Justiça cassa direitos políticos de Garotinho por 8 anos

Na ação, Garotinho é acusado pelo MPRJ de participar de esquema criminoso que desviou R$ 234,4 milhões da Secretaria estadual de Saúde no período de 2005 a 2006

A 6ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania da Capital, do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), obteve na Justiça, em segunda instância, a condenação do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, por improbidade administrativa. Com a decisão, Garotinho fica com os direitos políticos cassados por 8 anos e ainda terá que pagar multa R$ 2 milhões por danos morais e multa de R$ 500 mil.

Na ação, Garotinho é acusado pelo MPRJ de participar de esquema criminoso que desviou R$ 234,4 milhões da Secretaria estadual de Saúde no período de 2005 a 2006. Na época, o estado era governado pela mulher do político, Rosinha Matheus, e Garotinho era seu secretário de Estado de Governo.

De acordo com a sentença, ficou confirmada a dispensa de licitação, com contratação ilícita da Fundação Pró-Cefet para a gestão do projeto “Saúde em Movimento”, que custou aos cofres públicos, o valor de R$ 234 milhões. Ainda de acordo com a Justiça, o contrato só foi possível porque, enquanto secretário de Governo, Garotinho intercedeu para que fosse rompido o contrato com a Fundação Escola de Serviço Público (Fesp), que administrava o projeto, abrindo caminho para o acordo fraudulento com a Pró-Cefet.

Segundo ainda a Justiça, o ex-governador incorreu nas condutas do artigo 10, parágrafos I, VIII e XII, que consistem em facilitar por qualquer forma para a incorporação ao patrimônio particular, de pessoa física ou jurídica, de verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial da administração direta, indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes, dispensa indevida de licitação e facilitar que terceiro se enriqueça indevidamente.

Defesa

Em sua defesa, o ex-governador Anthony Garotinho disse, em nota, que “essa ação por improbidade foi iniciada há quase 10 anos, e que diz respeito ao ano de 2006, quando disputaria a eleição para presidente do Brasil”. Garotinho fala que, “de qualquer forma é preciso deixar claro que essa condenação injusta não implica de forma alguma em minha inelegibilidade”.

Garotinho disse ainda, na nota, que “para começar, essa ação foi julgada neste momento eleitoral sem que eu sequer tivesse defensor constituído no processo, o que demonstra uma pressa sem justificativa e o claro cerceamento de defesa”.

O ex-governador alega que não cometeu “ato algum de improbidade, e essa condenação ocorre sem qualquer prova, pois até as ´perícias requeridas por minha defesa à época foram negadas”.

O ex-governador cita na sua defesa que “a Lei da Ficha Limpa é claríssima ao prever que somente ficam inelegíveis os candidatos que tenham sido condenados por órgão colegiado em razão de enriquecimento ilícito, o que não é e nunca foi o meu caso. Até mesmo a sentença reconhece que não me enriqueci de forma alguma”.

Garotinho cita que “em todas as demais hipóteses, a condenação por improbidade só pode gerar efeitos após esgotados todos os recursos, e tenham certeza que irei recorrer até a última instância para provar que se trata de mais uma injustiça”.

Fonte: agenciabrasil

Youtuber faz vídeo narrando como estuprou ex e gera revolta; veja vídeo

Ele tem quase 10 milhões de inscritos em seu canal; no vídeo, ele e os amigos caem no riso sobre a situação

O youtuber mineiro Everson Zoio, que tem quase 10 milhões de inscritos em seu canal, foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais nesta sexta-feira (27), depois que um vídeo dele, feito em março de 2017, voltou à tona por meio de uma postagem na rede Reddit.

Everson Henrique de Oliveira, de 26 anos, nascido em Extrema, no Sul de Minas, aparece nas imagens ao lado de amigos, falando sobre a vez em que foi dormir com a ex-namorada, em uma fazenda, e a estuprou enquanto ela estava desacordada.

Segundo ele, os dois dormiam em uma cama de solteiro, e ela disse que não faria sexo com ele naquela noite. Everson conta que esperou a jovem dormir e consumou o ato sem o consentimento da garota.

Ele e os amigos caem no riso com a história, fato que causou ainda mais revolta entre os internautas. Em certo momento do vídeo, Everson chega a dizer que não é estuprador.

Nesta sexta-feira, o nome do youtuber ficou entre os “trending topics” – assuntos mais comentados – no Twitter.

Em seu canal no Youtube, que foi criado em 2013, Everson está prestes a bater os 10 milhões de inscritos. Em seu vídeo mais famoso, que tem mais de 17 milhões de views, Everson aparece fazendo um desafio de colocar a mão dentro de um formigueiro.

O vídeo relatando o estupro já foi deletado, mas antes disso tinha atraído 10 mil curtidas. Um outro usuário do Youtube repostou o vídeo.

Assista:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=J4iZMDIVFAE]

A reportagem tentou entrar em contato com Everson, mas as mensagens não foram respondidas. Em sua última postagem no Twitter, por volta das 13h desta sexta, ele diz estar na Bélgica, onde assiste a um festival de música eletrônica.

Por lei, independentemente da ocasião, sexo sem consentimento é considerado estupro. A Polícia Civil de Minas Gerais informa que não há nenhum registro de denúncia contra o youtuber.

Confira alguns comentários sobre o caso nas redes sociais no O TEMPO.

Zoológico egípcio é acusado de pintar burro para parecer zebra

Um veterinário consultado pelo grupo de notícias local Extranews.tv disse que o focinho de uma zebra é preto e que suas listras são mais consistentes e paralelas do que a dos animal do zoo.

Um zoológico do Egito foi acusado de ter pintado listras pretas em um burro para parecer uma zebra depois que uma foto do animal apareceu na internet.

O estudante Mahmoud Sarhan publicou as imagens em sua conta do Facebook depois de visitar o parque municipal do Jardim Internacional do Cairo.

Além de seu pequeno tamanho e orelhas pontudas, havia também manchas pretas no rosto.

As imagens rapidamente se tornaram virais, com especialistas avaliando a espécie do animal.

Um veterinário consultado pelo grupo de notícias local Extranews.tv disse que o focinho de uma zebra é preto e que suas listras são mais consistentes e paralelas do que as do animal exposto no zoológico.

Sarhan disse ao Extranews que a jaula tinha dois animais e que ambos tinham sido pintados. O zoológico nega ter feito a “maquiagem”.

Zebras têm focinhos pretos e orelhas menores do que burros

Quando foi procurado pela rádio local Nogoum FM, o diretor do zoológico, Mohamed Sultan, insistiu que o animal não era falso.

Esta não é a primeira vez que um zoológico é acusado de tentar enganar seu público.

Incapaz de encontrar uma maneira de contornar o bloqueio israelense, um zoológico em Gaza pintou dois burros para parecerem zebras em 2009.

Outro zoológico de Gaza colocou animais de pelúcia em exibição em 2012 por causa da escassez de espécimes.

Em 2013, um zoológico chinês na província de Henan tentou fazer um cão mastim tibetano se passar por um leão africano, e em 2017 um zoológico na província de Guangxi decepcionou os visitantes exibindo pinguins de plástico infláveis.

Semanas depois, outro zoológico de Guangxi foi condenado por exibir borboletas de plástico.

Fonte: bbc

Médica diz para paciente comer secreção em resposta a queixas de complicações com procedimento estético

Paciente mandou mensagens para a Drª Geysa Leal após realizar lipoaspiração. Médica também é investigada por ter feito lipoescultura em outra mulher que morreu 6 dias depois da cirurgia.

Uma paciente da médica Geysa Leal Correa relatou sofrer complicações após realizar um procedimento de lipoaspiração. Ela teve o intestino perfurado e está internada no Hospital Cardoso Fontes, na Zona Oeste do Rio, há mais de uma semana com o intestino perfurado.

A médica é investigada pela morte de outra mulher após cirurgia realizada no dia 16 de julho.

Em conversas com Geysa por mensagens de celular, a paciente reclamou que, mesmo tomando os medicamentos indicados, continuava com muita secreção.

“Falei para ela que estava saindo uma secreção. Eu estava muito inchada, ela me receitou vários antibióticos, vários remédios. Voltei para casa com o alívio de algumas horas, mas logo depois começou a doer de novo, começou a inchar de novo”, disse.

Paciente enviou mensagem relatando complicação após procedimento estético (Foto: Reprodução)

Em outra mensagem, a mulher contou que o caso é sério e que os alimentos que ela ingeriu estavam saindo pela cicatriz. “Eu comi uma sopa no dia anterior que cotinha tomate e agrião. Estava saindo muita secreção e nessa secreção saiu agrião e tomate. Mandei as fotos para ela.”

Em seguida, a médica respondeu com uma mensagem de áudio. Rindo, ela diz para a paciente “provar” a secreção.

“Amore, eu acho que você devia comer pra ver se é verdade, pra ver se é tomate, se é cenoura, porque isso aí pra mim, é gordura. Me desculpe, mas não fale besteira que quanto mais besteira você pensar, pior você vai ficar estressada. E me estressar à toa”, disse Geysa no áudio.

Médica manda paciente comer secreção (Foto: Reprodução/TV Globo)

“Como assim comida? Desculpa, está doida? Eu quero que você venha aqui primeiro. Eu preciso ver isso. Comida? Impossível sair comida. Se eu tivesse perfurado alguma coisa, você já tinha morrido. Então, deixa eu ver primeiro antes de você ficar falando besteira. É agrião, daqui a pouco é uma salada de fruta, uma sopa. Se você quiser, você come para provar, pra ver se é uma coisa ou outra. Eu estou brincando, desculpa. Isso é uma falta de respeito com você. Desculpa”, disse a médica rindo em uma mensagem de áudio.

O Hospital Federal Cardoso Fontes disse que não informa o estado de saúde de paciente.

Depoimento pela morte de outra paciente

Nesta quinta-feira (26), a polícia interditou a clínica da médica em Niterói, Região Metropolitana do Rio. Geysa prestou depoimento na 77ª DP durante a tarde. A chegada dela à delegacia foi tumultuada. Mulheres que disseram ser pacientes e amigas fizeram um cerco na entrada da DP.

A médica está sendo investigada pelo procedimento estético que fez em Adriana Ferreira Pinto, de 41 anos. A mulher fez uma lipoescultura no consultório de Geysa, no dia 16 de julho, e morreu seis dias depois.

Segundo a polícia, a médica adiantou no depoimento desta quinta que no local não há Centro de Tratamento Intensivo (CTI) e nem ambulância.

Adriana Ferreira Capitão Pinto era moradora de Paracambi, no Sul do Rio (Foto: Foto/Divulgação)

Após o depoimento, o advogado da médica Geysa Leal falou sobre as atividades que ela está autorizada a exercer.

“Ela pode exercer e praticar qualquer ato médico. É uma lei federal que delimita que qualquer médico está autorizado e pode fazer qualquer ato médico”, disse Lymark Kamaroff.

No entanto, Geysa Leal não é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, mas ela tem a capacidade de praticar qualquer ato médico inclusive inerentes à cirurgia plástica.

O Conselho Federal de Medicina considera cirurgião plástico quem fez residência na área ou tenha feito prova de títulos da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Geysa é registrada apenas na Sociedade de Medicina e Cirurgia Plática e Estética, que não é reconhecida pela Associação Médica Brasileira.

Investigação Paty Bumbum

Hoje, em outro caso, mais duas mulheres que tiveram problemas depois de procedimentos estéticos prestaram depoimento à polícia. Elas são clientes de Patrícia Sílvia Santos, conhecida como Paty Bumbum, que já foi indiciada por exercício ilegal da medicina.

Paty Bumbum é acusada de aplicar silicone industrial e outras substâncias químicas não permitidas nas clientes. As duas vítimas vão passar por exames para saber que tipo de produto foi usado nas intervenções.

Bebê nasce após mãe ter barriga cortada em grave acidente em SP

Menina está internada no Hospital Regional de Pariquera-Açu. Corpo da mãe ainda não foi identificado.

Uma menina nasceu durante um trágico acidente de trânsito na Rodovia Régis Bittencourt, no interior de São Paulo. Uma jovem, que estava grávida, foi arremessada para fora de um caminhão e morreu após ter o abdômen rompido, o que obrigou a bebê a nascer involuntariamente. Segundo médicos ouvidos pelo G1, o corpo da mãe acolheu a bebê nos primeiros minutos de vida, o que foi fundamental para que a menina conseguisse sobreviver.

O acidente ocorreu por volta das 12h30. O médico Elton Barbosa foi chamado para socorrer duas vítimas de um acidente no m 517, na Serra do Azeite. Ele faz parte da equipe de atendimento pré-hospitalar da Rodovia Regis Bittencourt, que imediatamente foi para o local da ocorrência identificar o que realmente havia acontecido.

De acordo com a concessionária responsável pela rodovia, uma carreta que transportava tábuas de madeira saiu da pista e tombou. O motorista ficou preso nas ferragens do veículo e a passageira, uma gestante de cerca de 39 semanas, foi arremessada para fora do caminhão. A carga de madeira caiu na rodovia e atingiu a mulher.

“O motorista já estava sendo retirado das ferragens do caminhão por outra equipe. A mulher estava embaixo de pranchas de madeira. Eu estava tentando chegar até a vítima para atestar o óbito quando ouvi um choro abafado de uma criança. Tiramos as pranchas de madeira e vimos a gestante. A criança estava entrelaçada nas vísceras da mãe”, conta o médico.

De acordo com Fernando, com o capotamento, a jovem caiu na rodovia e várias tábuas de madeira caíram em cima dela. A hipótese, segundo o médico, é que as pranchas tenham rompido o abdômen da mãe. “O feto foi expulso pelo trauma. Quando eu cheguei, o bebê estava entrelaçado nos restos mortais. Eu retirei aquela criança, fiz os procedimentos cabíveis e levei para a ambulância”, conta Barbosa.

Raquel Dodge diz que MPF pedirá que candidato inelegível devolva verba pública de campanha

Dodge disse que medida valerá para candidatos que decidirem concorrer por sua conta e risco nas eleições, os chamados ‘sub judice’, e depois não conseguirem manter os registros de candidatura.

Toffoli rejeita pedidos de liberdade para Eduardo Cunha

O ministro também decidiu enviar o caso para o relator, Edson Fachin

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, deixou de julgar hoje (27) dois pedidos de habeas corpus protocolados pela defesa do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha.

Nas duas decisões, Toffoli entendeu que não há urgência nos pedidos para justificar uma decisão durante o recesso de julho da Corte. O ministro também decidiu enviar o caso para o relator, Edson Fachin.

Ex-deputado pelo MDB do Rio de Janeiro, Eduardo Cunha está preso desde outubro de 2016 pelas investigações das operações Sépsis e Lava Jato, da Polícia Federal (PF).  No pedido de liberdade, os advogados alegam que Cunha sofre “constrangimento ilegal” ao ser mantido preso por tanto tempo.

Segundo a defesa do ex-deputado, não há motivos para manutenção da prisão tanto no processo no qual Cunha teve a prisão decretada em função da delação do empresário Joesley Batista quanto na ação penal na qual foi condenado a 24 anos de prisão, em processo envolvendo o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS).

No mês passado, Cunha foi sentenciado pela Justiça Federal em Brasília no processo que apurou pagamento de propina de empresas interessadas na liberação de verbas do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS).

Fonte: agenciabrasil

Pais denunciam que foto de filho morto é usada por desconhecidos para pedir dinheiro em semáforo, em GO

Menino tinha hidrocefalia e faleceu quando tinha 9 meses. Casal diz que imagem foi retirada de uma campanha que eles fizeram na internet.

A representante comercial Jennifer Marques Freitas Goulart disse que o filho, Bryan Felipe, nasceu com hidrocefalia. Ele foi o segundo filho que a mulher perdeu por problemas de saúde. Para tentar engravidar e evitar que o novo filho também tenha problemas, é necessário uma fertilização artificial e ela fez uma campanha na internet para arrecadar dinheiro. Jennifer acredita que foi por meio dessa campanha na internet que o casal conseguiu a foto de Bryan.

No sábado (21), o padrinho da criança estava passando pelo Jardim Nova Esperança de carro quando viu um casal com a foto da criança na mão e pedindo dinheiro. “Era um cartaz enorme pedindo ajuda como se ele estivesse vivo como se fosse parente. Falava que já tinham arrecadado uma quantia em dinheiro, só que ainda não era o suficiente”, disse.

Quando o padrinho foi questionar o caso, o casal fugiu. A mãe do menino não conhece as pessoas que usaram a imagem. “Na hora foi um susto. Ele foi perguntar o que estava acontecendo, mas o sinal abriu e ele teve que seguir. Nós voltamos depois ao local e eles não estavam mais”, disse.

Indignados, os pais procuraram a polícia. “O casal registrou a ocorrência e agora estamos investigando. Já sabemos quem é a mulher que estava no semáforo e ela já foi intimada para comparecer à delegacia e dar suas explicações”, disse o delegado Jacó Machado das Chagas.

O delegado explicou ainda que a contravenção penal pela qual o casal que usou a foto da criança poderia ser autuado é mendicância, mas o artigo foi retirado em 2009. Porém, os motoristas que deram dinheiro e se sentiram enganados podem procurar a polícia e, nesse caso, eles responderiam por estelionato.

Diante dessa situação, o que fica é a revolta dos pais. “É uma sensação muito ruim, ficamos muito triste porque ainda sofremos com a perda dele. Quando a gente descobriu que tinha alguém usando a imagem dele para pedir dinheiro para beneficiar ela mesma, ficamos muito nervosos”, disse o pai do Bryan, Fernando Gonçalves.

Ela é muito desumana, não tem coração nenhuma. Ela não está preocupada com a dor dos pais, completou.
Fonte: g1

Policial militar do PR é preso suspeito de estuprar mulheres que conhecia em aplicativos

Pelo menos três mulheres vítimas foram identificadas pela Delegacia da Mulher.

Um policial militar de 30 anos, pertencente ao 20° Batalhão da Polícia Militar de Curitiba, está preso suspeito de estuprar mulheres que conheceu em aplicativos de relacionamento. A prisão temporária foi decretada na última sexta-feira (20), depois que pelo menos três vítimas foram identificadas pela Delegacia da Mulher.

O policial marcava encontros em aplicativos, saía com as vítimas, praticava os estupros e apagava as mensagens do celular, para não deixar provas. Uma das vítimas é uma mulher de 27 anos, que foi abusada na noite de nove de maio. Segundo o Boletim de Ocorrência, o policial praticava o abuso e pedia para ela dizer, a todo o momento, que ‘estava sendo estuprada’. Para amedrontar ainda mais a vítima, a ameaçava de morte, bem como seus familiares.

Apesar de apagar as mensagens no celular, o policial deixou registro das ligações, o que ajudou a polícia nas investigações do caso. Todo o crime era cometido com uma arma apontada para a cabeça das vítimas.

Por meio de nota, a PM informou que “continua contribuindo com a justiça no esclarecimento dos fatos, prezando pela ampla defesa e o contraditório”. O policial está preso em um quartel da corporação em Curitiba.

Fonte: bandab

Condomínios deverão se adaptar a regras de acessibilidade para pessoas com deficiência

Decreto 9.451/18 foi publicado no DOU desta sexta-feira, 27.

Foi publicado no DOU desta sexta-feira, 27, o decreto 9.451/18. A norma determina que novos empreendimentos habitacionais incorporem recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência de acordo com previsões estabelecidas pela norma NBR 9.050 da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.

O texto ainda obriga condomínios residenciais a se adaptarem às regras de acessibilidade em até 18 meses.

De acordo com o decreto, as construtoras e incorporadoras ficam proibidas de cobrarem valores adicionais pelos serviços de adaptação de moradias. O texto estabelece também que os compradores podem solicitar, até o início da obra e por escrito, a adaptação de sua unidade autônoma pela construtora, informando-a sobre os itens de sua escolha no imóvel adquirido.

A norma trata também da reserva de vagas sob a administração do condomínio para pessoas com deficiência, e define que o morador que requerer a vaga acessível poderá obtê-la em substituição da vaga vinculada à sua unidade condominial.

O decreto foi assinado nesta quinta-feira, 26, pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, no exercício da presidência da República, e entra em vigor 18 meses após sua publicação.

Confira a íntegra do decreto 9.451/18.

Fonte: migalhas