Coluna – Expedito pode ser empossado após julgamento do TRE

Caso recurso modificativo de sentença seja rejeitado, Confúcio deixa o cargo e vai recorrer no TSE

Olha essa

Tramitava no Senado uma proposta de Emenda a Constituição (PEC – 35 / 2012) proposta pelo senador Cyro Miranda (PSDB-GO), e assinada por 29 senadores, entre eles Aécio Neves, Valdir Raupp e Ivo Cassol, que acabava com salários de vereadores em municípios com menos de 50 mil habitantes. A proposta também tinha os seguintes critérios, nas cidades com até 100 mil habitantes o salário dos vereadores corresponderia a 40% dos salários dos Deputados Estaduais. Até 300 mil habitantes o salário seria 50% dos vencimentos dos Deputados Estaduais; até 500 mil habitantes o salário máximo dos vereadores seria 60% dos estaduais e mais de 500 mil habitantes, 75%. Também estabelecia que a a remuneração dos Vereadores não poderia ultrapassar o montante de 5% da receita do Município para limitar as despesa do Poder Legislativo.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Pois é

A proposta é coerente e seria de grande ajuda para a maioria dos municípios, que gastam horrores com câmaras legislativas compostas em sua maioria por pessoas mal preparadas e em grande parte não servem para nada, a não ser pagar salários e diárias. Mas, infelizmente a PEC 35 foi arquivada. Em maio de 2013 o próprio autor da PEC retirou a proposta que estava em tramitação, cedendo a pressões da Associação Brasileira de Câmaras Municipais (ABRACAM). Um retrocesso sem tamanho, de uma situação que poderia ser a salvação da maioria dos municípios pequenos.

Porém

Como estamos no Brasil, não tenho dúvidas que alguns vereadores dariam um jeitinho de engordar o cofrinho mesmo sem salário. Ia ser um festival de pedidos de emprego nas prefeituras, direcionamento em contratos e por ai vai. É nessas horas que a gente para e pensa, meu Deus, será que um dia esse país se ajeita?

Criando factóide

O deputado federal Nilton Capixaba, aquele que responde a ação penal 644 no Supremo Tribunal Federal no escândalo das sanguessugas, enviou release através de sua assessoria dizendo que esteve em audiência no Tribunal de Contas da União para tratar da transposição dos servidores de Rondônia para a folha da União. Papo furado. Pode ir a quantos ministérios e tribunais que quiser, não serão eles que vão resolver essa questão. O governo precisa ter previsão orçamentária, e como a ordem em Brasília é cortar gastos, a coisa não vai andar, ao menos esse ano. A saída mais plausível seria via judicial, e isso foi feito, no caso dos policiais militares contratados até 1987. Eles já estão lá, mas conseguiram por meio jurídico. O alerta foi feito pelo jornalista Valbran Júnior, e ele está corretíssimo.

Reconhecimento

Expedito Netto, deputado federal de Rondônia, foi elogiado por sua atuação em favor dos membros da Advocacia Geral da União esta semana em Brasília. Ele estava buscando votos para as PECs 82 e 443 que amplia direitos e liberdade para agir em defesa dos interesses da União. Netto saiu em cada comissão interrompendo reuniões e explicando para os demais parlamentares os detalhes das propostas e a importância em aprova-las. Vários membros da AGU haviam sido impedidos de entrar no plenário, barrados pela segurança, mas o deputado rondoniense fez questão de libera-los e colocar todos no mesmo espaço, para ajudarem nas explicações. Se as PECs vão ser aprovadas, não se sabe ainda, mas o reconhecimento dos membros da AGU, isso Expedito Netto já conseguiu.

Falando em Expedito

Nesta quinta-feira o Tribunal Regional Eleitoral deve julgar os embargos declaratórios do governador cassado Confúcio Moura e seu vice, Daniel Pereira. Também julga os embargos de Expedito Júnior, que questionou através de seus advogados Diego Vasconcelos e Márcio Nogueira, como se dará o procedimento pós-julgamento, caso venha a ser mantida a decisão do Tribunal Regional Eleitoral de 5 de março, que cassou Confúcio.

Apesar do parecer

Confuso da Procuradoria Reginal Eleitoral, que fala em novas eleições, a hipótese é descartada até pelo Tribunal Superior Eleitoral, que só prevê esse procedimento em casos extremos, já que cada pleito custa uma verdadeira fortuna aos cofres públicos. Sem contar que já existem decisões pacificadas no sentido de dar posse ao segundo colocado. É chover no molhado. Também deve entrar em pauta, nas próximas duas semanas, a ação movida pela própria Procuradoria Regional Eleitoral que também pede a cassação de Confúcio Moura.

Vai entender

Essa situação é no mínimo esdrúxula. Confúcio já foi cassado, seu vice também. As próximas ações são todas tão bem fundamentadas como a primeira, não cabendo portanto, nenhum argumento salvador. Esse mandato já era, e a permanência de Confúcio no cargo complica, e muito, a situação do Estado, que continua parado em função dessa situação anômala. Não se trata de Expedito ou do zé das couves, se trata de segurança política, coisa que não temos por essas bandas faz tempo.

O mais prudente

Sem dúvida alguma seria seguir exatamente o que determina a legislação eleitoral, afastar Confúcio, dar posse ao segundo colocado e deixar que o Tribunal Superior Eleitoral julgue o recurso do caso, que também já é pacificado na Corte. Quem sabe com uma nova equipe Rondônia consiga destravar, porque com esse governo aí, pode esquecer.

Fora do cargo

A legislação eleitoral prevê recursos para quem for afastado, mas fora do cargo. Ou seja, se os embargos de Confúcio que pedem modificação de sentença forem rejeitados pelo TRE, ele poderá recorrer da decisão em Brasília, mas fica fora do cargo. Com isso, o segundo colocado é diplomado e toma posse.

No interior

Esta cada vez mais difícil conseguir documentos simples, como carteira de identidade e de trabalho. Poucos municípios conseguem oferecer esses serviços de forma ágil, a maioria envia os protocolos para Porto Velho e meses depois os documentos são entregues. Alguns casos beiram o absurdo, como em Pimenta Bueno, onde a população precisa ir a Primavera de Rondônia, um município vizinho e bem menor, para conseguir a carteira de trabalho. Em Ouro Preto tirar uma identidade era impossível e em vários outros a situação se repete. Em tempos de conexões ultra-rápidas e digitalização, não faz o menor sentido esperar meses por um documento que poderia ser emitido na hora, apenas com um software e uma impressora.

Na Seduc

A assessora Maria Ivanilde Ferreira Angelo vem conversando demais com fornecedores da secretaria e até usa veículos “emprestados” por algum deles para circular pela cidade. Tem muita gente de olho nessa movimentação nada republicana. Como ela veio do interior junto com a atual secretária Fátima Gavioli, que não mostrou ainda a que veio, essas relações podem trazer sérios problemas em futuro próximo.

Para contatos

Fale conosco pelos telefones (69) 3225-9979 ou 9363-1909. Também estamos no www.painelpolitico.com e www.facebook.com/painel.politico e no Twitter (@painelpolitico). Caso prefira, envie correspondencia para Rua da Platina, 4326, Conjunto Marechal Rondon. Whatsapp 9248-8911.

Pessoas mais baixas têm maior risco de doença cardíacas

Pessoas baixas correm maior risco de terem complicações graves devido à obstrução de artérias: é o que diz um estudo divulgado nesta quarta-feira que confirmou, através da análise genética, uma antiga relação entre altura e doenças cardíacas.O estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Leicester foi publicado no New England Journal of Medicine. A pesquisa é a primeira a mostrar que o risco maior é principalmente devido a uma variedade de genes que influenciam se uma pessoa é alta ou baixa, e não outras variáveis, como pobreza ou má alimentação. Os pesquisadores esperam que um estudo mais aprofundado dos genes implicados na relação entre altura e doença cardíaca possa levar a uma melhor prevenção e tratamento no futuro.

 

Veículos e mercadorias apreendidas serão leiloados pela Receita Federal dia 10

O leilão eletrônico de mercadorias apreendidas é uma iniciativa da Delegacia da Receita Federal em Porto Velho e vai acontecer no dia 10 de abril. A abertura da sessão para ordenação das propostas é às 9h, e o lances às 15h, horário de Brasília. As propostas devem ser pela Internet no período de 01/04, a partir das 12h, até 09/04, também às 12h.

Podem participar do leilão pessoas físicas e jurídicas. Os interessados devem ofertar seus lances de qualquer lugar do país, mas tem que possuir o Certificado Digital, instrumento que pode ser adquirido através do Banco do Brasil e Escritórios de Contabilidade.

Em Guajará-Mirim, as mercadorias estão organizadas em lotes e incluem peças automotivas, perfumes, mídias de DVD e CD, vestuários, eletrônicos, veículos automotores e outros objetos. O lote de menor valor tem lance inicial de R$ 600 e o de maior valor, com mais de 20 mil peças de roupas, R$ 20 mil.

O primeiro lote é composto de quatro veículos usados, incluindo um DODGE RAM 2500, tem lance inicial de R$ 15 mil. Para apresentar a proposta de compra e respectivo lance, o interessado deve usar certificado digital válido próprio e seguir orientações constantes do edital do leilão.

A exposição das mercadorias ocorre desde o último dia 25/03/2015 e vai até o dia 08/04/2015, no horário das 9h às 12h e das 14h às 17h, nos locais e horários indicados no edital, isto é, nos órgãos da Receita em Porto Velho, Guajará-Mirim e em Vilhena, informa o Inspetor da Receita Federal em Guajará-Mirim, Gleidson Cardoso de Lima.

Do valor arrecadado com o leilão, 40% vai para a Previdência Social e 60% é destinado ao Fundo de Desenvolvimento de Atividades Fiscais (Fundaf), do Governo Federal, para investimentos em atividades de fiscalização.

Edital e Informações

Informações e cópia do edital podem ser obtidas na Delegacia da Receita Federal em Porto Velho, na av. Rogério Weber, 1752 – Centro, fone (69) 3221-5005, na Inspetoria da Receita Federal em Guajará Mirim-RO, na av. XV de Novembro, 50 – Centro, (69)3541-2848, na Inspetoria da Receita Federal em Vilhena, na Avenida Sabino Bezerra de Queiroz, nº 4837, bairro Jardim Eldorado, fone (69) 3322-8627, e ainda no site www.receita.fazenda.gov.br, nas opções “leilões” – “Sistema de Leilão Eletrônico”.

Fonte: Estação News ─ Alerta Rondônia

Justiça bloqueia R$ 163 milhões da Queiroz Galvão

Valor deve ser usado para repor prejuízos causados aos cofres públicos no esquema de propina envolvendo a Petrobras

A Justiça Federal do Paraná sequestrou R$ 163,577 milhões em precatórios que a empreiteira Queiroz Galvão teria à receber do governo do Estado de Alagoas. A medida visa manter valores para que os prejuízos causados aos cofres públicos pela empresa na Operação Lava Jato possam ser restituídos.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]De acordo com a decisão do juíz Sérgio Moro, “a medida também se justificaria na perspectiva da necessidade de reparar os danos provenientes do crime, pelo qual respondem corruptos e corruptores”. Ele não aceitou o bloqueio de valores dos contratos da empreiteira com a Petrobras, sob suspeita de terem sido obtidos mediante o pagamento de propina, pois a decisão poderia causar prejuízo para outras empresas e trabalhadores. Mas alegou que este caso é diferente, pois “os valores do precatório não estão ainda disponíveis à Construtora. O sequestro então de valores a receber não afetará a liquidez já existente da empresa”.

Mesmo que o julgamento ainda não tenha ocorrido, Moro entendeu que “embora seja necessário o aprofundamento das investigações, para a medida requerida, de cunho patrimonial, a prova existente é suficiente para justificar a constrição”.

A Justiça Federal já havia bloqueado R$ 118 milhões das contas pessoais e de investimentos de 16 investigados e três empresas alvos da Operação Lava Jato. Um dos esquemas investigados nesta operação da PF mostra que ex-diretores da Petrobras recebiam propina de empreiteiras, que formavam um cartel para determinar que obteria contratos com a estatal. Políticos de vários partidos também teriam recebido dinheiro proveniente do esquema.

Estudante que foi esfaqueada em porta de colégio se recupera dos ferimentos

A estudante Lanny Souza, de 19 anos, que foi esfaqueada por uma jovem na porta da escola Capitão Sílvio, na zona sul de Porto Velho, na noite da última terça-feira se recupera dos ferimentos internada no hospital.

Segundo informações policiais e de testemunhas, as vítimas foram abordadas e agredidas com socos, pontapés. Durante a briga, uma das acusadas sacou uma faca tipo peixeira e desferiu vários golpes em uma das vitimas e na sequencia na outra. As duas menores ficaram gravemente feridas e foram socorridas por populares para o João Paulo II.

As facadas foram desferidas por uma das jovens desta foto abaixo, que são gêmeas. Elas tiveram a casa incendiada após o ocorrido, segundo testemunhas, pelo pai da vítima.

Irmãs foram responsáveis pela confusão. Briga aconteceu por causa de namorado
Irmãs foram responsáveis pela confusão. Briga aconteceu por causa de namorado

Parte da briga foi filmada por jovens que presenciaram a cena. Veja:

Confira imagens da jovem no hospital. As fotos foram retiradas do Facebook:

esfaqueada1 esfaqueada2 esfaqueada3 esfaqueada4

Léo Moraes defende aprovação da PEC que atende delegados

Deputado disse ter certeza de que o projeto será aprovado quando for votado em plenário

O deputado Léo Moraes (PTB) usou a tribuna na Assembleia Legislativa e saiu em defesa da aprovação de Proposta de Emenda  Constitucional (PEC) de autoria do Poder Executivo que assegura direito à carreira jurídica aos delegados da Polícia Civil de Rondônia e altera critérios para o ingresso na carreira dos delegados da policia judiciária civil. A proposta foi apresentada durante sessão ordinária, mas teve pedido de vistas pelo deputado Ribamar Araújo (PT) para análise.

Léo Moraes destacou que a proposta visa reconhecer uma falha na história da categoria. Disse que 19 Estados no país já contam com a carreira jurídica regulamentada. “Essa correção nada mais é que um reconhecimento aos  nossos valorosos delegados e isso não inclui impacto na folha do governo de Rondônia, apenas vamos fazer justiça.” O deputado destacou, ainda, que o Poder Executivo não seria irresponsável em encaminhar mensagem para a Casa de Leis que gerasse impacto orçamentário. O país e Rondônia vivem um momento de colapso financeiro e a proposta visa reajustes apenas em 2017.

Em aparte o deputado Lebrão (PTN) parabenizou Léo Moraes por defender o tema e afirmou que hoje não existe mais atrativo para que as pessoas sigam a carreira jurídica da Policia Civil e “nós precisamos reconhecer a excelência dessa atividade de delegado. É preciso melhorar e muito a qualidade de vida desses profissionais. Somente a partir de 2017 é que os reajustes serão implantados, não causando inchaço na folha da gestão atual. Votarei favorável em qualquer momento que o projeto entrar em pauta, bem como todas as classes de Rondônia”, destacou. “Vou defender com unhas e dentes a instituição Policia Civil, neste momento  os delegados, que aceitaram a tratativas impostas e debatidas em reunião. Acredito na provação da PEC e na realização do sonho desses profissionais”, afirmou Léo Moraes.

Servidores e professores em paralisação fecham acesso à Unir

Servidores e professores da Universidade Federal de Rondônia (Unir) em paralisação desde a última terça-feira (7) fecharam, na manhã desta quarta-feira (8) durante uma hora, o acesso ao campus da instituição em Porto Velho. Entre as reivindicações das categorias estão melhores condições de trabalho, reajuste salarial e Plano de Cargos e Salários. O movimento, realizado em todo o estado, deve durar até a quinta-feira (9). Na data está previsto um novo bloqueio na entrada da Unir na capital.

Segundo o Sindicato Trabalhadores da Unir (Sintunir), 80% dos técnicos administrativos da universidade paralisaram as atividades em todo o estado. Já a Associação dos Docentes da Unir (Adunir) não precisou quantos professores aderiram à paralisação e informou apenas que “a grande maioria” dos associados participa do movimento. Conforme as duas entidades, as aulas não estão sendo realizadas e apenas os serviços essenciais estão disponíveis.

“Nós queremos abrir um processo de discussão sobre a precariedade das condições de trabalho nas universidades federais”, explicou o presidente da Adunir, Luiz Carlos de Albuquerque, complementando que o movimento também tem o objetivo de coibir a aprovação de propostas de lei em tramitação no Congresso Nacional que seriam prejudiciais aos professores.

Albuquerque informou que o acesso ao campus da universidade na capital será fechado novamente na quinta. A previsão é que o bloqueio tenha início por volta das 8h e dure cerca de uma hora. O presidente da Adunir disse ainda que os professores e servidores que aderiram à paralisação devem bloquear o trecho da BR-364 que fica em frente à Unir.

De acordo com a assessoria de imprensa da Universidade Federal de Rondônia, a instituição reconhece a legitimidade do movimento, mas ressaltou que as manifestações são nacionais e as negociações estão sendo feitas diretamente com o governo federal.

Exposição de fotos mostra belezas naturais de Guajará-Mirim, RO

Até o dia 30 de abril, o município de Guajará-Mirim (RO) terá uma mostra de fotografia no Museu da Estrada de Ferro. A exposição conta com imagens de belezas naturais do município, as fotos são de autoria do fotógrafo Niki Castro. A exibição faz parte da programação comemorativa de 86 anos da cidade, que faz aniversário no dia 10 de abril.

O fotógrafo conta que escolheu as fotos com carinho. Ao todo são 16 imagens que compõem a exposição. “As pessoas se esquecem das belezas naturais e do potencial turístico que a cidade proporciona. Isso precisa ser divulgado”, afirma Niki.

A secretária municipal de Cultura, Esportes e Turismo, Wisnete de Paula Ojopi, afirma que para comemorar o aniversário do município, a mostra foi incluída na programação festiva. “Fizemos uma vasta pesquisa para escolher um profissional que valorizasse as coisas da cidade e que morasse aqui. O Niki tem fotos lindíssimas, sempre mostrando o que Guajará tem de melhor”, comenta a secretária.

O Museu da Estrada de Ferro fica localizado na Praça dos Pioneiros, Centro. A exposição segue até o dia 30 de abril, com entrada gratuita. O horário é de 8h ao 12h e das 14h às 18 h.

É possível aplicar somente pena de ressarcimento de danos em ação de improbidade

Ao julgar ação civil pública por ato de improbidade, o magistrado não é obrigado a aplicar cumulativamente as penalidades previstas no artigo 12 da Lei de Improbidade Administrativa – LIA (Lei 8.429/92). Assim, dependendo do caso, é possível a aplicação exclusiva da pena de ressarcimento integral e solidário dos danos causados aos cofres públicos.

A tese foi aplicada no julgamento de recurso da União, que pretendia a aplicação da pena de ressarcimento cumulada com multa e suspensão dos direitos políticos do ex-prefeito de Maetinga (BA) Enídio Vieira de Aguiar e de dois ex-secretários de Saúde do município.

Eles foram condenados por utilizar verbas do Programa de Atenção Básica no pagamento de folha de pessoal que não executava atividades do programa.

Os agentes públicos também foram condenados por uso indevido de recursos destinados à epidemiologia e ao controle de doenças na aquisição de sofá, colchão, travesseiro e telefone para a Secretaria de Saúde. Eles foram condenados solidariamente a devolver R$ 60 mil aos cofres do município.

Jurisprudência

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Por maioria de votos, a Segunda Turma negou o recurso da União e manteve os termos da condenação. O relator, ministro Og Fernandes, afirmou que é possível a aplicação da pena de ressarcimento do dano de forma isolada, sem que se cogite de ofensa às finalidades previstas na LIA.

O ministro citou precedentes do STJ que admitem o ressarcimento do dano ao erário como condenação exclusiva por ato de improbidade.

Segundo o relator, o cabimento da ação de improbidade está relacionado com a tipologia descrita nos artigos 9º, 10 e 11 da LIA, e não propriamente com a necessidade de aplicar em bloco as sanções do artigo 12, pois isso envolve a ponderação de valores a ser realizada caso a caso pelo magistrado, valendo-se da razoabilidade, proporcionalidade e finalidade social da lei.

Og Fernandes explicitou ainda que a Justiça Federal na Bahia aplicou a sanção de ressarcimento do dano ao erário, sem a necessidade de outras punições previstas no artigo 12 da LIA, a partir da análise das peculiaridades da conduta imputada aos agentes públicos envolvidos e das provas colhidas na demanda.

“Destacou-se, na oportunidade, que, embora a verba pública não tenha observado a destinação legal, a utilização da quantia deu-se em benefício do próprio município, o que justifica o temperamento da sanção que fora cominada”, explicou o ministro.

Acompanhando o voto do relator, a maioria dos ministros concordou que para rever essa conclusão seria necessário o reexame de provas, que é vedado pela Súmula 7 do STJ.

A notícia refere-se aos seguinte processo: AREsp 239300

Pai e sete filhos morrem envenenados após luz da casa ser cortada

Monóxido de Carbono liberado pelo aquecedor causou a morte da família americana

[su_frame align=”right”] [/su_frame]O ajudante de cozinha divorciado Rodney Todd, de 36 anos, e seus sete filhos morreram envenenados por monóxido de carbono na terça-feira (7). A causa da contaminação foi um corte na eletricidade, que fez com que o aquecedor utilizado pela família liberasse a substância, conforme informou a polícia local.

A empresa responsável pelo fornecimento de energia da região, Delmarva Power, foi intimada a informar exatamente quando a luz da casa, que é alugada, foi desligada. O Estado de Maryland proíbe as prestadoras de serviço de cortarem o fornecimento por falta de pagamento de contas sem antes apresentarem um depoimento à Comissão de Serviço Público.

Rodney Todd e seus dois filhos e cinco filhas foram vistos com vida pela última vez no dia 28 de março. A polícia encontrou os corpos na segunda-feira (6) depois que amigos da família, funcionários da escola e o supervisor de Todd no trabalho foram até a casa e ninguém respondeu.

“Estou desolada. É como se fosse um pesadelo, mas não é”, disse a mãe das crianças, Tyisha Lunice Chambers, à Associated Press. “Se eu soubesse que ele estava sem eletricidade, já teria ajudado.”

“As crianças estavam todas deitadas nas camas, parecia que estavam dormindo”, disse o chefe de polícia Scott Keller. “Eles não têm eletricidade. Provavelmente foram dormir e decidiram que precisavam de um pouco de calor, porque estávamos passando por algumas noites muito frias.”

Todd recebia benefícios do governo, mas não era o suficiente para pagar as contas, disse sua amiga, Sarah Hardy, ao Huffington Post. “Como pode um homem sobreviver com um salário mínimo, sustentando sete filhos, e você não pode ajudá-lo com uma conta de serviço público?”, perguntou Sarah. “Este pai de família estava trabalhando para pagar suas dívidas e a Delmarva Power corta sua luz?”, finalizou.

Padrasto de Todd, Lloyd Edwards disse que seu enteado era “um pai excelente”. “Para manter os seus sete filhos quentes, ele comprou um aquecedor. Infelizmente, o monóxido de carbono acabou os matando”, lamentou.

Porta-voz da Delmarva Power, Matt Likovich disse que a companhia também investiga o caso.

Falta de segurança prejudica turismo na Estrada de Ferro Madeira Mamoré

A Estrada de Ferro Madeira Mamoré, um dos patrimônios históricos de maior prestígio da capital, é visto hoje como ponto de comércio e uso de substâncias entorpecentes, prejudicando assim a atividade e turismo local. Público e comerciantes ambulantes reclamam do abandono e descaso na área. A Secretaria Estadual de Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec) informou que câmeras de segurança estão sendo instaladas na área para coibir as práticas e garantir a segurança.

No local, é comum ver usuários de drogas sentados no deck da estrada e a situação deixa vendedores ambulantes e visitantes apreensivos. Aldenir Moura trabalha no complexo aos finais de semana e relata que a situação já é antiga. “Se houvesse fiscalização da polícia e até mesmo da prefeitura, isso poderia ser melhor. O pessoal não vem visitar por que tem medo de ser roubado”, lamenta.

Reclamação também dos visitantes. “Isso é o tempo todo! Nunca vai parar”, esbravejou Luiz Melo, referindo-se a uma possível venda de drogas no local, em plena luz do dia. Para o turista, o abandono na região estimula os supostos usuários de drogas a irem sempre ao complexo para o consumo de entorpecentes.

A Sesdec alegou que a responsabilidade pela segurança e patrulhamento na EFMM é do 1º Batalhão da Polícia Militar (1º BPM). Já o tenente coronel do 1º BPM, Aurélio Serpa, disse que há fiscalização na praça. No entanto, de acordo com o militar, não há efetivo de policiais para monitoramento ininterrupto. Ainda assim, Serpa destacou que a polícia tem dado atenção especial às praças públicas, por meio da operação “Saturação”, em que os agentes realizam abordagem e revistas pessoais nos logradouros públicos em questão, como a Estrada de Ferro Madeira Mamoré.