Coluna – Senador de Rondônia usa estrutra da Casa para promoção. E quem paga é você

Candidato ao governo, Gurgacz adota “audiências públicas” como meio de se projetar no Estado; mas toda a estrutura da Comissão vai junto e custa caro

Não marquem na mesma postagem

Quem andou por lá viu. A relação entre o senador Acir Gurgacz e o governador Confúcio Moura azedou com a proximidade das eleições de 2018 e o desgaste político natural. Apesar de não romperem oficialmente, o clima entre os dois está pesado. Na abertura da Rondônia Rural Show os dois dividiram palanque, mas estava cada um para um lado. E para piorar, acabou a energia, deixando a coisa ainda “mais quente”. Com um “pequeno” atraso, era para começar as 8 e iniciou as 11, foi sentida também a ausência do presidente da Assembleia, Maurão de Carvalho.

Climão

Também ficou evidente a divisão dos grupos. De um lado, “a turma do Confúcio” e de outro “o povo do Acir”. Eles sequer andaram no mesmo carro. Ai nesta quinta-feira resolveram fazer “outra abertura”. Nessa Maurão estava.

Falando em Maurão

Tá demais essa insistência dele querer ser o candidato do PMDB via Confúcio Moura. Essa semana ele propôs um “voto de louvor” ao governador por ele ter sido “eleito o melhor do Brasil”(?) e ter “cumprido 80% das promessas de campanha”. Menos Maurão. Quem manda no PMDB é o Raupp e lá, pode acreditar, você não tem espaço. A aliança Raupp/Gurgacz está praticamente fechada e em todos os cenários possíveis que vem sendo projetados, você não está em nenhum.

E o afastado?

Hildon Chaves deu um show. Convocou coletiva, se mostrou “indignado” e disse se “sentir traído”. Fechou declarando que estava “afastando, à pedido, Edgar do Boi das atividades da prefeitura”. O show acabou, a cortina baixou e o Boi voltou às ruas. Nesta quarta-feira foi visto “fiscalizando” as obras de asfalto no bairro Cuniã. Eu entendia por afastamento outra coisa…

Nem aí

Vagabundo não respeita polícia faz tempo, mas em Rondônia a coisa tá beirando o ridículo. Essa semana, dois coronéis da Polícia Militar foram vítimas de bandidos. Coronel Kischner, que foi comandante da companhia de Trânsito e o coronel Hélio Pachá, cuja esposa teve a camionete roubada em pleno centro comercial.

Então…

O senador Acir Gurgacz, candidato declarado ao governo de Rondônia, adotou uma estratégia para se promover em Rondônia, são as chamadas “audiências públicas”. A audiência pública, em tese, é uma reunião pública, transparente e de ampla discussão em que se vislumbra a comunicação entres os vários setores da sociedade e as autoridades públicas. O problema é que elas dificilmente tem um resultado efetivo. E promover uma audiência pública pelo Senado, acredite, é algo bem caro. Quando elas são solicitadas, toda a estrutura de imprensa do Senado e da comissão tem que se deslocar. O resultado é um gasto altíssimo de passagens, diárias e alimentação para discutir o que todos já sabem.

Em Brasília

Existem os plenários das comissões exatamente para essa função. São convocadas pessoas que, de fato, podem opinar ou apresentar sugestões para resolver determinados problemas. A última audiência pública promovida por Gurgacz foi em abril deste ano, e aconteceu na Câmara de Vereadores de Porto Velho e tinha como tema, “debater o processo de concessão e duplicação da BR-364, trecho Comodoro-Porto Velho (RO), bem como as previsões da execução das obras do Contorno de Porto Velho”. Participaram representantes do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Diretor Executivo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT, Gerência de Infraestrutura da Empresa de Planejamento e Logística S.A. – EPL e Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias – ABCR.

E o resultado?

Bem, esse assunto vem sendo debatido há tempos em Brasília e até os bagres do Madeira sabem da necessidade dessa duplicação. Já havia sido definido recursos de bancada para isso, já existe até um projeto em andamento para concretizar essa duplicação. Essa semana mesmo o senador Ivo Cassol e o deputado federal Luiz Cláudio anunciara essa duplicação – Vídeo abaixo.

Ivo Cassol sobre duplicação da 364 por painelpolitico

Ou seja

Totalmente desnecessária essa audiência. Ela foi transmitida pela TV Senado e serviu para Acir fazer uma auto-promoção em Porto Velho, onde a turma não gosta muito dele. Deve ser por essa e outras que a conta do Senado é tão alta. Quando era membro da Comissão de Agricultura, Gurgacz apresentou 17 requerimentos para audiências públicas em Rondônia. Na comissão de Infraestrutura, da qual ele também é membro, já foram 3.

Simbiose

Gurgacz deve ter herdado essa mania de fazer audiência e reunião durante o tempo que caminhou junto com o PT. A turma da estrelinha também é chegada nessas coisas. Reúne para marcar a próxima reunião e nunca chegam a lugar algum. Se ele pensa em governar Rondônia desse jeito, está na hora de começar a rever seus conceitos. O Estado precisa de quem faz e não em quem debate para tentar saber o que fazer. Para isso já temos o Confúcio e sua turma.

Em 2018

O vereador Jair Montes confidenciou à coluna que é candidato a deputado estadual em 2018. Considerado atualmente o mais atuante na Câmara, Montes de fato vem fazendo um bom trabalho. Anda percorrendo os bairros, está com o gabinete sempre aberto e vem conseguindo desmontar toda as acusações que lhe foram imputadas (mas não provadas)  na malfadada Operação Apocalipse, orquestrada pelo ex-secretário de Defesa de Rondônia, Marcelo Bessa. Montes deu a volta por cima e ainda pretende lançar candidato à governo pelo seu partido, o PTC. O nome, PAINEL POLÍTICO revelou com exclusividade, o advogado Léo Fachin.

Sexo é o segredo para um bom relacionamento

Como tornar um relacionamento saudável? Segundo uma série de quatro artigos publicados recentemente no periódico científico Personality and Social Psychology Bulletin, baseados em casais dos Estados Unidos e da Suíça, sexo é a resposta. Quando praticam relações sexuais, os casais – recentes, com filhos ou casados há muito tempo -, sentem e demonstram mais afeto e intimidade entre si, mesmo horas depois das relações, de acordo com informações da rede americana CNN. “Sexo faz você se sentir bem, não só porque libera endorfinas e hormônios, mas também porque você se torna mais afetivo, seja mulher ou homem”, explicou Anik Debrot, coautora do estudo e psicóloga da Universidade de Lausanne, na Suíça, à CNN.Segundo Anik, quando as pessoas não se comunicam sobre suas preferências, a frequência sexual e o afeto tendem a cair no esquecimento. No entanto, quando fazem da vida sexual uma prioridade, outros aspectos do relacionamento tendem a melhorar.

Direto de Brasília discute (in) segurança pública em Rondônia; assista

O jornalista e editor de PAINEL POLÍTICO e o advogado Muryllo Bastos comentam sobre a (in) segurança pública em Rondônia, nesse piloto do “Direto de Brasília’ um novo formato que PAINEL disponibiliza aos internautas a partir desta sexta-feira.

“A gente vai ampliar nossa área multimídia com vídeos, onde debateremos os principais assuntos da semana. Em breve também estaremos disponibilizando bate-papos com políticos e autoridades, além de entrevistas”, disse o editor.

Acompanhem o primeiro programa.

Direto de Brasília – 01 por painelpolitico

Anonymous tira site do presidente Michel Temer do ar

Oposição quer que STF mande Maia analisar pedidos de cassação de Temer

O grupo ativista Anonymous realizou mais uma ação nesta sexta-feira, 26. Em um ataque isolado, a célula AnonOpsBrazil tirou o site pessoal do presidente Michel Temer do ar nesta tarde. Segundo o grupo, o ataque foi realizado em virtude dos escândalos envolvendo a participação do político em esquemas ligados com a empresa JBS.

Pelo Facebook, o grupo assumiu a autoria do ataque e declarou “guerra a qualquer autoridade, política ou não, que oprime a população”. Como de praxe, a célula também lembrou que não é um movimento partidário.

Além dos escândalos desencadeados após a delação premiada de Joesley Batista envolvendo Temer, a AnonOpsBrazil também se posicionou contra as reformas propostas pelo governo para realizar mudanças nos setores trabalhista e previdenciário. “As reformas são uma afronta aos direitos humanos, aos direitos trabalhistas dos pobres e beneficiam somente o empregador, e não o empregado”.

Para piorar, o ataque acontece em uma semana de turbulência virtual para Michel Temer. Além do governo ter tido que notificar uma página de memes por usar fotos do presidente sem autorização, o chefe do Executivo ainda passou a utilizar um celular criptografado para garantir mais segurança em sua comunicação.

Vale lembrar ainda que essa não foi a primeira vez que o governo Temer teve problemas com o grupo de ativistas. O próprio site do presidente já havia sido invadido pelo grupo no início de janeiro. Mais tarde, em fevereiro, houve a divulgação de conversas privadas da primeira-dama, Marcela Temer.

Fonte: olhardigital

Picciani rejeita oito pedidos de impeachment contra Pezão

Picciani rejeita oito pedidos de impeachment contra Pezão

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), rejeitou os oito pedidos de impeachment contra o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB). Como o G1 adiantou, ele já tinha os pareceres da Procuradoria Geral da Casa sobre as solicitações de impedimento e os aliados apostavam na rejeição.

Segundo a Alerj, a Procuradoria diz que as acusações são genéricas e políticas. O parecer técnico foi acatado por Picciani. Os pedidos tinham como autores classes sindicais e até políticos divergentes — como a bancada do PSOL e um de seus adversários, Flávio Bolsonaro (PSC).

“Denota-se a total ausência de pressupostos para o prosseguimento do feito, eis que todas as acusações têm conteúdo genérico. Aliás, os requerentes limitam-se a tecer críticas a decisões políticas e de gestão e chegam a reconhecer que a crise advém de outros governos”, escreve o procurador-geral Hariman Araújo.

Na quarta (24), durante sessão no plenário que aprovou o polêmico projeto que aumenta a contribuição previdenciária de servidores de 11% para 14%, Picciani afirmou que ia analisar todos os pedidos de impeachment de Pezão na próxima semana.

“Esta Casa [Alerj] está com seu duodécimo atrasado desde fevereiro. Avisei ao secretário de Fazenda e avisei ao governador: é necessário não cercear o funcionamento do poder Legislativo porque isso, sim, é crime de responsabilidade. Vou estar decidindo na próxima semana sobre todos pedidos de impeachment”, disse Picciani.

A fala de Picciani foi interpretada por aliados e por oposicionistas como uma indicação da rejeição dos novos pedidos de impedimento do governador.

TCE-RJ começa julgar contas de Pezão

Na próxima terça, o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) emite parecer prévio sobre as contas de 2016 da chapa de Pezão e Francisco Dornelles (PP). A oposição avalia que a reprovação das contas poderia ser a mais fácil saída pelo impedimento.

A reunião foi marcada para às 11h e tem como relatora Marianna Montebello Willeman. Ela é a única conselheira que não foi afastada do órgão após a prisão de cinco dos seis membros do Tribunal.

Os aliados estão otimistas, depois da aprovação do Plano de Recuperação dos Estados.

“Lá do Tribunal não dá para esperar nada do contrário [da rejeição], mas na Assembleia dá para reverter. Acho que o pior já passou”, diz um membro da base.

Fonte: g1/rj

Seis PMs são presos por crime de tortura em Balneário Camboriú (SC)

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Balneário Camboriú, deflagrou na manhã desta quinta-feira (25), uma operação policial para o cumprimento de seis mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão nas cidades de Balneário Camboriú, Bombinhas, Camboriú e Itajaí.

TORTURA

Durante investigações que apurava um crime de homicídio ocorrido no dia 10 de abril, na Rua Manoel Ribeiro dos Santos, no bairro da Barra, em Balneário Camboriú, foi apurado que policiais militares do PPT haviam abordado o investigado e empregado violência física e psicológica visando obter a confissão do crime de homicídio.

Também foi apurado que os policiais militares, utilizando veículo particular pertencente a um deles, monitoraram o suspeito de ser o autor do homicídio, e com o apoio de uma viatura caracterizada, o abordaram e o sequestraram, levando até um local deserto, situado em uma estrada secundária que dá acesso a Praia do Estaleiro.

Após subjugá-lo, empregaram violência física e psicológica, com o objetivo de obter a confissão do homicídio e a informação da localização da arma de fogo utilizada no crime, bem como fornecesse a senha de acesso ao telefone celular.

Após certo período de atos de tortura, os milicianos foram surpreendidos por um veículo que passava no local, fazendo com que voltassem à atenção para a via pública e se distraíssem, momento em que a pessoa que estava sofrendo a tortura conseguiu fugir pela mata.

Na continuidade, os PMs se deslocaram até uma comunidade existente nas proximidades, local que a pessoa abordada mantinha dois imóveis alugados para guardar drogas e armas de fogo, bem como realizar o mercadejo de drogas, sendo que neste local, as pessoas que residiam nos imóveis existentes no mesmo terreno também sofreram violência física e psicológica, visando extrair informações acerca da localização de armas de fogo, dentre elas uma adolescente.

Após a localização das armas e drogas, os homens que residiam nos imóveis existentes no mesmo terreno, foram apresentadas na Delegacia de Polícia e apontadas pelos policiais militares como sendo as responsáveis pela venda de drogas e posse das armas.

APURAÇÃO

A ação criminosa e desastrosa dos policiais militares comprometeu sobremaneira a apuração do crime de homicídio, cujo trabalho investigativo já havia angariado provas contundentes quanto à autoria, inclusive sendo representado pelas medidas cautelares, dentre elas a prisão do homicida.

Diante dos fatos, o investigado compareceu na sede da DIC, prestando esclarecimentos acerca destes fatos, narrando com detalhes os atos de tortura, e diante das provas apresentadas, confessou a prática do crime de homicídio, bem como assumiu a propriedade das armas de fogo e drogas apreendidas pelos policiais militares, confessando ainda ser integrante de uma facção criminosa que atua no sistema prisional e nas ruas no estado de Santa Catarina.

Com o aprofundamento das investigações, várias testemunhas confirmaram os fatos, bem como restaram identificadas outras vítimas, as quais temiam sofrer represálias dos milicianos. Toda a dinâmica do crime foi reconstituída com a análise de imagens registradas por câmeras de monitoramento.

PRISÕES

Em decorrência da necessidade de se apurar de maneira isenta e sem interferências externas, bem como diante do robusto conjunto indiciário, o Delegado de Polícia Osnei Valdir de Oliveira representou pela prisão preventiva dos seis policiais militares, bem como por mandado de busca e apreensão na residência destes e nos armários que utilizavam no quartel, sendo de pronto analisados e deferidos pelo Poder Judiciário, com manifestação favorável do representante do Ministério Público.

Na manhã de ontem (25) foram cumpridas as medidas cautelares, resultando na prisão de cinco policiais militares, e na apreensão de uma grande quantidade de munições, inclusive munições de fuzil calibre 5,56 e anabolizantes na residência de um dos indiciados. Além desses materiais, foram apreendidos diversos eletrônicos, entre notebooks, celulares e pendrives que já foram encaminhados para a perícia.

O possuidor das munições e anabolizantes não se encontrava na residência no momento da busca, tendo se apresentado na sede da DIC posteriormente, onde foi efetivado o cumprimento do mandado de prisão preventiva expedido em seu desfavor. Todos os milicianos foram interrogados, e diante do conjunto probatório apresentado, alegaram que de fato levaram a vítima até o local deserto, contudo, em completa dissonância com as demais provas, disseram que a vítima consentiu em ir até aquele local, e passou as informações de forma espontânea, sem que ocorresse prática de violência. Eles ficarão presos no quartel, sob custódia do 12º Batalhão.

MISSÃO CONSTITUCIONAL

O Delegado Osnei destacou que a missão constitucional da Polícia Militar é o trabalho preventivo, não cabendo aos seus integrantes se arvorar na realização de investigações, posto que as fazem sem o emprego de cientificidade, pautados em métodos medievais de tortura, e mesmo que obtenham qualquer prova ou confissão decorrentes destes atos, estes são completamente nulos, dado ao caráter criminoso para a obtenção. As investigações de infrações penais são atribuição da Polícia Judiciária, Civil ou Federal, neste caso quando praticados em detrimento de bens, serviços ou interesses da União.

Destacou ainda que a Polícia Civil preza pelo respeito aos direitos humanos e estrito respeito ao princípio da legalidade, não coadunando com qualquer prática criminosa, ainda mais quando praticada por um agente público, que tem o dever de se pautar por esses princípios.

– A singela alegação de que ocorreu apenas violência psicológica é completamente inaceitável, pois o sofrimento mental também caracteriza crime de tortura, não sendo admissível essa relativização ou aceitação de qualquer espécie de violência, destacando que no caso ora investigado, houve o emprego de violência física e psicológica – disse o delegado Osnei.

OPERAÇÃO

Com a deflagração da operação, e coleta de materiais que serão periciados, outras condutas apontadas como ilegais praticadas pelos milicianos indiciados, serão investigadas para o completo esclarecimento.

Participam da operação, além dos Policiais Civis da DIC-BC, Equipes da DEIC, DICs de Itajaí e Brusque, DPC° de Balneário Camboriú e Itapema, Guarda Municipal de Balneário Camboriú que integram a Força Tarefa instituída no município, além de representantes da Corregedoria Geral da Polícia Militar que acompanharam o cumprimento dos mandados de busca e apreensão, as prisões e os interrogatórios.

ClickCamboriú

Saída de presidente do BNDES aumenta incerteza na economia

Saída de presidente do BNDES aumenta incerteza na economia

A renúncia de Maria Silvia Bastos Marques da presidência do BNDES, anunciada na tarde desta sexta-feira, deve trazer mais instabilidade à economia. Analistas dizem que, embora ainda não seja possível medir os desdobramentos da medida, a baixa é ruim por trazer mais incertezas a um ambiente já atribulado após a delação premiada de Joesley Batista, da JBS, envolvendo o presidente Michel Temer. “Ela fazia parte do grupo mais importante da equipe econômica. É mais um fator negativo em uma semana turbulenta”, diz Marcel Balassiano, analista do Ibre/FGV.

Para Gustavo Cruz, economista da corretora XP, embora os motivos que levaram à saída da executiva não estejam claros por ora, a troca de comando põe dúvidas sobre a continuidade de outros membros da equipe econômica. “É difícil entender se houve pressão ou não para a sua saída. Afeta aquela segurança que o mercado tinha sobre a equipe econômica, põe dúvida se outros nomes não vão desembarcar”, avalia. Em nota à imprensa, o BNDES diz que Maria Silvia renunciou por motivos pessoais.

Há duas semanas, a sede do banco foi alvo de busca e apreensão durante a Operação Bullish, da Polícia Federal. A investigação apura se houve favorecimento indevido à JBS através do repasse de 8 bilhões de reais. Segundo Pedro Afonso, chefe de operações da Gradual, a impressão é de que o BNDES é uma “caixa-preta”, e há um risco de impacto nas empresas se houver uma devassa nas operações já realizadas. “A dúvida é o quão a Operação Lava Jato vai para cima do BNDES”, diz.

Os funcionários do BNDES vinham criticando Maria Silvia por não ter feito uma defesa mais efetiva dos colaboradores da instituição em relação às investigações da PF. Em editorial publicado nesta quinta-feira em seu jornal interno, a AFBNDES (associação dos funcionários do BNDES) diz que as acusações são “descabidas” e que as investigações sobre as operações precisam ser “racionalizadas”.

Maria Silvia também era criticada por setores empresariais, que a acusavam de ter fechado as torneiras do banco. Em conversa gravada, o empresário Joesley Batista se queixou da atuação da executiva ao presidente Michel Temer. “Está bem travado”, disse ele.

Fonte: veja.com

Ministra de Direitos Humanos quer investigação de chacina no Pará

Ministra de Direitos Humanos quer investigação de chacina no Pará

A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois, defendeu nesta sexta-feira, 26, que a investigação do massacre de dez sem-terra, em Pau D’Arco, no sudeste paraense, seja controlada pelos órgãos públicos de Marabá, cidade a 426 quilômetros de distância que concentra delegacias especializadas em assassinatos no campo, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, ela demonstrou preocupação com a perícia do local da chacina.

Os peritos de Marabá e Parauapebas só chegaram à área do crime depois que policiais do município de Pau D’Arco tinham retirado os corpos.

“Não podemos deixar que a coisa transcorra de qualquer maneira”, afirmou a ministra. “A perícia tem de ser feita com muito empenho e dedicação.”

O massacre dos sem-terra ocorreu na manhã da última quarta-feira durante uma reintegração de posse da Fazenda Santa Lúcia.

Entidades de direitos humanos reclamaram que a ação foi pedida pela Justiça à Polícia Militar lotada no município, sem experiência em despejos.

Famílias dos sem-terra mortos disseram que os agentes chegaram atirando, negando versão de que houve confronto.

Uma equipe do Ministério dos Direitos Humanos foi enviada ao Pará para acompanhar as primeiras informações e levantamentos sobre o massacre.

“A situação é vexatória, constrangedora e inadmissível. Em pleno século XXI, essa situação não pode ocorrer”, disse Luislinda Valois.

“Como ministra, como cidadã e como ser humano não posso aceitar o que ocorreu. Ninguém pode aceitar”, disse.

A ministra ressaltou que confia no trabalho de juízes e procuradores na elucidação e punição dos culpados pelo massacre.

A preocupação de Luislinda com a perícia e as investigações em Pau D’Arco, no entanto, é embasada com levantamentos apresentados por entidades da área de direitos humanos.

Raros casos de assassinatos de sem-terra, especialmente no sudeste paraense, se transformaram em denúncia do Ministério Público ou os autores dos crimes foram julgados e condenados pela Justiça.

Na região ocorreu, em abril de 1996, um dos casos mais emblemáticos da violência no campo.

A polícia militar executou de 19 sem-terra na Curva do S, em Eldorado do Carajás.

Ao comentar sobre a onda de violência no campo, Luislinda Valois disse que é preciso desencadear ações concretas em todos os níveis de governo.

Também avalia a necessidade e buscar entendimento com segmentos empresariais do setor rural. “Não podemos abrir mão de conversar com nenhum segmento da sociedade”, afirmou.

Ainda nesta sexta, ela se encontrará com o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, para avaliar a situação das vítimas da chacina do Pará.

Fonte: exame.com

Francisco Marto, professor da Unir, morre em Recife

Faleceu em Recife (PE) no inicio da tarde desta sexta-feira (26) o conhecido professor Marto vitima de um infarto fulminante.

Segundo informações da família, Marto estava em Pernambuco visitando seu filho, médico pediatra, quando começou a passar mal. Estavam sozinhos em casa. Seu filho ainda tentou reanima-lo, mas o infarto foi implacável.

A familia está realizando translado do corpo, com previsão de chegada neste Sábado(27) para velório e sepultamento em Porto Velho.

Francisco Marto de Azevedo era professor de Educação Física, especialista em violência sexual, marcou-se pela trajetória na luta pelos direitos humanos e de crianças e adolescentes, tendo sido membro fundador do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Maria dos Anjos, onde atuou como voluntário até seu falecimento. Foi candidato a vice-prefeito pelo PSOL em Porto Velho. Foi Diretor Executivo da escola do Servidor Público (FUNESCOLA) e era coordenador da Regional do Conselho de Educação Física.

MPF vai recorrer da absolvição de esposa de Eduardo Cunha

MPF vai recorrer da absolvição de esposa de Eduardo Cunha

A força-tarefa da Operação Lava Jato vai recorrer da decisão do juiz federal Sergio Moro, que absolveu a jornalista Cláudia Cunha no processo em que ela era ré junto com o marido, o ex-deputado Eduardo Cunha. A afirmação foi feita hoje (26) pelo procurador do Ministério Público Federal (MPF) Carlos Fernando dos Santos Lima, durante entrevista coletiva para detalhar os pormenores da Operação Porto Seco, deflagrada na manhã desta sexta-feira.

“Nós vamos recorrer, nós discordamos [da decisão]. Cremos que isso decorre muito mais do coração generoso do juiz Sergio Moro na interpretação de um fato envolvendo a esposa de uma pessoa que sabidamente é ligado à corrupção”, disse o procurador. “Esperamos que no tribunal haja a reversão dessa absolvição”.

Segundo Lima, a profissão e o nível cultural de Cláudia Cunha davam a ela condições para saber que os ganhos de Eduardo Cunha eram incompatíveis com o salário de deputado federal que ele recebia. “Ela deveria saber, tinha indicativos suficientes para saber, tinha conhecimento cultural suficiente para saber a origem desses recursos. Portanto, ao gastá-los, ela cometeu o crime de lavagem [de dinheiro]”, argumentou o procurador.

A força-tarefa também destacou que a Operação Porto Seco, deflagrada hoje para investigar a compra de um campo seco de petróleo em Benin, na África, está ligada ao casal. “Parte dos valores, US$ 10 milhões, correspondente a mais ou menos um terço do valor da compra, foi repassada para operadores, chegando indiretamente até as mãos de Cláudia Cruz”, explicou Lima. Segundo ele, parte destes valores abasteceu a conta usada pela jornalista para a compra de artigos de luxo.

A Agência Brasil aguarda retorno do escritório de advocacia que representa Cláudia Cruz para saber o posicionamento da defesa sobre as afirmações do MPF.

Fonte: agenciabrasil

Conselho da J&F decide afastar Joesley do comando da empresa

O Conselho da J&F decidiu nesta sexta-feira afastar Joesley Batista do comando de todos os negócios do grupo. A reunião ocorreu nesta sexta-feira.

A decisão ocorre depois que Joesley Batista teve homologada sua delação premiada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Joesley admitiu crimes e pagamento de propina ao presidente da República, Michel Temer, ao senador Aécio Neves e dezenas de políticos nos últimos anos.

Em março, a Justiça havia determinado o afastamento do empresário do conselho da empresa. A decisão de hoje é diferente porque independentemente do poder judiciário, a própria empresa tomou a iniciativa. Ou seja, ele não poderá mais participar da condução dos negócios das empresas do grupo.

A medida é uma maneira de tentar blindar as atividades empresariais da família Batista, afastando um executivo que é pivô do maio escândalo político do momento no País. Além de dar uma satisfação para a sociedade e o mercado.

A assessoria da J&F prepara uma nota para divulgar à imprensa sobre o assunto.

Fonte: O Estado de S. Paulo