AO VIVO: STJ julga habeas corpus que pode evitar prisão de Lula

A Corte analisa, na tarde desta terça-feira (6/3), o mérito de habeas corpus preventivo impetrado pela defesa do ex-presidente

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) analisa, na tarde desta terça-feira (6/3), o mérito de habeas corpus preventivo impetrado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado em segunda instância a 12 anos e 1 mês de prisão no caso do triplex do Guarujá (SP) por corrupção e lavagem de dinheiro. Na sessão, os cinco ministros também vão decidir se, no caso específico do petista, cabe aplicar entendimento já firmado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que permite a execução da pena após condenação em segunda instância.

Até agora, os dois ministros que já votaram optaram pela recusa do habeas corpus preventivo.

Primeiro a se manifestar, o ministro relator, Felix Fischer, disse que, só após o julgamento dos embargos de declaração no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, seria cabível a impetração de HC. Ele também ressaltou entendimentos do STF e do STJ que permitem a execução de pena após condenação em segunda instância. Segundo Fischer, a medida “não compromete o direito constitucional de presunção de inocência”.

Acompanhe ao vivo:

O ministro ainda criticou Lula e a defesa do petista, afirmando que eles estariam ingressando com ações contra juízes, testemunhas e jornalistas a afim de intimidá-los. “Essas condutas são inapropriadas e revelam tentativas de intimidação da Justiça, de agentes públicos e até da imprensa”, argumentou o ministro.

Em seguida, o ministro Jorge Mussi demonstrou entendimento semelhante. Para ele, o STJ foi criado para pacificar a jurisprudência e interpretar as leis federais, e a Corte já se manifestou no sentido de que a concessão de habeas corpus “não é cabível caso não haja verdadeiro risco de constrangimento ilegal, ou risco iminente e concreto à liberdade de locomoção do paciente”.

Despido de fundamentação
A defesa de Lula foi a primeira a falar na sessão desta terça. Para o advogado Sepúlveda Pertence, ex-procurador-Geral da República, houve “multiplicação desatinada da dosimetria da pena pelos juízes recursais”, que a aumentaram de 9 anos e 6 meses para 12 anos e 1 mês de prisão. “De qualquer sorte, o acórdão do tribunal regional é despido de qualquer ensaio de fundamentação concreta, salvo a invocação impertinente da decisão plenária do Supremo Tribunal em habeas corpus pontual.”

Embargos de declaração
Em 24 de janeiro, o TRF-4, em Porto Alegre, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em segunda instância, manteve sentença do juiz federal Sérgio Moro e ampliou a pena. Com o placar unânime de três votos no julgamento, cabem agora, na corte gaúcha, somente embargos de declaração, que não têm poder de mudar a decisão. Dessa forma, se forem rejeitados, o ex-presidente poderia ser preso.

  • A defesa do petista tenta, com o HC 434.766, impedir a prisão antes do trânsito em julgado – quando todos os recursos em todas as instâncias se esgotam. Se o STJ acolher o pedido de Lula, ele fica livre, temporariamente, de cumprir pena após o julgamento dos embargos no TRF-4.

STF
Os advogados de Lula entraram com o mesmo pedido de habeas corpus preventivo no STF, mas o relator do caso, ministro Edson Fachin, enviou a ação para julgamento do plenário da Corte. Pelo regimento interno, cabe à presidente do Supremo, a ministra Cármen Lúcia, definir a pauta do plenário.

Fonte: metropoles

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Participe do debate. Deixe seu comentário