Coluna – MP pede liminar para impedir vereadores de se falar sobre livros de Ariquemes

E ainda, legislando em causa própria vereador quer proibir Uber e similares em Porto Velho

Não deu

A tal “delação do fim do mundo”, que todos esperavam por parte de Emílio Odebrecht, não aconteceu. Esperava-se uma bomba atômica, que foi reduzida a um “traque”. Minutos após o encerramento do depoimento, o juiz Sérgio Moro determinou sigilo, mas já era tarde. Se você não viu, assista abaixo:


Depoimento de Emílio Odebrecht a Moro por painelpolitico

Causa própria

O vereador Edwilson Negreiros, pelo visto, não está nem aí para os altos índices de desemprego, crise econômica e escassez de dinheiro na praça. O aplicativo que revolucionou o transporte no mundo pode ser proibido em Porto Velho graças a um projeto de lei complementar do vereador, cuja família detém dezenas de concessões de serviços de taxi em Porto Velho. O projeto proíbe a implantação do Uber e serviços similares na capital de Rondônia, um verdadeiro desserviço de quem é pago para ajudar a população e não criar mais problemas.

Lei da mordaça

O Ministério Público, quem diria, resolveu tentar calar os vereadores de Ariquemes que apoiaram a decisão bizarra do prefeito Thiago Flores (PMDB) que resolveu, por conta própria “suprimir” páginas de livros didáticos das escolas da rede municipal. Em pedido de liminar, o órgão ministerial exigiu que os sete vereadores “retirassem imediatamente as publicações atinentes ao tema em suas páginas de redes sociais com ênfase ao Facebook”. E ainda, “não oponham resistência, oficial ou não, ostensiva, sub-reptícia ou de qualquer espécie a utilização do material didático”.

Pelo direito de opinar

Não vou entrar no mérito dos livros, se o prefeito e vereadores estão certos ou errados. Mas o Ministério Público vem errando feio à mão nesse caso. Primeiro que é uma questão que envolve o MEC, e consequentemente à União, sendo competência portanto, única e exclusiva do Ministério Público Federal. Em segundo ponto, jamais o Ministério Público, ou seja lá qual órgão seja, pode querer impedir alguém de emitir opiniões. Os vereadores, bem ou mal, representam o povo, sendo eleitos para isso por um período de quatro anos. Eles devem sim se manifestar, pedir opinião de seus eleitores não apenas em redes sociais, mas nas ruas, com faixas, cartazes ou aos gritos. O Brasil é uma republiqueta cheia de problemas, e é inadmissível que tenhamos ainda o direito à liberdade de expressão tolhido por um órgão governamental. Isso tem nome, chama-se DITADURA.

Talvez seja o efeito Lava-Jato

Mas desde que começou a operação, que atropela tudo que sempre foi preconizado e respeitado pelos MPs, alguns membros dos ministérios públicos acreditam estar vivendo em um mundo que só a eles pertence e que eles podem tudo. Desculpe traze-los à realidade, não podem. Não estão acima da lei. Ainda mais em uma situação tão complexa quanto este assunto, que envolve toda a sociedade em um debate sobre os limites da educação infantil. Foi uma abordagem desastrosa.

Ainda Ariquemes

O vereador e ex-senador Ernandes Amorim apresentou nesta segunda-feira um requerimento para reduzir, de R$ 13 mil para R$ 6 mil o salário dos vereadores da cidade. A proposta certamente terá forte apoio popular, mas dentro do parlamento a coisa vai azedar. Amorim que já não é lá muito querido por seus pares, vai continuar como ‘persona non grata’.

Mas…

Ele tem razão. Não existe justificativa para que um vereador receba salário de R$ 13 mil, sendo que todos mantém seus respectivos negócios e funções. Na maioria das câmaras as sessões acontecem em horários que não atrapalhem suas outras atividades. Sem contar que o “volume de trabalho” não justifica um salário desse porte.

Em Brasília

O deputado estadual Léo Moraes (PTB) está na Capital Federal para lutar pela manutenção da decisão que reduziu a tarifa de energia elétrica em Rondônia. Ele também pretende se reunir com outros parlamentares para discutir a questão do ICMS no Estado.

Pessoas com tolerância à dor podem sofrer com infarto silencioso

Pacientes que sofrem um infarto do miocárdio (IM) sem dor, não reconhecido, tem uma sensibilidade à dor reduzida em comparação com aqueles que tiveram um IM reconhecido, de acordo com um estudo publicado no Journal of the American Heart Association. Pesquisadores da Noruega examinaram a associação entre a sensibilidade à dor e reconhecimento de IM em 4.849 participantes que foram submetidos a teste de pressão ao frio (um ensaio de dor experimental comum) e eletrocardiograma. Um IM não reconhecido estava presente em 387 participantes (8%) e IM reconhecido em 4,7%. Os pesquisadores descobriram que, em comparação com os participantes reconheceram um IM, os participantes com IMs não reconhecidos suportaram um teste de pressão frio por tempo significativamente mais longo. A associação entre IMs despercebidos e menor sensibilidade à dor era mais forte nas mulheres em relação aos homens. Estas descobertas sugerem que as pessoas que tiveram um IM não reconhecido tem uma sensibilidade à dor reduzida, comparado com indivíduos que tiveram um IM reconhecido.

Traída obriga amante a desfilar pelada após flagra-la na cama com seu marido

Revoltada, a esposa decidiu que esta seria a melhor forma de punir a amante do marido

Foi esse o resultado depois que uma esposa flagrou a amante e o marido juntos na cama. Furiosa, a traída grudou no cabelo da rival e a obrigou a andar pelas ruas sem calcinha. O “castigo” aconteceu na China, segundo informou o jornal britânico The Sun

Revoltada, a esposa decidiu que esta seria a melhor forma de punir a amante do marido. Então arrancou as roupas dela e a levou para uma rua bastante movimentada

Alguns minutos da humilhante marcha foram filmados por uma testemunha identificada como Chichi Chan. Nenhum dos outros envolvidos tiveram os nomes revelados. A vítima foi levada de maneira agressiva e obrigada a andar pelada em público. A cena, claro, chamou atenção de quem quer que passasse pelo local.

Outras pessoas, aparentemente familiares da traída, seguram o cabelo da vítima para não deixar a amante escapar dali. Mas, segundo Chichi Chan, o autor do vídeo, a mulher nem tentou fugir. “Ela estava aceitando sua punição porque sabe que fez a coisa errada”, disse. E detona: “Ninguém tem simpatia por uma mulher que é pega na cama com o marido alheio”.

 

 

A cada 8 minutos, um bebê sofre acidente com produtos infantis

A cada 8 minutos, um bebê sofre acidente com produtos infantis

Falhas de fabricação e no design dos produtos estão entre as principais causas dos acidentes com berços, carrinhos de transporte e brinquedos.

Mais de 66.000 crianças com menos de três anos nos Estados Unidos passam pela emergência de hospitais devido a acidentes causados por produtos de berçário, de acordo com estudo publicado no periódico científico Pedriatrics nesta segunda-feira. Em 80% dos casos, os acidentes foram causados por queda. A maioria dos ferimentos foi causada por suportes (20%), berços ou colchões (19%) e carrinhos de bebê (17%), sendo que 81% das lesões afetaram a cabeça, rosto ou pescoço das crianças. Isso corresponde a cerca de um acidente a cada oito minutos registrado em hospitais.

Ao longo de 21 anos – entre janeiro de 1991 e dezembro de 2011 – pesquisadores do Nationwide Children’s Hospital, nos Estados Unidos, visitaram emergências de hospitais. Embora no país esforços na prevenção desse tipo de acidente tenham levado a um declínio de casos entre 1991 e 2003, a taxa vem aumentando desde 2003. A pesquisa mostrou que as lesões relacionadas aos produtos de berçário aumentaram quase 25% nos últimos oito anos do estudo.

Erro dos fabricantes

Uma série de produtos para crianças pequenas, incluindo andadores, cadeiras de balanço e cômodas de fraldário foram analisados. Tracy Mahan, uma das pesquisadores, disse ao jornal americano USA Today que o real propósito do estudo não é culpar os pais, mas sim alertar os fabricantes. “Se os produtos tivessem um design que os tornasse mais fáceis de usar, haveria menos danos”, explicou.

Gary Smith, coordenador do estudo e diretor do Centro de Pesquisa de Lesões do Nationwide Children’s Hospital, já havia trabalhado na Academia Americana de Pediatria, em 2001, descrevendo falhas de projetos de andadores para bebês. Alguns fabricantes responderam, melhorando os produtos para a anatomia dos bebês e trocando as rodas, tornando-os mais improváveis de as crianças caírem.

Entretanto, famílias que não compram novos produtos precisam ser ainda mais cautelosas, segundo Tracy. Cintos de segurança de carros usados, por exemplo, podem ser mais fracos porque o histórico do produto pode ter afetado seu nível de segurança.

Alerta para os pais

Embora o alerta não seja direcionado aos pais, existem maneiras pelas quais eles podem se certificar se os produtos são seguros e se estão sendo usados de forma correta. Tracy recomenda o uso dos quatro “R”: research, check for recalls, register the product, read the manuals (em tradução livre: pesquise, verifique os recalls, registre o produto e leia os manuais).

No Brasil, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC), é dever dos fornecedores comunicar defeitos ou inadequações de seus produtos. É possível acompanhar alertas de recall no site do Ministério da Justiça.

Fonte: veja.com

Governo mudará Bolsa Família para estimular mercado formal de trabalho

Governo mudará Bolsa Família para estimular mercado formal de trabalho

Benefício será mantido para quem conseguir emprego de até cinco salários mínimos.

O ministro Osmar Terra (Desenvolvimento Social) afirmou, nesta segunda-feira, que o governo anunciará, até o fim do mês, mudanças no Bolsa Família para estimular a entrada de beneficiários do programa no mercado formal de trabalho.

Pelas novas regras, que ainda não foram fechadas, beneficiários que conseguirem empregos com remuneração entre quatro e cinco salários mínimos, ou seja, até R$ 4.685, continuarão recebendo o Bolsa Família por dois anos. E se perderem o trabalho depois desse período, voltarão automaticamente a receber o benefício do governo.

— O Bolsa Família hoje é uma causa importante, senão a maior, da informalidade no mercado de trabalho. As pessoas morrem de medo de perder o Bolsa Família se arranjarem um emprego. E se arrumam (um emprego) não querem assinar a carteira — disse o ministro, ao participar do evento “Brasil de Ideias”, promovido pela revista “Voto”.

O valor médio pago às 13,5 milhões de famílias atendidas hoje — que reúnem cerca de 50 milhões de pessoas — é de R$ 182. A quantia pode ser maior ou menor conforme a renda da família, o número de dependentes, entre outros fatores.

Segundo Osmar Terra, o governo também premiará prefeitos pela emancipação de famílias do Bolsa Família. Eles passarão a ganhar um bônus em dinheiro do governo federal para o município e um troféu das mãos do presidente Michel Temer.

— É uma forma de estimular o prefeito. Ele não tem ganho político com isso e vai passar a ter — disse o ministro.

Fonte: oglobo.com

Sindicatos convocam greve geral para quarta-feira

Sindicatos convocam greve geral para quarta-feira

Em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou presença no ato marcado para as 16h na avenida Paulista

Centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais estão convocando a população a aderir a um dia de greve geral, na quarta-feira (15), contra as reformas da Previdência e do trabalho. Em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou presença no ato marcado para as 16h na avenida Paulista, região central da cidade.

Segundo a CUT, haverá interrupção de atividades em diversos locais de trabalho, atraso na entrada de turnos, assembleias e, em diversas capitais, atos públicos.

O presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, diz que além da reforma da Previdência, outras ameaças de retiradas de direitos estão prestes a serem votadas no Congresso Nacional, como é o caso dos projetos da reforma trabalhista e da terceirização irrestrita.

“A ideia é acabar com as férias de 30 dias, aumentar a jornada, ampliar indefinidamente os contratos de trabalho temporário, além de acabar com o direito à aposentadoria pública no Brasil”, diz Vagner.

A reforma da Previdência prevê a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem, com 25 anos de contribuição. A prevê que homens com mais de 50 anos e mulheres com mais de 45 poderão entrar num regime de transição, pelo qual terão que pagar um pedágio de 50% sobre o tempo faltante para a aposentadoria.

Na semana passada, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que não tinha como fazer mágica com os números. “O importante é que todos os brasileiros possam ter certeza de que vão receber a aposentadoria, que as taxas de juros continuem caindo, que a inflação continue caindo. E, para isso, temos que controlar as despesas públicas. Gastar dinheiro do governo sempre é uma coisa fácil. Existem países ou estados brasileiros que fizeram muito isso e estão sofrendo consequências dramáticas. Então, a conta tem que ser paga cedo ou tarde.”

Ele também rejeitou a ideia de reduzir a idade mínima necessária para as mulheres se aposentarem. Segundo Meirelles, se a idade de aposentadoria das mulheres for reduzida para 60 anos, os homens terão que trabalhar até os 71 anos para compensar essa diferença. , acrescentou.

Pelas regras atuais, os homens podem se aposentar com 35 anos de contribuição e as mulheres, com 30 anos. Não há idade mínima.

Fonte: veja.com

Já dá para fazer sexo pelo seu smartphone

Já dá para fazer sexo pelo seu smartphone

Por meio de um vibrador, app permite enviar estímulos sexuais ao parceiro.

Graças ao O-Cast, uma loja erótica virtual da empresa CamSoda, já é possível praticar sexo oral e compartilhar os movimentos com vibradores, via smartphone, para que o parceiro sinta os estímulos “do outro lado”.

Para tal, o usuário precisa fazer o download do aplicativo e, por meio de lambidas na tela do celular, criar padrões de vibrações sexuais. Esses movimentos são enviados, via bluetooth, a vibradores que vão reproduzir as investidas de acordo com as preferências de sexuais do usuário. Ainda é possível usar o dedo para criar os estímulos, porém, de acordo com a empresa, “as lambidas são mais sedutoras”.

Há alguns meses, a CamSoda já havia lançado um serviço similar exclusivo para o público masculino. Na ocasião, o usuário criava os padrões de movimentos sexuais usando um pênis artificial. Os dados eram enviados para uma espécie de ‘luva’ para serem colocados em prática. No entanto, a novidade não deu muito certo devido ao preço elevado. Enquanto o O-Cast custa 100 dólares (cerca de 315 reais), para brincar com as ‘luvas mágicas’, o usuário precisaria desembolsar 250 dólares (aproximadamente 780 reais).

Na loja virtual do app, há 12 amostras de ‘orgasmos’ que estão disponíveis para download, como: “Ficando Loco (Getting Loco)”, “Banho Sensual (Sensual Bath)” e “Nuvem de Marshmallows (Mushrooms clouds)”. Entretanto, é possível personalizar as sensações.

Fonte: veja.com

Fraude fiscal em fusão com JBS bloqueia R$ 3,2 bi da família Bertin

Grupo é acusado de fraude fiscal na fusão de R$ 12 bilhões com a JBS, em 2009

Reportagem da revista Época mostra que o juiz Massimo Palazzolo, da 8ª Vara de Execuções Fiscais de São Paulo, autorizou o bloqueio de bens e contas no valor de R$ 3,2 bilhões de 17 membros da família Bertin e suas respectivas empresas. A decisão decorre de uma medida cautelar ajuizada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) em São Paulo, após investigação feita pela Receita Federal sobre as irregularidades envolvendo a fusão entre Bertin e JBS, que deu origem, em 2009, à maior empresa de proteína animal do mundo. Em 2016, o Fisco havia autuado o grupo Bertin em R$ 3 bilhões, entre impostos devidos e multas. Desde então, em parceria com a PGFN, tenta executar os créditos.

A Receita alega que, ainda que a operação tenha sido montada como uma “fusão”, trata-se da venda dos frigoríficos Bertin para a JBS por meio de uma triangulação financeira envolvendo um fundo de investimento, o FIP Bertin. O fundo era controlado pela família Bertin, que detinha 100% das cotas. Mas, poucos dias antes da conclusão da venda, uma empresa sediada em Delaware, chamada Blessed, adquiriu 67% das cotas do FIP, por R$ 10 mil – sendo que a real participação valia algo em torno de R$ 3 bilhões. No ano seguinte, a Blessed adquiriu uma nova rodada de cotas por R$ 17 mil – e hoje controla 86% do fundo. A Blessed ainda consta como acionista da JBS, com o nome de Pinheiros. Seus proprietários são duas offshores sediadas em Porto Rico e Ilhas Cayman, cujos donos são ex-executivos do banco HSBC.

A Receita, contudo, caracterizou a operação como uma fusão “fictícia”, alegando que a Bertin jamais deteve ações da JBS. Além disso, o Fisco avalia que houve sonegação, pelo fato de os fundos FIP terem tributação menor. O juiz Palazzolo deferiu a cautelar protocolada pela PGFN, sob o argumento de que estava em curso uma tentativa de esvaziamento patrimonial por parte da família Bertin, que já entrou com recurso contra o bloqueio. Contudo, a decisão da Justiça foi mantida. Procurados, os Bertins não responderam ao pedido de entrevista até a publicação da reportagem.

MP notifica prefeito após cobranças indevidas de serviços do SUS em MT

MP notifica prefeito após cobranças indevidas de serviços do SUS em MT

Diretor de Pronto Socorro de Barra do Garças também foi notificado.
Segundo MP, consultas e procedimentos eram cobrados de usuários.

O Ministério Público Estadual (MPE) notificou o prefeito de Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, Roberto Farias (PMDB), e o diretor-geral do Hospital e Pronto-Socorro Milton Pessoa Morbec, Adilson Tavares Lopes, para que cessem com cobranças feitas a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) por serviços realizados no âmbito da atenção básica e média e alta complexidade.

O G1 entrou em contato com a Prefeitura de Barra do Garças, mas não recebeu uma resposta até a publicação desta matéria. A reportagem não conseguiu contato com o diretor do Pronto-Socorro. Porém, durante diligência realizada pela 1ª Promotoria de Justiça ´Cível daquele município, ele teria reconhecido que, “em razão da inoperância parcial do Laboratório interno do Hospital Municipal, diversos exames estavam sendo realizados em clínicas particulares mediante cobranças”.

Conforme a notificação enviada, o município deverá afixar, em todas as unidades públicas de saúde localizadas em Barra do Garças – em locais de fácil visualização – cartazes alertando sobre a proibição da cobrança indevida.

Segundo o MPE, o fato foi constatado em documentos entregues ao órgão. De acordo com o promotor de Justiça Paulo Mora, por se tratar de instituição hospitalar pública, as cobranças por consultas e procedimentos não podem ser cobrados, mesmo quando se tratarem de serviços contratados.

O promotor recomendou a abertura de procedimento administrativo para apurar a prática de infração administrativa acerca da cobrança indevida e ressaltou que a notificação expedida não exclui a apuração pela prática de crimes e de atos de improbidade administrativa.

O MPE solicita, ainda, a todos os usuários que foram cobrados indevidamente por ações e serviços de saúde no âmbito do SUS naquele município para que comuniquem o órgão, para que as devidas apurações sejam tomadas.

Diretor de Pronto Socorro de Barra do Garças também foi notificado.
Segundo MP, consultas e procedimentos eram cobrados de usuários.

O Ministério Público Estadual (MPE) notificou o prefeito de Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, Roberto Farias (PMDB), e o diretor-geral do Hospital e Pronto-Socorro Milton Pessoa Morbec, Adilson Tavares Lopes, para que cessem com cobranças feitas a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) por serviços realizados no âmbito da atenção básica e média e alta complexidade.

O G1 entrou em contato com a Prefeitura de Barra do Garças, mas não recebeu uma resposta até a publicação desta matéria. A reportagem não conseguiu contato com o diretor do Pronto-Socorro. Porém, durante diligência realizada pela 1ª Promotoria de Justiça ´Cível daquele município, ele teria reconhecido que, “em razão da inoperância parcial do Laboratório interno do Hospital Municipal, diversos exames estavam sendo realizados em clínicas particulares mediante cobranças”.

Conforme a notificação enviada, o município deverá afixar, em todas as unidades públicas de saúde localizadas em Barra do Garças – em locais de fácil visualização – cartazes alertando sobre a proibição da cobrança indevida.

Segundo o MPE, o fato foi constatado em documentos entregues ao órgão. De acordo com o promotor de Justiça Paulo Mora, por se tratar de instituição hospitalar pública, as cobranças por consultas e procedimentos não podem ser cobrados, mesmo quando se tratarem de serviços contratados.

O promotor recomendou a abertura de procedimento administrativo para apurar a prática de infração administrativa acerca da cobrança indevida e ressaltou que a notificação expedida não exclui a apuração pela prática de crimes e de atos de improbidade administrativa.

O MPE solicita, ainda, a todos os usuários que foram cobrados indevidamente por ações e serviços de saúde no âmbito do SUS naquele município para que comuniquem o órgão, para que as devidas apurações sejam tomadas.

Fonte: g1/mt

Pezão quer usar dinheiro desviado por Cabral para pagar 13º salário de aposentados

Pezão quer usar dinheiro desviado por Cabral para pagar 13º salário de aposentados

Cerca de R$ 270 milhões deve entrar nos cofres estaduais

O governo do Rio trabalha para anunciar, nos próximos dias, a recuperação de valores desviados pelo ex-govenador Sérgio Cabral, alvo da operação Lava-Jato. Segundo membros do alto escalão do Palácio Guanabara, a esperança é que algo em torno de R$ 270 milhões entre nos cofres estaduais. A “receita extraordinária” será utilizada para pagar o 13º salário de aposentados do estado com proventos até R$ 3.500. A previsão é de que isso aconteça até o fim do mês.

A negociação tem à frente a Procuradoria-Geral do Estado (PGE). Segundo membros da própria procuradoria, foi de iniciativa do Tribunal Regional Federal convidar o Rio de Janeiro para negociar a transferência dos ativos bloqueados. O Estado mostrou interesse em ter o dinheiro, o que deu início às conversas. Além do Tribunal Regional Federal, o Ministério Público Federal também participa desta negociação.

Oficialmente, o Palácio Guanabara não comenta o caso. A PGE também não adiantou qualquer informação sobre tema, apenas confirmou que existe uma negociação em curso.

No último sábado, a coluna do jornalista Ancelmo Góis informou que um ato público está sendo preparado para anunciar a devolução do dinheiro desviado por Sérgio Cabral ao Estado do Rio.

Fonte: oglobo.com

 

Internado em Porto Alegre, surfista dado como morto no Rio tem reação, diz prima

Internado em Porto Alegre, surfista dado como morto no Rio tem reação, diz prima

Segundo parente, médicos negaram morte cerebral antes de retirar órgãos de Lucas Zuch

A tarde de segunda-feira trouxe uma reviravolta na situação do surfista Lucas Zuch, apontado como morto no sábado após um acidente na praia da Barra da Tijuca, no Rio. Quando o corpo de Lucas chegou a Porto Alegre, onde teria os órgãos retirados para doação antes de ser velado e enterrado, os médicos do Hospital Moinhos de Vento constataram que não havia quadro de morte cerebral.

Assim, Lucas teve o status de “morto” revertido para “em coma”. A informação foi confirmada pela prima do surfista, Bruna Zuch. Lucas, no momento, está internado em Porto Alegre.

— Quando estavam fazendo exames antes da retirada dos órgãos, viram que ele teve algum tipo de reação, diferente do que havia sido visto anteriormente. Fizeram novo diagnóstico e aí constataram que ele não teve morte cerebral — disse Bruna, explicando que o estado de saúde de Lucas é crítico:

— Sabemos que a chance dele sobreviver ou de não ter sequelas é bem pequena, seria um milagre. Ele continua em coma e (os médicos) estão exaurindo todas as possibilidades. Estamos numa situação parecida com a de antes, só que com uma pontinha a mais de esperança. Mas a esperança é a última que morre, vamos seguir rezando — completou.

De acordo com a assessoria de imprensa do Hospital Moinhos de Vento, em resposta ao portal “Uol”, o estado de saúde de Lucas “é grave e no momento ele passa por uma série de exames de avaliação neurológica”.

Acidente na terça-feira

Lucas se acidentou na terça-feira quando surfava sozinho na praia da Barra, e foi levado para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, onde ficou até sexta-feira. De lá foi transferido para a Casa de Saúde São José, na Zona Sul do Rio. O surfista teve detectado um traumatismo craniano, possivelmente causado por um impacto com a prancha ou com algum banco de areia.

No sábado, a família foi informada que Lucas tinha um quadro irreversível devido a lesões cerebrais. A morte do surfista chegou a ser lamentada nas redes sociais de personalidades do surfe, como o campeão mundial Adriano de Souza, o Mineirinho, e também em publicações de sócios de Lucas no site Surfari, dedicado à divulgação do esporte no Brasil.

O corpo foi transferido para Porto Alegre no domingo, e o velório ocorreria ainda no início desta semana, depois que fosse concluído o processo de doação de órgãos. Procurada, a assessoria da Casa de Saúde São José, onde a família de Lucas recebeu o diagnóstico de morte cerebral, disse que vai apurar o caso.

A prancha de Lucas foi identificada no mar por Milla Ferreira, carioca campeã mundial de kitesurf em 2016. Milla estava na varanda de seu apartamento na última terça-feira, na altura do Posto 2 da praia da Barra, quando viu o objeto boiando a cerca de 250 metros da areia. Desconfiada da prancha abandonada, a kitesurfista passou a gritar da janela, tentando alertar os bombeiros do 2º Grupamento Marítimo (GMAR).

Fonte: oglobo.com