Oito médicos são condenados pela justiça em SP por morte de paciente com apendicite

Sentença - https://sentenca.painelpolitico.com

Rapaz de 23 anos passou pela avaliação dos profissionais durante cinco dias antes de morrer em decorrência de choque séptico

A Justiça condenou uma equipe médica do pronto socorro municipal Dr. Janjão, em Franca, no interior de São Paulo, pela morte de um paciente que sofreu choque séptico por apendicite aguda supurada. Em cinco dias, o paciente passou por oito médicos. Os profissionais terão de prestar serviços à comunidade por dois anos, além de pagar o valor de 15 salários mínimos aos familiares da vítima.

A decisão foi dada por desembargadores da 9.ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Segundo os autos do processo, em 12 de outubro de 2007, um homem de 23 anos buscou atendimento do Pronto Socorro municipal Dr. Janjão comunicando ‘dor abdominal, calafrio, náusea, vômito e febre’.

O primeiro médico que atendeu o jovem solicitou um exame de sangue e receitou remédios para enjoo e dor, suspeitando de virose.

O homem foi liberado, mas deveria retornar ao hospital no início da noite para buscar o resultado dos exames.

Quando voltou ao pronto socorro, a vítima foi atendida por um segundo médico, que prescreveu remédios para dor e o liberou. Os exames apontavam infecção e inflamação.

No dia seguinte, o homem foi ao hospital novamente, se queixando de ‘dores abdominais e dor ao urinar’. O terceiro médico solicitou um exame de urina, prescreveu remédios para dor e liberou o paciente.

Quando voltou ao hospital para pegar o resultado, na noite do mesmo dia, o homem foi atendido por outro médico, que, ao observar que o exame de urina indicava infecção, solicitou um novo hemograma.

Uma suspeita de apendicite foi detectada horas depois. Na ocasião, outro médico solicitou um novo hemograma e prescreveu mais medicamentos ao paciente. O suposto quadro não foi informado ao paciente e a seus familiares, segundo os autos.

No sexto atendimento, o jovem chegou ao hospital ‘com dificuldade para andar, febre e dores no baixo ventre’. Foi liberado com prescrições de remédios para dor e antitérmicos – a médica inferiu que ele tivesse uma infecção de urina.

No dia seguinte o homem foi mais uma vez ao hospital, fez exames solicitados pelo sétimo médico e foi liberado.

Os exames, analisados por um oitavo médico, apresentaram elevação da ‘bilirrubina, sugestiva perfuração do apêndice, inflamação e infecção’.

Diante do quadro, o profissional questionou o diagnóstico de cálculo renal e infecção urinária e prescreveu soro fisiológico e outros remédios para as dores e vômitos que o paciente apresentava.

A família do homem resolveu pedir, então, que um outro médico o atendesse em casa, e o profissional constatou a gravidade do quadro.

O paciente foi encaminhado ao pronto socorro Dr. Janjão, com pressão baixa, febre e ‘abdômen tenso difusamente doloroso’.

O médico pediu uma radiografia e prescreveu outros medicamentos, indicam os autos, ‘mesmo com dados indicativos de apendicite supurada’.

Com taquicardia, o homem deu entrada mais tarde no hospital. O médico considerou que se tratava de uma reação a um dos remédios, mas após o agravamento do estado clínico, encaminhou o jovem à cardiologia da Santa Casa.

O paciente foi então diagnosticado com choque séptico de origem abdominal. O cirurgião de plantão foi acionado e o homem operado, mas acabou sofrendo uma parada cardiorrespiratória e faleceu. Segundo o cirurgião, o paciente deveria ter sido operado no primeiro dia que foi até o hospital.

As defesas

O voto do relator do processo apresenta as alegações dos médicos que atenderam o jovem.

Eles argumentaram que os exames ‘não apresentavam alterações significativas, que não tiveram acesso a atendimentos anteriores, que o homem estava assintomático no momento de alguns exames, que o jovem não relatou os outros atendimentos no PS, e que o uso de antibióticos mascara o quadro infeccioso’.

Alguns profissionais destacaram que foram punidos pelo Conselho Regional de Medicina.

Segundo o processo, a Câmara do CRM do Estado de São Paulo avaliou as condutas dos médicos no caso, ‘punindo os mesmos por diferentes atos, censura confidencial em aviso reservado, censura pública em publicação oficial e prontuário incompleto e pouco legível’.

Um médico foi afastado do exercício da profissão por um mês.

A decisão

Os desembargadores da 9.ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo que participaram do julgamento do caso votaram de maneira unânime para aumentar as penas de prisão determinadas aos médicos por inobservância de regra técnica de profissão, mas substituir a pena corporal dos os acusados por duas restritivas de direitos.

Alguns médicos apresentaram alegações ao juízo indicando insuficiência de provas, prescrição da pretensão punitiva e inépcia da denúncia, solicitando redução da pena e absolvição.

Segundo o relator do processo, desembargador Sérgio Coelho, houve negligência dos médicos por causa do atendimento precário à vítima, o que levou à sua morte.

O desembargador destaca que a principal forma de se detectar a inflamação causada pela apendicite aguda é via exame clínico, o que não foi realizado.

“Os médicos tinham o dever legal de realizar, no mínimo, um detalhado exame físico no ofendido a partir do primeiro momento em que ele foi atendido no pronto atendimento […]. Ao invés disso, se limitaram a prescrever remédios paliativos, inclusive antibióticos, que, inclusive, podem ter servido para mascarar os sintomas da vítima”, afirmou o magistrado.

De Fausto Macedo – O Estadão

27 presos são achados mortos dentro de cadeia em Manaus e governo federal anuncia intervenção

Revista :: Tudo sobre tudo - https://revista.painelpolitico.com

Neste domingo, 15 morreram em outro presídio da capital.

Vinte e sete presos foram mortos nesta segunda-feira (27), dentro do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), em Manaus. A cadeia fica na mesma estrada do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde 15 presos morreram neste domingo. O governo ainda não se pronunciou sobre o caso. São, até o momento, 42 mortos em dois dias.

Em nota encaminhada no início da tarde, o governo afirmou, apenas, que foram registradas mortes em três presídios diferentes no estado. São eles: Ipat, Centro de Detenção Provisório de Manaus (CDPM) e Unidade Prisional do Puraquequara.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) afirma que, “neste momento, a situação está controlada e os presos estão na tranca”.

Quinze presos mortos no Compaj

No domingo, uma confusão entre detentos do Compaj envolveu presos dos pavilhões 3 e 5 da unidade prisional, segundo informou o governo.

A Secretaria de Administração Penitenciária comunicou que iniciou as investigações em relação ao ocorrido. A confusão teve início às 11h, no momento em que parentes faziam visitas.

Massacre em 2017

Em janeiro de 2017, Complexo Anísio Jobim (Compaj) registrou rebelião que resultou na morte de 56 pessoas em janeiro de 2017. Na ocasião, a rebelião durou mais de 17 horas e foi considerado pelo secretário como “o maior massacre do sistema prisional” do Estado.

Em dezembro do ano passado um agente penitenciário foi morto dentro do Compaj. À época, 12 detentos foram presos suspeitos da morte.

Força-Tarefa de Intervenção 

O Ministério da Justiça divulgou uma nota nesta segunda-feira (27) na qual informou que enviará ao Amazonas integrantes da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária.

De acordo com o ministério, a força-tarefa atuará no Complexo Anísio Jobim (Compaj), onde 15 presos morreram neste domingo (26) após confronto.

Além disso, nesta segunda, 27 presos foram mortos no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), em Manaus, capital do estado.

Íntegra

Leia a íntegra da nota divulgada pelo Ministério da Justiça:

O Ministério da Justiça e Segurança Pública enviará uma Força-tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) para atuar no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, conforme solicitação do governo do Estado do Amazonas. O Departamento Penitenciário Nacional (Depen) aguarda a formalização do pedido mas já está tomando as providências para o deslocamento da equipe.

A FTIP, foi criada em janeiro de 2017. Na atual gestão, o Depen passou a coordenar, exclusivamente, a força-tarefa em apoio aos governos estaduais em situações extraordinárias de crise no sistema penitenciário para controlar distúrbios e resolver outros problemas.

Formada por agentes federais de execução penal dos 26 estados da federação e do Distrito Federal, a FTIP obedece o planejamento definido pelos entes envolvidos na operação, sempre que houver necessidade de sua atuação.

A Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) é responsável pela segurança da área externa do Complexo Penitenciário Anísio Jobim desde 09 de janeiro de 2017. A FNSP continuará atuando no local.

Com G1

[Coluna] – Economia de Porto Velho precisa reagir e um bom começo seria a demissão de toda diretoria da FIERO

Politico - https://politico.painelpolitico.com

Entidade é nula no sentido de agir para desenvolver projetos de desburocratização, fomento à economia e coordenação de resultados. Sequer conseguiu construir a própria sede

Volta Zezinho, traz o Maria Fumaça

O apelo foi meu, nesta segunda-feira em artigo, apenas para lembrar que o Estado mata a galinha dos ovos de ouro, ao invés de preservá-la.

Tem que reagir

Que a Fiero não serve para nada há bastante tempo já sabemos, mas neste momento de crise ela precisava de uma liderança com um plano, o que parece não existir. A entidade que em tese deveria ajudar a desenvolver projetos para alavancar a economia de Rondônia, não conseguiu sequer construir a sede própria em Porto Velho, o que por si já iria gerar empregos na construção. O Brasil passa por um vácuo de lideranças minimamente inteligentes, faltam pessoas capacitadas em praticamente todos os setores e a economia está ladeira abaixo.

O setor empresarial

Em Rondônia, a FIERO deveria ter apresentado um programa para desburocratizar a máquina pública do Estado, um projeto claro para fomento à indústria e ao comércio, com metas, mesmo que modestas, a serem atingidas em curto e médio prazo. Mas a entidade não consegue, parece que por lá também falta gente engajada em buscar melhorias no setor privado do Estado. Fica todo mundo esperando pelo governo, como se do Palácio viesse uma fórmula milagrosa para tirar a economia da estagnação. Não vai acontecer. E Rondônia só não está pior graças ao agronegócio, que vem conseguindo números positivos na balança. Fora isso…

Uma saída

Porto Velho precisa encontrar uma saída para aquecer a economia, e não ficar dependendo única e exclusivamente do contracheque do funcionalismo público. Para que isso aconteça, é necessário a construção de parcerias tanto no setor privado quanto o público, que precisa ser mais ágil. Junta comercial, prefeitura e Sefin deveriam criar um grupo de trabalho para desburocratizar ao máximo a máquina pública, aliado a um agressivo programa de incentivos para desenvolver pequenas indústrias, tanto do setor agrícola quanto de serviços. Não é possível continuar com essa falta de visão empresarial. Tem gente que defende o governo com argumento pífio de que “cinco meses é pouco”. Não é.

A conta é simples

Quando uma empresa contrata um CEO ela estipula primeiro uma apresentação de um plano claro, com cronograma a ser seguido e com resultados que precisam ser alcançados naquela planilha. E no setor privado também tem sabotagem da concorrência, corpo mole de equipe e tudo quanto é lambança encontrada nos órgãos públicos, mas com uma diferença, se o CEO não apresentar um plano, ele sequer é contratado. E se for, não dura cinco meses. O governo precisa ter planejamento, coordenação e mostrar eficiência, e isso está faltando atualmente em Rondônia. No Estado não falta dinheiro, faltam projetos. O dinheiro está parado, essa é a diferença. E não, não é “um problema nacional”. A economia de Rondônia tem um perfil totalmente diferenciado dos demais estados.

Tem que industrializar

O governo precisa começar a fomentar a industrialização da matéria prima em Rondônia. Madeira, couro, carne, pequena agricultura, abrir linhas de crédito para micro negócios e pequenas indústrias, é isso que vai aquecer a economia de Porto Velho. Do contrário seguiremos tal qual o cachorro, que corre atrás do próprio rabo eternamente. Um bom começo seria trocar toda a atual diretoria da FIERO. Não serve para nada.

Soja em alta

Esta semana a China deve comprar 9 mil toneladas de soja do Brasil. E a soja está em alta, e deve ser o setor que mais vai crescer nos próximos anos. Também esta semana um estudo realizado pela Esalq revelou que a produtividade média brasileira de soja mais que dobrou nos últimos 50 anos. O estudo foi desenvolvido no Programa de Pós-graduação em Fitotecnia, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), sob orientação do professor Klaus Reichardt. De acordo com o pesquisador, entre os resultados obtidos, destaca-se que os cultivares modernos são mais resistentes ao acamamento, o que permitiu maior estabelecimento de plantas por área, maior interceptação de luz durante a granação, e por consequência maior produção de sementes por área, que foi o principal componente relacionado ao aumento da produtividade.

Nesta segunda-feira

Juliana Roque, prefeita cassada de Pimenta Bueno, conseguiu reverter uma das condenações no Tribunal Superior Eleitoral.

Excelente condicionamento físico diminui risco de câncer pulmonar e colorretal

Se você for um médico em busca de evidências eloquentes para convencer os pacientes sedentários – com ou sem câncer – a se manterem longe das telas e iniciarem um programa de exercícios, não precisa mais procurar. Os resultados de um dos estudos de coorte retrospectivo mais diversificado até hoje mostram que o bom condicionamento cardiorrespiratório pode reduzir o risco de câncer de pulmão e de câncer colorretal para algumas pessoas. O grande estudo, com mais de 49.000 pacientes, também avaliou pacientes com câncer. Ao rever os dados dos participantes do Henry Ford Exercise Testing (FIT) Project, no sudeste de Michigan de 1991 a 2009, os pesquisadores também descobriram que os participantes com melhor condicionamento cardiorrespiratório de acordo com o teste ergométrico tiveram uma incidência drasticamente menor de morte por todas as causas após o diagnóstico de câncer colorretal ou pulmonar. O estudo, feito pela Dra. Catherine Handy Marshall, médica da Johns Hopkins School of Medicine, em Baltimore, Maryland, foi publicado on-line em 06 de maio no periódico Cancer.

TSE reforma decisão do TRE/RO e reverte cassação de Juliana Roque, ex-prefeita de Pimenta Bueno

Politico - https://politico.painelpolitico.com

O Ministro Sérgio Banhos, do Tribunal Superior Eleitoral, em decisão monocrática, cassou na tarde desta segunda-feira (27.05.2019), a decisão proferida pelo colegiado do TRE/RO, que havia cassado o diploma de Juliana Roque, então prefeita do município de Pimenta Bueno/RO, e de seu vice, e lhes aplicado a pena de inelegibilidade por oito anos, por entender que a campanha eleitoral da ex-prefeita praticou abuso de poder econômico, eis que contratou seis formiguinhas para trabalhar em prol de sua campanha, porém a despesa foi quitada pela campanha de um candidato a vereador, o que fez com que fosse ultrapassado o limite legal de gasto fixado para a campanha eleitoral de 2016 naquele município.

Na decisão o Ministro acolheu os argumentos da defesa em relação a tese de decadência, em razão da ausência de integração ao polo passivo, até a data da diplomação, como litisconsorte passivo necessário, do candidato a vereador Willian Torchite, que teria recebido indevidamente valores da campanha majoritária e utilizado esses recursos para pagar serviços prestados por formiguinhas, contratados para trabalhar na divulgação da campanha eleitoral dos ora recorrentes.

No entendimento do Ministro, tal falha é insanável, pois a não inclusão do responsável pela prática do ato abusivo acarreta inegável prejuízo à defesa dos representados, na medida em que os obrigará a se defenderem de ato que não praticaram, sem olvidar que diante das especificidades do processo eleitoral, a mera ineficácia da sentença em relação ao litisconsorte não citado pode dar azo a transações espúrias, no sentido de incluir ou excluir réus de demandas, do alcance da Justiça Eleitoral e da imposição de inelegibilidade, ao sabor dos interesses.

Juliana Roque

E ao contrário do entendimento da maioria do TRE/RO, a tese do litisconsórcio passivo necessário se aplica também ao abuso de poder econômico, não havendo nenhuma razão de ordem jurídica para limitar tal exigência somente aos casos de abuso do poder político. O fato de a ementa do precedente citado pelo TRE/RO (REspe 843-56) fazer menção apenas ao abuso do poder político decorre simplesmente do fato de ser esse o tipo de abuso examinado nesse julgado, finalizou o Ministro.

Consultado pela reportagem, o advogado da Prefeita de Pimenta Bueno, Nelson Canedo, afirmou que a decisão proferida pelo TSE foi baseada estritamente na jurisprudência aplicada no pleito eleitoral de 2016, que exigia a formação do litisconsorte passivo necessário até a data da diplomação, seja em relação ao abuso do poder político ou econômico.

A batalha em Pimenta ainda continua. Foram propostos cinco processos de cassação contra a prefeita, e outro para impedir sua diplomação e posse. Após derrubar a liminar que impedia Juliana Roque de ser empossada como prefeita, ela conseguiu absolvição em três processos. Todavia possui condenação em dois, sendo que um está em sede de recurso no TRE da Capital, e o outro aguardando julgamento no TSE, que deverá ocorrer nas próximas semanas.

A ação citada é a de número 419-16.2016.

Detento do semiaberto é preso suspeito de estuprar babá enquanto recitava versículos bíblicos

Revista :: Tudo sobre tudo - https://revista.painelpolitico.com

Vídeo de uma câmera de segurança registrou quando a vítima, que carregava uma Bíblia na mão, é abordada

Um detento do regime semiaberto foi preso suspeito de estuprar uma babá, de 44, anos, em Goiânia. Câmeras de segurança registraram o momento em que Orival Pereira da Silva, de 55 anos, aborda a vítima, que havia acabado de sair da igreja (vídeo). Segundo a Polícia Civil, enquanto cometia o crime, o homem recitava versos bíblicos e ameaçava a vítima de morte.

A polícia cumpriu o mandado de prisão preventiva de Orival na sexta-feira (24), na Colônia Agroindustrial, onde ele já cumpria pena por tentativa de estupro. Ele usava tornozeleira eletrônica. Segundo a polícia, o homem foi ouvido informalmente e preferiu ficar em silêncio. Nenhum advogado se apresentou para defendê-lo sobre esse caso até a manhã desta segunda-feira (27). Ele não foi apresentado à imprensa.

O crime foi cometido na noite do último dia 19, no Setor Centro-Oeste, onde a vítima morava. A babá voltava de um culto religioso, com uma Bíblia na mão, quando foi abordado pelo homem, que estava com uma faca. O vídeo mostra o momento ele que obriga ela a ir até o lote baldio onde ocorre o abuso.

A delegada Paula Meotti, responsável pelo caso, disse que, após o crime, a mulher foi liberada e chegou em casa “em choque”. O filho percebeu, a levou ao hospital e depois ouviu dela o que tinha acontecido. Na delegacia, durante depoimento, ela revelou detalhes do crime.

“Ele dizia versos da Bíblia enquanto cometia o crime. Falava que sabia que estava errado, mas que mesmo assim iria fazer, porque não estava preocupado, que era perigoso, que ia matá-la caso contasse algo e que havia matado uma pessoa minutos atrás”, explicou.

O exame de corpo de delito ao qual a vítima foi submetida após o crime constatou a violência sexual. Após a denúncia, a polícia começou a investigar o caso e descobriu as imagens que mostravam a abordagem. Além da vítima, a filha do suspeito, na casa de quem dormia aos finais de semana pelo benefício do semiaberto, também reconheceu o suspeito.

Além da tentativa de estupro pela qual foi condenado e pelo novo crime sexual, Oriol também tem passagens por furto e roubo. A polícia acredita que, com a divulgação do caso, outras vítimas possam aparecer.

“Nós imaginamos que ele possa ter feito outras vítimas, porque, segundo testemunhas, em um final de semana anterior, ele estaria bastante alterado e tinha ingerido muita bebida alcoólica. O comportamento dele estava bem alterado. A gente imagina que possa ter mais vítimas e pedimos que essas pessoas nos procurem para registrar a ocorrência”, afirma.

Por este caso, ele será indiciado pelo crime de estupro, cuja pena em caso de condenação varia ente 6 e 10 anos.

Do G1/GO

Professor universitário e advogado é encontrado morto em seu escritório, em Porto Velho

Revista :: Tudo sobre tudo - https://revista.painelpolitico.com

A Polícia Militar está no local e acionou a Perícia Técnica e rabecão para os trabalhos de praxe

O advogado e professor de direito, Wanderlan Costa Monteiro, foi encontrado morto na tarde desta segunda-feira (27) em seu escritório de advocacia localizado na Avenida José Vieira Caúla, bairro Embratel,  em Porto Velho (RO). Ainda não se sabe a causa da morte.

A Polícia Militar está no local e acionou a Perícia Técnica e rabecão para os trabalhos de praxe. O corpo foi enviado para o Instituto Médico Legal e deve ser liberado para o velório até o início da noite.

Wanderlan Da Costa Monteiro

Pelos relatos de amigos e colegas de profissão, sabe-se que o profissional não compareceu ao escritório na parte da manhã, o que teria sido interpretado como sinal de que ele possa ter ido direto a alguma audiência, para mais tarde ir ao escritório.

Com o passar das horas e a ausência de Wanderlan, que também não atendia ao telefone, um amigo foi chamado para ir até o apartamento. Chegando ao local, o amigo e o pessoal do escritório perceberam que o chuveiro está aberta, mas ninguém respondia aos chamados.

Na sequência, chamaram a Polícia Militar, que arrombou a porta e constatou que Wanderlan estava caído e sem vida. A partir daí, os amigos e demais pessoas presentes foram afastados e o local foi isolado para o serviço dos peritos criminais.

A morte do advogado causou comoção entre os profissionais do Direito e também na Maçonaria, da qual ele era integrante. A polícia agora trabalha na investigação para identificar os reais motivos da morte do advogado Wanderlan Costa Monteiro.

Gabriel Diniz, do “Cavaleiros do Forró” ao megahit “Jennifer”; Conheça 8 sucessos do cantor que morreu nesta segunda

Revista :: Tudo sobre tudo - https://revista.painelpolitico.com

Antes de lançar hit do verão de 2019, cantor liderou grupos de forró eletrônico e fez parcerias com Safadão e Cristiano Araújo. Relembre carreira do artista, que morreu em queda de avião

Musa do verão brasileiro em 2019, “Jenifer” foi o ponto mais alto de uma carreira que só prosperou para Gabriel Diniz, cantor morto nesta segunda-feira (27) na queda de um avião em Sergipe. Ele tinha 28 anos.

Mas, antes do auge, GD, como era chamado pelos fãs, já fazia sucesso à frente de grupos de forró eletrônico e embalando com seu forrónejo bem-humorado os paredões – festas de rua com equipamentos potentes de som – do Nordeste. Parceiros como Wesley Safadão e Cristiano Araújo ajudaram na trajetória até o reconhecimento nacional.

Entenda, nas 8 músicas abaixo, o sucesso de Gabriel Diniz.

‘Jenifer’

iframe src=”https://www.youtube.com/embed/D2rG7pXd2LY?origin=http://g1.globo.com” width=”640px” height=”360px” allowfullscreen=””>

Fenômeno nacional, a tal garota do Tinder que “faz umas paradas”colocou Gabriel no topo da lista de músicas mais ouvidas do Spotify no Brasil, em janeiro, pela primeira vez. A consagração veio no carnaval: “Jenifer” foi hit absoluto nas caixas de som e nas fantasias.

Criação de oito compositores, a música caiu primeiro nas mãos de Gusttavo Lima, que desistiu de gravar. Gabriel Diniz assumiu a tarefa mesmo com a desconfiança da própria equipe.

“Ninguém achou que ia ser esse sucesso. Nem o pessoal do meu escritório, nem meu empresário. O Wesley [Safadão, um dos sócios do escritório do cantor] não acreditou, ninguém acreditou. Foi uma aposta minha, sozinho mesmo”, contou, em entrevista ao G1.

‘Safadezinha’

Essa veio logo depois de “Jenifer”. Na tentativa de igualar o sucesso, Gabriel repetiu algumas cartadas: a levada de forronejo, referências de brega, bateria eletrônica e vocal bem-humorado.

‘Só quem amou’

iframe src=”https://www.youtube.com/embed/sDAypGtLK6c?origin=http://g1.globo.com” width=”640px” height=”360px” allowfullscreen=””>

Antes do sucesso solo, Gabriel foi vocalista da banda Cavaleiros do Forró, uma das mais conhecidas do forró eletrônico, entre 2010 e 2011. Uma das músicas que ficaram conhecidas em sua voz foi “Só quem amou”.

‘O show terminou’

Gabriel também esteve à frente da banda Forró na Farra. Nesse forró dançante, o cantor mostra a vocação para embalar os chamados paredões – festas de rua com equipamento potente de som, comuns no Nordeste.

‘Amor de copo’

Gabriel lançou em janeiro 2015 o dueto bem-humorado com Cristiano Araújo, que morreu em junho do mesmo ano, após um acidente de carro em Goiás.

‘Quem chorava hoje ri’

Gabriel e Wesley Safadão eram amigos e parceiros de escritório. Os dois também já se uniram várias vezes na música. Uma das parcerias mais conhecidas é “Quem chorava hoje ri”, lançada por Safadão em 2017 no DVD “WS em casa”.

‘Acabou acabou’

Mais uma parceria com Safadão, dessa vez lançada por Gabriel – seu primeiro sucesso a tomar proporções nacionais. No YouTube, o clipe tem mais de 66 milhões de visualizações.

‘Paraquedas’

Outra parceria bem-sucedida. A versão mais conhecida da música, lançada em 2017, tem participação de Jorge e Mateus.

Aneel reajusta valor das bandeiras tarifárias; maior alta é de 50% na bandeira amarela

Revista :: Tudo sobre tudo - https://revista.painelpolitico.com

Bandeiras tarifárias são cobradas na conta de luz e sinalizam o aumento do custo da energia gerada. Custo da bandeira amarela passou de R$ 1 para R$ 1,50 para cada 100 kWh consumidos

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (21) um reajuste nos valores da bandeira tarifária amarela e da bandeira vermelha, nos patamares 1 e 2.

O maior reajuste ocorreu na bandeira amarela, que passou de R$ 1 a R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) – uma alta de 50%. O patamar da bandeira vermelha 1 passou de R$ 3 para R$ 4 a cada 100 kWh, alta de 33,3%, e o patamar 2 da bandeira vermelha passou de R$ 5 para R$ 6 por 100 kWh consumidos, alta de 20%.

Novos valores (por 100 kWh):

  • Bandeira amarela: R$ 1,50
  • Bandeira vermelha 1: R$ 4,00
  • Bandeira vermelha 2: R$ 6,00

O reajuste servirá para adequar o valor do custo extra a ser cobrado dos consumidores em períodos em que a produção de energia ficar mais cara. O objetivo é que a arrecadação com as bandeiras fique o mais próximo possível do valor extra gasto com a geração de energia.

Segundo o diretor-geral da Aneel, André Pepitone, o reajuste evitará que a conta da bandeira tarifária fique deficitária em 2019. Em 2017, a conta da bandeira fechou com um déficit de R$ 4,4 bilhões e em 2018 o déficit foi de cerca de R$ 500 milhões. Esses déficits foram incluídos nos reajustes tarifários.

“A revisão é necessária para que não haja um déficit ainda maior em 2019, que terá que ser pago nas tarifas de energia em 2020”, afirmou. Segundo ele, os novos valores são mais adequados ao real custo de geração deste ano.

Sistema de bandeiras

Em vigor desde 2015, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo da energia gerada, possibilitando aos consumidores reduzir o consumo quando a energia está mais cara.

De acordo com o funcionamento das bandeiras tarifárias, as cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

A bandeira verde significa que o custo está baixo e é coberto pela tarifa regular das distribuidoras, então não há cobrança extra na conta de luz. O acionamento das bandeiras amarela e vermelha representam um aumento do custo de produção de energia e, por isso, há cobrança na conta de luz. O aumento do custo de geração está ligado principalmente ao volume de chuvas e ao nível dos reservatórios.

O acionamento da bandeira implica em uma cobrança extra na conta de luz, valor que é usado para pagar pela geração de energia mais cara.

Antes do sistema de bandeiras, o custo da geração de energia mais cara já era cobrado do consumidor, mas com um ano de atraso. O sistema permitiu a cobrança mensal do valor e a possibilidade de avisar os consumidores que o custo da energia está mais caro, permitindo que eles reduzam o consumo.

Cantor do hit Jennifer morre em acidente aéreo em Sergipe

Revista :: Tudo sobre tudo - https://revista.painelpolitico.com

Um avião de pequeno porte caiu em um mangue no povoado Porto do Mato, em Estância (SE), na região sul de Sergipe, no início da tarde desta segunda-feira (27), informou o Corpo de Bombeiros Militar. 

De acordo com a Polícia Militar, há três mortos. Inicialmente, o Grupamento Tático Aéreo (GTA) havia informado que eram quatro ocupantes na aeronave. 

A assessoria de imprensa do cantor Gabriel Diniz, conhecido pelo hit “Jenifer”, disse que ele estava no avião. Também foi encontrado o passaporte do artista perto do local do acidente. 

Na noite deste domingo (26), ele havia feito um show em Feira de Santana (BA). 

Segundo documentos achados no local do acidente ao lado do passaporte de Gabriel Diniz, a aeronave é um bimotor Piper prefixo PT-KLO, com capacidade para quatro lugares e registrado em nome do Aeroclube de Alagoas. 

A aeronave, segundo o Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), só pode ser usada para voos de instrução. Isso significa que não poderia ser utilizada para táxi aéreo, por exemplo. 

Uma moradora da região disse que o avião passou por cima da casa dela e caiu em seguida. Foi ouvido um estrondo na região. 

Do G1

Brasil precisa crescer para economia de Rondônia melhorar

Revista :: Tudo sobre tudo - https://revista.painelpolitico.com

Presidente da Fecomércio/RO afirma que para a situação do emprego no estado melhorar é preciso que o País volte a crescer

Rondônia, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos primeiros meses deste ano, teve a 3ª menor taxa de desemprego do país. Enquanto a taxa nacional ficou 12,7%, o nosso estado teve uma taxa de 8,9%. Somente o Rio Grande do Sul (8,0%) e Santa Catarina (7,2%) tiveram taxas menores, enquanto o Amapá (20,2%), a Bahia (18,3%) e o Acre (18,0%) tiveram as maiores porcentagens do País. Um sintoma da melhoria do emprego é o fato de que até mesmo em Porto Velho, que, em 2018, aparecia como uma das capitais com maior índice de desemprego, agora, aparece em 24º lugar, com uma taxa de 10,7%, quando a capital com menor taxa, Goiânia, possui uma taxa de 7,2%. É preciso acentuar que a taxa de desemprego de Porto Velho é muito afetada pelo desemprego dos jovens, que é o dobro da taxa dos mais velhos. Os dados apontam que, apesar dos problemas nacionais, Rondônia continua numa situação relativamente boa em relação à grande maioria dos outros estados.

Composição da economia é um colchão contra crise

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia-Fecomércio/RO e vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio-CNC, Raniery Araujo Coelho, durante a 8ª Rondônia Rural Show, analisando a situação afirmou que “Os resultados são normais e mostram que há estabilidade no nível de emprego. É natural no 1º trimestre, que haja dispensa de trabalhadores temporários que foram contratados para os eventos de final de ano”. E explicou que Rondônia, por sua economia estar ancorada no comércio, nos serviços e no agronegócio, sofre menos os efeitos da crise, inclusive por conta do bom desempenho do Governo do Estado, que mantém um controle de suas contas e pagamentos em dia. “É como se tivéssemos um colchão para amortecer a queda”. E esclareceu que tivemos uma melhoria na situação do emprego. Basta ver que, na análise por setor, as maiores quedas no de ocupação foram na administração pública, principalmente nas pequenas prefeituras, o que se aconteceu aqui foi em menor escala, e na construção civil. Também se verificou que a situação dos trabalhadores por conta própria ficou estável na comparação com o trimestre anterior, mas, em Rondônia, houve um pequeno acréscimo de pessoas nesta condição. São os pequenos empregadores, os vendedores por conta própria, que, muitas vezes, pegam alguém para ajudar, o que aumenta o comércio, bem como o setor de transporte, em especial os motoristas de aplicativos. Não é trabalho formal, porém, é uma tendência moderna no mundo inteiro, o que chamamos de “uberização”, as pessoas tenderão, no futuro, a trabalhar mais por conta própria utilizando aplicativos.

Rondônia depende do crescimento do país

Embora considere que, pela composição de sua renda, Rondônia esteja sendo menos afetada, em termos de emprego e renda, Raniery considera que é preciso que o País cresça para podermos ter uma retomada de níveis mais altos de atividade econômica. Segundo ele, “No momento, o aumento do dólar é um sinal deste processo, céu está enevoado. Os empresários estão menos otimistas esperando a aprovação da reforma da previdência”, porém, no seu entender, o ambiente econômico tende a melhorar no segundo semestre. “O Brasil possui uma democracia forte, em especial, e Rondônia é a comprovação disto, um povo que deseja crescer, que precisa ter mais condições de empreender, de criar riquezas, daí, minha crença no futuro”. Para ele, embora haja muito ruído na comunicação, o governo está tomando o rumo certo ao pregar a redução do estado, a diminuição da burocracia e dos impostos. “É fato que o Brasil tem Norte, porém, precisa que a iniciativa privada possa ter mais recursos e liberdade para trabalhar. Isto só acontecerá com a diminuição da intervenção do estado e dos impostos”.

Fonte: Asfecom