Congresso instala CPMI da JBS após relato de novas gravações

CPMI também terá o objetivo de investigar a aquisição de parte da JBS pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) durante os governos petistas

O Congresso Nacional instalou na tarde desta terça-feira, 5, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS, que vai investigar o acordo de delação entre os executivos da empresa de frigoríficos, os irmãos Batista, e o Ministério Público Federal (MPF), entre outros assuntos.

O primeiro ato da CPMI foi eleger os senadores Ataídes Oliveira (PSDB-TO) e Ronaldo Caiada (DEM-GO) como presidente e vice-presidente da comissão, respectivamente. Em seu primeiro discurso, Ataídes rechaçou qualquer questionamento sobre a CPMI ter como objetivo retaliar autoridades do Judiciário.

“Chegaram a dizer que esta CPMI tinha como objetivo retaliar as nossas autoridades, especialmente as da ‘Lava Jato’. Como criador dessa CPMI, não admito que alguém diga que tenha o cunho de retaliar nossas autoridades. O princípio que levou a criação dessa CPMI é o mesmo que moveu a ‘Lava Jato’, ou seja, a luta contra a impunidade e a favor da transparência”, rebateu.

Apesar disso, o presidente da CPMI aproveitou para destacar a necessidade de averiguar o “polêmico” acordo de delação estabelecido entre os executivos da JBS e MPF, por meio do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Tirar a limpo o roubo de bilhões por parte de bandidos confessos, é bom frisar, é uma questão de interesse nacional. O polêmico acordo de delação premiada que garantiu liberdade e vida boa aos delatores precisa ser bem explicado, até mesmo para esclarecer dúvidas que agora vem à tona sobre a atuação do MPF”, acrescentou.

Ataídes lembrou ainda que a CPMI também terá o objetivo de investigar a aquisição de parte da JBS pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) durante os governos petistas. “Por meio dessa CPMI, podemos esclarecer esse nefasto jogo em que o BNDES foi usado para criar os campeões nacionais, contribuindo para jogar o Brasil inteiro na banca rota”, mencionou.

O senador tucano recuou quanto ao anúncio de quem deve ser o relator da CPMI, o que é praxe após a instalação de uma comissão. A expectativa é que o deputado Carlos Marun (PMDB-RS) seja o escolhido por influência do Planalto. Marun é um dos principais nomes da tropa de choque de Michel Temer, mas não está presente no Congresso porque acompanha o presidente em comitiva internacional.

Preso foge por buraco de ar-condicionado enquanto aguardava audiência por videoconferência

Segundo Seap, detento cumpria pena no semiaberto em Aparecida de Goiânia. Órgão afirmou que polícias estão a procura do foragido

Um preso, de 28 anos, conseguiu fugir da Casa de Prisão Provisória (CPP) por meio de um buraco de ar-condicionado, nesta terça-feira (5), em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Segundo a Superintendência Executiva de Administração Penitenciária (Seap), o detento aguardava audiência por meio de videoconferência.

Conforme a Seap, ele havia sido preso pelo crime de roubo e cumpria pena no regime semiaberto, por isso, não estava algemado e foi deixado sozinho na sala.

Ainda segundo a nota divulgada pela Superintendência, “as forças de segurança já atuam para recapturar o fugitivo”.

STF recebe queixa-crime contra deputado por edição fraudulenta de frase de Jean Wyllys

A 1ª turma do STF decidiu nesta terça-feira, 5, pelo recebimento da queixa-crime do deputado Jean Wyllys contra o também deputado Eder Mauro por difamação.

Jean, em manifestação no Congresso, ao criticar as Forças Armadas, afirmou que “há imaginário impregnado, sobretudo nos agentes de segurança, de que pessoa negra e pobre é potencialmente perigosa”.

O deputado Eder (delegado de polícia) editou o vídeo com a frase e difundiu no Facebook, dando a entender que Jean afirmou que “pessoas negras e pobres são mais perigosas que as pessoas brancas”.

O relator, ministro Fux, inicialmente consignou que o ato de edição, corte ou montagem tem por objetivo guiar o expectador: “A edição orientou a atribuir ao querelante fato ofensivo a sua honra (a prática do crime de racismo).”

E, assim, concluiu pelo recebimento da queixa-crime: “Ele fraudulentamente cortou a frase.” A decisão da turma foi unânime. O presidente, ministro Marco Aurélio, completou: “O mandato não dá respaldo a esse procedimento fraudulento.”

Fonte: migalhas.com

Em trecho de pura baixaria, Joesley cita até prostituição; ouça

Defesa oferece passaportes de Joesley Batista e Ricardo Saud à Justiça

Em outro trecho dos áudios entre Joesley Batista e Ricardo Saud, respectivamente dono e diretor da JBS, o empresário se diverte ao afirmar que cogitava usar até sexo para fechar o acordo de delação. Em determinado momento, Joesley diz que deu ordem para o advogado da empresa Francisco de Assis e Silva transar com uma das profissionais envolvidas na negociação com o Ministério Público Federal (MPF). “Eu já falei para o Francisco, você tem até domingo que vem para c… a (…). Se não, eu vou c… Francisco, é trabalho, viu! Vou te dar até domingo que vem. Se não, eu vou fazer o serviço.”

Segundo Joesley, o sexo, nesse caso, deveria ser encarado como um trabalho de um funcionário da empresa para ajudá-la a alcançar seus objetivos. “Não é fetiche, não, velho, Um de nós tem que botar ela na cama.”

O empresário vai além na baixaria e diz que contratou uma pessoa do sexo masculino para prestar esse tipo de atividade. “Eu já arrumei um v… pra d… para quem a gente precisar. Sério, já tenho contratado um”, afirmou Joesley a Saud. “É o seguinte, ou vai no amor, ou vai na… É serviço, cara”, explicou. “Nós vamos ajeitar a (nome de mulher), nós vamos ajeitar o (nome de um homem). Vamos ver o que cada um está precisando”, finalizou.

Fonte: veja.com

Fazenda recomenda ao Rio que privatize universidades públicas e demita servidores

Em parecer da Subsecretaria de Relações Financeiras Intergovernamentais, vinculada ao Tesouro Nacional e, consequentemente, ao Ministério da Fazenda, técnicos analisaram o plano de Recuperação Fiscal apresentado pelo Estado do Rio. Em um dos trechos do relatório, o Tesouro recomenda que o Rio adote cinco medidas adicionais para normalizar sua situação financeira, e assim “aumentar as suas chances de atingir o equilíbrio fiscal”. Essas recomendações, porém, não precisam ser adotadas pelo governo do estado.

As sugestões são: maior esforço de arrecadação com a extinção de mais desonerações e maior revisão de tributos; a extinção de mais empresas públicas; uma reforma do regime jurídico único dos servidores, o que contribuiria para a sustentabilidade financeira do estado; a demissão de comissionados e servidores ativos; e aumento da contribuição previdenciária com criação de contribuição para inativos acima do teto com alíquota extraordinária.

No caso das sugestões, a principal afeta as universidades públicas, em especial, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Outra proposta é a questão da demissão de servidores ativos, o que seria possível com a criação de um Programa de Demissão Voluntária (PDV). Mas, como salientou o parecer, um PDV reduziria ainda mais a eficiência do serviço público diante da redução de funcionários ativos.

Foto: Reprodução

Veja as recomendações na íntegra:

Extinção de mais empresas públicas e revisão do papel do Estado. Uma vez que a desestatização é uma prática essencial e eficiente não só para o equacionamento das contas públicas, mas também para o ganho de eficiência dos serviços ofertados à população e para a adequação do tamanho do Estado a sua capacidade financeira estrutural, essa categoria de medidas de ajuste poderia ser ampliada – passando a abranger, inclusive, a revisão da oferta de ensino superior.

Reforma do regime jurídico único dos servidores. Apesar de não ser uma medida obrigatória para a adesão ao Regime de Recuperação, uma vez que o Rio de Janeiro adotou a medida alternativa do teto de gastos, essa medida contribuiria para a sustentatibilidade financeira do Estado a longo prazo.

Demissão de comissionados e servidores ativos. Apesar de ser uma medida de difícil implementação e de fortes impactos na prestação de serviços públicos ela não deve ser descartada, dada a gravidade da situação em que o Estado se encontra.

Fonte: extra.globo

Incompetência da Sedam continua causando prejuízos em Rondônia

Secretaria não libera renovações de licenciamentos e vem atrapalhando obras públicas

O Governo de Rondônia consegue se superar quando o assunto é incompetência de alguns assessores e chega a causar estranheza notícias de que o governador anda recebendo prêmios Brasil afora por sua administração. O que se vê no dia a dia é completamente contrário ao que vem sendo alardeado pelo noticiário governista.

A Secretaria de Desenvolvimento Ambiental – Sedam, que há tempos vem causando problemas, agora também deixa um rastro de prejuízos em função de sua inoperância, e isso não é de agora. Em 2015 PAINEL POLÍTICO mostrava que mais de mil licenciamentos aguardavam liberação na pasta, em 2016 Rondônia quase ficou sem combustível porque a secretaria não tinha se adequado as novas normas para emissão de licenças.

Agora em 2017, empresários que exploram a retirada de cascalho utilizado em obras de pavimentação e fundações não conseguem renovar as licenças porque a Sedam está emperrada. Com isso, várias construtoras que atendem o próprio governo não estão retirando cascalho, atrasando as entregas e as poucas obras que estão em andamento no Estado.

Em função da lerdeza da Sedam, os municípios de Porto Velho e Ji-Paraná foram autorizados, através de convênios, para emissão de licenças ambientais, mas apenas as novas. As que já haviam sido concedidas pela Sedam, devem ser renovadas por ela, e é ai que reside todo o problema, que pelo jeito está longe de ser resolvido.

O governador Confúcio Moura, não se sabe ainda por qual motivo, nomeou um coronel da Polícia Militar como secretário, Vilson Sales que “comanda” a secretaria com toda a carga burocrática que encontra pelo caminho. Com a chegada de Sales, o que era ruim ficou pior.

Mais complicado ainda fica a vida dos secretários municipais de Porto Velho e Ji-Paraná, que todos os dias precisam explicar que não são responsáveis pelas renovações, mas sim o órgão do Estado.

Confúcio Moura deveria acumular mais um “prêmio”, o de ser campeão em atrapalhar a vida do setor produtivo do Estado.

Palavra ‘ônibus’ é a 2ª mais procurada em site pornográfico no Brasil

Uma denúncia que está circulando nas redes sociais revela que a palavra “ônibus” é o segundo termo mais buscado no site de conteúdo adulto XVideos nesta segunda-feira (5). O tópico está em alta após as notícias de assédios sofridas por mulheres em coletivos terem ganhado destaque nos últimos dias.

“É EXTREMAMENTE sintomático que, após as violências ocorridas e divulgadas amplamente, a tag por “ônibus” seja absurdamente procurada. Ou seja, um ato odioso de abuso fez com que dezenas de homens buscassem pornografia com conteúdo parecido. Algo completamente repulsivo alimentou o “desejo” especificamente nesse sentido, elevando a tag a 2º tendência nacional”, escreve a internauta Ana Victorino no Facebook.

Ainda de acordo com a postagem, logo na primeira página os visitantes do site podem ver diversos vídeos intitulados como “compilação de encoxadas”, “flagrante de mulheres” e “gozando no ombro”.

Fonte: noticiasaominuto

 

PGR denunciará o PT por organização criminosa e apontará Lula como chefe de quadrilha

Transmissão “fake” da audiência de Lula engana usuários no Facebook

Denúncia deverá ser protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF) nos próximos dias, diz revista Época

O jornalista Diego Escosteguy, da revista Época informa na coluna Expresso que a Procuradoria-Geral da República (PGR) está prestes a finalizar denúncia em que acusará integrantes do Partido dos Trabalhadores (PT) de cometer o crime de organização criminosa.

O ex–presidente Lula será apontado como chefe de quadrilha. A denúncia deverá ser protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF) nos próximos dias.

Embora Lula não goze de foro privilegiado, a PGR apresentará a denúncia porque deputados e senadores estarão entre os citados.

Pai tortura filho de 3 anos e coloca pimenta em partes íntimas em AL

Pai tortura filho de 3 anos e coloca pimenta em partes íntimas em AL

Após ouvir gritos de uma criança, moradores da Favela Sururu de Capote, no bairro do Vergel do Lago, em Maceió, foram socorrer um menino de 3 anos que estaria sendo torturado pelo pai em um barraco na comunidade. O Conselho Tutelar denunciou o caso na manhã desta terça-feira (5).

Os vizinhos que resgataram o garoto ligaram para a mãe da vítima, que havia deixado o filho com o pai, Luciano da Silva, há oito dias. “Os vizinhos falaram que ele ia matar o menino enforcado com uma corda. Eles derrubaram o barraco dele e pegaram o aparelho celular. Foi então que conseguiram falar com a mãe do menino e ela foi até o local”, disse conselheira tutelar Valmênia Santos, em entrevista ao G1.

O pai e a madrasta, que também não teve o nome divulgado, fugiram do local. “A mãe mora no Benedito Bentes e disse que o pai levou a criança para passar o fim de semana, mas quando ela ligou para saber da demora ele pediu mais alguns dias”, falou. A criança foi encaminhada para o Hospital Geral do Estado (HGE), com marcas de agressão no corpo.

“A criança contou que apanhou com sandália, chapéu, corda e que o pai colocou pimenta em suas partes íntimas”, disse Valmênia. O Conselho Tutelar acompanhou a mãe e a criança para fazerem a denúncia na Delegacia de Crimes contra a Criança e o Adolescente nesta manhã. Segundo a conselheira, depois dos depoimentos, o menino deve ser levado ao Instituto de Medicina Legal (IML) para fazer exame de corpo de delito.

Fonte: noticiasaominuto

Segundo dados, preço do leite deve ficar mais barato para o consumidor

Segundo dados, preço do leite deve ficar mais barato para o consumidor

Esse período do ano tem revelado uma queda incomum no preço médio do leite, o produto tem saído aos produtores com preços mais baixos e isso provavelmente seguirá a cadeia de distribuição até chegar ao consumidor final.

Segundo informações da consultoria especializada no setor de lácteos, a Scot, os varejistas até setembro devem ajustar e repassar ao consumidor o leite no preço aproximado de 2 reais, atualmente a média é de pouco mais de 3 reais, no Sudeste por exemplo.

O mês de julho registrou pela segunda vez uma diminuição dos preços, na comparação, o valor médio é mesmo que foi aplicado nas cotações de três anos atrás. Segundo levantamento feito pelo Centro de Estudos Avançados Economia Aplicada (Cepea) da USP, considerando a média do país nos estados de Minas, Goiás, Bahia, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Rio Grande do Sul, o valor sem imposto e frete diminuiu em 3 centavos por litro de leite.

Em 2017 esta é a primeira queda registrada que ficou abaixo dos preços do ano passado. No comparativo com o mês de julho de 2016, a queda foi quase 13%. O motivo das baixas no valor do leite é por causa da alta produção no campo em contraponto a baixa demanda do mercado.

No Rio Grande do Sul por exemplo, a Conseleite-RS (Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Estado) revelou algumas informações que explicam a queda do preço. Os números mostram que o preço teve diminuição de 3,7% com projeção de 0,95 centavos por litro em julho, comparando com o mês anterior era comercializado a 0,98 centavos.

A justificativa foi importação e também o crescimento da captação. Outros pontos que puxaram a queda dos preços foram dos produtos como a muçarela, o leite pasteurizado e o UHT, com baixas de 3,4%, 3,5% e 6% respectivamente.A demanda por laticínios muito baixa este ano de modo geral tem se revelado a principal preocupação desse setor.

As vendas diminuíram como consequência da queda do poder aquisitivo da população, e isso reflete diretamente em toda a cadeia produtiva, começando pelo varejo retrocedendo até os produtores.Ainda segundo a consulta do Cepea a expectativa é de queda no mês de agosto para pouco mais de 80% de agentes, enquanto quase 11% expectam que os preços fiquem estáveis, e pouco mais dos 6% restantes acreditam no aumento de preços.

A influência dessa redução no leite causará uma diminuição nos valores dos seus derivados, porém de forma mais leve porque a industrialização e todos seus processos demandam um custo maior.

Fonte: metropoles.com