Deputados pedem que PGR investigue parlamentar que divulgou fake news sobre Marielle Franco

Alberto Fraga removeu mensagem da rede social e admitiu à TV Globo que não checou veracidade da informação. Para parlamentares do PT, ele cometeu o crime de calúnia.

Os deputados federais Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Pimenta (PT-RS) entraram nesta segunda-feira (19) com uma representação na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, órgão da Procuradoria Geral da República (PGR), para que investigue o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) por ter divulgado informações falsas sobre a vereadora assassinada Marielle Franco (PSOL-RJ).

O G1 procurou a assessoria de imprensa de Fraga e, até a última atualização desta reportagem, ainda não havia obtido resposta.

No sábado (17), Fraga postou em sua página no Twitter mensagem que dizia que a Marielle havia engravidado aos 16 anos, era ex-mulher de um traficante e que, na verdade, teria relação com o tráfico e o consumo de drogas.

Diante da repercussão negativa, Fraga apagou a mensagem no sábado, mas ela continuou a ser compartilhada em prints – tanto por apoiadores, como por pessoas que faziam oposição ao conteúdo.

O deputado, inclusive, desativou as contas que mantinha no Twitter e no Facebook. A assessoria de Fraga informou, porém, que pretende reativar as redes sociais do parlamentar nessa semana.

No pedido, os petistas ponderam que a mensagem de Fraga ofendeu não apenas Marielle como os seus eleitores, ao dizer que ela havia sido eleita pelo Comando Vermelho.

Ressaltam ainda que ele não chegou a pedir desculpas e, em uma mensagem posterior, deu a entender que poderia reeditar a postagem com “coisas mais consistentes”.

O crime de calúnia prevê pena de seis meses a dois anos de detenção e multa. O Código Penal diz que a calúnia é punível inclusive contra pessoas já mortas.

Entrevista à TV Globo

No domingo (18), Fraga falou à TV Globo sobre o conteúdo da postagem e admitiu que errou por não checar a veracidade dos dados.

“O arrependimento, talvez, é em ter colocado algo que eu não tenha checado, que não tenha uma informação. Por eu ser um policial, um coronel da polícia [Militar do DF], eu deveria ter tido uma informação mais consistente, de uma fonte idônea”, afirmou Fraga à TV Globo.

O PSOL, partido da vereadora, já anunciou que pretende acionar o Conselho de Ética da Câmara pelo mesmo motivo. O partido também pretende acionar o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) – desta vez, contra a desembargadora do Rio de Janeiro Marília Castro Neves.

Marília também publicou notícias falsas sobre Marielle France em uma rede social. Na mensagem, a magistrada dizia que a vereadora “estava engajada com bandidos”, tinha sido “eleita pelo Comando Vermelho” e era “um cadáver tão comum quanto qualquer outro”.

‘Fake news’
Conforme checagem da TV Globo e do G1, pelo menos quatro informações centrais da publicação de Fraga são falsas. Morta aos 38 anos, Marielle Franco engravidou aos 19, quando teve a única filha. Luyara Santos, de 19 anos, publicou um desabafo em redes sociais no dia seguinte à morte da vereadora: “Mataram minha mãe e mais 46 mil eleitores.”

O pai de Luyara se chama Glauco dos Santos, e não tem relação com nenhum dos dois traficantes identificados como “Marcinho VP” – um deles morreu em 2003, e o outro está preso desde 1997.

Fonte: g1

Jungmann corrige informação sobre munição usada no caso Marielle

Ministro havia dito que a munição do lote UZZ-18, comprado pela PF, em 2006, da Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), teria sido roubada de uma agência dos Correios na Paraíba

O ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, corrigiu informação fornecida à imprensa na sexta-feira, sobre a munição encontrada na local do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes. Jungmann havia dito que a munição do lote UZZ-18, comprado pela PF, em 2006, da Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), teria sido roubada de uma agência dos Correios na Paraíba.

Em nota divulgada nesta segunda-feira, a assessoria de comunicação do Ministério corrigiu a informação e disse que cápsulas do mesmo lote foram encontradas na agência do município de Serra Branca (PB) após um arrombamento seguido de explosão ocorrido em 24 de julho de 2017. Nessa nova versão, o ministério explica que o material não foi furtado, mas sim utilizado pelo grupo criminoso que realizou o roubo à agência.

Além do caso na Paraíba, o ministro também havia citado na sexta-feira, 16, um caso no Rio de Janeiro onde um escrivão teria sido preso e exonerado após ter furtado munições do lote UZZ-18. “A munição foi roubada nos Correios da Paraíba e desviada por um escrivão da Superintendência da Polícia Federal no Rio, exonerado e preso”, disse o ministro, citando os dois.

Além dessas situações, o jornal O Estado de S. Paulo também revelou que munição do mesmo lote comprado pela PF teria sido encontrada pela polícia de São Paulo na cena da maior chacina do Estado, ocorrida nas cidades de Osasco e Barueri, em agosto de 2015, quando 17 pessoas foram mortas. Segundo Jungmann, todos os casos citados são alvo de investigação da PF.

Sem ligação direta

Ainda na nota divulgada pela sua assessoria de comunicação, Jungmann disse que não associou diretamente o episódio da Paraíba com as cápsulas encontradas no Rio de Janeiro, na cena do assassinato da vereadora e de seu motorista. Segundo a nota, o ministro apenas explicou que a “presença dessas cápsulas da PF no local pode ter origem em munição extraviada ou desviada” e informou “que há outros registros de munição da PF encontradas em outras cenas de crimes sob investigação”.

“A Polícia Federal prossegue no rastreamento de possíveis outros extravios”, diz a nota.

Fonte: em.com

Em BH, Rodrigo Maia diz que não vai ‘sorrir’ nem ‘abraçar’ na campanha

Pré-candidato à presidência da República, o parlamentar afirmou que vai manter o jeito fechado mas falará a verdade aos eleitores

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), indicou nesta segunda-feira (19) que não vai prometer investimentos para o Brasil em sua campanha pela presidência da República. Ao pedir o apoio dos mineiros e lançar em Belo Horizonte o pré-candidato ao governo no estado, Rodrigo Pacheco, o presidenciável disse que não vai sorrir nem abraçar os outros, mas será um político que fala a verdade.

Apesar de iniciar o discurso pedindo mais animação da plateia para responder ao seu ‘boa tarde’, o presidente da Câmara disse que manterá seu jeito fechado, mesmo em pré-campanha ao Planalto. “Muitas vezes as pessoas falam, o Rodrigo sorri pouco. Abraça mais, Rodrigo. Eu falo não. Vou se o que sempre fui: um político mais fechado, que é meu jeito de ser, um político que pensa muito antes de falar, mas principalmente um político que fala a verdade”.

Maia também avisou que não será o candidato das promessas. “Ninguém que faz política seria neste país poderá entrar a eleição de 2018 prometendo grandes investimentos. Quem estiver fazendo isso estará mentido”, afirmou Maia, que falou da crise financeira e citou os estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais como exemplos de colapsos financeiros.
No momento em que a intervenção federal no Rio de Janeiro é destaque, o pré-candidato ao governo falou sobre suas possíveis propostas para a segurança pública. Segundo ele, as prioridades de uma eventual gestão na presidência serão a educação e a criação de empregos. “Só vamos reduzir a violência neste país quando tivermos educação de qualidade e emprego nosso país. Não há outro caminho”, disse.

O pré-candidato afirmou que o Brasil encerra um ciclo da “nova república” e que, a partir de agora, a sociedade exige mais transparência e diálogo dos políticos.

O presidente do DEM, prefeito de Salvador ACM Neto, disse que o partido sempre quis ter candidato próprio ao Palácio do Planalto e que Rodrigo Maia deu essa oportunidade. Segundo ele, o presidente da Câmara representa a nova geração de políticos nesta eleição. “Ele terá a capacidade de mobilizar o Brasil em todos os cantos e tenho certeza que Minas se junta a nós nesta luta”, disse.

Fonte: em.com

Ações do Facebook caem após investigação de vazamento de dados relacionado a campanha de Trump

Papéis da rede social caíam 6,15%; aplicativo foi usado para extrair dados de 50 milhões de usuários nos EUA

As ações do Facebook operavam em queda nesta segunda-feira na abertura de Wall Street, afetadas pelas revelações sobre o uso pela empresa Cambridge Analytica de dados pessoais de milhões de usuários da rede social.

Por volta das 14h (horário de Brasília), os papéis do Facebook recuavam 7%, vendidos a US$ 172,02, afetando o índice Nasdaq (-2,61%).

Neste domingo (18), o Facebook informou que está investigando o vazamento de dados provocado por uma empresa britânica que trabalhou para a campanha de 2016 do presidente americano, Donald Trump. A empresa de consultoria Cambridge Analytica manipulou informação de mais de 50 milhões de usuários da rede social nos Estados Unidos.

A companhia obteve as informações em 2014 e as usou para construir uma aplicação destinada a prever as decisões dos eleitores e influenciar sobre elas, segundo revelaram neste sábado os jornais “London Observer” e “New York Times”.

Depois disso, o Facebook suspendeu a conta da Cambridge Analytica e de sua matriz, Strategic Communication Laboratories (SCL), além de informar que descobriu o vazamento de dados pela primeira vez em 2015.

“Estamos dirigindo uma revisão integral, interna e externa, para determinar se são certas as informações de que os dados em questão do Facebook ainda existem”, afirmou Paul Grewal, vice-presidente e membro da equipe legal do Facebook, em comunicado.

Repercussão
Este é um dos maiores vazamentos de dados na história do Facebook. Além da queda na Bolsa, a revelação do acesso indevido de dados já provoca repercussões em outros campos. Legisladores britânicos e americanos pediram explicações à empresa. A procuradora-geral do estado de Massachusetts, Maura Healey, abriu uma investigação contra a empresa.

Além da apuração no Congresso americano e no parlamento britânico, o caso poderia gerar uma multa multimilionária para o Facebook. A suspeita é que a empresa teria violado uma regulação da Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC, na sigla em inglês) que protege a privacidade dos usuários de redes sociais.

“Acredito que a FTC vai querer investigar isto”, disse um ex-funcionário dessa agência federal, David Vladeck, ao jornal “Washington Post”.

Como foi o vazamento
Segundo a rede social, Aleksandr Kogan, um professor de psicologia russo-americano da Universidade de Cambridge, acessou os perfis de milhões de usuários que baixaram um aplicativo para o Facebook chamado “This is your digital life” e que oferecia um serviço de prognóstico da personalidade.

Com esse acesso, ele encaminhou mais de 50 milhões de perfis à Cambridge Analytica. Desses, 30 milhões deles tinham informações suficientes para serem exploradas com fins políticos. Ele conseguiu esses dados apesar de somente 270 mil usuários terem dado seu consentimento para que o aplicativo acessasse sua informação pessoal, segundo o “NYT”.

Ao compartilhar esses dados com a empresa e com um dos seus fundadores, Christopher Wylie, Kogan violou as regras do Facebook, que eliminou o aplicativo em 2015 e exigiu a todos os envolvidos que destruíssem os dados coletados.

“Há vários dias, recebemos informes que nem todos os dados foram apagados”, indicou o Facebook, advertindo que estava disposto a ir aos tribunais para resolver o tema.

Cambridge Analytica
Entre os investidores na Cambridge Analytica estão o ex-estrategista-chefe de Trump e ex-chefe da sua campanha eleitoral em 2016, Steve Bannon, e um destacado doador republicano, Robert Mercer.

A campanha eleitoral de Trump contratou a Cambridge Analytica em junho de 2016 e pagou mais de US$ 6 milhões a ela.

*com informações da AFP e EFE

Fonte: g1

É inviável utilização de HC para pedido de visita íntima em presídio

Segundo entendimento da 5ª turma do STJ, HC não se presta à proteção do direito à intimidade

A 5ª turma do STJ manteve entendimento do ministro Reynaldo Soares da Fonseca segundo o qual o HC não é meio legítimo para a reivindicação do direito de visitas íntimas para presos.

O HC discutido pela turma foi impetrado em virtude de portaria 718/17, assinada pelo do ministro da Justiça Torquato Jardim, que regulamentou a visita íntima no interior das penitenciárias Federais.

No fim de fevereiro, em decisão monocrática, o ministro Reynaldo Soares da Fonseca havia negado seguimento ao pedido da defesa, ao fundamento de que o HC é “voltado ao combate de constrangimento ilegal específico, de ato ou decisão que afete, potencial ou efetivamente, direito líquido e certo do cidadão, com reflexo direto em sua liberdade de locomoção”.

“Não se presta o mandamus à discussão acerca do direito de visitas íntimas do apenado, pois, ao que me parece, procura a impetração proteger o direito à intimidade da pessoa humana e não seu direito ambulatorial.”

Laços prejudicados

No agravo regimental interposto contra a decisão do ministro, a defesa sustentou que a privação do contato físico e íntimo por longo período, “sem que haja notícia de descumprimento das obrigações legais ligadas ao regime prisional e fundamentado na presunção de utilização da visita para difusão de mensagens repassadas por líderes de organizações criminosas, fere os direitos individuais do preso, prejudica a manutenção dos laços afetivos e a sua reinserção social”.

Alegou também que o réu possui boa conduta e que o seu direito não poderia ser restringido por “mera presunção”.

Ao apreciar o recurso, o relator confirmou a posição de que o HC não se presta à proteção do direito à intimidade. Acrescentou ainda que o agravante não impugnou “o único fundamento da decisão agravada”, ou seja, “o não cabimento do HC para discutir o direito de visita íntima”, aplicando o entendimento previsto na Súmula 182 do STJ. A decisão da turma foi unânime.

Processo: HC 425115.

Fonte: migalhas

Inscrições para lista de espera do ProUni terminam nesta segunda (19)

Posteriormente, candidatos terão de comparecer às instituições para comprovar informações prestadas no ato da inscrição

O prazo para que os estudantes manifestem interesse na lista de espera do Programa Universidade para Todos (ProUni) termina nesta segunda-feira (19). O cadastro estará disponível para consulta pelas instituições de ensino superior já na terça-feira (20).

O ProUni é o programa do Governo do Brasil que oferece bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em cursos de graduação de instituições particulares de educação superior. Nesta edição, o Ministério da Educação (MEC) ofertou 243 mil bolsas, das quais 113.863 são integrais e 129.124, parciais.

Onde se inscrever?

Para participar da lista de espera, o candidato deve obrigatoriamente confirmar o interesse na bolsa, na página do Prouni, no prazo especificado no cronograma.

Quem pode se candidatar?

Pode participar da lista de espera o estudante que não foi pré-selecionado nas chamadas regulares e aquele pré-selecionado na segunda opção de curso, mas reprovado por falta de turma.

É preciso ir às instituições?

Todos os candidatos participantes da lista de espera terão de comparecer na próxima quarta-feira (21) e quinta-feira (22) às respectivas instituições para apresentar a documentação de comprovação das informações prestadas na inscrição. Com informações do Portal Brasil.

Fonte: noticiasaominuto

Garoto de 9 anos atira e mata irmã em briga por videogame, nos EUA

A mãe estava em outro cômodo da casa quando ouviu o disparo

Um garoto de 9 anos matou a própria irmã, de 13, após uma briga pelo controle do videogame. O caso ocorreu na cidade de Okolona, Mississippi, Estados Unidos, no último sábado (17/3). Segundo informações da polícia local, o menino encontrou a arma em casa e, após a jovem não devolver o aparelho, ele atirou.

Ainda de acordo com os oficiais, o tiro atingiu a nuca da garota. A mãe estava em outro cômodo da casa quando ouviu o disparo. Imediatamente, ele acionou o serviço de emergência, que levou a menina para o hospital. Apesar do atendimento rápida, ela não resistiu.

Segundo a emissora WTVA, ainda não se sabe como a criança teve acesso à arma. “Ele tem apenas 9 anos. Acredito que tenha visto isso na TV ou nos próprios jogos. Não sei se ele sabe exatamente o que causou”, disse um porta-voz da polícia.

Fonte: metropoles

Carro autônomo da Uber atropela e mata pedestre nos EUA

O serviço que ainda está em fase de testes já causou outros acidentes anteriormente

Um carro autônomo da empresa Uber atropelou e matou uma pedestre nos Estados Unidos. De acordo com informações da polícia local, a vítima foi atingida enquanto cruzava a rua fora da faixa de pedestres. O incidente ocorreu na cidade de Tempe, na madrugada desta segunda-feira (19).

Segundo informações do jornal The New York Times, o veículo estava no modo automático, mas havia um condutor ao volante. A agência Reuters informou que a empresa imediatamente suspendeu todos os testes com a tecnologia nos EUA e no Canadá. Um porta-voz da empresa já se pronunciou e expressou pesar pelo acidente. Segundo ele a empresa está cooperando com as autoridades que investigam o caso.

Embora tenham como um dos principais objetivos reduzir o número de acidentes e otimizar o trânsito, esta não é a primeira vez que os carros autônomos da empresa, ainda em fase de testes, se envolvem em uma acidente.

Fonte: correio24horas

Julgamento de habeas corpus de Lula depende de Fachin, diz Cármen Lúcia

“O relator é o responsável por levar o processo e dizer a importância do processo”, acrescentou.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse hoje (19) que depende do ministro-relator Edson Fachin, e não dela, o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no plenário da Corte.

“O Supremo examinará assim que o ministro Edson Fachin levar em mesa, ou na Segunda Turma ou ao plenário”, disse a ministra, em entrevista a rádio Itatiaia, de Minas Gerais. “O relator é o responsável por levar o processo e dizer a importância do processo”, acrescentou. “Quando o relator levar, o habeas corpus tem preferência constitucional, porque lida com liberdade.”

Na mesma entrevista, Cármen Lúcia confirmou que haverá uma reunião “não formal” entre os ministros do STF, provavelmente amanhã (20), mas não quis revelar detalhes sobre a pauta do encontro, que disse ter sido convocado por ideia do decano da Corte, ministro Celso de Mello, um dos principais defensores da revisão do entendimento sobre a prisão em segunda instância.

O STF vive um impasse sobre se condenados na segunda instância devem começar a cumprir pena de imediato, mesmo com recursos pendentes em cortes superiores e Cármen Lúcia, a quem cabe elaborar a pauta de julgamento em plenário, ainda não colocou o tema em discussão.

Na semana passada, ao negar mais um pedido da defesa de Lula para que seja concedido o habeas corpus do ex-presidente, Fachin disse que não deve levar o assunto ao plenário em mesa sem que seja pautado por Cármen Lúcia, pois a elaboração da pauta de julgamentos “recai sobre as elevadas atribuições da presidência deste tribunal”.

Fonte: agenciabrasil

Walmart tenta patentear tecnologia de abelhas robóticas, ao estilo ‘Black Mirror’

Objetivo da varejista dos EUA é usar os robôs para polinizar plantações.

O Walmart entrou com um pedido de patente para registrar a tecnologia de robôs autônomos em forma de abelhas, reeditando um dos episódios da série de ficção científica “Black Mirror”.

As máquinas, chamadas de drones polinizadores, foram descritos pela rede de varejo norte-americano em um pedido de patente registrado no início do mês.

A ideia é que esses robôs carreguem pólen de uma planta para outra. A locomoção dela seria guiada por meio de sensores como câmeras. Assim, a abelha robótica poderia detectar a localização de plantações.

Além disso, o robô contará com tecnologia para identificar se uma flor já foi polinizada, de modo a evitar aplicar pólen nela novamente e aumentar a produtividade.

Os objetivos da varejista não foram esclarecidos, mas a estratégia da empresa não se resume a um único robô. Segundo o site “CB Insights”, essa é uma da seis patentes de drones voltados para fazendas que o Walmart registrou no começo de março.

Já quanto ao propósito da abelha robótica, o Walmart é bem claro.

“Os polinizadores são muitos importantes para a manutenção tanto de plantações silvestres como as da agricultura. Nos últimos anos, a quantidade de polinizadores (como formigas, abelhas, besouros, borboletas e vespas) tem entrado em declínio, o que leva à redução e fertilidade e biodiversidade do cultivo e redução a produtividade”, informa a empresa, no documento.

A alternativa seria espalhar grãs de pólen com aviões, mas esse processo é caro e ineficiente, argumenta o Walmart, já que mais recursos são gastos do que o necessário e não é possível comprar se todas as flores foram cobertas.

A abelha robótica apresentada pelo Walmart lembra o sexto episódio da terceira temporada da série “Black Mirror”. Em “Hated in the Nation”, drones em forma de abelha são criados para suprir a ausência de polinizadores naturais em plantações. Só que o sistema dos robozinhos aéreos é invadido e usado para outros propósitos.

O Walmart não é o primeiro a criar abelha robótica, o que já foi feito pela Universidade de Harvard em 2013. Chamado de RoboBee, o protótipo não tinha a capacidade de ser controlado à distância, capacidade que está presente nas patentes da empresa de varejo.

Inseto robótico, chamado de RoboBee, foi criado pela Universidade de Harvard para ser usado na polinização de plantações. (Foto: Divulgação/Universidade de Harvard)

Fonte: g1