Acusado de matar caminhoneiro com pedrada na cabeça em RO é preso, diz ministro

Anúncio foi feito durante coletiva de imprensa em Brasília. Suspeito e líder do grupo estão sendo ouvidos

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou na noite desta quarta-feira (30) que o suspeito de matar o caminhoneiro com uma pedrada na cabeça foi preso em Vilhena (RO), a 700 quilômetros de Porto Velho.

O ataque contra o motorista aconteceu durante a tarde, quando o condutor seguia sentido Comodoro (MT).

Segundo Jungmann, o principal suspeito está prestando depoimento neste momento e o líder do grupo também está sendo ouvido por policiais.

Segundo informações iniciais da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o veículo de José estaria passando pela rodovia, quando uma pessoa em um carro de passeio arremessou a pedra contra o parabrisa, que atravessou o vidro e atingiu a cabeça da vítima. O Corpo de Bombeiros chegou a ir no local, mas a vítima não resistiu aos ferimentos.

TRF4 mantém condenação de Cabral e absolvição de Adriana Ancelmo

É a primeira vez em que Cabral é condenado também em segunda instância

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) acaba de confirmar a condenação do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. A pena de Cabral foi mantida em catorze anos e dois meses por corrupção e lavagem de dinheiro.

É a primeira vez em que Cabral é condenado também em segunda instância.

No mesmo julgamento, o órgão negou o recurso do Ministério Público Federal e manteve a absolvição da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo e de Mônica Carvalho, mulher de Carlos Miranda, sócio de Cabral.

Também foram réus nesse processo Wilson Carlos, ex-secretário de gestão do RJ, que teve a pena mantida, e Carlos Miranda, cuja pena foi reduzida em um ano.

Segundo a força-tarefa da Lava-Jato, a empreiteira Andrade Gutierrez pagava propina ao ex-governador por meio dos outros réus para garantir o contrato de terraplanagem do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Fonte: Blog Radar online – Veja

TRF4 mantém condenação de Bumlai, Vaccari e Cerveró na Lava Jato

Entre os crimes imputados aos reús estão lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e corrupção passiva e ativa. Apenas Fernando Schahin teve sua condenação revertida, sendo absolvido pelo TRF4

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) decidiu hoje (30) manter a condenação do pecuarista José Carlos Bumlai, do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró em um dos processos a que respondem na Lava Jato.

Os empresários Salim Taufic Schahin e Milton Taufic Schahin, sócios do Grupo Schahin, também tiveram suas condenações a nove anos e dez meses de prisão mantidas. Já o operador Fernando Falcão Soares, conhecido como Baiano, teve sua pena reduzida de seis anos para cinco anos e seis meses em regime semiaberto.

Entre os crimes imputados aos reús estão lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e corrupção passiva e ativa. Apenas Fernando Schahin teve sua condenação revertida, sendo absolvido pelo TRF4.

Bumlai foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, enquanto Vaccari foi sentenciado a seis anos e oito meses em regime semiaberto. Cerveró foi condenado, também por Moro, a seis anos e oito meses.

Denúncia

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o Banco Schahin concedeu, em outubro de 2004, um empréstimo de R$12,1 milhões a Bumlai. O dinheiro, no entanto, teria como beneficiário real o PT, tendo o pecuarista sido utilizado somente como pessoa interposta. O empréstimo, com vencimento previsto para novembro de 2005, não foi pago e nem tinha garantia.

Segundo o MPF, em troca pela operação o grupo Schahin teria sido beneficiado na contratação do Navio-Sonda Vitoria 10.000 pela Petrobras, o que ocorreu em 28 de janeiro de 2009 pelo valor de US$ 1,5 bilhão.

Fonte: agenciabrasil

Governo disponibiliza WhatsApp para caminhoneiros denunciarem ameaças

As informações recebidas serão encaminhadas para as polícias Federal, Rodoviária Federal e para as Forças Armadas

O governo federal vai criar um canal para que brasileiros possam denunciar a prática de violência contra caminhoneiros nas estradas. O Palácio do Planalto diz ter convicção de que transportadores que desejam seguir viagem estão sendo reféns de populares e alguns caminhoneiros que desejam manter os pontos de obstrução em rodovias do país. Por isso, a expectativa é de que este dispositivo de comunicação seja eficaz para alertar a ocorrência às forças de segurança. O canal será feito por WhatsApp e também em outras plataformas.

O governo espera lançar o canal ainda nesta quarta-feira (30). As informações recebidas serão encaminhadas para as polícias Federal, a Rodoviária Federal e para as Forças Armadas. De posse de dados como a rodovia e o ponto de obstrução, os agentes e oficiais se deslocarão até o local para escoltar o caminhoneiro que desejar sair. “Vamos acabar com este constrangimento e esta forma covarde de agredir aqueles que querem simplesmente trabalhar”, declarou o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.

A ação do governo prevê punição para quem obstruir a desmobilização do caminhoneiro. “Nós, na forma da lei, vamos punir com rigor estes que cometem uma violência que não é só covardia contra um ser humano indefeso, mas contra toda a sociedade. Por isso, por uma questão de Justiça, temos que resopnsabilizá-los e puni-los”, enfatizou Jungmann.

O governo não trabalha apenas com suspeitas de que caminhoneiros estão reféns da atuação de outros, mas tem também à disposição imagens e vídeos feitos nas estradas que mostram a coação a caminhoneiros que desejam seguir viagem. A decisão de criar o canal de comunicação é um mecanismo para facilitar a denúncia. “O uso da violência em sociedade como a nossa não pode ser disponível como forma de pressão de movimentos trabalhistas, nem como forma de atuação política”, criticou o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, Sérgio Etchegoyen.

Fonte: diariodepernambuco

Moreira Franco terá acesso a documentos sigilosos da Odebrecht

O ministro do STF Edson Fachin autorizou o emedebista a acessar anexos da investigação que envolve ainda Michel Temer e Eliseu Padilha

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou o ministro de Minas e Energia Moreira Franco (MDB) a ter acesso a documentos sigilosos do inquérito da Odebrecht. Fachin é relator da investigação no STF. A informação é da GloboNews.

Na decisão, assinada no dia 24 de maio, o magistrado acata o pedido do emedebista para acessar integralmente os relatórios, “inclusive anexos sigilosos e documentos subsequentes” ao despacho.

O inquérito investiga um suposto pagamento de R$ 10 milhões da Odebrecht para o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), que teriam sido negociados durante um jantar no Palácio do Jaburu, em 2014.

Além de Moreira Franco, o presidente da República, Michel Temer, e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, todos emedebistas, também são investigados no caso.

Fonte: metropoles

Jornalistas da Globo, Band e SBT são agredidos por manifestantes em Vilhena (RO) e são escoltados pela PM

Um fotógrafo da Band também teve que sair correndo do tumulto pelo canteiro central da BR-364 para não perder sua máquina e uma apresentadora do SBT teve seu microfone quebrado

Um repórter e um cinegrafista da rede Globo de Vilhena, que faziam a cobertura da morte do caminhoneiro, que foi atingido com uma pedra durante uma manifestação, quase foram linchados pela população e precisaram ser escoltados pelo Patrulhamento Tático Móvel (PATAMO) da Polícia Militar.

Os profissionais da imprensa foram agredidos pelos manifestantes, que a todo momento gritavam “fora Globo mentirosa” e além da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que já estava no local devido a morte do caminhoneiro, o PATAMO foi chamado e disparou tiros de bala de borracha para conter os manifestantes, que chegaram a ferir o cinegrafista, na tentativa de tomarem sua câmera.

Um fotógrafo da Band também teve que sair correndo do tumúlto pelo canteiro central da BR-364 para não perder sua máquina e uma apresentadora do SBT teve seu microfone quebrado.

Texto e foto: Extra de Rondônia

Câmara dos Deputados aprova proposta para regular uso de dados pessoais

Bancário demitido por justa causa deve destruir arquivo com dados de clientes

Após seis anos de tramitação, a Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (29/5) projeto de lei que procura regular o tratamento de dados pessoais, como nome, endereço, telefone e situação patrimonial, obtidos em qualquer tipo de suporte (papel, eletrônico e imagem, por exemplo).

Também entram na lista as imagens colhidas por videovigilância, a gravação de chamadas telefônicas, os endereços de IP (identificação de computador) e localizações obtidas por sistemas de GPS. O texto ainda deve ser votado pelo Senado.

O PL 4.060/2012 diz que todos poderão pedir para empresas apagarem informações pessoais que estiverem em bancos de dados. Também obriga empresas a pedir autorização ao usuário antes de colher esse tipo de informação e renovar a solicitação caso queiram transferir os dados a empresas terceirizadas.

Conforme o texto, a lei seria aplicável mesmo a companhias com sede no exterior, desde que a operação de tratamento aconteça no Brasil; a atividade tenha por objetivo a oferta ou o fornecimento de bens ou serviços no território nacional ou os dados pessoais tenham sido coletados aqui.

A proposta afirma que, quando o tratamento de dados for necessário para o cumprimento de obrigação legal ou feito pela administração pública, o titular será informado das hipóteses em que será admitido o tratamento de seus dados. As regras não se aplicam, entretanto, se o dado for utilizado por terceiro pessoa física, para fins exclusivamente pessoais, ou se usado para fins exclusivamente jornalísticos, artísticos ou acadêmicos.

Realidade europeia

O projeto assemelha-se ao que já acontece na Europa desde sexta-feira (25/5), quando entrou em vigor a Regulação Geral de Proteção de Dados (conhecida como GDPR, na sigla em inglês). As normas valem não só para os membros da União Europeia, mas para todas as empresas e nações que tenham negócios ou algum tipo de relação com a UE que envolva tratamento de dados pessoais.

Por “dados pessoais” a GDPR quer dizer dados biométricos, dados de saúde, geolocalização, números identificáveis, dados étnicos, religiosos e opção política.

A principal mudança, é que os internautas deverão dizer às empresas quais dados autorizam que sejam armazenados e a forma com que podem ser usados – a fórmula da autorização passiva, vigente até agora, não é mais permitida no continente.

 

Com informações da Agência Câmara Notícias.

Cientistas britânicos criam ‘córnea 3D’

Através de uma “bioimpressora” 3D, a “biotinta” foi ejetada “com sucesso” em anéis circulares para dar formato à córnea humana

Cientistas britânicos da Universidade de Newcastle desenvolveram a primeira córnea humana feita a partir de impressão em 3D.

A córnea é um tecido localizado na parte da frente do olho e é o primeiro local pelo qual a luz externa passa. Sua função principal é a de foco visual.

A pesquisa, publicada na revista “Experimental Eye Research”, indica como células-tronco da córnea de um doador saudável foram combinadas com alginato e colágeno para formar uma solução que pode ser impressa, criando uma “biotinta”.

Através de uma “bioimpressora” 3D, a “biotinta” foi ejetada “com sucesso” em anéis circulares para dar formato à córnea humana.

De acordo com a universidade, a impressão “levou menos de 10 minutos”.

O experimento pode proporcionar novos avanços no transplante de córnea. Estima-se que 10 milhões de pessoas no mundo todo precisem passar por esse procedimento cirúrgico, por apresentar cegueira causada pela bactéria Chlamydia trachomatis (Tracoma).

Além disso, cerca de 5 milhões de pessoas sofrem de cegueira total devido a lesões na córnea, como queimaduras, lacerações, escoriações ou doenças.

Fonte: istoé

Medida provisória prorroga para 30 de outubro adesão ao Refis do Funrural

Agronegócio precisa ser menos dependente do Estado, diz Roberto Rodrigues

A adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural, conhecido como Refis do Funrural, foi prorrogada mais uma vez. Publicada nesta quarta-feira (30/6), a Medida Provisória 834, que terminaria hoje, prorroga o prazo para 30 de outubro de 2018.

A medida ocorre pouco mais de uma semana depois de o Supremo Tribunal Federal reafirmar a constitucionalidade da contribuição ao Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural. Alguns tributaristas afirmaram que a decisão do Supremo deve fazer com que aumente o número de empresas interessadas em aderir ao programa de regularização tributária rural.

Essa é a segunda prorrogação de prazo do Refis do Funrural. Em abril, outra medida provisória havia estendido o período em 30 dias. A Receita Federal já havia informado anteriormente que a adesão ao programa deverá ser feita na unidade de atendimento do domicílio tributário do devedor, sem a obrigatoriedade de agendamento do serviço.

O contribuinte que já aderiu ou que aderir ao programa terá diminuição de 100% sobre as multas de mora e de ofício, além da redução de 100% dos juros, já prevista.

Nas mãos do Judiciário

Esse perdão às multas deve ser julgado em breve. A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco Nacional) entrou com ação civil pública alegando que a concessão da anistia viola o Código Tributário Nacional.

A Unafisco aponta, ainda, outro problema causado pelo Refis do Funrural: o valor das multas anistiadas seriam destinadas à seguridade social, um setor que, segundo o próprio governo, está carente de recursos. “Caso não aplicado o artigo 180 do CTN para vedar as anistias aos fraudadores e sonegadores, o Poder Público estará premiando quem, ilícita e intencionalmente, causou prejuízo aos cofres públicos”, completa a entidade.

Jornalista russo encena própria morte e aparece vivo na Ucrânia

Babchenko, que é crítico do presidente da Rússia, Vladimir Putin, teria sido assassinado a tiros em seu apartamento. No entanto, a sua morte foi uma “encenação’

O jornalista russo Arkady Babchenko, que tinha sido dado como morto ontem (29), apareceu nesta quarta-feira (30) em uma conferência de imprensa com o chefe dos serviços de segurança da Ucrânia, em Kiev.

Babchenko, que é crítico do presidente da Rússia, Vladimir Putin, teria sido assassinado a tiros em seu apartamento. No entanto, a sua morte foi uma “encenação’.

“Um plano para assassinar Babchenko foi descoberto e a decisão foi tomada para organizar uma operação especial durante a qual fomos capazes de coletar provas irrefutáveis da atividade terrorista de serviços especiais russos em território ucraniano”, relatou os serviços de segurança ucraniano (SBU).

“Peço desculpas a todos e, para a minha esposa, pelo inferno que ela teve de apoiar, mas não havia outra alternativa: agradeço aos serviços ucranianos por salvarem minha vida. A operação especial foi preparada por dois meses, fui informado há um mês, eles trabalharam como loucos. O resultado deste trabalho se transformou em uma operação que levou à captura de um homem”, disse Babchenko.

Grande crítico de Putin, o jornalista denunciava a desestabilização da Ucrânia pelo Kremlin e escreveu diversas matérias sobre o conflito. Babchenko se mudou de Praga, na República Tcheca, e para Kiev, após ter alegado que recebia “ameaças”.

Fonte: istoé