Acusado de matar filho de ex-prefeito de Vilhena (RO) é condenado a 28 anos de prisão

A 2ª Vara Criminal de Vilhena condenou Lucas Rodrigues Ramos a 28 anos de prisão. Ele é acusado de matar o estudante Luiz Eduardo Silva Rover, de 21 anos, filho único do ex-prefeito de Vilhena (RO), José Luiz Rover (PP). O crime aconteceu em agosto deste ano. A sentença foi anunciada após a audiência de instrução e julgamento feita terça-feira (31).

Na audiência foram ouvidas testemunhas e o réu, que confirmou as declarações prestadas na fase policial.

Encerrada a instrução, as partes apresentaram as alegações finais e o Ministério Público de Rondônia (MP-RO) pediu a condenação de Lucas pelos crimes de latrocínio – roubo seguido de morte – e também por corrupção de menores, pois ele convidou o adolescente de 15 anos para cometer o crime com ele.

Já a defesa pediu fixação da pena em seu mínimo legal, e solicitou que fosse levada em consideração a confissão do acusado. Na decisão, o juízo avaliou que a materialidade e a autoria do crime ficaram comprovadas diante de provas, como, relatos de testemunhas, laudos periciais e laudo de exame tanatoscópico na vítima.

José Rover, a esposa Lizangela e o filho do casal, Luiz, em foto na campanha eleitoral de 2012, quando ele tinha 16 anos (Foto: Facebook/Reprodução)

O juíz considerou, embasado nos autos, que o réu tem “personalidade perversa, voltada a prática de delitos de roubo, sem demonstrar qualquer arrependimento ou mesmo qualquer valor para a vida humana”. Diante disso, Lucas foi condenado há 28 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão, além de pagamento de multa de R$ 687.

O cumprimento inicial da pena é no regime fechado. O acusado não terá o direito de recorrer em liberdade.

O defensor público George Barreto Filho, responsável pela defesa de Lucas, disse que vai recorrer da decisão. Segundo ele, o acusado não teve a intenção de matar a vítima, pois o disparo teria sido acidental.

Lucas foi condenado a 28 anos de prisão (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
 Crime

Em juízo, Lucas narrou que estava há pouco tempo em Vilhena. Ele contou que veio de Tangará da Serra (MT), de onde trouxe a arma de fogo utilizada no crime. O acusado afirmou que no dia do latrocínio, foi até uma praça, onde passou a fazer uso de drogas.

Para comprar mais entorpecentes, resolveu praticar um roubo e convidou o adolescente de 15 anos. Ele disse que o menor também estava usando drogas na praça, mas ressaltou que não o conhecia.

Ao passarem na frente da casa da vítima, viram uma caminhonete estacionada do lado de fora e escutaram o som de músicas, percebendo que havia uma festa na residência. Com isso, resolveram se esconder e aguardar o melhor momento para praticarem o roubo.

Depois de um tempo, uma caminhonete chegou, entrou no portão e o acusado aproveitou para abordar o condutor e anunciar o assalto. As pessoas que estavam na confraternização tentaram tomar a arma de fogo, quando aconteceram dois disparos. Em seguida, o vizinho, um policial à paisana, chegou ao local e fez a prisão de Lucas.

Luiz Eduardo foi atingido por um tiro no pescoço, foi levado pelo pai ao Hospital Regional, mas não resistiu ao ferimento.

O adolescente foi apreendido no dia seguinte e está internado na unidade socioeducativa do município. Na épcoa, a prefeitura decretou três dias de luto e a morte de Luiz Eduardo gerou comoção nas redes sociais.

Investigações

Durante as investigações, a Polícia Civil esclareceu que o crime não teve envolvimento com a delação premiada que o pai dele, José Luiz Rover, fez à Justiça. O ex-prefeito foi preso durante o segundo mandato, em novembro de 2016, e solto em junho deste ano. Ele é acusado de vários crimes, entre eles, corrupção e lavagem de dinheiro.

A delação aguarda homologação no Supremo Tribunal Federal (STF), pois envolve pessoa com foro privilegiado. O conteúdo está em segredo de Justiça.

Fonte: g1/ro

Marcelo Bretas teme que manter Cabral no RJ fortaleça organização criminosa

Após decisão tomada pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de suspender a transferência de Cabral para um presídio federal, era visível o abatimento do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. Bretas disse, em desabafo a funcionários e amigos mais próximos, que a mensagem que será passada aos integrantes da organização criminosa do-ex-governador é a de que Sérgio Cabral ainda tem algum poder e influência. Informação é do jornal O Globo.

Segundo reportagem, o juiz teme que a permanência de Sérgio Cabral no Rio não seja apenas um fato isolado e que ações contra a Operação Calicute e outras operações do gênero possam crescer nas próximas semanas. Para ele, o político, diferentemente do empresário, precisa de um projeto de poder para continuar em cena.

“Torquato Jardim falou com base em investigações”, diz comentarista da CBN

Novo ministro da Justiça questiona abertura de inquérito contra Temer

O jornalista Merval pereira, da CBN declarou nesta quarta-feira que o ministro da Justiça Torquato Jardim não falou bobagens em relação a questão da segurança no Rio de Janeiro. Veja o que ele disse na CBN:

“O ministro Torquato Jardim tem informações importantes sobre a segurança pública no Rio e não foi à toa o que disse. Não acho que ele tenha sido leviano, falou com base em investigações que estão sendo feitas no Rio, desde a intervenção das Forças Armadas.

Não adianta o governo do Estado nem a Polícia Militar reclamarem; o sistema de inteligência do Exército está atuando e nos próximos dias vai acontecer muita coisa. O ministro sabe o nome do deputado e os indícios das investigações levaram às suas declarações.”

Novo golpe no WhatsApp promete CNH de graça

Milhões de usuários do WhatsApp estão caindo em um novo golpe que usa o programa da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) Social como isca. O alerta foi dado pela empresa de segurança e tecnologia PSafe.

A empresa explica que hackers estão atacando pessoas que recebem menos de 2 salários mínimos ou que estão desempregadas há mais de um ano. Como destaca o jornal Extra, essa é a população que tem direito a participar do programa CNH Social, que possibilita se habilitar na categoria ‘B’, de forma gratuita.

A fraude promete que há uma nova seleção de candidatos à CNH Social e pede que o usuário faça o preenchimento de seus dados pessoais (nome completo, data de aniversário e estado no qual reside). Em seguida, o usuário é induzido a compartilhar a falsa promessa com dez amigos ou em cinco grupos do WhatsApp.

Depois disso, ao clicar três vezes no botão compartilhar, a vítima é redirecionada para uma página no Facebook que contém posts sobre outros programas governamentais, como Bolsa Família e Minha Casa Minha Vida, com intuito de dar credibilidade ao anúncio.

A publicação refere que a página já tem mais de 4,5 mil seguidores e o post da promessa já tem mais de 10 mil compartilhamentos.

“Diariamente, centenas de milhares de links maliciosos são espalhados via WhatsApp sem que as pessoas saibam que estão ajudando os hackers a disseminarem seus golpes. Neste caso específico, o cibercriminoso está aplicando métodos de engenharia social ao ampliar sua base de contatos para a veiculação de novos golpes e até mesmo ganhar dinheiro expondo/vendendo dados pessoais dos usuários. Queremos alertar a população para que evite clicar ou compartilhar links sem antes conferir se são verdadeiros ou falsos”, afirma Emilio Simoni, Diretor do DFNDR Lab.

O especialista alerta que os usuários de smartphone devem ter instalado um software de segurança com a função ‘anti-phishing’ ou ‘anti-hacking’, para evitarem cair em golpes. Simoni destaca que esse sistema é capaz de analisar todas as ameaças existentes no mundo virtual e alertá-los em tempo real sobre as ameaças recebidas.

Fonte: noticiasaominuto

Carro avança contra pedestres em calçada e causa pânico em Londres

Londres – Um táxi subiu em uma calçada em Londres nesta quarta-feira, atropelando pedestres e causando pânico, segundo testemunhas. O atropelamento acontece apenas um dia após um homem lançar uma caminhonete contra ciclistas em Nova York, matando oito pessoas e ferindo 12. A polícia britânica já está no local e afirmou no Twitter que o acidente não está relacionado a terrorismo.

Segundo a polícia, o motorista está conversando com as autoridades e duas pessoas feridas estão sendo tratadas. Policiais, ambulâncias e bombeiros foram enviados para o local na Southampton Street, no distrito de Convent Garden. Após o atropelamento, forças de segurança fecharam as ruas próximas ao local e pediram para que as pessoas evitem a área para não atrapalhar as investigações.

Fonte: oglobo

 

 

 

Acusado de assédio, ministro da Defesa britânico pede demissão

O ministro da Defesa britânico, Michael Fallon, acusado de assédio sexual, pediu demissão nesta quarta-feira (1), informou um porta-voz do ministério à AFP.

Fallon é acusado de ter colocado a mão no joelho de uma jornalista durante um jantar no congresso do partido conservador em 2002. Michael Fallon declarou à BBC que seu comportamento no passado “talvez não tenha estado à altura”.

Fonte: g1

Funaro admite: pediu para incendiar a casa de Fábio Cleto com os filhos dentro

Durante depoimento na 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, o operador financeiro Lúcio Funaro admitiu que ameaçou o ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto e sua família, informa o portal Metropoles. “Falei que ia pedir para o Nenê Constantino pôr fogo na casa dele, com os filhos dentro”, assumiu. “Sou uma pessoa de pavio curto”, disse, antes de fazer a revelação.

Fundador da Gol Linhas Aéreas, Nenê Constantino, 86 anos, é um homem temido. Suspeito de mandar matar 11 pessoas, foi condenado pelo assassinato do líder comunitário Márcio Leonardo de Sousa Brito, ocorrido em 2001. Por esse crime, cumpre pena de 16 anos e seis meses de prisão (13 anos e 6 meses pelo homicídio e 3 anos por corrupção de testemunha). A sentença decretada em maio de 2017. Em 2008, ele foi absolvido da acusação de tentativa de homicídio contra o próprio genro.

Funaro relatou ao juiz Vallisney de Souza Oliveira como ele e Fábio Cleto organizavam o esquema de desvio de dinheiro do Fundo de Investimentos do FGTS do banco – revelado pela Operação Sépsis, da Polícia Federal, um desdobramento da Lava Jato. Também respondeu perguntas do advogado do ex-deputado Eduardo Cunha, que tenta desmentir Funaro.

“Fábio Cleto é um sujeito sestroso”, iniciou operador financeiro, descrevendo a personalidade sagaz e esperta de Cleto, que chegou à Caixa por indicação de Eduardo Cunha. Ele disse ainda que o ex-vice da CEF colaborava com os esquemas corrupção.

Funaro confirmou que o rompimento com Cleto se deu por conta das ameaças que fez ao antigo aliado.

O episódio havia sido narrado à Justiça por Adriana Balalai, ex-companheira de Fábio Cleto. A mulher contou que, durante conversa com o marido, leu uma mensagem no celular enviada por Funaro. Em resposta ao operador financeiro, Adriana disse que ia até a polícia, pois tinha certeza de estar falando com um “psicopata”.

Ladrão

No depoimento, Funaro também chamou Joesley Batista de ladrão: “Ele roubou de mim, do [Eduardo] Cunha e do Geddel [Vieira Lima]. Só de Alpargatas, R$ 81 milhões”.

Segundo o delator, o dono da JBS teria uma dívida com ele de R$ 41 milhões referente à compra formal da empresa de calçados, em 2015. “Eu tenho a receber dele [Joesley] R$ 41 milhões, mais ou menos, de dinheiro lícito. Se for calcular ilícito junto, seriam quase R$ 120 milhões, somando o que ele roubou da Alpargatas.” Recentemente, a companhia foi vendida.

Funaro detalhou o pagamento de propina ao PMDB. “Eduardo Cunha ficou com R$ 1 milhão. Dois milhões foram destinados ao presidente Michel Temer, e um valor, acho que R$ 1 milhão, ao deputado Cândido Vaccarezza”, disse.

Os valores teriam sido uma contrapartida para o grupo Bertin receber investimentos do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS), da Caixa Econômica Federal. Ele afirmou ainda que os repasses estão todos detalhados nas planilhas entregues aos procuradores da República no acordo de delação. “A doação destinada a Temer foi feita de forma oficial ao PMDB nacional.”

Estelionatárias são presas após serem vítimas de assalto em SP

Duas estelionatárias foram presas após sofrerem um assalto, em Cidade Dutra, na Zona Sul de São Paulo. As mulheres estavam sendo assaltadas por dois criminosos armados com uma submetralhadora quando um policial militar aposentado viu a cena e interveio. Houve troca de tiros e um dos criminosos foi atingido no braço pelo policial. O outro suspeito fugiu.

O crime aconteceu nesta terça-feira. Policiais militares do 27º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano foram acionados para o local. Os PMs verificaram que as mulheres eram estelionatárias e que portavam diversos cartões de benefício social, como o Bolsa Família, além de R$ 11 mil em espécie.

Arma encontrada com criminoso Foto: Divulgação/PMSP

Os três foram encaminhados para a 48º Distrito Policial. O homem foi autuado por porte ilegal de arma de fogo e roubo. Já as duas mulheres, por estelionato. Procurada pelo EXTRA, a Polícia Civil não atendeu às ligações.

Fonte: extra

Para não impedir que Flamengo jogue no Maracanã, juíza proíbe aumento de aluguel

Para não inviabilizar que o Flamengo jogue no Maracanã em 2018, a juíza Milena Angelica Drumond Morais, da 38ª Vara Cível do Rio de Janeiro, concedeu liminar impedindo que o consórcio que administra o estádio aumente o valor do aluguel. A proibição valerá até o fim da ação ou até que as partes cheguem a um acordo.

Atualmente, o contrato (válido até dezembro de 2017)  prevê que o clube pague, por partida, entre R$ 250 mil e R$ 700 mil, mais os custos operacionais. Caso o Complexo Maracanã descumpra a medida, deve pagar multa de R$ 250 mil por partida do rubro-negro que seja inviabilizada.

Como o Fluminense, por decisão da 16ª Câmara Cível do Rio, gasta R$ 100 mil por jogo no estádio, o Flamengo foi à Justiça pedir que o seu aluguel seja reduzido. Mas a juíza não encontrou parâmetros para a diminuição do valor e negou o pedido, alegando que o clube aceitou pagar a quantia fixada no contrato.

Porém, Milena considerou ser razoável proibir o aumento dos valores enquanto durar o processo ou enquanto as partes não chegarem a um acordo. A decisão da juíza levou em conta documentos apresentados pelo clube, além do risco de demora, que poderia inviabilizar as partidas no estádio, que, por ser um ambiente público, deve ser disponibilizado a todos, segundo ela.

A juíza marcou para 5 de dezembro, às 14h, audiência de conciliação entre o clube e a administradora do Maracanã. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-RJ.

Fonte: conjur

Trump pedirá ao Congresso para “acabar imediatamente” com loteria de vistos

Trump assina ordem executiva para contrução de muro com México

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quarta-feira (1º) que pedirá ao Congresso para que “aja imediatamente” para acabar com o programa de loteria de concessão de vistos que beneficia cidadãos de países com histórico de poucos imigrantes em território americano. A informação é da Agência EFE*.

Foi essa política, chamada de “loteria de vistos de diversidade”, permitiu que o terrorista que cometeu ontem o atropelamento que matou oito pessoas e feriu 12 em Nova York chegasse aos EUA.

“Vou pedir ao Congresso que comece imediatamente o trabalho para desfazer este programa”, afirmou Trump, que já tinha pedido o fim da loteria de vistos em outras ocasiões, antes do ataque.
“Loteria para a diversidade… Soa bonito, mas não é bonito, não é bom, não foi bom e fomos contra”, acrescentou.

Em uma série de mensagens no Twitter hoje, Trump repercutiu uma informação de vários veículos de imprensa, entre eles a rede de televisão ABC, de que o suspeito de ter cometido o atentado, Sayfullo Saipov, um uzbeque de 29 anos, chegou aos EUA há sete anos graças à loteria de vistos.

Trump já se tinha mostrado contra esse programa, e em agosto apoiou formalmente um projeto de lei que o eliminasse.O presidente americano afirmou que quer que a imigração aos Estados Unidos seja “baseada no mérito” e inclua só “pessoas que vão manter o país seguro”.

“Não queremos loterias e não queremos migração em cadeia, pela qual alguém como ele (Saipov) poderia trazer muitos membros de sua família”, ressaltou Trump. Perguntado se acreditava que esses membros da família do suspeito representariam um risco para os EUA, Trump respondeu que “certamente”.

Benefícios

A “Loteria de vistos de diversidade” concede aleatoriamente até 50 mil vistos por ano para cidadãos de países que tradicionalmente têm baixas taxas de imigração para os Estados Unidos. O programa foi criado pelo Congresso americano em 1990, em parte para fomentar a entrada de imigrantes irlandeses, mas nos últimos anos beneficiou sobretudo cidadãos da África.

Vários países do continente americano – como Brasil, México, Colômbia e Canadá – estão excluídos da loteria, porque durante os últimos cinco anos mais de 50 mil cidadãos dessas nações emigraram para os EUA, segundo o Departamento de Estado.