Ex-vereador e integrante do MST é preso em MT pela morte de policiais no PR há 25 anos

Lourival Castilho Pimentel foi condenado a 26 anos de prisão em regime fechado. Defesa alega que o réu está em tratamento por problemas psiquiátricos

O ex-vereador Lourival Castilho Pimentel foi preso na quarta-feira (20), no município de Castanheira, a 780 km de Cuiabá. Ele é condenado pela participação na morte de policiais militares, em Campo Bonito (PR), em 1993, durante um conflito agrário.

Na época, Castilho integrava o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Segundo a defesa, ele está internado por problemas psiquiátricos.

De acordo com o processo, o caso transitou em julgado e o ex-parlamentar foi condenado pela Justiça do Paraná a 26 anos de prisão em regime fechado, não cabendo mais recursos.

A Justiça paranaense emitiu uma carta precatória para o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) determinando que o réu cumpra a sentença no estado em Juína, a 737 km da capital.

Atendendo a essa determinação, o juiz Vagner Dupim Dias, da Comarca de Juína, expediu um mandado de prisão contra Castilho, que foi j em Castanheira, onde ele mora e onde exerceu três mandatos como vereador, entre anos de 2001 e 2013.

Segundo a defesa do ex-vereador, ele está internado no Hospital Municipal de Castanheira, por problemas psiquiátricos.

A advogada Selma Pinto de Arruda Guimarães disse ter solicitado que o cliente dela possa cumprir a pena em regime domiciliar, durante o período em que estiver em tratamento.

O pedido foi negado duas vezes, porque a Justiça entendeu que o réu pode continuar o tratamento mesmo detido no Centro de Detenção Provisória.

O crime

O crime ocorreu durante a ocupação da Fazenda Santana, em Campo Bonito. No dia 3 de março de 1993, os policiais Vicente de Freitas, Algacir José Bebber e Adelino Arconti foram até a propriedade acompanhar a retirada de máquinas do local, ocupado pelo MST.

Na época, os sem-terra disseram ter confundido os policiais militares com pistoleiros por estarem sem farda.

O líder do movimento, Diniz Bento da Silva, conhecido como Teixeirinha, teve a prisão decretada e permaneceu foragido por cinco dias. Segundo o MST, ele foi morto assim que se entregou à polícia.

O caso chegou a repercutir na imprensa internacional. O Brasil foi condenado por violação do direito à vida pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Ao todo, 14 policiais militares foram acusados pela morte de Teixeirinha.

G1/MT

Mulher de Trump usa casaco com frase ‘eu realmente não me importo’ ao viajar para visitar crianças

Primeira-dama foi fotografada com a peça ao embarcar em avião presidencial. Porta-voz disse que ‘é apenas um casaco. Não havia nenhuma mensagem oculta’

A primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, está sendo criticada por ter usado um casaco com a frase “eu realmente não me importo, você se importa?” estampada nas costas ao embarcar para uma visita a crianças detidas na fronteira com o México nesta quinta-feira (21).

Melania esteve em um dos centros que abrigam crianças que foram separadas de seus pais na fronteira, conversou com profissionais que trabalham no local e, segundo a imprensa americana, perguntou a eles o que poderia fazer para ajudar na reunião das famílias separadas.

Durante a visita ela não estava usando o casaco, visto apenas enquanto ela subia as escadas para embarcar no avião que a levou para a visita não anunciada ao centro, na base aérea de Andrews.

Casaco da Zara com a frase ‘eu realmente não me importo, você se importa’ estampada nas costas (Foto: Reprodução/Pinterest/Zara)

Questionada por repórteres sobre a escolha da peça, a porta-voz da primeira dama, Stephanie Grisham, respondeu que “é um casaco. Não havia nenhuma mensagem oculta. Após a importante visita de hoje ao Texas, espero que a imprensa não escolha focar isso”.

Segundo o Daily Mail, o casaco usado por Melania Trump é da Zara, custa US$ 39 (cerca de R$ 150) e está esgotado.

G1

Laerte Gomes participa da entrega de equipamentos para a APAE de Mirante da Serra

Materiais permanentes foram adquiridos por meio de emenda parlamentar de autoria do deputado no valor de R$ 30 mil

Na quarta-feira (20), na APAE de Mirante da Serra, o deputado Laerte Gomes (PSDB) participou da entrega de materiais permanentes adquiridos pelo governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Ação Social, por meio de emenda parlamentar de autoria do deputado, no valor de R$ 30 mil.

Segundo Laerte Gomes, a emenda destinada para a compra dos materiais para a APAE foi disponibilizada em atendimento a uma solicitação do vereador Daniel Andrade (PSDB).

A APAE foi contemplada com ar-condicionado, fogão industrial, cuba gastronômica, freezer, mesas com cadeiras, máquinas de costura, coifa, máquina lava-roupa e impressora jato de alta pressão.

Na entrega dos equipamentos, Laerte Gomes disse ter sido uma honra poder atender ao pedido do vereador e disponibilizar a emenda para a compra dos materiais. Laerte ainda enalteceu a administração da APAE de Mirante da Serra.

“A APAE de Mirante da Serra é um exemplo para Rondônia. Essa gestão organizada e comprometida, comandada pela Marizete e pelo Iranildo está de parabéns, assim como o prefeito Adinaldo de Andrade (MDB) e o vereador Daniel. Mirante da Serra pode contar sempre com o nosso apoio”, declarou Laerte Gomes.

 

 

* Divulgação de Atividade parlamentar.

Assembleia Legislativa aprova Dia da Advocacia Trabalhista no calendário oficial de Rondônia

Proposta foi apresentada pelo deputado Léo Moraes (Podemos) e contou com a presença de vários representantes da Advocacia Trabalhista.

Em sessão realizada nesta quarta-feira (20), o deputado Léo Moraes (Podemos) apresentou requerimento tornando o dia 20 de junho como Dia da Advocacia Trabalhista no calendário oficial de comemorações de Rondônia. A proposição foi aprovada por ampla maioria dos parlamentares.

Léo Moraes comemorou e agradeceu o apoio dos colegas em discurso rápido na tribuna da ALE. “Agradeço a sensibilidade dos deputados ao votarem este projeto importante, que institui essa data tão marcante para os advogados trabalhistas. São pessoas que defendem o sacerdócio de atuar pelos direitos trabalhistas da população. Com isso, estamos incluindo o Legislativo nessa causa tão pertinente e tornando esse dia muito mais especial para a classe dos advogados”, destacou ele.

Estiveram presentes na sessão, a presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB/RO, Aline Corrêa, o representante da Associação Rondoniense dos Advogados Trabalhistas, Vítor Noé, o advogado trabalhista, conselheiro federal e ouvidor nacional da OAB, Elton Assis e o advogado Felippe Pestana.

Lindomar Garçon e Daniel Pereira lançam “Título Já” para os bairros Mariana e São Francisco

Os moradores do bairro Mariana e São Francisco compareceram em massa na solenidade de lançamento do “Programa Título Já”, realizada pelo Governo do Estado em parceria com o município de Porto Velho e o Ministério das Cidades.

O evento marcou o inicio da regularização fundiária dos referidos bairros e contou com a presença do Secretário Nacional do Desenvolvimento Urbano do Ministério das Cidades, Gilmar Souza Santos.

O Superintendente Estadual de Patrimônio e Regularização Fundiária, Wilson Dias, ficou satisfeito com o comparecimento dos moradores que há muito tempo esperam por esse benefício. Dias fez questão de ressaltar o apoio do Governador Daniel Pereira nesse Programa importantíssimo na vida das pessoas e lembrou que o Deputado Federal Lindomar Garçon (PRB-RO) trabalhou muito para assegurar recurso, na ordem de R$ 4 milhões, para o “Programa Título Já” desenvolver suas ações no Estado de Rondônia.

As autoridades presentes fizeram questão de agradecer aos líderes dos bairros, Cleonice, Ieda, Dejair, Lucas, Sorriso, entre outros, que fizeram o convite e a mobilização da população para que o evento acontecesse.

“Vamos iniciar os trabalhos de coleta de informação para conhecer a realidade de cada morador, em seguida colocaremos os serviços topográficos em campo, pois a área onde residem os moradores estava com pendências jurídicas, agora está apta para ser regularizada”, afirmou o Superintendente.

Lindomar Garçon agradeceu o empenho dos representantes dos moradores e de toda equipe técnica do Governo Estadual e se colocou, mais uma vez, à disposição do “Programa título Já”.

 

 

* Divulgação de Atividade parlamentar.

Deputado Edson Martins confirma nota de empenho para implantação de brinquedoteca em hospital de Cerejeiras

Parlamentar disponibilizou emenda de R$ 65 mil para o Hospital Municipal São Lucas que também receberá sala de informática

O deputado Edson Martins (MDB), 1º vice-presidente esteve no município de Cerejeiras na última sexta-feira (15) juntamente com o vereador José Carlos Valendorff (MDB), onde entregou a cópia da nota de empenho à diretora Marly Alves, para implantação de uma brinquedoteca e infraestrutura de informática no valor de R$ 65 mil para o Hospital Municipal São Lucas.

O recurso foi disponibilizado, através de emenda parlamentar de autoria do deputado em atendimento à solicitação do vereador Valendorff e do secretário de Fazenda de Cerejeiras, Valdir Carlos.

Edson Martins ressaltou que a criança hospitalizada tem um sofrimento físico e emocional, e com um espaço adequado como a brinquedoteca, a dor e o sofrimento podem ser aliviados, através da atenção, carinho, diversão, distração, elevação da autoestima e esperança de voltar a sua vida normal.

“Quero parabenizar a diretora Marly Alves pela boa administração do Hospital São Lucas e o vereador José Carlos Valendorff que tem solicitado recursos para atender a população de Cerejeiras”, destacou Edson Martins.

 

 

* Divulgação de Atividade parlamentar.

Justiça proíbe matar cachorros para consumo da carne na Coreia do Sul

Quase um milhão de cães são consumidos por ano no país

Matar cachorros para obter sua carne é ilegal, decidiu um tribunal na Coreia do Sul, onde os defensores dos animais acreditam que a decisão pode significar um primeiro passo para a proibição do consumo.

A carne canina é parte da tradição culinária da Coreia do Sul, onde quase um milhão de cães são consumidos por ano, de acordo com estimativas.

A tradição, no entanto, está em queda. Um número cada vez maior de sul-coreanos considera o cachorro um amigo do homem e não um animal de fazenda destinado à mesa.

A prática é um tabu para os mais jovens, mas o tema ocupa uma zona cinzenta a nível jurídico ante a ausência de uma proibição específica.

Antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, em fevereiro, as autoridades alegaram regras sanitárias e leis de proteção aos animais que proíbem métodos cruéis para sacrificar animais em granjas e restaurantes.

A associação de defesa dos animais, Care, denunciou uma unidade da cidade Bucheon acusada de violar a regulamentação sanitária, as normas de construção e matar animais sem motivo.

O tribunal declarou a culpa da granja e o pagamento de multa de três milhões de wons (2.650 dólares).

Kim Kyung-eun, advogado da Care, celebrou a decisão de abril que foi divulgada esta semana.

“É muito importante porque é a primeira decisão da justiça que estipula que matar cães por sua carne é ilegal por si só”.

“A decisão abre o caminho para que o consumo de carne canina seja declarado completamente ilegal”, completou.

A diretora da Care, Park So-youn, disse que pretende fazer um censo para apresentar ações similares no país.

Um deputado apresentou esta semana um projeto de lei na Assembleia Nacional que proíbe de fato o consumo da carne de cachorro.

Alguns sul-coreanos, no entanto, criticam a iniciativa e citam o peso cultural. A carne canina é considerada energética pelos defensores do consumo.

Uma pesquisa de 2017 mostrou que 70% dos sul-coreanos não comem carne de cachorro, mas apenas 40% são favoráveis à proibição do consumo.

Os números refletem as divisões em outras sociedades asiáticas. Na China começa nesta quinta-feira o festival anual de carne canina de Yulin, alvo de críticas ocidentais.

Taiwan proibiu no ano passado o consumo de carne de cão.

A decisão de Bucheon irritou os criadores.

“É um escândalo. Não podemos aceitar uma decisão que afirma que matar cães por sua carne é igual a matar animais por capricho”, declarou Cho Hwan-ro, representante de uma associação de criadores que deseja a legalização do consumo e a autorização de matadouros específicos.

Fonte: em.com

Ex-diretores da Petrobrás e ex-presidente Dilma viram réus na CVM

Ela e 11 ex-conselheiros e ex-diretores da Petrobrás são acusados de não cumprir seus deveres na administração da companhia

A ex-presidente Dilma Rousseff se tornou ré em processo sancionador – sujeito à punição – da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ela e 11 ex-conselheiros e ex-diretores da Petrobrás são acusados de não cumprir seus deveres na administração da companhia. Segundo dados do site da CVM, o processo foi instaurado a partir das investigações sobre a compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, em 2006. A operação foi um dos pontos de partida da Lava Jato. O inquérito foi instaurado em 2014 após as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal apontarem indícios de fraude na compra.

Na época, Dilma era ministra de Minas e Energia e presidente do conselho da Petrobrás. Ela foi excluída, porém, da acusação relacionada ao episódio de Pasadena apresentada pelo juiz Sérgio Moro em março. Dilma e os outros acusados – entre eles Paulo Roberto Costa, Renato Duque e Nestor Cerveró – devem apresentar defesas à CVM. O processo será julgado pelo colegiado da autarquia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Fonte: correiobraziliense

Rasantes de helicóptero e sete mortos em dia de pânico na Maré, no RJ

Em ação que revoltou moradores, jovem de 14 anos a caminho da escola morreu após levar tiro na barriga. Segundo locais, Polícia Civil usou aeronave blindada para atirar. Corporação não comenta

O Rio de Janeiro, sob intervenção federal desde fevereiro, contabilizou ao longo desta quarta-feira ao menos oito pessoas mortas durante duas operações policiais, ambas deflagradas de manhã no morro Pavão-Pavãozinho e no complexo de favelas da Maré. A ação mais sangrenta ocorreu na Maré, nas comunidades Vila do Pinheiro e Vila do João, onde um total de sete pessoas morreram. O adolescente Marcos Vinicius da Silva, de 14 anos, estava a caminho da escola quando levou um tiro na barriga. Ele não resistiu aos ferimentos e faleceu nesta noite no hospital. Os outros seis mortos ainda não foram identificados, mas a Polícia Civil garante que se tratavam de pessoas suspeitas. Em vídeos compartilhados nas redes sociais, é possível ver helicópteros da Polícia Civil fazendo voos rasantes sobre o território, causando pânico entre moradores. Também é possível escutar tiros sendo disparados, mas nos vídeos não fica claro quem são os autores. Moradores e organizações que atuam na área asseguram, contudo, que policiais estavam atirando do helicóptero contra alvos no solo.

A operação na Maré, na Zona Norte da cidade, começou por volta de 9h da manhã e contou com cerca de uma centena policiais civis, militares do Exército — que entraram na favela com blindados — e agentes da Força Nacional. A operação era dirigida contra o tráfico de drogas da região e, segundo a Polícia Civil, tinha como objetivo cumprir 23 mandados de prisão, além de checar informações obtidas por meio do setor de inteligência. O objetivo principal era encontrar os suspeitos de terem assassinado em Acari, também na Zona Norte, o inspetor Ellery de Ramos Lemos, chefe de investigações da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) — ele morreu com um tiro na cabeça no dia 12 de junho durante uma operação no local. Investigações apontavam para suspeitos escondidos na Maré. Ainda segundo a corporação, agentes foram recebidos a tiros durante o cumprimento de mandados em duas residências. Seis rapazes, ainda não identificados, já chegaram ao hospital sem vida. Não ficou claro em que circunstâncias foram baleados.

Anúncio de caçada

Questionada pelo EL PAÍS, a Polícia Civil tampouco deixou claro se entre os mortos estava o suspeito de ter matado o inspetor Ellery de Ramos Lemos. O delegado da Polícia Civil Marcus Amim, que também é comentaria do programa SBT Rio, declarou, após a morte de Lemos, que sua corporação iria “caçar” os responsáveis. “Todos os envolvidos de Acari hoje são inimigos da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Nós vamos caçar vocês onde quer que estejam. Não adianta colocar no Facebook que criança foi baleada… Mentira. Não adianta, você não vão conseguir tirar a gente aí de dentro. Nós vamos a qualquer horário, não tem horário pra gente”, disse ele, durante o programa. E prometeu: “Nada vai impedir o nosso encontro. E se vocês resistirem a nossa ação, nós vamos manchar o ambiente com o sangue sujo de vocês. Não ousem nos enfrentar, porque nós vamos as ultimas consequências”.

Além dos seis rapazes mortos, outra vítima da operação foi Marcos Vinicius da Silva, um adolescente de 14 anos. Ele levou um tiro na barriga quando estava a caminho da escola, segundo confirmou ao EL PAÍS a ONG Redes da Maré. Os pais do jovem contaram que ele havia acordado atrasado, por volta das 8h, e que por isso ainda estava à caminho da escola — o Ciep Operário Vicente Mariano — quando o tiroteio começou. Ele foi levado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e, em seguida, para o Hospital Getúlio Vargas, onde passou por uma cirurgia para retirar o baço. Ficou internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), com a previsão de passar por outra operação na sexta-feira. Mas não resistiu aos ferimentos e morreu na noite desta quarta.

Marcos Vinicius da Silva. REPRODUÇÃO

Moradores desde cedo relatavam nas redes sociais o pânico gerado pela operação na Maré. Há vídeos que mostram helicópteros fazendo voos rasantes na favela, o que por si só representa um perigo, já que existe um risco considerável de ser atingido por tiros e cair em cima de casas e pessoas, segundo especialistas. Além disso, moradores denunciavam que policiais efetuavam tiros estando dentro da aeronave. “Muito tiro na Vila do Pinheiro, Vila do João, Conjunto Esperança… tá lombradão!! Caveirão terrestre e aéreo largando o aço. Atividade geral. Como estamos pessoal? Cuidado especial pra quem mora em casa de telha. Muitos tiros de cima”, dizia a página no Facebook Maré Vive, um canal de mídia comunitário.

Bruna, mãe do adolescente Marcos Vinicius da Silva, segura camisa da escola que o estudante usava. FERNANDO FRAZÃO AGÊNCIA BRASIL

“É inaceitável e repugnante ver um helicóptero atirando em uma comunidade cheia de pessoas inocentes que não tem nada a ver com a violência que ocorre diariamente nas comunidades do Rio”, disse o diretor da organização Luta Pela Paz, Luke Downdney Downdney, também nas redes sociais. Por sua vez, o Observatório da Intervenção Federal, vinculado ao Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, da Universidade Cândido Mendes, publicou a seguinte mensagem em seu perfil no Facebook: “Até em guerras a ONU condena as forças que colocam em risco a vida de civis. Como os generais da intervenção autorizam o caveirão voador atirando sobre a Maré?”. A Defensoria Púbica do Estado do Rio de Janeiro pediu à Justiça, em caráter liminar, que disparos a partir de helicópteros da polícia sejam proibidos, segundo noticiou a Agência Brasil. A Polícia Civil nem confirma e nem desmente a denúncia de que tiros foram disparados por agentes de um helicóptero. Questionada pelo EL PAÍS em duas ocasiões, a corporação ignorou a pergunta.

Em outro vídeo, crianças se agacham no corredor de uma escola municipal da Maré para se proteger dos tiros. Fátima Barros, coordenadora da 4ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), disse que as aulas não foram suspensas com o tiroteio, mas que o secretário municipal de Educação, Cesar Benjamin, solicitou que a operação fosse cancelada devido ao horário em que estava sendo realizada. “Tínhamos alunos, professores e funcionários dentro das escolas. Houve pânico pela forma que a operação foi feita”, disse ela.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO EL PAIS

Ladrão tem membros dilacerados por rottweilers após invadir galpão em BH

O bandido não se intimidou com as placas que avisavam: “Atenção! Área protegida por cães treinados para atacar”

Um assaltante teve membros dilacerados por cães da raça rottweiler após invadir um galpão em Belo Horizonte na noite desta quarta-feira (20/6).

O homem, de 38 anos, teve o braço e pé esquerdos lacerados e foi levado até o HPS (Hospital de Pronto-Socorro) João XXIII. O bandido não se intimidou com as placas que avisavam: “Atenção! Área protegida por cães treinados para atacar”.

Ele foi atacado logo após a invasão e seus gritos de dor fizeram com que vizinhos acionassem a Polícia Militar. Os agentes conseguiram entrar em contato com o treinador dos cachorros, que retirou os animais de lá para que a vítima fosse socorrida. As informações são do R7.