Coluna – Confira nomes que teriam recebido propina das usinas e que foram identificados pelo delator da Odebrecht

E ainda, processo contra Lúcio Antônio Mosquini, que foi preso em 2014 dorme nas gavetas magistrais do STF; Cassol contesta delator, “acusações são levianas e descabidas”

Igual água de poço

Parado. Assim está a tramitação dos inquéritos referentes ao deputado federal Lúcio Mosquini (PMDB) preso na Operação Ludus (2014) da Polícia Federal por desvios nas obras do Espaço Alternativo, em Porto Velho. Na tramitação, o último movimento aconteceu no dia 29/08/2016 quando ficou “concluso ao relator”, no caso a ministra Rosa Weber. Desde então, dorme em berço esplêndido nas gavetas magistrais do Supremo.

Enquanto isso

A população continua desfrutando das obras inacabadas em Porto Velho. Para quem não sabe ou não lembra, Mosquini e o ex-prefeito de Ouro Preto Alex Testoni, além de outras pessoas, foram acusadas de fraudar licitação e superfaturar as obras. O local nunca foi apropriado para o projeto mirabolante, que destruiu as poucas mudas de árvores que haviam sobrado da maracutaia de Roberto Sobrinho e transformou o espaço em um deserto de concreto que as famílias não conseguem utilizar graças aos marginais que ocupam o local. Obrigado Mosquini, Porto Velho também te ama!

Não passa de foguetório nas ruas

Quando se vê uma manchete do tipo “policiais invadem o Congresso em protesto contra a reforma da Previdência” duvide da palavra “invadem“. Isso não acontece. Quem conhece o Congresso sabe que ao estar dentro, o que acontece do lado de fora se torna invisível. Manifestações que você vê na televisão só acontece nas ruas. Dentro a história é outra. Os parlamentares e assessores ficam indiferentes ao que ocorre do lado de fora porque não conseguem ver nem ouvir. E invadir mesmo é praticamente impossível, dada a arquitetura e logística do local.

Até quando?

Vereadores continuam vindo à Brasília “em busca de recursos” ou para “audiências com deputados” que não passa de conversa fiada, mas as diárias são pagas pelo contribuinte. Alguém precisa colocar um freio nessas viagens, que não tem nenhum propósito convincente. Vale lembrar que todos os deputados e senadores mantém escritórios de representação em Rondônia e todas as semanas estão circulando pelo estado.

Listão da Odebrecht

Muita gente me cobrou os nomes dos traquinos cujos apelidos aparecem na lista que PAINEL POLÍTICO divulgou com exclusividade na última coluna. A questão é a seguinte, a lista foi repassada pelo delator Henrique Valadares à justiça, mas apenas alguns nomes ele identificou. Ele recomendou ao seu interrogador que questionasse o ex-diretor da Odebrecht José Bonifácio Pinto, que atuava em Rondônia na época da construção das usinas e era, segundo o delator, responsável pelo pagamento de propina. Os nomes que foram identificados você confere no final da coluna. VALE LEMBRAR QUE OS NOMES FORAM APRESENTADOS PELO DELATOR, TRATAM-SE DE ACUSAÇÕES E NÃO DE CONDENAÇÕES.

Minimizando danos

O senador Ivo Cassol enviou nota através de sua assessoria onde reafirma que seu nome aparece como “retaliação por ter ‘denunciado’ a isenção fiscal dada pelo Estado às usinas. Para quem está boiando sobre o assunto porque ficar por dentro AQUI, AQUI e AQUI.

Para situar

Alguns veículos de comunicação divulgaram a venda de gado que teria sido feita pelo senador um dia antes da lista de Fachin ser divulgada e criaram uma “teoria conspiratória” sobre o assunto. Por isso, a nota que você vai ler abaixo contém explicações sobre o caso (nós aqui não publicamos). A parte que interessa mesmo é o trecho em que ele fala sobre a questão das usinas e a viagem aos EUA. Confira a nota:

Nota do Senador Ivo Cassol

Jornalismo investigativo SIM, difamação NÃO.

Sobre as falsas notícias disseminadas em alguns jornais eletrônicos e outros meios de comunicação, repudiamos a difamação e em respeito às pessoas de bem, esclarecemos os fatos:

1 – Sobre venda de gado – nenhum abate de gado ou venda de animais é realizado pelo Grupo Cassol sem estar declarado nos órgãos de controle fiscal e de sanidade animal.

As fazendas do Grupo Cassol produzem boi de engorda através do método confinamento. Ressalto que o gado em confinamento tem dia certo para o abate em função de seu ciclo de engorda.

Ademais, os recursos do abate foram destinados para investimentos na construção da usina hidrelétrica do Grupo, a Unidade de Caximbo Alto em Alta Floresta.

Igualmente, há de esclarecer que a venda de gado foi feita para outro frigorífico e não para empresa Fertipar e Cairu, que nada tem a ver com o assunto e o tal frigorífico Fetipar nem existe em Rondônia.

2 – Sobre a viagem para os EUA em 2012 – NADA, absolutamente NADA da viagem da minha família aos EUA foi patrocinado por alguém a não ser por mim e pela minha família.

Passagens aéreas e estadias podem ser comprovadas através das faturas dos cartões de crédito, documentos estes que estão a disposição da justiça.

3 – Reafirmo que as acusações são levianas e descabidas, desconheço qualquer pagamento a meus advogados por terceiros. Os advogados possuem procuração somente para me defender e atuar nos processos do início ao fim, jamais autorizei qualquer pessoa a pagar qualquer conta que seja, muito menos usar meu nome para negociações com qualquer empresa ou grupo econômico.

4 – Reafirmo, ainda, que vejo essa denúncia como uma retaliação por ter sido contra a isenção de UM BILHÃO de impostos dado em 2.011 aos consórcios que construíram as usinas Jirau e Santo Antônio.

Com fé em Deus, com o apoio de minha família e as pessoas de bem tenho certeza que estarei presente para vencer mais essa incrédula batalha, de ter que provar a verdade, como tantas outras batalhas que já provei e venci nos tribunais, mesmo tendo sido condenado por antecipação por alguns setores da mídia e os adversários políticos.

Brasília/DF, 18 de abril de 2.017.

Senador Ivo Cassol

Álcool compromete o cérebro mesmo sem causar embriaguez

Pessoas que bebem com frequência tendem a não sentir os efeitos do álcool, mesmo depois de algumas doses. No entanto, ainda é preciso ter cuidado. De acordo com estudo liderado pelo Sistema de Saúde para Veteranos do Exército de San Diego, nos Estados Unidos, embora não percebam, essas pessoas também enfrentam problemas cognitivos como redução da velocidade das habilidades motoras, memória de curto prazo e processamento complexo, o que pode ser grave. Os maiores consumidores de álcool também demonstraram menor autopercepção de danos do que aqueles que costumam beber menos, o que pode resultar em comportamentos ainda mais arriscados quando bêbados. “Em geral, existe uma crença de que quem está acostumado a beber muito pode lidar com o álcool e que muitas tarefas diárias comuns não são afetadas pelo consumo”, disse Ty Brumback, autor do estudo e especialista em tratamento de vício, ao Daily Mail. Embora os “bebedores experientes” tenham apresentado menos erros no teste dos pinos, seu desempenho no Teste de Substituição foi semelhante ao dos que bebem casualmente. Porém, o detalhe mais perigoso é que os experientes apresentaram menores níveis de autopercepção. Isso significa que eles podem realizar algumas atividades que mostram um nível de embriaguez menor do que o real.

LISTA DA ODEBRECHT COM ALGUNS NOMES IDENTIFICADOS PELO DELATOR HENRIQUE VALADARES

Universal é condenada a indenizar idosa por quebrar fêmur em culto

Igreja Universal é acusada de obrigar pastores a fazer vasectomia

Mulher de 90 anos foi atingida por pastor que “exorcizava” um fiel

A Igreja Universal do Reino de Deus foi condenada a indenizar em R$ 10 mil uma idosa de então 86 anos que quebrou o fêmur durante uma cerimônia religiosa, ocorrida em fevereiro de 2013. A decisão ocorreu no dia 29 de março na 6ª Vara Cível de Osasco, por determinação da juíza Mariana Horta Greenhalgh. O incidente ocorreu em um templo do bairro Jardim Baronesa, em Osasco.

“É inegável que os fatos narrados ensejaram, além da lesão física, sofrimento e angústia à autora, tendo em vista as fortes dores oriundas da fratura do fêmur e o comprometimento de seus movimentos, pelo que restam configurados os danos morais”, escreveu a magistrada na decisão.

O advogado Eliél de Carvalho conta que Maria de Lourdes Souza de Oliveira, de 90 anos, estava na primeira fileira do culto quando ocorreu o ritual de “libertação de demônios”, durante o qual o pastor a teria derrubado enquanto “exorcizava” um fiel. Segundo ele, a aposentada precisou ser submetida a uma cirurgia e sofreu sequelas que a impedem de se locomover sem o uso de cadeiras de rodas.

Em nota, a Igreja Universal afirmou ter agido “com responsabilidade com a vítima do acidente, prestando todo o apoio”. “Repudiamos, porém, o juízo baseado em total ausência de provas, do qual pretendemos recorrer às instâncias superiores”, escreveu.

A versão é, contudo, contestada por Carvalho, o qual diz que a idosa foi levada para atendimento médico por amigos da família e que a igreja não prestou qualquer tipo de ajuda no momento do incidente ou em ocasiões posteriores – mesmo ela sendo frequentadora há 24 anos. De acordo com ele, por não ter condições financeiras de arcar com despesas na rede privada, todo o seu tratamento foi realizado no Sistema Único de Saúde.

Ainda segundo o advogado, a família da vítima deve recorrer da sentença para aumentar a indenização. “Entendemos que ela foi boa, mas que esse valor não significa nada para uma instituição do tamanho da Universal. O dano moral tem um poder punitivo. Nesse caso, teria que ser uma indenização de no mínimo R$ 100 mil”, afirma.

Cientistas encontram criatura bizarra em lagoa nas Filipinas

Cientistas encontram criatura bizarra em lagoa nas Filipinas

É a primeira vez que o molusco gigante é encontrado vivo por pesquisadores na natureza.

Cientistas encontraram um animal bizarro que parece ter saído diretamente do filme Alien (1979). O verme gigante, que tem mais de 1,5 metro de comprimento e cinco centímetros de largura, foi encontrado dentro de uma lagoa lamacenta nas Filipinas.

Chamada de Kuphus polythalamia, a espécie é o molusco bivalve mais comprido do mundo. A concha em que ela vive é descrita por cientistas desde o século XVIII. Porém, essa é a primeira vez que pesquisadores encontram a criatura viva dentro de seu casulo.

A dificuldade em achar a criatura viva está relacionada com a falta de informações sobre seu habitat natural. Aliás, os autores do estudo só descobriram onde o animal vivia devido a um documentário produzido nas Filipinas. Após assistirem ao filme, eles foram ao local e capturaram cinco espécies para análise.

“Eu fiquei impressionado quando vi pela primeira vez a imensidão desse animal bizarro”, contou Marvin Altamia, um dos autores do estudo, em um comunicado. “Estar presente no primeiro encontro com um animal como esse é o mais perto que eu posso chegar de um naturalista do século XIX”, disse Margo Haygood, outra autora da pesquisa.

O tamanho do molusco não foi a única característica que surpreendeu os cientistas. As análises mostraram que o animal não come da mesma forma que outra espécie de sua família, a Teredo, que prefere comer detritos de madeira. Na realidade, as bactérias que vivem nas guelras da Kuphus polythalamia é que se alimentam para o animal sobreviver.

Devido ao ambiente em que vive–rico em sulfeto de hidrogênio, gás nocivo para os seres humanos–as bactérias obtêm energia do sulfeto para transformar o dióxido de carbono em nutrientes. Além disso, a “tampa” da casca em que o molusco vive sela a sua boca, o que o impede de consumir outros sedimentos. Os autores da pesquisa acreditam que, por isso, os órgãos digestivos da Kuphus polythalamia atrofiaram.

O estilo de vida diferenciado da criatura gigante pode servir como base de uma hipótese proposta por Daniel Distel, autor principal da pesquisa. Sua teoria tenta explicar como alguns moluscos dessa família fazem a transição de uma alimentação focada em madeira para uma baseada em um gás nocivo.

“Também estamos interessados em ver se transições semelhantes podem ser encontradas em outros animais que vivem em habitats únicos em todo o mundo”, disse Distel em comunicado. Haygood ainda adiciona que a descoberta da espécie mostra que ainda há muito a ser descoberto na Terra. “Pensamos que este planeta está sendo bem explorado, mas acho que ainda há muito espaço para a exploração.”

Fonte: exame.com

LAERTE GOMES QUER QUE VOCÊ CONTINUE PAGANDO OS PREJUÍZOS DA CAERD

Deputado, líder do governo na Assembleia, vem trabalhando nos bastidores para derrubar CPI

Brasília – O deputado estadual Laerte Gomes (PSDB) vem trabalhando pesado nos bastidores para derrubar a CPI que pode colocar um ponto final na gestão criminosa de Iacira Moura na Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia (Caerd).

Ele vem pressionando deputados para que retirem a assinatura e inviabilizem a CPI, proposta pelo deputado estadual Anderson do Singeperon. Laerte está em linha direta com o chefe da Casa Civil Emerson Castro.

Os deputados Geraldo da Rondônia e Ezequiel Júnior estão quase caindo no “canto da sereia” de Laerte, que desde que assumiu a liderança do governo virou um “furacão governista”. De acordo com alguns deputados, “ele consegue ser mais governo que Confúcio”.

O deputado presta um grande desserviço ao Estado…

 

14 mitos e verdades sobre a ansiedade de acordo com pesquisas

14 mitos e verdades sobre a ansiedade de acordo com pesquisas

Reunimos as principais dúvidas sobre a ansiedade e desvendamos o que é real e o que não passa de mito.

1. Animais de estimação podem ajudar pessoas ansiosas

Verdade. Sabe aquela alegria ao encontrar seu animal de estimação ao chegar em casa? Pois é, estudos apontam que conviver com um bichinho traz inúmeros benefícios para a saúde — entre eles, diminuir a ansiedade. Segundo uma pesquisa da Faculdade de Medicina de Virgínia (EUA), após sessões de recreação e terapia assistida com os pets, pacientes com distúrbios psicóticos, do humor e outros transtornos foram avaliados e apresentaram reduções significativas nos índices de ansiedade.

2. Certas bebidas amenizam e outras intensificam os sintomas da ansiedade

Meia verdade. Água com açúcar, chás, bebidas com cafeína… Dependendo do momento e da sua situação, é bem provável que uma bebida quente traga algum conforto.

Porém, é preciso dizer: chá de camomila e suco de maracujá, por exemplo, têm apenas efeito placebo (aquele sentimento de cura que não tem comprovação científica), ou nenhum efeito. “De maneira geral, para apresentar algum resultado, essas bebidas precisam ser ingeridas em grande quantidade”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antônio Geraldo da Silva.
Já substâncias como a cafeína, presentes em alguns tipos de chás, refrigerantes em geral, achocolatados e, principalmente, no cafezinho, interferem nos níveis de vários neurotransmissores, funcionando como estimulantes. Em alguns casos, é possível associar a cafeína à ansiedade, dependendo da quantidade ingerida e do organismo de cada indivíduo.

3. A ansiedade está ligada ao envelhecimento

Meia verdade. Não é que a pele fique mais enrugada instantaneamente ou que os pés de galinha se multipliquem. Mas, em nível celular, esse envelhecimento precoce pode mesmo acontecer.

Transtornos de ansiedade podem ter conexão com o envelhecimento precoce das células de pessoas de meia-idade — é isso que aponta um estudo realizado por pesquisadores do Bringham and Women’s Hospital, ligado à Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Durante a pesquisa, o envelhecimento celular precoce era uma característica comum em todas as mulheres que descreveram sintomas do transtorno de ansiedade. Nessas participantes, as células aparentavam ser seis anos mais velhas que o normal.

4. Afastar-se da causa da ansiedade faz com que ela suma

Mito. Evitar a ansiedade tende a reforçá-la. De acordo com a Anxiety and Depression Association of America (ADAA), suprimir seus pensamentos torna-os mais fortes e frequentes. Esquivar-se do sentimento não é uma boa saída, pois passa a impressão de que nada está acontecendo — e quanto mais se evita o problema, pior ele fica. Inclusive, em fobias, as técnicas costumam ser de enfrentamento e não de evitação – passo a passo o paciente é aproximado do motivo da fobia.

5. Exercícios respiratórios podem ajudar durante crises

Verdade. A respiração é um dos mecanismos de controle durante uma crise de ansiedade, mas seus efeitos variam para cada pessoa. Os exercícios respiratórios se mostram eficazes e estão presentes na terapia cognitivo-comportamental e na meditação, ambas eficazes no tratamento da ansiedade.

6. Bebidas alcoólicas ajudam a combater a ansiedade

Mito. Após um longo dia de trabalho, uma cerveja gelada no bar não é nenhum pecado, não é mesmo? Só que nem sempre aquele happy hour é inocente. Em muitos casos, as pessoas com ansiedade podem recorrer a artifícios como as bebidas, para tentar escapar de uma sensação, que, na verdade, precisa de acompanhamento médico.

A impressão de tranquilidade trazida após goles e goles é passageira – e pode acarretar ainda mais problemas, como a dependência.

Um artigo publicado pelo Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo (EUA) explica que pessoas com altos níveis de ansiedade relatam que o álcool as ajuda a se sentir mais confortáveis em situações sociais.

Assim, não é surpreendente que indivíduos com transtorno de ansiedade social clinicamente diagnosticado tenham uma maior incidência de problemas relacionados ao álcool do que a população em geral, graças ao alívio temporário.

7. Impotência e ejaculação precoce são sintomas de ansiedade

Meia verdade. Um grau leve da sensação pode ser positiva para homens e mulheres – induz a excitação e pode até facilitar o orgasmo. No entanto, casos mais graves de ansiedade são realmente prejudiciais.

Homens com ejaculação precoce podem ter até 2,5 vezes mais chance de ter ansiedade grave. Há estudos que indicam prevalência de homens que apresentam disfunções sexuais entre os diagnosticados com transtornos de ansiedade.

8. Ter um hobby combate a ansiedade

Meia verdade. Hobbies e passatempos em geral podem auxiliar pessoas com sintomas de ansiedade. Entretanto, se o indivíduo já foi diagnosticado com transtorno de ansiedade, apenas atividades ocupacionais ou de lazer não serão suficientes para que ele se cure.

“Quando você usa medicação, psicoterapia e acrescenta hobbies, você ajuda o tratamento. Mas sempre temos que diferenciar a ansiedade sintoma da ansiedade doença”, afirma Antônio Geraldo da Silva, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria. Ou seja, apenas um ansioso não patológico pode melhorar.

9. Lugares, objetos e até cheiros podem gerar crises de ansiedade

Verdade. Uma pessoa com transtorno de ansiedade pode ficar mais sensível até diante de uma situação corriqueira. De acordo com o presidente da ABP, lugares, objetos e cheiros podem, sim, agir como gatilhos para o aparecimento de sintomas da ansiedade e estão relacionados às vivências anteriores de cada indivíduo.

10. Ansiedade pode ter relação com doenças gastrointestinais

Verdade. De acordo com um estudo realizado na McMaster University, no Canadá, o intestino humano abriga quase 100 trilhões de bactérias que são essenciais para a saúde — inclusive para sua cabeça.

As vias de comunicação estabelecidas pelo intestino incluem, por exemplo, o sistema nervoso e o sistema imunológico.

A pesquisa sugere, com base em recentes descobertas, que a microbiota intestinal é um importante fator na forma como o corpo influencia o cérebro e interfere no risco de doenças, incluindo ansiedade e transtornos de humor.

11. Maconha causa ansiedade

Meia verdade. O uso da maconha pode despertar ansiedade da mesma forma que pode aliviar a tensão, tudo depende de como é usada: quantidade, experiência prévia e contexto.

Pesquisas têm demonstrado o envolvimento da maconha na regulação das emoções. O artigo publicado pelo periódico científico Revista da Biologia, da USP, explica que o uso da cannabis pode causar efeitos ansiolíticos, ansiogênicos ou ocorrência de ataques de pânico.

Usuários crônicos, de acordo com a publicação, relatam uma redução na ansiedade e alívio da tensão após o consumo, uma das razões para o uso contínuo da maconha.

12. Drogas sintéticas como LSD podem funcionar em tratamentos contra ansiedade

Meia verdade. A revista da Academia Nacional de Ciências dos EUA publicou um estudo no final de 2016 que aponta que, em muitos distúrbios psiquiátricos, o cérebro age em padrões automatizados e rígidos. Nesses casos, as substâncias alucinógenas trabalham para quebrar as desordens. Ou seja: as drogas podem desligar os padrões que causam os transtornos e, assim, atuar no tratamento de problemas psicológicos. Vale lembrar que possíveis terapias teriam de ser acompanhadas por profissionais.

13. A ansiedade tem causas genéticas e ambientais

Verdade. Os transtornos de ansiedade também estão relacionados à hereditariedade, ou seja, às informações genéticas que você recebe de seus pais. Fatores ambientais, como a exposição ao chumbo, “atuam como desencadeadores da patologia”, como afirma o presidente da ABP, Antônio Geraldo da Silva.

14. Tentar se distrair ajuda a acalmar pessoas ansiosas

Meia verdade. Ações que distraem (como espreguiçar-se, contar o número de lâmpadas do ambiente ou enumerar objetos que estejam ao redor) são capazes de relaxar e retirar as pessoas do foco. Mas, atenção: isso só é válido para uma crise de ansiedade comum, diferente de crises em que a ansiedade já está no estágio de transtorno ou doença.

Este conteúdo foi originalmente publicado no site da Superinteressante.

Um menino de 9 anos e uma mulher morta receberam dinheiro de pesquisa da UFPR

Motorista de furgão ganhou R$ 515 mil e cozinheiro de pizzaria R$ 318 mil, diz TCU sobre fraudes na UFPR

Processo da Operação Research, da Universidade Federal do Paraná, revela a eficácia de uma fraude tosca. Operação da PF desfez uma quadrilha que desviou mais de R$ 7 milhões da instituição

Uma empregada doméstica, uma depiladora, um atendente de limpeza, uma salgadeira, uma cabeleireira, um vendedor autônomo, um taxista e um motorista desempregado estiveram na lista de beneficiários de bolsas para pesquisa e de auxílio à pesquisa da Universidade Federal do Paraná (UFPR) pelos últimos quatro anos. Ao todo, 27 pessoas sem nenhuma relação com a universidade receberam R$ 7,3 milhões ao longo desse período. O processo, a que ÉPOCA teve acesso, mostra que o dinheiro saía da universidade e seguia para contas de laranjas. Entre os titulares das contas estavam um garoto de 9 anos de idade e uma mulher de 81 falecida em 2014. O processo também revela que os falsos pesquisadores conseguiram se tornar beneficiários sem apresentar qualquer tipo de documentação que comprovasse vínculo com a universidade. Nenhum deles tem currículo Lattes e a maioria deles não tem sequer curso superior. 

O esquema foi desmantelado pela Operação Research, conduzida pela Polícia Federal, depois de uma auditoria feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no Paraná. A mando do juiz Marcos Josegrei,o mesmo juiz da Operação Carne Fraca, a Polícia Fderal expediu 19 mandados de condução coercitiva e um de busca e apreensão no dia 31 de março. Desde o fim de fevereiro, a operação já teve três fases, nas quais sete pessoas foram presas e outras 27 estão sob investigação e seus bens bloqueados. Os envolvidos são familiares ou amigos das três servidoras identificadas como líderes do esquema.

A Operação Research foi deflagrada em 15 de fevereiro. Naquele momento, a Polícia Federal prendeu duas servidoras da UFPR  e uma ex-servidora identificadas como as idealizadoras do esquema de fraude. Conceição Abadia, com 38 anos de trabalho na universidade, Tânia Catapan, com 40 anos na mesma instituição, e Maria Áurea Roland, aposentada de 80 anos que também trabalhara na pró-reitoria, se valeram da confiança conquistada ao longo das décadas de serviço para incluir laranjas no esquema oficial de pagamentos de auxílio a pesquisa e de bolsas da universidade. As duas primeiras servidoras estão presas desde então sob acusação de crime de associação criminosa, peculato (desvio de dinheiro), peculato culposo e lavagem de dinheiro nos pagamentos feitos a título de auxílio a pesquisadores, bolsas de estudo no país e no exterior a diversas pessoas sem vínculo com a universidade. A terceira, Maria Áurea Roland, está em prisão domiciliar por conta de sua idade.

Ao examinar o processo, chama a atenção como um esquema tão amador e grosseiro foi capaz de sustentar uma fraude ao longo de quatro anos. O amadorismo e a falta de cuidado são evidenciados nos documentos usados para o pedido de verba. Ao contrário do que ocorria com as solicitações de auxílio oficiais, as requisições fraudulentas não descreviam o tipo de pesquisa a ser executava, o nome do orientador nem qualquer informação sobre a tese que motivara a pesquisa de campo.

A diferença gritante entre uma requisição verdadeira e a fraudada chama ainda mais atenção ao verificar que todas elas receberam a assinatura do vice reitor (e de seu substituto) antes de serem processadas como pagamentos.  “Foi um golpe grotesco. Qualquer olhar um pouco mais atento poderia ter levantado dúvidas sobre a legitimidade dos documentos”, diz Felipe Hayashi, delegado da Polícia Federal e coordenador da Operação Research. Tanto o vice reitor quanto sua substituta estão sob investigação desde o início da operação.

Informações preliminares do processo, no entanto, atestam que não houve por parte deles intenção de dolo e que eles não tiveram qualquer tipo de benefício pessoal com as fraudes.  Em processo administrativo, o TCU agora tenta avaliar – e provar – se os recursos de controle contra  fraude foram intencionalmente ignorados por displicência. Se o TCU chegar a essa conclusão, tanto o vice-reitor quanto a sua substituta podem ser multados no valor integral da fraude – no caso, de R$ 7,3 milhões. A reitoria da universidade defende os professores. “É importante ressaltar que o volume de processos para pagamento de auxílio na universidade é altíssimo. Um ou outro documento falso em meio a dezenas de papéis poderia passar sem chamar a atenção, como ocorreu”, diz Ricardo Marcelo Fonseca, reitor da UFPR. “Nosso trabalho agora foca em criar mecanismos para que esse tipo de engano não ocorra mais”, diz ele.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA DE ÉPOCA

SAIBA QUEM SÃO OS DEPUTADOS QUE JÁ ASSINARAM A CPI DA CAERD

Governo tenta matar CPI proposta por Anderson do Singeperon

Brasília – A CPI que pode colocar um ponto final na gestão criminosa da CAERD vem sofrendo pressão direta por parte do deputado Laerte Gomes, líder do governo que tenta convencer quem já assinou a desistir das investigações.

A CPI já conta com as assinaturas de:

AÍRTON GURGACZ

HERMÍNIO COELHO

EZEQUIEL JÚNIOR

GERALDO DA RONDÔNIA

LUIZINHO GOEBEL

RIBAMAR ARAÚJO

ANDERSON DO SINGEPERON (PROPONENTE).

Falta ainda uma assinatura, mas os deputados Léo Moraes e Jesuíno Boabaid, que se declaram “oposição” se recusaram a assinar. Os demais são mais governistas que o próprio governo.

URGENTE: GOVERNO TENTA BARRAR CPI DA CAERD NA ASSEMBLEIA

Dois deputados que já assinaram, Ezequiel Júnior e Geraldo da Rondônia querem desistir

Brasília – Um dos maiores escândalos da administração Confúcio Moura vai ser abafado graças a interferência do líder do governo na Assembléia Laerte Gomes, que vem pressionando deputados para que não assinem, ou para que retirem as assinaturas da CPI da Caerd, proposta pelo deputado estadual Anderson do Singeperon.

Já assinaram o requerimento os deputados Hermínio Coelho, Aírton Gurgacz, Luizinho Goebel, Ribamar Araújo, o proponente Anderson, além de Geraldo da Rondônia e Ezequiel Júnior. Esses dois últimos estão querendo retirar as assinaturas graças a interferência de Laerte Gomes. Os deputados Jesuíno Boabaid e Léo Moraes se recusaram a assinar o documento. São necessárias 8 assinaturas para que seja instaurada a CPI.

A Caerd vem passando por um desmonte criminoso, desrespeitando ordens judiciais, aumentando a dívida e atravessa uma das mais graves crises de sua história graças a desastrosa gestão de Iacira Moura.

Pelo menos 6 policiais estão detidos após protestos, diz deputado

Pelo menos 6 policiais estão detidos após protestos, diz deputado

Segundo Lincoln Portela (PRB-MG), seriam dois policiais rodoviários federais, dois federais e pelo menos dois policiais civis detidos.

O deputado Lincoln Portela (PRB-MG) disse no período da tarde desta terça-feira, 18, que, pelo menos, seis policiais estão detidos neste momento em razão da manifestação contrária à reforma da Previdência no Congresso Nacional nesta tarde.

Segundo o parlamentar, seriam dois policiais rodoviários federais, dois federais e pelo menos dois policiais civis detidos na delegacia interna da Câmara.

Segundo o deputado, um grupo foi recebido na liderança do governo, onde conversa neste momento com o relator da reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA).

Portela disse também que o grupo está frustrado com a proposta, que chamou de “colcha de retalhos”.

O parlamentar afirmou que a categoria está há meses negociando, mas sem sucesso.

“Estamos negociando há sete meses e não vemos nenhum retorno”, declarou.

Neste momento, os policiais que protestavam começam a recuar e já descem a rampa de acesso ao Salão Negro do Congresso.

Fonte: exame.com

Gleisi aponta conluio de Temer e Cunha e pede anulação do impeachment da ex-presidente Dilma

PF atribui corrupção e lavagem de dinheiro a Gleisi e Paulo Bernardo

A senadora acrescentou que, mesmo preso, Eduardo Cunha afirmou que o parecer favorável à abertura do processo de impeachment havia sido submetido, previamente, ao então vice-presidente da República, Michel Temer.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) defendeu nesta terça-feira (18) a anulação, pelo Supremo Tribunal Federal, do impeachment da ex-presidente da República, Dilma Rousseff.

Segundo Gleisi Hoffmann, essa é a saída mais correta depois que o atual presidente, Michel Temer, afirmou que Dilma Rousseff não aceitou, em troca do indeferimento do pedido de abertura do processo impeachment, dar apoio ao ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, em processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética.

A senadora acrescentou que, mesmo preso, Eduardo Cunha afirmou que o parecer favorável à abertura do processo de impeachment havia sido submetido, previamente, ao então vice-presidente da República, Michel Temer.

Independentemente das versões, Gleisi Hoffmann disse que fica evidente em todo o episódio o desvio de finalidade da decisão que deferiu o pedido de abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff, o que afastaria a hipótese da prática de crime de responsabilidade pela ex-presidente.

— Não estamos aqui preocupados com a verdade de um ou de outro. De qualquer forma, são narrativas de fatos indignos, desprezíveis e desonestos. Duas versões igualmente sujas, que confirmam tudo aquilo que dissemos durante meses: tivemos um golpe parlamentar. E o que vamos agora fazer diante dessas confissões: silenciar, como a grande mídia?

Fonte: Agência Senado