familiar mais próxima e informaram o que tinha acontecido, quando policiais militares da 26ª Companhia Interativa Comunitária foram acionados.

O caso foi registrado no 26º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e transferido para a Depca. O delegado titular do 26º DIP, Walter Cabral, informou que, diante das informações repassadas pelas crianças, começaram as investigações e as buscas. “As vítimas relataram que o suspeito tinha uma tatuagem com o nome ‘branco’ no antebraço, e isso ajudou muito, já que esse suspeito era conhecido na área por realizar vários roubos a crianças nas saídas das escolas”, revelou.

Ficha ‘suja’

José Inácio já era conhecido da polícia por crimes cometidos na região, sendo inclusive foragido do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) desde o dia 16 de maio, onde cumpria pena por roubo no regime semiaberto. Como não estava dentro do Compaj, no Km 8 da BR-174, a polícia localizou “Branco” na casa da mãe, na rua Matrinxã, ainda no Santa Etelvina.

Durante a abordagem policial, a mãe de José Inácio, que não teve o nome revelado, ainda tentou despistar a polícia para que o filho conseguisse fugir pulando o muro aos fundos da casa, mas não teve sucesso. Ele foi conduzido à delegacia e confessou que tinha abordado as crianças, levado todas elas para o matagal e, em seguida, roubado o celular delas. Entretanto, ele negou ter cometido o estupro contra a garota de 12 anos.

A vítima do estupro foi levada para fazer exame de conjunção carnal no Instituto Médico Legal (IML) e o resultado confirmou o ato sexual. José Inácio foi autuado em flagrante na Depca por roubo e por estupro de vulnerável, e será encaminhado à cadeia pública de Manaus. No site do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), o nome dele é citado em mais três processos pelos crimes de roubo e furto.

A Crítica

PRF suspende concurso após problemas na aplicação de provas

PRF está multando motoristas

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou que as próximas etapas do concurso público com 216 vagas para agente administrativo estão suspensas. A informação foi publicada na página oficial da corporação no Facebook.

A banca organizadora do certame, a Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt (Funcab), protocolou junto à PRF documentação sobre o incidente ocorrido na aplicação das provas em Campo Grande/MS. O órgão e o Ministério da Justiça vão analisar o caso. Enquanto isso as demais etapas permanecem suspensas.

No site da Funcab, a divulgação do gabarito preliminar, que estava programada para ontem (27), não se realizou por solicitação da Comissão Nacional do Concurso para Agente Administrativo PRF-2014.

Cerca de 415 candidatos, que realizariam os exames no colégio Dom Bosco, não receberam os cadernos de provas. Segundo nota, a PRF compareceu ao local para acompanhar de perto a situação e pediu à banca organizadora que relatasse oficialmente o ocorrido.

A Funcab, por sua vez, alegou que a aplicação das avaliações ocorreu com sucesso. Apesar disso, reconheceu que houve atraso no início das provas, mas que isso não coloca em risco o andamento do certame.

O concurso

São 216 vagas para o cargo de agente administrativo. Ao todo, 259.136 candidatos se inscreveram – concorrência média de 1.199 pessoas por chance. O vencimento básico do posto de agente administrativo é de R$ 2.043,17, mas pode chegar a R$ 3.945,17 dependendo da avaliação de desempenho. A jornada de trabalho é de 40h semanais. A seleção ainda será composta por investigação social.

TSE muda número de deputados e altera composição em 13 estados

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou nesta terça-feira a mudança no número de deputados federais por estado nas eleições deste ano. A decisão altera a composição das bancadas de 13 estados: ganham os estados do Pará, do Ceará, de Minas Gerais, do Amazonas e de Santa Catarina. Perdem parlamentares os estados do Rio, da Paraíba, do Piauí, de Pernambuco, do Paraná, do Espírito Santo, de Alagoas e do Rio Grande do Sul. A decisão final será do Supremo Tribunal Federal (STF), onde já tramitam ações contra a resolução do TSE.

A decisão é mais uma etapa na queda de braço entre o TSE e o Congresso. Em abril do ano passado, o Tribunal, acatou pedido da Assembleia Legislativa do Amazonas para redefinir o número de deputados federais por estados. A mudança mexe também na composição das Assembleias Legislativas e da Câmara Legislativa do Distrito Federal. Em dezembro, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), promulgou o decreto legislativo mantendo a composição atual.

Desta vez, os ministros do TSE consideraram que, para ter validade nas eleições deste ano, o decreto legislativo do Congresso teria de ser aprovado até outubro de 2013 – um ano antes do pleito. Além disso, os ministros entendem que, como a resolução do TSE regulamenta uma lei complementar, somente outra lei complementar poderia mudar a decisão. A resolução do TSE não altera o úmero total de deputados – 513.

O número de deputados é definido de acordo com a população de cada unidade da federação. O TSE se baseou nos dados do Censo de 2010 divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já a distribuição atual das vagas na Câmara considera a população dos estados em 1998.

Com a decisão do TSE, o Pará ganhará quatro cadeiras, passando de 17 para 21 deputados; Minas Gerais e Ceará, duas vagas; Amazonas e Santa Catarina, um parlamentar.

Paraíba e Piauí terão a maior redução de bancada: perdem dois deputados federais cada um. Já Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Alagoas e Rio Grande do Sul perdem uma vaga na Câmara na próxima Legislatura (2015 a 2018).

PP nacional fecha adesão à reeleição da presidente

A presidente Dilma Rousseff recebeu ontem o apoio oficial do PP à sua candidatura à reeleição. Nas eleições de 2010, o partido ficou neutro. Com a adesão do PP, a campanha de Dilma ganha mais um reforço e fica em condições de ter tempo recorde na propaganda eleitoral de rádio e TV, que começa em agosto.

No almoço que formalizou o apoio do PP, a presidenta voltou a dizer que sua aliança irá se contrapor ao que ela classifica como os defensores das “medidas impopulares” e que vai se pautar pelo desenvolvimento social e sustentável. “Passamos pela pior crise desde 1929 (…) e não caímos na tentação das chamadas ‘medidas impopulares’, que significam recessão, desemprego e arrocho salarial”, afirmou a presidenta.

Dilma se referia à declaração do adversário , o tucano Aécio Neves, que, em encontro com empresários, disse que em eventual governo seu não se furtaria a adotar medidas duras caso o equilíbrio econômico exigisse.

No discurso que anunciou o apoio do partido, o senador Ciro Nogueira (PI), presidente do PP, reconheceu que há setores no partido que não apoiam Dilma, mas ressaltou que a maioria da legenda tem a intenção de trabalhar pela reeleição da presidenta. “Gostaria muito que a senhora fosse uma unanimidade, não tivesse adversários, mas nós temos que enfrentar isso. Talvez o pragmatismo político quisesse que a gente esperasse mais tempo para anunciar nosso apoio, mas isso não faz parte da história do Partido Progressista”, disse Nogueira.

Apesar do apoio nacional do PP, o partido está dividido: parte dos integrantes da legenda prometem fazer campanha para Aécio Neves,em estados como Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Apontado como principal instrumento das campanhas eleitorais, o tempo de propaganda na TV é calculado com base no tamanho das alianças formadas. Dilma poderá ter cerca de 50% do chamado “palanque eletrônico”, caso se confirmem os apoios também do PSD e do PR. Com isso, possivelmente bateria o recorde de Fernando Henrique (PSDB), que em 1998 foi dono de 47% do tempo de TV em sua campanha à reeleição.

O almoço de Dilma com o PP foi em um restaurante em Brasília. Entre os participantes do encontro estavam o deputado Paulo Maluf (PP-SP), que está na lista de procurados pela Interpol, e o ex-governador do Distrito Federal, Paulo Octávio, que renunciou ao mandato em meio ao escândalo do Mensalão do DEM.

Aeroportos: críticas ao ‘padrão Fifa’

A presidenta Dilma Rousseff aproveitou ontem o almoço de apoio do PP à sua reeleição para criticar a cobrança do “padrão Fifa” nas obras da Copa do Mundo. “Os aeroportos não têm padrão Fifa, vocês vão me desculpar, têm padrão Brasil. Não estamos fazendo aeroporto só para a Copa, só para a Fifa. Estamos fazendo para os brasileiros”, afirmou. “Se a gente tinha 33 milhões de brasileiros que viajavam de avião e hoje tem 113 milhões, ampliar os aeroportos, qualificá-los, melhorá-los, é garantir aeroportos para o Brasil”, completou.

Ela afirmou que considerou “interessantíssima” uma matéria que reprova o padrão Fifa, citando os preços altos dos ingressos para os jogos da Copa. Para Dilma, o país tem “mania” de fazer avaliação crítica da Copa. A presidenta voltou a pedir que os brasileiros recebam bem os visitantes.