Juiz condenado por venda de sentença chama advogada de incompetente em audiência e é xingado de corrupto

O juiz afastado Paulo Martini chamou a advogada Luciana Koslowski Nazzari de incompetente durante uma audiência na Justiça do Trabalho de Sinop, a 503 km de Cuiabá, nesta terça-feira (23). Em seguida, como consta da ata da audiência, a advogada o xingou de corrupto.

Luciana registrou um boletim de ocorrência contra o magistrado, na Polícia Civil.

O magistrado admitiu ter chamado Luciana de incompetente. “Ela está brava porque perdeu uma ação contra mim e depois entrou contra o meu filho. Falei: ‘a senhora é incompetente, já perdeu a primeira ação e vai perder a segunda, daí ela deu ‘chilique’ e me chamou de corrupto'”, afirmou.

Luciana disse ter solicitado a saída dele da sala de audiência, pois o processo não é contra ele e porque o magistrado já tinha causado confusão outras vezes.

A audiência em que houve confusão era referente a um processo trabalhista no qual o filho de Martini é réu e que tem Luciana como advogada da outra parte.

Paulo Martini foi condenado em 2016 por venda de sentença.

Luciana afirmou que essa é a terceira vez que o juiz a enfrentou. Anteriormente, segundo ela, a reclamação trabalhista era contra ele, mas o magistrado alegou que a culpa era do filho dele e então ela entrou com uma ação contra o filho.

“Hoje, ele foi à audiência com o filho dele, sendo que ele não tem nada a ver com o caso, pedi que se retirasse, mas ele se recusou e ainda se intrometeu no caso, dizendo que eu iria perder a ação e me chamou de incompetente. Não podia aceitar isso e o chamei de corrupto, algo que ele é, pois foi afastado por corrupção”, declarou a advogada.
A briga consta na ata da audiência, lavrada pelo juiz Pedro Lima Nascimento, da 1ª Vara do Trabalho de Sinop.

“O senhor Paulo Martini presente na sessão de audiência interviu em discussão entre a advogada do autor e o réu aqui presente chamando-a de ‘incompetente’ ao que acusado pela referida advogada de ‘corrupto'”, diz trecho da ata.

Mais confusão

Na saída, em frente ao prédio da Justiça do Trabalho, houve confusão.

“Em frente à Justiça do Trabalho, ele começou a me chamar de incompetente, me chamou de vagabunda por mais de 10 vezes, chamei ele de corrupto e ele disse que me daria um tiro. Ele esta me ameaçando desde a primeira audiência, dizendo que sabia onde eu morava”, disse a advogada.

Segundo ela, os seguranças do local presenciaram a cena. A polícia chegou a ser acionada, mas não houve detenção.

Paulo Martini nega ter xingado a advogada de vagabunda do lado de fora do prédio.

Processo trabalhista

Sobre o processo trabalhista, Luciana explicou que o cliente dela trabalhou na fazenda da família do magistrado e sofreu um acidente de trabalho.

Ele não tinha registro na carteira de trabalho e, depois que sofreu o acidente em um cavalo, não consegue mais fazer esforço com o braço.

“Não consegue receber benefício do INSS porque a contribuição não era recolhida pelo empregador e teve que parar de trabalhar”, disse.

Uma audiência entre as partes foi marcada o dia 17 de setembro deste ano, às 14h30.

Condenação

Sobre a condenação do TJMT, que o afastou do cargo, o magistrado disse já ter protocolado seis recursos no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Conforme a acusação do Ministério Público Estadual (MPE), que embasou a decisão, Martini cobrou R$ 7 mil e um trator, cujo valor estimado era de R$ 30 mil, para proferir decisões em caráter liminar a um advogado em ações de busca e apreensão.

O magistrado chegou a ser alvo de protestos, com um agricultor fazendo greve de fome acampando em frente à sede do TJMT, em Cuiabá.

Ele nega ter cometido qualquer crime e alega ter sido vítima de perseguição.

G1/MT

Ex-parlamentar de RO que cumpre pena por corrupção está mantendo relação homoafetiva na prisão

Um dos ex-parlamentares de Rondônia que cumpre pena por corrupç!ao está mantendo uma relação homoafetiva na unidade prisional com um condenado por associação criminosa e porte de armamento restrito.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, “os denunciados possuíam uma metralhadora semiautomática, calibre 9 milímetros, com carregador contendo 30 munições de mesmo calibre intactas; um revólver ruger, calibre 357 magnum com 06 (seis) munições .38, uma pistola, marca Taurus, modelo PT 100, calibre .40, com numeração raspada, carregador contendo 10 munições de mesmo calibre intactas; um revólver, marca Taurus, calibre 38,, um revólver; marca Taurus, calibre 38, com numeração raspada, com 06 (seis) munições intactas, 22 munições calibre 38 intactas, 25 munições calibre 12, de uso restrito, sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar”.

Ambos (ex-parlamentar e cônjuge) cumprem pena no regime fechado e o caso já é de conhecimento tanto da unidade prisional quanto dos agentes que trabalham no local.

Em função do elevado poder de fogo encontrado com o cônjuge, a polícia acredita que o mesmo tenha ligações com crime organizado.

É a política e o crime, andando juntos. O complicado é saber o que vai sair dessa união…

PGR denuncia Mansur, vice-líder do governo, por omitir depósitos do IR

Valores sem comprovação superam R$ 1,4 milhão, aponta Dodge

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou ao STF (Supremo Tribunal Federal) o deputado Beto Mansur (PRB-SP) sob acusação de omitir informações de sua declaração de Imposto de Renda referente ao ano de 2003. Além da condenação por crime contra a ordem tributária, Dodge pede que o deputado perca o mandato e repare os danos financeiramente.

Segundo a PGR, as omissões referiram-se a rendimentos com base em depósitos de origem não comprovada e em aumento patrimonial injustificado. Os valores sem comprovação superam R$ 1,4 milhão. A denúncia sustenta que Mansur, “consciente e voluntariamente, reduziu o tributo” do Imposto de Renda que deveria ter pago.

Mansur é vice-líder do governo na Câmara e integrante da tropa de choque do presidente Michel Temer. A denúncia foi assinada por Dodge na última quinta (18) e divulgada nesta terça-feira (23).

“Com relação à omissão de rendimentos com base em depósitos de origem não comprovada […], constataram-se créditos sem identificação de origem a justificar a renda amealhada”, escreveu a PGR, com base em informações da Receita Federal. “O montante de depósitos apurados de origem não comprovada foi de R$ 503 mil.”

Sobre os rendimentos com base na variação patrimonial a descoberto, a autoridade tributária apontou que “os valores aqui discutidos ultrapassam a cifra de R$ 950 mil”, ainda de acordo com a denúncia.

Mansur chegou a recorrer dos débitos com a Receita, sem sucesso. A dívida, segundo as autoridades, totaliza R$ 796,4 mil, considerando o imposto devido, multa e juros.

OUTRO LADO

Procurada, a assessoria do deputado informou que ele está em Davos, na Suíça, integrando a comitiva do presidente Temer no Fórum Econômico Mundial, e afirmou que vai acioná-lo para eventualmente comentar a acusação.

 

Com informações da Folhapress.

Visita de Mike Pence a Israel causa greve de palestinos

Pence defendeu Jerusalém como capital de Israel

A visita do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, a Israel motivou uma greve geral em várias cidades da Cisjordânia nesta terça-feira (23).

Os manifestantes criticam a decisão tomada no ano passado pelo republicano Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel. Pence chegou no dia 21 a Israel e, ontem (22), informou o Parlamento local, o Knesset, que a embaixada dos EUA será transferida de Tel Aviv para Jerusalém até o fim de 2019.

Fontes locais disseram que, acatando um pedido do Fatah, muitos escritórios públicos ficaram fechados. Jovens manifestantes atearam fogo em pneus nas ruas da Cisjordânia.

A decisão de Trump de reconher Jerusalém como capital israelense gerou uma crise na região, principalmente com os países muçulmanos. Ela também foi criticada por outras nações europeias.

 

Com informações da ANSA.

Macaulay Culkin fala de agressões do pai: ‘Mentais e físicas’

“Eu posso mostrar as minhas cicatrizes se quiser”, disse ele que não conversa com o pai há 25 anos

O ator Macaulay Culkin descreveu as agressões do pai Kit Culkin, como “mentais e físicas”, em uma entrevista ao podcast “WTF”, do humorista e apresentador Marc Maron.

“Eu posso mostrar as minhas cicatrizes se quiser”, disse ele que não conversa com o pai há 25 anos. Ele explicou que sofria muitos abusos na época em que estrelava os filmes como “Esqueceram de mim”.

O ator diz que o pai tinha inveja e que sempre ameaçava bater nele se não fizesse o que ele queria. “Ele era um homem mau”. Eke também relatou a briga em que os pais se envolveram ao se divorciarem no de 1994, na disputa pelo dinheiro do ator.

A briga foi “a melhor coisa que aconteceu”, segundo ele, pois permitiu que ele se afastasse de Hollywood. “Eu falei: ‘Estou fora, gente, espero que vocês tenham ganhado dinheiro porque não via ter mais nenhum vindo de mim.”

Protestos na Suíça dão ‘boas-vindas ao inferno’ a Trump

Trump representa para grupos anti-capitalismo a exclusão social e a desigualdade econômica que não serão resolvidas em Davos

A visita do presidente americano, Donald Trump, à Suíça foi tomada por um grande número de manifestantes como um símbolo daquilo que lhes desagrada no Fórum Econômico Mundial, realizado nesta semana no resort alpino de Davos. Eles o receberam nesta terça-feira (23) com protestos em diversas cidades do país bradando o mote de “você não é bem-vindo”.

Trump representa para grupos anti-capitalismo a exclusão social e a desigualdade econômica que não serão resolvidas em Davos, mas ele não é o único alvo de protestos. Há também desgosto pela passagem da primeira-ministra britânica, Theresa May, e do presidente francês, Emmanuel Macron.

“O fórum serve só para que os mais ricos se reúnam e se organizem entre si”, diz à reportagem Michael Zahn.Zahn, do grupo Sozialismus, organizou um protesto no centro de Zurique. Não há estimativa oficial do número de participantes.

“Os líderes mundiais reunidos em Davos não vão conseguir encontrar as melhores soluções para a crise financeira”, diz. Pelo contrário: “Trump representa a própria exploração econômica”.Por essa mesma razão Andreas Freimüller promoveu nos últimos dias um abaixo-assinado contra o presidente americano, já com 70 mil inscritos.

“Somos muito críticos ao governo de Trump e nos surpreende que, um ano depois da posse, as coisas ainda continuem a piorar”, ele afirma. “Quando soubemos que ele vinha à Suíça, pareceu ser uma oportunidade para dizermos que os suíços não concordam com o que ele está fazendo.”

O americano-suíço Edward McCreight também aproveitou o momento para demonstrar o que diz ser sua “vergonha” diante do presidente que lhe representa no exterior. Dias antes, seus conterrâneos marcharam na Suíça com placas de “desculpem-me”. “O estado do meu país hoje me deprime”, afirma.

Os protestos desta terça-feira (23) foram menores do que aqueles registrados em Hamburgo em 2017, quando dezenas de milhares bloquearam ruas na cúpula do G20. Outras edições do próprio fórum também atraíram mais manifestantes.

“Temos testemunhado uma marginalização das forças de esquerda, o que explica essa diminuição”, diz Zahn.

Segundo a Oxfam, o 1% mais rico do mundo concentra desde 2015 mais riqueza do que o restante do planeta. O cálculo feito naquele ano era de que 62 indivíduos tinham a mesma riqueza que 3,6 bilhões de pessoas.

Para os manifestantes, essa é a elite reunida em Davos, um resort nos Alpes cuja população de 10 mil pessoas triplica durante o fórum. As reservas nos hotéis são feitas com meses de antecedência, e comitivas presidenciais são obrigadas a se hospedar em Zurique, como a de Michel Temer. A viagem dessa cidade até Davos dura pouco mais de duas horas.

BOBO

Em Davos, o presidente americano era aguardado com um misto de excitação e angústia. Seu discurso, marcado para a tarde de sexta-feira (26), às 11h de Brasília, era aguardado por empresários, executivos e governantes estrangeiros como uma sinalização de que o republicano sabe o que está fazendo com a economia de seu país.

Também havia interesse para entender se, apesar dos atritos em outras áreas, o crescimento registrado nos últimos meses e o corte de impostos no curto prazo para estimular investimento e consumo serão sustentável.

Na avaliação de economistas do Fundo Monetário Internacional, o avanço da economia – e da demanda – americana são o principal motor da recuperação econômica global, que ganha tração. Mas entre os americanos a sensação era de uma gafe iminente.

“Acho que ele vai fazer papel de bobo”, disse Tracy, empresária do Vale do Silício, antes de completar: “Ainda bem que na sexta-feira muita gente já vai ter ido embora”.

O temor de Tracy, ecoado nos corredores, era respaldado pelos recentes comentários pejorativos de Trump sobre países que enviam imigrantes aos EUA e por sua insistência em vender a ideia de “EUA em primeiro lugar” em um fórum no qual estão mais de 70 governantes -incluindo o presidente Michel Temer- e mais de mil executivos e empresários. Há sessões no fórum sobre como lidar com o novo imperativo americano.

Trump é o segundo presidente dos Estados Unidos no cargo e o primeiro desde o democrata Bill Clinton, em 2000, a participar em pessoa do evento -no passado, Ronald Reagan participou por meio de um telão.

Sua presença atraiu a atenção dos americanos para um evento que sempre foi essencialmente europeu, e a delegação dos convidados americanos, neste ano, alcançou a casa das centenas de integrantes.

 

Com informações da Folhapress.

Os alimentos com mais antioxidantes que você deve incluir na dieta

Estes alimentos são o melhor escudo protetor do nosso organismo

Por antioxidante entende-se a substância presente em determinados alimentos e que tem como função travar ou retardar a oxidação e a ação nociva que os radicais livres exercem no organismo humano.

“Os antioxidantes atuam com ‘guarda-costas’ para proteger as nossas células dos danos que podem causar o envelhecimento prematuro ou doenças”. A explicação é dada pela nutricionista Cynthia Sass, que, em declarações à revista “Health”, revela que os alimentos ricos em antioxidantes têm um papel determinante na prevenção de doenças cardíacas e até mesmo Alzheimer.

Apesar de existirem já vários suplementos com ação antioxidante, está mais do que cientificamente provado que é na alimentação que está o ganho e, por isso, um estudo publicado na revista científica “Nutrition Journal” levantou a composição de mais de três mil alimentos e listou aqueles que são os ‘donos e senhores’ dos maiores níveis de antioxidantes (por cada 100 gramas de alimento). Eis:

– Amora;

– Noz-pecã;

– Arando;

– Noz;

– Morango;

– Miolo da alcachofra;

– Mirtilo;

– Chocolate negro;

– Cereja;

– Framboesa.

Entre os antioxidantes presentes em cada um dos alimentos acima mencionados, há um que se destaca: o polifenol. Trata-se do composto que mais ativamente luta contra o envelhecimento precoce – seja interno e externo – e que ajuda ainda a reforçar o sistema imunológico, que fica mais capaz de lutar contra qualquer tipo de agressão interna e externa de que possa ser alvo.

Agrilhoamento medieval – Por Elton Assis

Muita gente aplaudiu a exibição da imagem do ex-governador Sérgio Cabral, pés e mãos acorrentados, quando de sua transferência do Rio de Janeiro para Curitiba. Pois não deveria. Foi mais uma clara demonstração de contrariedade e insubmissão de determinadas autoridades a decisões do Supremo, mais especificamente direcionada ao ministro Gilmar Mendes, como a desafiá-lo a reverter a medida e, claro, ampliar ainda mais sua já precária situação no conceito da opinião pública.

O tratamento “medieval” do preso foi explicado pela Polícia Federal como sendo mero “protocolo de segurança”, o que diga-se de passagem é inexistente, mesmo porque a conduta contraria a lei, a Constituição e, especificamente, a Súmula Vinculante n. 11 que estabelece: “Só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado”.

Mais grave ainda é o precedente que se abre, pois o exemplo pode muito bem virar rotina nas ações policiais. E aquele, que hoje aplaude, pode vir a sair algemado em uma blitz ou num simples acidente no trânsito por, quem sabe, exigir seus direitos ou se contrapor ao que considerar uma atitude abusiva do policial. É o que acontece quando o desrespeito à lei vira norma de conduta. E o caso do ex-governador está longe de ser isolado, mas seu aguilhoamento indica a necessidade de punição severa – com efeitos didáticos – dos agentes públicos envolvidos, de forma a evitar exibicionismo exacerbado para a mídia, como um troféu em evidente exemplo de insubmissão à lei.

Vale lembrar o que disse José Roberto Batochio, criminalista e ex-presidente do Conselho Federal da OAB, ao comentar o episódio: “em nome da civilização, do humanismo e da dignidade da pessoa, é preciso dar um basta definitivo a esses atentados que se praticam contra os direitos individuais em nome do Estado”.

É premente repensar o sistema de custódia no país. Por oportuno, convém destacar o exemplo da Noruega, que ostenta, orgulhosa, o título de sistema carcerário mais humano do mundo e tem, como resposta, os maiores índices de recuperação de apenados: 80%, para 20% de reincidências. No Brasil os percentuais praticamente se invertem: para cada 10 presos, 7 voltam a delinqüir. É o efeito dramático da filosofia punitivista, vingativa e taliônica de nosso sistema penal, que transforma os presídios em verdadeiros campos de concentração.

Aceitar que um cidadão seja violado em suas garantias individuais é aceitar que sejam flexibilizados princípios máximos Constitucionais que, não representam outra situação senão, a ofensa ao Estado Democrático de Direito.

 

__________

Elton Assis é conselheiro federal e ouvidor nacional da OAB

Ex-BBB ganha na Justiça processo contra a Globo

A ex-BBB Aline Cristina, que participou da quinta edição do Big Brother Brasil em 2005, ganhou apelação no Tribunal de Justiça de São Paulo em processo que movia contra o Globo. Ela pediu que a emissora apague todos os conteúdos publicados sobre ela no site Ego, que faz parte da empresa e foi descontinuado em abril de 2017, mas ainda mantém matérias no ar.

A ação foi julgada improcedente em primeira instância, mas o relator Alcides Leopoldo e Silva Júnior, da 2ª Câmara de Direito Privado, concordou com a sustentação da autora e reverteu a decisão. “Mesmo a pessoa pública tem direito à preservação de sua vida privada e muito mais aquela que abandonou a exposição pública e a notoriedade, não se evidenciando o interesse jornalístico atual na divulgação de fatos passados e presentes da autora, que como afirmado lhe causaram danos ao seu relacionamento familiar, pessoal e profissional”, explica Alcides.

Na época do reality, Aline saiu do programa com 95% dos votos em um paredão com Grazi Massafera.

O relator ainda afirma que, como Aline saiu da vida pública, a Globo não teria mais o direito de veicular matérias sobre sua participação no programa. “A autora abdicou da vida pública, trabalha atualmente como carteira e se opôs a divulgação de fatos da vida privada, teve fotografias atuais reproduzidas sem autorização, extraídas de seu Facebook, sofrendo ofensa a sua autoestima, uma vez que a matéria não tinha interesse jornalístico atual, e não poderia ser divulgada sem autorização” afirma Alcides na decisão.

Como sentença, a Globo foi condenada ao pagamento de 20.000 reais como indenização de danos morais contra Aline, além de ser obrigada a apagar as matérias que envolvem a ex-BBB, como consta no Marco Civil da Internet.

Estadão Conteúdo

Investimento estrangeiro no Brasil chega a US$ 75 bi em 2017

Ministério da Fazenda espera que fluxo suba para US$ 80 bilhões neste ano

O investimento estrangeiro direto no Brasil ficou em US$ 75 bilhões, segundo projeção feita pelo Ministério da Fazenda e divulgada em Davos nesta terça (23). Para 2018, a projeção é que o fluxo suba para US$ 80 bilhões.

O número foi divulgado pela assessoria do ministério. Pouco antes, o ministro Henrique Meirelles dissera que o investimento “vem crescendo e ficou acima dos US$ 70 bilhões” no ano passado.

O ministro está em Davos para o encontro anual do Fórum Econômico Mundial, que começou nesta terça-feira (23) e vai até sexta (26). O presidente Michel Temer fará um discurso sobre a recuperação da economia brasileira nesta quarta (24).

Em outubro, investidores e empresários ouvidos pela reportagem eram unânimes em apontar as eleições de 2018 como um fator que tem limitado movimentos mais ousados na hora de apostar no Brasil.

A principal preocupação é que o próximo governo não dê continuidade às reformas de Temer -e de que a fiscal, considerada pela maioria deles a mais importante, não seja contemplada.

 

Com informações da Folhapress.