Após indiciamento, Patrícia Lelis critica “crentalhada” e apaga perfil

Militante do PSC acusa o deputado Marcos Feliciano de estupro; ela foi indiciada por ter mentido sobre ter sido sequestrada pelo chefe de gabinete Tauma Bauer

A militante do PSC Patrícia Lélis, que acusou deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) de estupro e agressão, afirmou que a “crentalhada” que defende o parlamentar “está em desespero”.

“Uma coisa é fato: você pode denunciar o seu vizinho, o seu amiguinho ou até mesmo o seu pai e irmão. Mas se você denunciar um pastor, vulgo ‘homem de Deus’ e da então direita, que diz odiar criminoso, a crentalhada e a militância entram em total desespero”, postou. Minutos depois, Patrícia apagou seu perfil no Facebook.

Segundo informa a repórter Mariana Diegas, do Estadão, Patrícia foi indiciada pela polícia civil de São Paulo por denunciação caluniosa e extorsão após acusar Talma Bauer, assessor de Feliciano, de sequestro e cárcere privado. Após ouvirem testemunhas e coletarem provas que descaracterizavam o sequestro, os investigadores concluíram que Patrícia mentiu em seu depoimento. A denúncia contra Feliciano corre em Brasília, pois ele tem foro privilegiado por ser deputado federal.

Postagem de Patricia Lelis
Postagem de Patricia Lelis
Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário