Suspeito de matar comandante da PM no Méier estava em liberdade condicional desde junho

Um dos suspeitos de participar do assassinato do comandante do batalhão do Méier, na Zona Norte do Rio, já foi identificado pela Delegacia de Homicídios. Matheus do Espírito Santo Severino, de 22 anos, estava em liberdade condicional desde junho, depois de passar seis meses preso. Ele tem passagens por tráfico e associação para o tráfico.

Os investigadores dizem que Matheus trocou tiros com o cabo Ney Vilar, da Polícia Militar, que dirigia o carro onde estava o comandante Luiz Gustavo Teixeira, enterrado nesta sexta-feira (28), no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste.

“Ele foi reconhecido como a pessoa que trocou tiros com o Ney. O Ney reconheceu ele de forma categórica e ainda, posteriormente a isso, ele ainda tenta voltar para pegar uma das armas que estavam no chão. A partir do depoimento do policial Nei, está totalmente descartada a hipótese de execução do coronel”, disse o delegado Rivaldo Barbosa.

Os agentes têm pistas dos outros três suspeitos de participação no crime, mas não quiseram dar maiores detalhes para não prejudicar a elucidação do caso. Eles continuam foragidos.

A polícia militar continuou a fazer buscas nesta sexta-feira (28) em comunidades do Lins e do Méier para encontrar os criminosos. Trezentos homens saíram às ruas para cumprir 14 mandados de prisão. A operação não tem prazo pra terminar.

Por causa da operação, quase dois mil alunos de escolas da rede municipal no Lins e no Engenho Novo ficaram sem aulas.

Nova operação

Também teve aluno fora da escola na região do Estácio e do Catumbi, onde as polícias Civil e Militar fizeram uma operação com o apoio das Forças Armadas. Para a polícia, foram desses locais que saíram os bandidos que invadiram à Rocinha, há quarenta dias, a mando do traficante Antônio Bonfim Lopes, o Nem.

A operação começou nas primeiras horas da manhã desta sexta-feira (28), com o apoio de dez blindados. O espaço aéreo ficou fechado e os militares interditaram ruas e revistaram quem entrava ou saía.

Ao todo, 1.700 homens das Forças Armadas deram apoio às polícias Civil e Militar para entrar nas comunidades de São Carlos, Mineira, Querosene e Zinco. Foram cumpridos 20 mandados de prisão. A polícia diz que quatro dos presos são traficantes que fugiram da Rocinha.

Por causa das operações, em toda cidade, mais de oito mil alunos ficaram sem aulas nesta sexta-feira.

Fonte: g1

  

Facebook vai tornar públicos detalhes sobre propagandas postadas na rede social

A principal fonte de renda do Facebook são os anúncios que diversas empresas pagam para que sejam expostos a uma parte dos 2 bilhões de usuários da rede social. As regras para o uso dessa plataforma de publicidade, porém, estão mudando.

A empresa revelou nesta sexta-feira, 27, uma série de novas diretrizes focadas em anúncios e, principalmente, propagandas relacionados a política. Algumas das novas regras valem para todos os tipos de anúncio. O objetivo é fornecer mais transparência quanto a veiculação dessas propagandas no Facebook.

O teste das novas funções começou no Canadá e, no ano que vem, chegará aos EUA e a outros países – possivelmente também ao Brasil. A partir de agora, quem pagar para promover um post ligado às eleições de um país deverá ter sua identidade verificada pelo Facebook e exibir seu nome no próprio anúncio.

Além disso, não será mais possível patrocinar um post através de um perfil de usuário. O anúncio deverá, obrigatoriamente, estar ligado a uma página que seja verificada. A própria peça publicitária deverá vir ainda com dois novos alertas: um indicando que aquele post é uma propaganda política e outro indicando quem foi que pagou por ele.

Outra novidade que afeta todos os anunciantes da rede social é um “arquivo de anúncios”. Ao acessar a página de uma marca ou empresa, o usuário poderá ver uma seção com todos os anúncios que aquela página mantém ativos na rede social, ainda que o usuário, em si, não seja o público-alvo do anúncio.

No caso de propaganda política, as páginas que postarem esse tipo de anúncio ainda vão ter que manter um histórico de todos os posts patrocinados nos últimos quatro anos (a partir da liberação do novo recurso), esclarecer quanto dinheiro foi gasto com todos eles, quantas pessoas foram atingidas e qual era o público-alvo, em detalhes.

Por fim, a empresa vai contruir ferramentas de inteligência artificial que serão treinadas para identificar “propagandas disfarçadas” – posts que citam política, mas que não seguem as novas regras. Embora o time de Mark Zuckerberg não tenha adimitido, tudo leva a crer que as mudanças têm a ver com uma polêmica na qual o Facebook se envolveu recentemente em relação às últimas eleições dos EUA.

Investigações revelaram que organizações russas pagaram para promover propaganda política no Facebook durante as eleições para presidente dos EUA em 2016. Os posts eram patrocinados para atingir mais pessoas e eram usados para denegrir a então candidata democrata Hilary Clinton, que acabou derrotada pelo republicado Donald Trump nas urnas.

O problema é que os anúncios não eram transparentes o bastante: apenas uma extensa investigação feita nos EUA conseguiu averiguar que os posts eram, de fato, pagos por pessoas na Rússia. “Nós continuamos profundamente comprometidos com a integridade do processo eleitoral no Facebook”, disse Rob Goldman, vice-presidente da plataforma de anúncios do Facebook, ao divulgar as mudanças.

Fonte: olhardigital

CAS vota projeto que torna fraude em lista do SUS improbidade administrativa

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) tem reunião marcada para a próxima quarta-feira (1º), às 9h, para analisar o projeto que enquadra irregularidades na lista de cirurgias programadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) como ato de improbidade administrativa. A punição está prevista em projeto de lei (PLS 393/2015) do senador Reguffe (sem partido–DF) e tramita em caráter terminativo. Se aprovada na CAS e não houver recurso para o Plenário do Senado, a matéria seguirá direto para a análise da Câmara dos Deputados.

A proposta torna obrigatória a divulgação da lista de agendamento de cirurgias pelo SUS na internet, tanto as programadas por hospitais públicos quanto aquelas a cargo da rede privada conveniada. A lista deverá ter a identificação do paciente, bem como sua posição na lista de espera, conforme a especialidade médica pertinente. Está prevista ainda a atualização semanal dessa relação.

Outra medida estabelecida no projeto é o enquadramento na Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429/1992) do serviço de saúde que deixar de elaborar ou fraudar a lista. Entre as sanções previstas na legislação para o caso, estão a perda de bens ou função pública, a multa civil e a suspensão de direitos políticos.

O relator, senador Otto Alencar (PSD-BA), elogiou a proposta. Ele, no entanto, apresentou seu relatório com duas emendas. Uma das emendas determina que as filas de espera para realização de cirurgias eletivas estejam submetidas a processos de regulação instituídos pelos gestores competentes do SUS. A segunda emenda proposta foi apresentada no intuito de flexibilizar a lista a partir de critérios estritamente médicos, devidamente justificados e registrados. Isso porque, segundo o senador, o quadro clínico do paciente sempre pode agravar, o que tornaria necessária a adoção de medidas mais imediatas.

Profissões

Na mesma reunião, a CAS vai analisar a regulamentação de algumas profissões. É o caso do condutor de ambulância (PLC 82/2017), do despachante (PLS 292/2014) e do educador social (PLS 328/2015). A comissão ainda vai votar um requerimento para a realização de uma audiência pública e outro de convite ao ministro da Saúde, Ronaldo Nogueira. O senador Paulo Rocha (PT-PA) quer explicações sobre a portaria do governo que afrouxa as regras da fiscalização do trabalho escravo.

Fonte: agenciasenado

 

Dodge contraria Temer e pede sequência de inquérito dos Portos

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, contrariando pedido da defesa de Michel Temer, defendeu o prosseguimento das investigações no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o presidente em relação à edição de um decreto que trata do setor portuário. Na manifestação encaminhada nesta quinta-feira (26/10), ao relator do inquérito, o ministro Luís Roberto Barroso, Dodge destacou que há diligências (atividades da investigação) a cumprir.

A defesa do presidente Michel Temer havia informado ao STF que contratos da Rodrimar foram analisados pela Secretaria Nacional dos Portos e houve uma recomendação em parecer para que nem todos os contratos fossem renovados. Com isso, os advogados pediam que Barroso reconsiderasse a decisão – que autorizou a instauração do inquérito contra o presidente.

 

Para a procuradora-geral, as diligências do inquérito são necessárias para a formação do juízo de valor do Ministério Público, de modo a apontar se será necessário pedir o arquivamento do caso ou oferecer denúncia. “A fase inquisitorial tem como objetivo a completa elucidação dos fatos. Seu resultado será a base da formação do juízo de convencimento do MPF, resultando, ao final, em denúncia ou arquivamento”, disse Raquel Dodge, destacando que todo e qualquer documento juntado pela defesa será avaliado no momento oportuno.

“É imprescindível a realização das diligências iniciais apontadas na manifestação com fito de esclarecer os fatos sob investigação”, acrescentou.

O inquérito foi aberto por Barroso em agosto após pedido feito pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot, depois de análise de documentos apreendidos na Operação Patmos, que deflagrou o caso J&F em maio, e interceptações telefônicas do então deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) com Temer tratando sobre o decreto. Os investigados são suspeitos dos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva.

Nesta semana, Temer informou que vai responder por escrito às perguntas que receber em relação ao inquérito.

Fonte: metropoles

Criminosos armados com fuzil explodem carro-forte em estrada no TO

Criminosos armados com fuzis atacaram um carro-forte na BR-153 na tarde desta sexta-feira (27), entre Guaraí e Presidente Kennedy, na região central do estado de Tocantins. Testemunhas contaram que os assaltantes pararam um carro de passeio e incendiaram para bloquear a pista. Houve forte tiroteio na região e o carro-forte foi explodido.

A pista foi interditada por algum tempo, mas o trânsito foi liberado em meia pista.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, três assaltantes fortemente armados atacaram o carro-forte e usaram explosivos para abrir o veículo. Durante a ação, um caminhão passou em alta velocidade e os assaltantes deixaram uma metralhadora .50 cair, junto com uma bolsa de munições.

Eles conseguiram levar malotes de dinheiro e fugiram em um outro carro que roubaram no local. A PRF informou que está na região fazendo buscas pelos suspeitos com a poio da Polícia Militar.

A empresa Prosegur, dona do carro-forte, disse que não há feridos. “A companhia informa que está à disposição das autoridades e colaborando para o andamento das investigações”.

Criminosos deixaram fuzil e munições para trás (Foto: Divulgação)
Carro ficou com várias marcas de tiros (Foto: Divulgação)
Várias cédulas ficaram para trás (Foto: Divulgação)
Carro foi incendiado e usado para bloquear pista (Foto: Divulgação)

Fonte: g1/to

Gilmar Mendes diz que STF proíbe a vaquejada e permite o aborto

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes voltou a criticar nesta sexta-feira (27/10) o posicionamento da Corte sobre temas polêmicos que foram julgados recentemente. Ao participar de um seminário sobre Direito Constitucional, em Brasília, Mendes disse que “de vez em quando nós somos esse tipo de Corte que proíbe a vaquejada e permite o aborto”.

Na avaliação do ministro, o grande número de demandas que chegam à Corte produziu erros nos julgamentos sobre a validade da vaquejada e na decisão da Primeira Turma da Corte que descriminalizou o aborto no primeiro trimestre de gravidez.

“A decisão (sobre aborto) poderia ter sido favorável à pessoa, por conta do excesso de prazo [de prisão], mas não se precisava entrar no tema. Entrou no tema, porque se viu possibilidade de fazer maioria. De vez em quando nós somos esse tipo de Corte que proíbe a vaquejada e permite o aborto.”, criticou o ministro. O relator da ação sobre a descriminalização do aborto foi o ministro Luís Roberto Barroso.

Em junho, o Congresso Nacional aprovou uma emenda constitucional para que vaquejada seja registrada como “bem de natureza imaterial”.  A festa é tradicional em várias cidades do interior do país, principalmente no Nordeste. A medida foi tomada após o STF, por maioria de votos, decidir que considerou a prática cultural inconstitucional por submeter os animais à crueldade.

Em novembro do ano passado, a Primeira Turma da Corte decidiu hoje descriminalizar o aborto no primeiro trimestre da gravidez. Seguindo voto de Barroso, o colegiado entendeu que são inconstitucionais os artigos do Código Penal que criminalizam o aborto. A decisão somente teve efeito para o caso concreto que foi analisado e cabe recurso ao plenário da Corte.

Fonte: metropoles

Esposa flagra marido abusando de adolescente e salva a menor

Uma mulher flagrou o próprio marido abusando de uma adolescente de 13 anos em Cubatão, em São Paulo. Ela interrompeu o ato criminoso e ajudou a vítima a acionar a polícia.

O flagrante aconteceu após Valmir de Sousa Santos, de 37 anos, sair de casa dizendo que iria dar uma volta. Logo depois, a mulher dele reconheceu o chinelo do marido em frente a casa da adolescente, que mora no mesmo conjunto habitacional do casal.

A mulher desconfiou e decidiu entrar na casa da vizinha, flagrando o marido violentando a menina, que estava chorando. A garota estava sozinha quando foi atacada pelo homem.

Valmir ainda fugiu após ser flagrado pela mulher, mas ela e a adolescente buscaram a polícia, que conseguiu localizar e prender o suspeito. Ele confessou o crime e foi reconhecido pela vítima.

Fonte: atarde.uol

Arábia Saudita é primeiro país do mundo a dar cidadania a um robô

RIAD – A Arábia Saudita é o primeiro país do mundo a conceder cidadania a um robô. Chamada de Sophia, a máquina de inteligência artificial recebeu o título em Riad, durante um evento de investidores em tecnologia.

O robô foi criado pela empresa Hanson Robotics, de Hong Kong, e inspirado nas feições da atriz belga Audrey Hepburn. Ao ter sua cidadania anunciada, Sophia agradeceu.

No rápido bate-papo com o apresentador americano Andrew Ross Sorkin, Sophia revelou que seu objetivo é “usar a inteligência artificial para ajudar os humanos a terem uma vida melhor”.

O governo saudita busca lançar o projeto Neom, que visa a construção de uma “cidade do futuro” espalhada por seu território, pelo Egito e pela Jordânia. /ANSA

Fonte: O Estado de S. Paulo

 

Pedestres e ciclistas poderão ser multados em 2018

Uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicada na edição de hoje (27/10) do Diário Oficial da União regulamentou os procedimentos para autuar e multar pedestres e ciclistas por infrações.

Os direitos e deveres de pedestres e ciclistas e também a previsão de penalidades estão estabelecidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), mas faltava uma regulamentação com a padronização de procedimentos. O prazo de implantação é de 180 dias, de acordo com a Resolução 706/17.

A resolução estabelece que constatada a infração pela autoridade de trânsito, o auto de infração deverá ser registrado com o nome completo e número do documento de identificação do infrator e, quando possível, endereço e número do CPF. Quando o autuado for um ciclista, o agente de trânsito deve anotar as informações disponíveis da bicicleta tais como marca e modelo. Valor da multa será de R$44,19

O Artigo 254 do código de trânsito registra que pode ser autuado o pedestre que, por exemplo, cruzar pistas em viadutos, pontes, ou túneis, salvo onde existir permissão. Também quem atravessar vias dentro das áreas de cruzamento, exceto se houver sinalização para esse fim.

No caso do ciclista, o Artigo 255 determina que é considerada infração conduzir bicicleta em passeios onde não seja permitida sua circulação, ou de forma agressiva. De acordo com o código, o ciclista desmontado empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direitos e deveres.

A resolução publicada hoje traz a padronização administrativa para a lavratura de auto de infração, expedição de notificação de autuação e de notificação de penalidades.

Fonte: metropoles

Polícia Civil termina inquérito e conclui que reitor da UFSC cometeu suicídio

A Polícia Civil concluiu o inquérito sobre a morte do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Luiz Carlos Cancellier de Olivo, ocorrida no dia 2 de outubro em Florianópolis, e concluiu que ele cometeu suicídio. O documento foi entregue à Justiça na quarta-feira (25).

Cancellier tirou a própria vida por volta das 10h30, após queda no vão central do shopping Beira-Mar. Ele se jogou da escada rolante do piso L4.

“Com base nos exames realizados, somados ao teor dos laudos periciais emitidos pelo IML e das filmagens de câmera de segurança do estabelecimento comercial, Luiz Carlos Cancellier de Olivo foi vítima de autoeliminação por precipitação”, concluiu no relatório o delegado Eduardo Mattos, responsável pela investigação.

Ainda segundo o documento, o reitor chegou sozinho ao estabelecimento e não conversou com ninguém.

O delegado ainda ressalta na conclusão do inquérito que o irmão do reitor, Júlio Cancellier, afirmou que Luiz Carlos estava com quadro de depressão após ser preso pela Operação Ouvidos Moucos. Ele foi detido no dia 14 de setembro e solto no dia seguinte. O reitor estava indo a um psiquiatra e tomando remédios, informou o irmão.

Dentro da carteira do reitor foi encontrado um bilhete – cujo conteúdo foi divulgado pelo irmão do reitor e confirmado pela Polícia Civil – que dizia: “minha morte foi decretada quando fui banido da universidade”.

Fonte: g1/sc