Cirurgia ajuda mulheres a terem orgasmos

Cinco anos após a cirurgia, as três mulheres relataram sucesso no procedimento

Um médico dos Estados Unidos realizou uma cirurgia que parece ser um caminho para tratamentos voltados para pessoas que perderam a capacidade de ter um orgasmo. O ginecologista fez o procedimento em três mulheres, que, segundo elas, melhorou sua satisfação sexual e a sensibilidade no chamado “ponto G”.

O “simples procedimento de reconstrução” exige uma pequena incisão para remover um tecido da parede da vagina anterior. Após costurar de volta a área, e sob um nível moderado de dor, o tecido na vagina “aperta”, o que confere uma maior sensibilidade.

Cinco anos após a cirurgia, as três mulheres relataram sucesso no procedimento. Elas afirmam que conseguem atualmente ter um orgasmo em uma relação sexual autônoma, durante a masturbação.

As três mulheres, de 32, 36 e 42 anos de idade, teriam perdido a capacidade de ter um orgasmo vaginal após darem à luz (duas de parto normal e uma cesárea). “Todas as pacientes relataram terem reestabelecido o orgasmo vaginal com diferentes níveis de dificuldade, observando o retorno da parede anterior ingurgitamento, e ficaram muito satisfeitas com o resultado do procedimento,” escreveu o autor do estudo Adam Ostrzenski no documento publicado na revista “Aesthetic Plastic Surgery” .

Este, no entanto, é um estudo preliminar muito pequeno e sem a utilização de placebo. Por isso, é ainda precoce afirmar se a cirurgia foi, de fato, foi o fator determinante para ganhar novamente a possibilidade do orgasmo vaginal por essas mulheres.

Ostrzenski, por outro lado, diz que os resultados são promissores e podem levar a novas pesquisas sobre o assunto.

Além disso, o tão falado “ponto G” ainda é uma polêmica e uma questão debatida na comunidade científica. Ainda assim, é um assunto que desperta constatemente a atenção do público em geral.

Motociclista grava momento em que é assaltado e baleado no RJ; veja vídeo

O assaltante faz um disparo que acerta as duas pernas, uma delas atingida de raspão. O projétil atravessou a outra perna

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento em que Luís Carlos dos Santos Pérez, de 58 anos, teve a moto roubada, na manhã desta terça-feira, na Avenida Marechal Rondon, no Rocha, na Zona Norte do Rio. A ação foi toda registrada por uma câmera, instalada no capacete do motociclista.

No final da tarde, policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) São João, do 3ºBPM (Méier) e da 25ªDP (Engenho Novo) realizaram uma operação no Morro São João e apreenderam a motocicleta usada pelos criminosos, que era roubada. A moto da vítima ainda não foi encontrada. Um homem, que até o momento não possui relação com o crime, foi detido após os policiais verificarem que o mesmo era foragido do sistema prisional. As ações seguem em andamento.

Houve confronto entre policiais e traficantes na localidade conhecida como Pedra, mas não há informações de feridos. Os dois assaltantes que aparecem no vídeo ainda não foram presos. Os dois já foram identificados.

O vídeo, que foi publicado pela página do Onde Tem Tiroteio (OTT-RJ), mostra quando Luís Carlos é abordado por dois homens, um deles armados, em uma moto durante o trajeto. É possível ouvir o bandido ameaçando a vítima: “se estiver armado você vai morrer”.

Em seguida, o motociclista para o veículo próximo a calçada e ainda é agredido por um dos bandidos, que dá uma coronhada na vítima, por demorar a descer da moto. O assaltante faz um disparo que acerta as duas pernas, uma delas atingida de raspão. O projétil atravessou a outra perna.

Após a fuga dos assaltantes, Luís Carlos dos Santos mesmo ferido segue até um carro. O motorista que passava pelo local o socorre e o leva para o Hospital municipal Salgado Filho, no Méier. Segundo a Secretaria municipal de Saúde, a vítima chegou às 10h20 na unidade, onde permanece em observação.

O delegado Fábio Asty, titular da 25ªDP (Engenho Novo), disse que está aguardando o motociclista sair do hospital para prestar depoimento.

Fonte: extra

CPI da Pedofilia quer ouvir companhia teatral do “pênis gigante”

Parlamentares cobram explicações a respeito da apresentação da peça O Auto da Camisinha em escola pública do DF

O secretário de Cultura, Guilherme Reis, e os representantes da Hierofante Companhia de Teatro, de Ceilândia (DF), responsáveis por encenar a peça O Auto da Camisinha em uma escola pública de Planaltina, foram convocados pela CPI da Pedofilia. Além deles, o diretor e o coordenador pedagógico do colégio terão de prestar esclarecimentos na quinta-feira (17/5).

A convocação foi aprovada nesta terça (15), por quatro dos cinco integrantes da comissão – todos da bancada evangélica: Rodrigo Delmasso (PRB), Sandra Faraj (PR), Rafael Prudente (MDB) e Júlio Cesar (PRB). O deputado distrital Professor Israel (PV) não participou da sessão.

Na semana passada, vídeos da apresentação viralizaram nas redes sociais e causaram polêmica entre os pais. Na encenação, um ator vestido de palhaço entra em cena com um “pênis gigante” preso à cintura. Em outro momento, o grupo canta “pega, pega a minha rola”.

Para Delmasso, presidente da comissão, houve ofensa ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). “Essa peça é indecente, imoral e não contribui em nada na formação dos alunos. Podemos abordar esse assunto de outra forma. A convocação é para explicar por que eles quiseram apresentar para adolescentes, mesmo havendo restrição pelo ECA. Todos os deputados já confirmaram presença e ficaram perplexos com essa apresentação” pontuou a parlamentar.

Cerca de 150 estudantes do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 03 de Planaltina, entre 14 e 16 anos, acompanharam a peça. Enquanto alguns criticaram a abordagem do tema da sexualidade, outros a defendiam como ferramenta pedagógica para abordar o assunto nas instituições de ensino.

Veja o vídeo que circulou nas redes sociais:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=_QEnbkYhW00]

Anderson Floriano, produtor, diretor, gestor e ator da companhia teatral, rebate o deputado e garante que, caso necessário, apresentaria a peça para os distritais da comissão para que eles conheçam o conteúdo da ação.

“Toda vez que alguém critica a nossa peça, perguntamos se a pessoa já assistiu antes. Apresentaríamos para eles com toda certeza. Não utilizamos nada de vulgar ou pornográfico. Usamos o pênis gigante não para constranger os jovens, mas para causar risos. A internet, que é para trazer informação, acaba causando desinformação”, lamentou Floriano.

Procurada pela reportagem, a direção do CEF 03 disse ter sido pega de surpresa durante a apresentação, pois não foi informada de todo o conteúdo da peça. Conforme pontuou a professora Adriana Reis, supervisora da escola, a ideia era promover, de forma lúdica, a discussão sobre problemas como doenças sexualmente transmissíveis e evitar a gestação durante a adolescência no âmbito da educação sexual.

Já a Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF) afirmou, por meio de nota, que “houve um erro, por parte da direção da escola, ao permitir, sem avaliação prévia de conteúdo, uma apresentação de teatro com a temática de prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e gravidez na adolescência”.

Segundo a pasta, a intenção pedagógica da direção era enfatizar a importância do uso do preservativo para alunos do 8º e 9º anos do Centro de Ensino Fundamental 03 de Planaltina, em especial por se tratar de uma região com vulnerabilidade social.

Ainda conforme ressaltou a secretaria, “a peça foi sugerida pela própria companhia de teatro, não houve custo para a escola e também não foi submetida à análise da pasta.”

Fonte: metropoles

Refugiada haitiana se fingiu de morta para acabar com estupro coletivo em Curitiba; 4 foram presos

Crime foi realizado na frente do marido da vítima haitiana

Quatro jovens, com idades entre 18 e 25 anos, foram presos suspeitos de cometer um estupro coletivo contra uma refugiada haitiana que mora em Mandirituba, na região metropolitana de Curitiba. De acordo com a polícia, duas das prisões aconteceram na segunda-feira (14), data seguinte ao crime, enquanto as outras duas foram realizadas nesta terça-feira (15). Os quatro são investigados por participação direta no crime e só teriam parado as agressões após a vítima se fingir de morta. Todo o crime foi cometido na frente do marido da haitiana.

De acordo com a delegada Gislaine Ortega Pineda, os quatro disseram que invadiram a residência com intenção de roubar, mas ao perceberem a mulher, decidiram pelo estupro. “Eles confessaram o crime e alegaram que deu ‘uma loucura’, por isso decidiram ‘barbarizar’. Por duas horas e meia, cometeram todos os tipos de abusos possíveis e machucaram com uma faca várias partes do corpo, incluindo a área da genitália”, explicou a delegada.

O crime aconteceu na região da Colônia Lima. Segundo a polícia, a vítima está grávida e mora no Brasil com o marido desde janeiro. O casal não fala português e reside no local por conta de um projeto de abrigo a refugiados.

À Banda B, Gislaine Ortega deu detalhes de como o crime aconteceu e explicou que a vítima precisou se fingir de morta para acabar com as agressões. “Em um momento dos abusos, os agressores teriam se voltado para o marido, então ela aproveitou para correr. A residência é de madeira e possui uma cerca do lado de fora, que ela rompeu ao tentar fugir. Com a situação, ela aproveitou para se fingir de morta e assustou os agressores, que correram do local”, disse.

Dois dos suspeitos foram presos pela Polícia Militar na segunda-feira. Na delegacia, a vítima confirmou os dois como envolvidos pelo crime. Inicialmente, eles negaram participação, mas confessaram logo em seguida. Os outros dois foram detidos após trabalho de investigação da Delegacia de Fazenda Rio Grande.

A refugiada está no hospital e foi medicada. Ela e o marido seguem recebendo auxílio do projeto que os abrigou.

BandaB

Comissão rejeita projeto que obriga empresa a ofertar internet gratuita

Lei que proíbe limite na banda larga avança na Câmara

O relator do projeto, senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), explicou que a situação “se modificou consideravelmente” desde a apresentação do projeto pelo deputado Lobbe Neto (PSDB-SP), em 2004

Em reunião na tarde desta terça-feira (15), a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) rejeitou o projeto que obrigava a empresa que presta serviço de conexão com a internet de banda larga a oferecer aos assinantes acesso gratuito à internet (PLC 116/2017).

O relator do projeto, senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), explicou que a situação “se modificou consideravelmente” desde a apresentação do projeto pelo deputado Lobbe Neto (PSDB-SP), em 2004. Flexa disse que, naquela época, a oferta de fato não ocorria, mas que hoje essa matéria já está regulamentada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que prevê casos de oferta gratuita de internet.

Rádio comunitária

A comissão também aprovou um pedido de informações ao Ministério das Comunicações sobre o processo de renovação da outorga da Associação Cultural Comunitária de Três Lagoas, para executar serviço de radiodifusão comunitária no município de Três Lagoas (MS).

O relatório do PDS 206/2017, a cargo do senador Pedro Chaves (PRB-MS), foi lido pelo senador Acir Grugacz (PDT-RO). Chaves apontou possíveis inconsistências nos documentos do processo de renovação e registrou que “mostra-se necessário obter informações adicionais acerca da efetiva data de apresentação do requerimento de renovação da outorga”. Com o pedido de informações, a tramitação desse projeto fica suspensa até que os questionamentos sejam esclarecidos pelo ministério.

TVs comunitárias

Foi aprovado também um requerimento do senador Omar Aziz (PSD-AM) para a realização de uma audiência pública sobre a veiculação remunerada de propaganda e publicidade em emissoras de televisão comunitária, objeto do PLS 27/2016.

Conforme a sugestão de Omar Aziz, devem ser convidados representantes do Ministério das Comunicações, da Anatel e da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). Ainda não há data para a realização da audiência.

Fonte: agenciasenado

Resenha Política – Robson Oliveira

STF

Enquanto a Suprema Corte não determinar o início do cumprimento das penas dos senadores Ivo K-Sol (PP) e Acir Gurgacz (PDT), pré-candidatos a governador, o quadro político rondoniense permanecerá indefinido. Mas é um quadro que se define em junho uma vez que há na Suprema Corte uma pressão para que sejam julgados todos os processos pendentes antes das convenções.

PROCRASTINAÇÃO

K-Sol, espertamente, continuará utilizando a regra processual para procrastinar o trânsito em julgado e conseguir uma extinção de punibilidade e Acir, que não é besta, segue a mesma regra. Enquanto isso, os demais possíveis concorrentes aguardam a justiça e o processo eleitoral ficar sub-judice.

LOAS

Profissionais em campanha, os emedebistas voltaram a se reunir num encontro num clube da capital. Inicialmente projetaram um evento com cinco mil pessoas, mas reuniram pouco mais de mil e quinhentas, para demonstrar que estão unidos. Houve uma rasgação de elogios públicos entre os partidários do senador Valdir Raupp e Confúcio Moura e de apoios mútuos, embora em privado haja impropérios para os dois lados. O fato mais significativo foi a presença do governador Daniel Pereira (PSB) que teceu loas ao provável concorrente Maurão de Carvalho, pré-candidato a governador do MDB.

DISSIMULAÇÃO

Quem foi ao encontro do MDB, e não é ligado a nenhuma ala presente, percebeu que o partido continua forte e não pode ser subestimado, apesar de ser alvo preferencial dos internautas indignados com os políticos. No entanto, não passou despercebido que os principais oradores evitaram atacar hoje os adversários, uma vez que a campanha amanhã pode colocar alguns eventuais concorrentes no mesmo palanque.

ALVO

O senador Ivo K-SOL (PP), pré-candidato a governador que ainda dependente de uma definição judicial, escolheu como alvo o ex-governador Confúcio Moura. Toda semana o senador faz uma acusação contra a administração do ex-governador obrigando, mesmo a contragosto, o emedebista a se defender. Como o principal discurso de Moura é que arrumou o estado, supostamente destroçado pelo antecessor, K-Sol tenta desmontar esta versão com fatos que exigem de Confúcio explicações imediatas. Uma estratégia previamente estudada para desconstruir uma imagem que o adversário construiu. Quem monitora as eleições percebe que o alvo foi certeiro!

DEMISSÃO

George Braga, ex-secretário de estado de planejamento, orçamento e gestão, último coringa da administração de Confúcio Moura exonerado na de Daniel Pereira, caiu, segundo apurou a coluna, porque queria manter na atual administração o mesmo comportamento da anterior, ou seja, mandava e desmandava na pasta sem ser questionado.

IMEXÍVEIS

Há uma máxima que diz em relação a pessoas que se acham acima da média: não há ninguém imexível. As exonerações dos secretários estaduais George Braga (Planejamento) e Valdo Alves (Educação) comprovam que a máxima tem sua razão de ser. Voltaram ao anonimato sem que sejam sentidas as suas ausências.

FAKE

Como já era previsível o uso indevido de fake news nessas eleições, o deputado estadual e pré-candidato a federal Léo Moraes é a primeira vítima desta prática criminosa nas mídias sociais. Um foto de Léo manipulada e desrespeitosa foi veiculada com uma suposta candidatura a governador. O parlamentar foi às mídias para desmentir. Nem precisava porque o fake abusou da manipulação demonstrando ser uma piada de gosto duvidoso.

PROVOCAÇÃO

Um leitor não gostou dos nossos comentários na coluna passada em relação às OSs. Todo articulista corre o mesmo risco ao emitir opiniões sobre tudo e todos. Dito isto, a coluna respeita e evita réplicas, mas para tranquilizar o leitor que insiste em afirmar que as OSs não deram certo na maioria das cidades e estados, basta lembrar que nos poucos locais em que a experiência foi exitosa os alcaides eram honestos. Desde que provem o contrário, é o caso de Hildon Chaves.

NATIMORTA

Mais um vez assume os destinos da Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia um servidor ligado às lutas sindicais, o ex-vereador petista de Pimenta Bueno, José Irineu Cardoso. Quem pesquisar as informações sobre a companhia vai verificar que há mais de vinte anos os problemas de insolvência são os mesmos. O governador Daniel Pereira não é responsável pela destruição da companhia e sabe que não há possibilidade de salvação devido ao passivo que é impagável. Como é oriundo do movimento sindical nomeou uma nova direção para justificar os compromissos ideológicos, mas ao exonerar a ex-presidente deu um alento aos funcionários da companhia e sinalizou que não assumiu o cargo de chefe do executivo para manter sinecuras de apaninguados do antecessor. A atitude foi bem assimilada.

MODESTO

O PDT reuniu a militância em Ariquemes para reafirmar que Acir Gurgacz é pré-candidato a governador. Foi um evento modesto na participação dos filiados e modestíssimo na defesa do pré-candidato a governador. Os discursos em defesa do candidato a senador pelo MDB, Confúcio Moura, foram mais efusivos. O intrigante é que no mesmo horário Confúcio estava na capital festejando o lançamento da candidatura a governador de Maurão de Carvalho, embora no discurso Moura tenha dito palavras também modestas em relação ao candidato do MDB.

IMPESSOALIDADE

Uma propaganda veiculada nas rádios com a chancela do Governo de Rondônia convocando a população para comparecer à Rondônia Rural Show, evento que acontece na próxima semana em Ji-Paraná, pode dar dor de cabeça ao governador. A lei veda publicidade pública com o uso da imagem do governante e na propaganda veiculada todo o texto é lido na voz de Daniel Pereira. Daí uma dor de cabeça caso alguém ingresse na justiça alegando que a voz compõe a imagem do governador o que, em tese, fere o princípio da impessoalidade.

Mãe fere PM com faca ao ver filho suspeito de tráfico ser preso no RJ

O crime foi cometido na comunidade da Mangueirinha, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense

Revoltada com a prisão do filho, detido por tráfico de drogas, na manhã desta terça-feira (15), uma mãe feriu um policial militar com uma faca. O crime foi cometido na comunidade da Mangueirinha, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Após a confusão, tanto o suspeito quanto a mulher foram conduzidos à delegacia.

Por volta as 10h, segundo informações do Extra, houve confronto entre policiais e traficantes na Rua João Perestrelo. Em uma das casas revistadas pelos agentes, um homem foi preso. Em outra residência, também alvo da ação da polícia, um rapaz foi detido e, nesse momento, a mãe dele tentou intervir.

Fonte: noticiasaominuto

Pais se atrapalham fazendo selfie em escada rolante e bebê cai do braço da mãe e morre; vídeo

Criança despencou no vão entre a escada rolante e o corrimão, caindo no andar inferior do shopping

Uma bebê de 10 meses de idade morreu após cair do colo da mãe, que estava em uma escada rolante, enquanto os pais tiravam uma selfie. De acordo com o portal Daily Mail , a criança despencou no vão entre a escada e o piso do andar em questão, caiu no andar abaixo e não sobreviveu.

O caso aconteceu em um shopping na cidade de Ganganagar, no Rajastão, na Índia, e chocou as redes sociais. Os momentos foram gravados pelas câmeras de segurança do local, em que é possível ver o bebê no colo da mãe, que junto do pai da criança, tirava uma selfie enquanto subia a escada rolante .

Em determinado momento, os dois se desequilibraram e a criança caiu dos braços da mãe, bateu a cabeça no corrimão ao lado e despencou até o andar inferior. Os pais se desesperaram e pediram ajuda a outras pessoas que passavam pelo local, conseguindo resgatar a menina. Assista ao vídeo:

Atenção, a filmagem abaixo contém imagens fortes:

A bebê foi imediatamente levada até o hospital mais próximo, mas não resistiu aos ferimentos. A polícia foi chamada para lidar com o caso e abriu uma investigação. “Esse é um caso muito claro de acidente”, explicou um porta-voz das autoridades locais. “A família da bebê que morreu se recusou a tomar qualquer ação legal sobre a situação”.

Um incidente aconteceu ainda neste mês na cidade de Mumbai, onde um bebê caiu dos braços da mãe e também morreu.

Do IG

Babá é sentenciada à prisão perpétua após matar duas crianças nos EUA

Depois de esfaquear os irmãos, a mulher enfiou uma faca de cozinha em sua própria garganta em uma tentativa fracassada de suicídio

Uma babá foi sentenciada à prisão perpétua, sem liberdade condicional, nesta segunda-feira (14/5) por matar duas crianças em 2012. Leo Krim, de dois anos, e a irmã, Lucia, de seis, foram mortos a facadas no banheiro de casa no Upper West Side, em Manhattan, enquanto a mãe deles estava em uma aula de natação com o irmão do meio Nessie, de três anos.

Após um julgamento de dois meses na Suprema Corte de Manhattan, Yoselyn Ortega, de 55 anos, foi condenada por homicídio em primeiro grau. Os pais das crianças Kevin Krim, 42, e Marina Krim, 41, agradeceram ao juiz, jurados e ao gabinete do procurador distrital.

O advogado de Ortega argumentou que ela não deveria ser considerada responsável pelos crimes devido a uma doença mental – hipótese rejeitada pelo júri após semanas de depoimentos de especialistas de ambos os lados.

Após esfaquear as crianças, a babá enfiou uma faca de cozinha em sua própria garganta em uma tentativa fracassada de suicídio. Para a promotoria, a motivação para o crime foram problemas financeiros enfrentados após trazer o filho, de 17 anos, para o país, e por despeito contra Marina Krim.

“Foi sua intenção tirar a vida deles e destruir a família”, disse a acusação na sentença. ” Ela nunca demonstrou nenhum remorso e nunca derramou uma lágrima por essas crianças.”

Lucia, que tentou desesperadamente se defender, sofreu cerca de 30 ferimentos de faca, enquanto seu irmão mais novo sofreu cerca de cinco golpes.

Jurados e membros da plateia choraram quando Kevin e Marina – a primeira e última testemunhas no caso direto da acusação – tomaram o banco dos depoentes. Ortega também chorou pouco antes da sentença ser imposta.

Fonte: metropoles

Gilmar Mendes critica restrição de foro, mas manda ação à 1ª instância

Ministro do STF reafirmou ataques à decisão da Corte de reduzir alcance do privilégio só para deputados federais e senadores

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reforçou nesta terça-feira (15/5) as críticas à decisão da Corte de reduzir o alcance do foro privilegiado para deputados federais e senadores. Em conferência com militares, o magistrado disse nesta manhã que a medida não vai dar certo. Segundo ele, os próximos desdobramentos sobre o tema vão trazer uma radiografia da Justiça Criminal em todo o país e o STF terá de rediscutir o tema “com uma dose maior de realismo”.

Apesar das críticas, o ministro decidiu retirar do seu gabinete uma ação penal sobre o deputado federal Édio Lopes (PR-RR), com base no novo entendimento do STF – de que o foro privilegiado para parlamentares só vale para os crimes cometidos no exercício do mandato e em função do cargo. Foi o primeiro caso encaminhado por Gilmar Mendes à primeira instância após a mudança de entendimento no Supremo.

“Vai dar certo (restringir o foro)? Espero que sim, mas acho que não. A experiência indica menor provimento das instâncias ordinárias de recursos em relação ao Supremo Tribunal Federal. E certamente, se o Mensalão tivesse sido julgado nas instâncias ordinárias, muito provavelmente nós teríamos ainda o pequeno poder”, disse.

“Foi o Supremo quem julgou (o Mensalão), e o fez de maneira compacta aqui. É claro que nos sobreonera, nós paramos quatro meses do plenário para julgar”, completou o ministro.

Crime
Segudo Gilmar Mendes, as Forças Armadas estão “engajadas” no tema da segurança pública, mas também é fundamental uma justiça criminal eficiente para combater a prática de delitos.

“Eu tenho dito com certo sarcasmo, mas, infelizmente, com certo realismo: a justiça criminal brasileira, para ficar ruim, precisa melhorar muito. Este é um fato da realidade. Tinha achado que é virtuoso o debate sobre o foro porque inevitavelmente ele vai nos trazer alguma radiografia da questão da justiça criminal. De modo a discutir essa temática com uma dose maior de realismo”, frisou Gilmar Mendes.

Processo
Em decisão assinada na última sexta (11), Gilmar Mendes encaminhou à primeira instância ação penal que investiga o deputado Édio Lopes. Ele é acusado pela prática de peculato, sob a suspeita de ter desviado dinheiro público entre janeiro de 2005 e dezembro de 2006, época na qual era deputado estadual de Roraima.

O parlamentar supostamente indicou três pessoas para trabalharem em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Estado de Roraima sem exigir a prestação dos serviços correspondentes. “Trata-se de fatos alheios ao mandato de parlamentar federal. Ante o exposto, declino da competência para a Comarca de Boa Vista (RR)”, decidiu o ministro do Supremo.

Procurado pela reportagem, o gabinete do deputado Édio Lopes não havia se pronunciado até a publicação deste texto.

Fonte: metropoles