Coluna – Confúcio critica comissionados, mas mantém a irmã em cargo de confiança

E ainda, prefeitura de Ji-Paraná é apontada como melhor gestão entre as prefeituras de Rondônia pelo CFA

Abrindo

O Conselho Federal de Administração – CFA, criou um Índice de Governança Municipal – IGM, com objetivo de promover o debate sobre a importância da gestão para a promoção do desenvolvimento municipal. Nesse contexto, o Índice vem sendo utilizado para reconhecer, registrar e disseminar as boas práticas de gestão brasileiras por meio de publicações, eventos e prêmios. E administração de Ji-Paraná, comandada por Jesualdo Pires (PSB) foi destaque na categoria gestão.

O reconhecimento

Deixa Jesualdo ainda mais perto de conseguir ser o candidato do PSB ao Senado, já que a legenda anda querendo ocupar mais espaço em Rondônia. Jesualdo é, de longe, um dos melhores prefeitos do Estado e isso foi reconhecido pelo eleitorado, que o reelegeu sem pestanejar em 2016. Ji-Paraná vem se transformando em uma das cidades com melhor qualidade de vida no Estado e é uma das poucas, senão a única, a atrair investimentos externos. Por mais que Jesualdo tente dividir esse mérito, por questões meramente políticas, com o governador Confúcio Moura e com o senador Acir Gurgacz, até os bagres do Rio Machado sabem que o mérito é apenas dele. Não fosse o engenheiro paulista, radicado em Rondônia ter assumido o controle da cidade com capacidade administrativa, transparência e sem dar muita bola para os pitacos externos, a coisa estaria bem complicada.

Em Vilhena

O ex-deputado federal Natan Donadon vem discursando pela cidade alegando que “vai entrar na justiça para obter seu mandato de volta”. Ele alega que “sua cassação aconteceu porque ele foi penalizado para livrar os outros”. O público presente observava com desconfiança, alguns aplaudiram mas dá pra ver que não acreditou muito…

Devagar e sempre

O senador Ivo Cassol conseguiu o arquivamento do Inquérito 2828, no Supremo Tribunal Federal que investigava uma acusação de que ele, quando governador, teria pago propina a um grupo de deputados estaduais em troca de apoio político. Foram ouvidas 18 testemunhas no processo, além da verificação de centenas de documentos e todos comprovaram que o italiano não tinha culpa no cartório. A Procuradoria Geral da República opinou pelo arquivamento alegando ainda que se passaram 14 anos e não conseguiram reunir provas contra Cassol. Além disso, o inquérito prescreveu. Com isso Ivo retira mais uma pedra no caminho de sua elegibilidade.

Por fora

O deputado estadual Maurão de Carvalho segue firme em seu propósito de disputar o governo em 2018. O parlamentar, que tentou concorrer em 2014, mas foi preterido por seu partido, vem percorrendo o Estado, participando de reuniões e eventos e tentando organizar um grupo coeso para o projeto. Maurão se nega a ouvir qualquer conselho contrário a sua candidatura e ele acredita que o PMDB vá abrir espaço e garantir sua candidatura. Isso pode até acontecer, mas favorece o senador Acir Gurgacz, que também quer o cargo. Para Gurgacz, quanto mais candidatos na disputa melhor. Mas uma ala do PMDB quer mesmo é indicar o vice de Acir e caminhar junto ao invés de tentar um jogo de cena.

Enquanto isso

O STF segue proibindo a nomeação de parentes no Executivo e o governador continua mantendo no cargo, em seu gabinete, sua irmã Cira Moura. Ambos foram denunciados por nepotismo mas fazem aquela de “João sem Braço”. Agora, sabe o que é mais curioso nisso? Confúcio é um dos maiores críticos dos cargos comissionados no serviço público. Em 2015, numa postagem no seu blog, se queixou do que ele chamou de “busca constante por portarias“. É aquela coisa do “façam o que eu digo, mas não façam o que eu faço”.

Trabalhando pesado

O deputado federal Luiz Cláudio (PR) vem se consolidando como um dos mais ativos defensores do setor produtivo de Rondônia. O parlamentar participa de comissões, mantém reuniões constantes com ministros e terminou conseguindo o que ninguém tinha feito, que foi desenrolar de uma vez a complicada construção dos viadutos de Porto Velho.

R$ 415.693,02

Foi quanto o juiz Mirko Vincenzo Giannotte, da 6ª Vara de Sinop (MT), recebeu no mês de julho líquido de salário, segundo dados do portal da transparência do Tribunal de Justiça do Mato Grosso. O valor bruto pago foi de R$ 503.928,79. O rendimento inclui uma  indenização de R$ 137.522,61, mais R$ 40.342,96 de vantagens eventuais e R$ 25.779 de gratificações. A assessoria de imprensa do TJMT informou que não se trata de erro. Segundo a assessoria, o pagamento do valor foi autorizado pelo CNJ. Em nota, o TJMT afirmou que “o pagamento do passivo da diferença de entrância aos magistrados que jurisdicionaram, mediante designação, em entrância ou instância superior no período correspondente a 29/5/2004 a 31/12/2009”.

Alimentos ‘diet’ podem engordar mais que as versões originais

Ao contrário do que se acredita, bebidas e alimentos diet podem promover o ganho de peso e servir de gatilho para o diabetes. De acordo com um estudo publicado recentemente no periódico científico Current Biology, quando os produtos são doces demais para as calorias que contêm, eles podem confundir o cérebro e desacelerar o metabolismo. Pesquisadores da da Escola de Medicina da Universidade Yale, nos Estados Unidos, descobriram que, ao ingerir um alimento adoçado artificialmente no qual a doçura continua igual a da versão original, mas com uma quantidade de calorias bem menor, o metabolismo desacelera e não registra a dose ingerida. Ao longo da nossa evolução, o cérebro aprendeu que doçura sinaliza energia. Portanto, quanto mais doce, maior energia ou calorias um alimento fornece. Quando esses dois fatores não estão juntos, o cérebro fica confuso, achando que tem menos calorias para queimar do que o que foi ingerido de fato. Segundo Tam Fry, do Fórum Nacional de Obesidade, do Reino Unido, os ingredientes artificiais, sejam eles em alimentos ou bebidas, podem prejudicar a saúde, mesmo parecendo saudáveis. “Eles podem estar livres de calorias, mas não de consequências. O diabetes é apenas um deles”, disse o porta-voz ao Daily Mail. “Muitos alimentos processados contêm incompatibilidades semelhantes, inclusive iogurtes pouco calóricos.”

Ambev tenta barrar Neymar como garoto-propaganda de cerveja concorrente

Ambev tenta barrar Neymar como garoto-propaganda de cerveja concorrente

A Ambev recorreu ao Conar para tentar tirar Neymar de uma campanha publicitária da cerveja Proibida, do Grupo Morizono.

A empreitada foi parcialmente bem-sucedida. O vídeo da campanha terá que ser alterado, mas o jogador continuará a ser garoto-propaganda da cerveja.

Para participar de uma campanha de bebida alcoólica, segundo norma do Conar, a pessoa contratada deve ter ou aparentar mais de 25 anos de idade. A Ambev alegou, na reclamação, que Neymar aparentava ser mais novo, mas os conselheiros liberaram o jogador, que completou 25 anos em fevereiro.

A Ambev argumentou ainda que a campanha associava o consumo de cerveja à superação de obstáculos e êxito social. O Conar acolheu a reclamação e decidiu que a Proibida modifique a campanha, de forma que não haja essa correlação.

Veja o vídeo da propaganda:

As informações são do blog do Lauro Jardim, do jornal oglobo

Etiqueta com preço de smart TV por R$ 279 causa confusão

Etiqueta com preço de smart TV por R$ 279 causa confusão

O supermercado Sam’s Club de Natal, no Rio Grande do Norte, anunciou no último sábado uma smart TV da Samsung de 55 polegadas por 279 reais. A etiqueta do produto ainda dava a opção de parcelar a compra: 10 vezes de 27,90 reais ou 24 prestações de 14,90 reais.

Era véspera de Dia dos Pais e oito consumidores tentaram adquirir o produto pelo valor da etiqueta. Mas o gerente da loja impediu que a compra fosse efetivada, alegando que o preço correto era de 2999 reais.

A divergência gerou uma grande confusão e o Procon-RN foi acionado. “Nós recomendamos que o estabelecimento procedesse a venda pelo valor anunciado somente aos oito consumidores. Não seríamos a favor se a pessoa quisesse levar mais de uma TV ou se outras levassem pelo preço depois que o erro foi verificado”, afirmou o coordenador-geral do Procon-RN, Cyrus Benavides.

Apesar da recomendação, o Sam’s Club não permitiu a venda dos televisores pelo preço de 279 reais. O órgão de defesa do consumidor encaminhou o caso para a Delegacia Especializada em Defesa do Consumidor (Decon) de Natal. Os clientes que se sentiram lesados deverão entrar na Justiça para exigir a compra pelo valor da etiqueta. O estabelecimento terá 20 dias para apresentar a defesa.

O Sam’s Club afirmou que houve um erro humano. “Nenhum produto com as mesmas características poderia custar aquele valor. Casos em que notadamente há um erro escusável, de fácil constatação de uma falha evidente, se sobrepõe a boa-fé objetiva, que é um elemento norteador do Código de Defesa do Consumidor “.

Código de Defesa do Consumidor

Segundo o artigo 30 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), “Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado”.

Fonte: veja.com

Estado do Rio paga hoje salários de servidores de maio e junho

Rio – O governo do Estado do Rio de Janeiro quita nesta segunda-feira, 14, todos os salários atrasados do funcionalismo público referentes a maio e junho. Os valores devidos serão pagos aos servidores ativos, inativos e pensionistas.

Segundo a Secretaria de Estado de Fazenda, ainda serão quitados nesta terça-feira, 15, os vencimentos de julho, para todo o funcionalismo e pensionistas.

O valor total a ser depositado pelo Estado nos dois dias de pagamentos totalizará R$ 1,84 bilhão. O montante inclui os 50% restantes dos salários de julho da área de Segurança, que estão sendo pagos hoje.

Os depósitos estavam previstos para ocorrer na próxima sexta-feira, 18, mas foram antecipados. O banco Bradesco, vencedor da licitação de administração da folha de pagamento do funcionalismo, teria cinco dias úteis para depositar R$ 1,3 bilhão como pagamento pela exclusividade do serviço.

Os valores pendentes de maio e junho somam R$ 836,7 milhões, enquanto os de julho totalizam R$ 620 milhões, além dos R$ 383,18 milhões referentes aos 50% restantes do pagamento de julho dos ativos, inativos e aposentados da Segurança – Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Administração Penitenciária e órgãos vinculados.

A primeira parcela dos salários desse grupo foi paga antecipadamente pela Secretaria de Fazenda na última sexta-feira, 11, quando também foi quitado o pagamento de julho dos servidores ativos da Educação e Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase).

Segundo a secretaria, os pagamentos seriam realizados ao longo do dia, mesmo após o fim do expediente bancário.

Fonte: exame.com

Presa, modelo é obrigada a fazer strip para policiais e detentos na delegacia; veja vídeo

Colombiana, detida por briga, estava bêbada e foi “forçada a tirar a roupa”. Vídeo viralizou nas redes

A modelo e DJ colombiana Katheríne Martinez, de 27 anos, foi presa pela polícia de Cali acusada de provocar briga em uma balada no último dia 24 de julho. Conduzida até a delegacia, ela foi acorrentada a uma janela, enquanto aguardava ser interrogada. “Estava alcoolizada e muito agitada”, explicou um dos oficiais.

Katherine pediu para ser solta, alegando dores. Os policiais fizeram então uma proposta absurda: a modelo só seria liberada se tirasse a roupa e dançasse, num strip diante dos guardas e detentos. Foi o que ela fez.

Os oficiais a filmaram com celulares e postaram o vídeo nas redes sociais.

Katheríne está processando os policiais por abuso de poder. “Eles me humilharam”, justifica. “Foi nojento e vergonhoso”, classifica o episódio. Os guardas disseram que iriam levar a modelo para uma cadeia temporária feminina depois do interrogatório. Ela foi detida após uma briga com outra mulher.

“Ainda filmaram a cena e fizeram de tudo para me expor”, conta, citando os vídeos publicados no WhatsApp e no YouTube, publicados pelos policiais. Eles reconheceram ter publicado as gravações.  Katheríne já era conhecida na Colômbia por fazer ensaios sexy e postar fotos desinibidas nas redes sociais. “Não quer dizer que eu precise ser algemada e ter de fazer um strip para policiais e presos, para me soltarem”, desabafou a modelo.

Os guardas avisam que Katherine só será solta se tirar a roupa e dançar para os guardas e alguns detentos que estão ali. “Eles me pediram para mostrar o meu corpo já que ‘estou acostumada a mostrar'”, relata a colombiana. — Disse que eles não tinham direito de fazer aquilo comigo. Estava bêbada, sim, e meio desorientada, mas reclamei muito.

Katheríne reclama: “Isso não é certo. Você estão abusando. Mas vou fazer porque estou com meu tornozelo doendo”.

“Queria dali o mais rápido possível”, ela contou dias depois do episódio. — Nesse momento os prisioneiros começaram a gritar: ‘Tira a roupa aí, gata”.

“Confesso que eu estava bêbada, que tinha passado mesmo da conta, diz ela.

Edson Martins participa da entrega de tatame para a associação de Ji-Paraná

Edson Martins participa da entrega de tatame para a associação de Ji-Paraná

Aquisição foi possível, através de emenda do parlamentar e aquisição foi realizada pela Sejucel

O deputado Edson Martins (PMDB), atendendo ao pedido do vereador Edilson Vieira (PMDB) entregou na última sexta-feira (11) uma área de tatame oficial para a Associação Ji-paranaense de Culturas Físicas (AJCF).

A emenda, de autoria do deputado Edson Martins no valor de R$ 50.995,00, vai beneficiar diversas associações pelo Estado de Rondônia promovendo a prática de esportes.

Participaram da entrega o superintendente da Sejucel, Rodnei Paes; vereador Edilson Vieira (PMDB), Romildo Pereira da regional da Sepog; o presidente da AJCF Wanderley Franco; Seloi Totti, presidente da Federação de Judô de Rondônia (Fejur); professores e alunos de jiu-jítsu.

Juiz do MT recebeu em julho meio milhão de salário

Quebrar sigilo bancário de funcionário dá direito a indenização

O rendimento inclui uma indenização de R$ 137.522,61, mais R$ 40.342,96 de vantagens eventuais e R$ 25.779 de gratificações

O juiz Mirko Vincenzo Giannotte, da 6ª Vara de Sinop (MT), recebeu no mês de julho R$ 415.693,02 líquido de salário, segundo dados do portal da transparência do Tribunal de Justiça do Mato Grosso. O valor bruto pago foi de R$ 503.928,79.

O rendimento inclui uma indenização de R$ 137.522,61, mais R$ 40.342,96 de vantagens eventuais e R$ 25.779 de gratificações.

Procurada pela Coluna, a assessoria de imprensa do TJMT informou que não se trata de erro e que divulgará nota ainda hoje para explicar o salário milionário do juiz no mês de julho. Segundo a assessoria, o pagamento do valor foi autorizado pelo CNJ.

No mês de junho, o juiz recebeu R$ 53.432,92 líquido. O valor bruto foi de R$ 65.872,83.

As informações são de Andreza Matais, da coluna do Estadão

Traficantes põem fuzil em estátua de Michael Jackson no Rio

Traficantes põem fuzil em estátua de Michael Jackson no Rio

Inaugurada em 2010, a estátua em bronze do cantor Michael Jackson (1958-2009) instalada no Morro Dona Marta, em Botafogo, zona sul do Rio, recebeu um adorno pouco convencional: um fuzil, colocado pendurado em seu pescoço por traficantes da favela.

A estátua está fixada no alto do morro, na laje onde Michael gravou parte do clipe “They Don’t Care About Us”, em 1996.

O local é um ponto turístico do morro, procurado por visitantes, brasileiros e estrangeiros, depois que recebeu a primeira das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) da capital, em 2008. A escultura foi inaugurada um ano depois que o rei do pop morreu.

A Polícia Militar identificou suspeitos de terem colocado o fuzil na obra, mas não quando isso foi feito. O Setor de Inteligência da UPP informou que alguns deles estão com mandado de prisão em aberto, e que está sendo realizada uma ação para prendê-los.

Os criminosos, segundo a PM, fazem parte da quadrilha de Marco Pollo Lima dos Santos, o Mãozinha, que estava foragido e foi preso por integrantes da UPP no último dia 27 de julho.

“Cabe ressaltar que a foto possivelmente foi tirada no início da manhã, horário onde há maior movimento nas vielas, para evitar confronto com policiais da UPP”, informou, em nota.

Desde que foi aberta, a UPP Dona Marta sempre foi considerada uma unidade modelo do sistema de aproximação da polícia e da população e de retirada de traficantes armados das ruas das comunidades. Mas a situação mudou, e os tiroteios e mortes voltaram.

Prestes a fazer uma década, as UPPs hoje somam 38. O modelo vive uma crise, decorrente da insuficiência de PMs para o patrulhamento e do rombo financeiro nas contas do Estado.

Essa falência das UPPs vem sendo evidenciada na volta dos embates entre policiais e traficantes e na falta de confiança dos moradores das favelas em relação aos policiais, acusados de abusos e de envolvimento em casos de corrupção.

Para especialistas na área de segurança, o ponto de inflexão foi julho de 2013, quando do assassinato do auxiliar de pedreiro Amarildo de Souza.

Ele foi sequestrado, torturado e morto por PMs da UPP da Rocinha, favela onde morava. Doze PMs foram condenados pelos crimes de tortura seguida de morte, ocultação de cadáver e fraude processual.

Fonte: metropoles.com

Homem que matou ex com ajuda de criança de 8 anos, está foragido há 7 anos

Thiago de Paulo Frois assassinou Érica Marques de Lima, que na época tinha 23 anos, em um crime conhecido como microondas – quando a vítima é colocada em pneus e incendiada

Há sete anos o assassinato brutal de uma jovem de 23 anos está sem Justiça, já que o assassino da vítima, de  30 anos está foragido desde 2010, quando matou a ex-namorada de forma macabra  em Matozinhos, na região metropolitana de Belo Horizonte, por não aceitar o fim do relacionamento. Thiago de Paulo Frois assassinou Érica Marques de Lima, que na época tinha 23 anos, em um crime conhecido como microondas – quando a vítima é colocada em pneus e incendiada.

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o crime ocorreu no dia 26 de abril e Érica ainda estava viva quando os suspeitos atearam fogo nela e a vítima chegou a gritar, mas foi atingida pelo suspeito com golpes de barra de ferro. A jovem foi morta por volta de 23h15 em lixão do bairro Florestal.

O suspeito do crime teve a ajuda de uma criança de oito anos para executar o crime.

Ainda segundo a denúncia do MPMG, o casal tinha uma filha e depois de terminarem o relacionamento, Frois ficou ameaçando Érica e dizendo que ia matá-la caso ela não aceitasse reatar o relacionamento com ele.

No dia do crime, o suspeito combinou de encontrar com a vítima na saída do trabalho dela para conversarem sobre o relacionamento. Antes de encontrar Érica, Frois se encontrou com o menino de 8 anos e os dois cheiraram cocaína e beberam cerveja. Por volta de 20h os dois saíram em uma motocicleta e o assassino deixou a criança escondida no lixão.

Frois então pegou a ex-namorada  e a levou para o lixão. O suspeito ainda deu um beijo na vítima, a segurando para que a criança desse um golpe de barra de ferro em Érica. “O que revela brutalidade fora do comum por parte do réu e seu comparsa, além de sofrimento desnecessário causado à vítima”, escreveu o MPMG em sua denúncia.

Alguns dias depois do crime, a polícia recebeu denúncia anônima que o corpo de Érica estaria no lixão. “Verificou-se que o crime foi cometido por motivo fútil, haja vista que o denunciado ceifou a vida da vítima por não aceitar o fim do relacionamento que existia entre os dois”, escreveu o MP.

A denúncia diz ainda que o crime ocorreu com recurso que dificultou a defesa da vítima, já que o criminoso fingiu que queria conversar, mas a levou para o local do crime. O homem é natural de Matozinhos. A Justiça procura pelo homem para dar uma resposta a família da vítima.

‘Encontrei meu ídolo numa mesa de necrotério’: o médico brasileiro que participou da necropsia de Elvis Presley

'Encontrei meu ídolo numa mesa de necrotério': o médico brasileiro que participou da necropsia de Elvis Presley

Quando soube que a nova turnê de Elvis Presley passaria pela cidade de Memphis, no Tennessee (EUA), o médico brasileiro Raul Lamim, então com 29 anos, quase não acreditou: finalmente teria a chance de assistir a um show do “rei do rock”.

A animação era tanta que pensou em convidar colegas do Baptist Memorial Hospital – Memphis, onde fazia residência médica, para assistir ao concerto no Mid-South Coliseum, uma arena com capacidade para 10 mil pessoas. Só faltava definir a data: 27 ou 28 de agosto? Tinha que decidir logo, antes que os ingressos se esgotassem.

Enquanto o dia do show não chegava, Raul procurava se concentrar em sua tese de mestrado. Quando não estava dando plantão, o mineiro de Juiz de Fora gostava de estudar na biblioteca do hospital.

Em 16 de agosto de 1977, não foi diferente. Após pegar alguns livros de patologia clínica emprestados, passou na secretaria da necropsia. Lá, pegaria o pager e seguiria para casa. Em caso de emergência, voltaria ao hospital. A funcionária, no entanto, pediu a ele que esperasse. Havia uma necropsia urgente – e importante – para fazer. O relógio marcava 16h.

“Quando ela disse que o corpo era o do Elvis, achei que estivesse de brincadeira. Mas, quando vi carros da polícia e caminhões de TV estacionando do lado de fora, não tive dúvidas: havia acontecido algo de errado”, lembra o médico, que hoje, aos 69 anos, se divide entre aulas na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e consultas na Santa Casa da cidade mineira.

Elvis Presley (1935-1977) em apresentação no Las Vegas International Hotel, em agosto de 1969; cantor é tido como um dos principais ícones culturais do século 20

Pistas sobre causas

Quando Lamim entrou na sala de necropsia do Baptist Memorial Hospital, Thomas McChesney, patologista-chefe da instituição, já estava lá. Logo que viu o corpo do cantor deitado sobre a maca, duas coisas lhe chamaram a atenção: a boca entreaberta com a língua parcialmente para fora e a tonalidade azulada da pele e das mucosas – fenômeno também conhecido como cianose.

“São sinais de grande sofrimento respiratório”, explica o médico. O corpo de Elvis fora encontrado sem vida, duas horas antes, por Ginger Alden, sua noiva, no banheiro de seu quarto em Graceland, a mansão em que o cantor vivia em Memphis.

A famosa propriedade do cantor fica a menos de 25 km de distância do Baptist Memorial Hospital. Se Lamim contava os dias para o show, o rei do rock também não disfarçava a ansiedade. Daquela vez, a turnê duraria apenas 12 dias, começaria por Portland, no Oregon, e terminaria em Memphis.

Na noite anterior ao início da excursão, Elvis não conseguira relaxar. Segundo seus biógrafos, passou a madrugada em claro, jogando squash (uma partida às 04h00 da manhã, em que se movimentou pouco), repassando músicas ao piano e beliscando guloseimas – o último lanche teria sido quatro bolas de sorvete e seis cookies de chocolate. Entre uma atividade e outra, ingeria calmantes.

Às 9h, quando Ginger Alden se levantou da cama, Elvis continuava acordado. Segundo o livro Elvis & Ginger: Elvis Presley’s Fiancée and Last Love Finally Tells Her Story (“Elvis e Ginger: A noiva e último amor de Elvis finalmente conta sua história”, em tradução livre), que ela lançou em 2014, o cantor teria dito que ia ao banheiro para ler e nunca mais foi visto com vida.

Por volta das 14h, Ginger bateu à porta do banheiro. Como Elvis não respondia, abriu. O cantor estava caído, de bruços, sobre o carpete. Ao seu lado, o livro A Scientific Search for The Face of Jesus (“A busca científica pelo rosto de Jesus”), de Frank Adams, sobre o Santo Sudário, uma peça de linho com uma imagem de homem que seria Jesus.

Na opinião do médico brasileiro, a posição em que o cantor caiu no sono teria impedido a respiração e provocado sua asfixia. “O que mais chama a minha atenção, 40 anos depois, é a precocidade da morte do Elvis. Ele só tinha 42 anos. Era muito novo”, afirma.

Raul Lamim durante o período de residência no Baptist Memorial Hospital (ao fundo), em Memphis

Na mesma hora, o médico do cantor, George Nichopoulos, tentou reanimá-lo, aplicando massagem cardiorrespiratória. “Respire, Elvis, respire!”, repetia. Nada. Logo, Joe Esposito, gerente de turnês do artista, chamou a ambulância.

Durante o trajeto até o Baptist Memorial HOspital, os paramédicos Charlie Crosby e Ulysses Jones Jr., que atenderam a chamada, repetiram o procedimento. Em vão. Às 15h30, no horário local, Elvis Presley foi declarado oficialmente morto.

‘Elvis não morreu’?

A participação de Lamim na necropsia de Elvis Presley é citada em ao menos um dos inúmeros livros escritos sobre o rei do rock, The Death of Elvis Presley – What Really Happened (“A Morte de Elvis Presley – O Que Realmente Aconteceu”), lançado em 1991.

Nele, os autores Charles C. Thompson e James P. Cole reforçam a tese do “Elvis não morreu”. Para eles, o astro teria assumido uma identidade falsa e, por razões desconhecidas, fixado residência em outro país.

Inúmeras teorias conspiratórias, aliás, tentaram forjar explicações para a morte de Elvis. Umas dizem que ele teria sido envenenado. Outras, que teria sucumbido a uma overdose de drogas.

O patologista de Juiz de Fora refuta as duas teses. “O exame toxicológico não encontrou vestígios de veneno ou de drogas ilícitas, como maconha, cocaína e heroína, no organismo do cantor. De acordo com seus registros médicos, Elvis não fazia uso de cigarro, bebida ou drogas”, afirma o médico.

Sepultura de Elvis Presley em Graceland; 40 anos depois, morte de cantor continua a alimentar ‘teorias da conspiração’

O mesmo, porém, não se pode dizer de medicamentos. “Elvis dormia e acordava à base de remédios”, lamenta Lamim. O exame de sangue acusou 14 substâncias diferentes, entre analgésicos (codeína e morfina), ansiolíticos (diazepam) e, principalmente, sedativos (ethinamate, etclorvinol, pentobarbital, butabarbital e fenobarbital), todos em doses aceitáveis pelos médicos. O único medicamento que teria sido tomado acima do recomendado foi o antidepressivo metaqualona.

Na ocasião, George Nichopoulos, que tratava do cantor havia dez anos, chegou a ter sua licença suspensa por três meses após ser acusado pelo Conselho de Médicos Legistas do Tennessee de prescrever remédios em excesso para seus pacientes. Em 1995, após reincidir no erro, perdeu a licença em definitivo.

“Quarenta anos depois, a sensação que fica é de espanto. Quando eu poderia imaginar que aquilo fosse acontecer? Nunca imaginei que, um dia, encontraria meu ídolo da juventude em uma mesa de necrotério. Uma pessoa tão idolatrada e, ao mesmo tempo, como outra qualquer”, filosofa o médico.

Fonte: bbc.com