Após quase ser degolado e receber facada na cabeça, homem sobrevive por horas e vai para o hospital com vida

Caso aconteceu no Paraná

De forma impressionante, um homem de 56 anos sobreviveu a uma série de ataques sofridos provavelmente no meio do dia nesta quinta-feira (23), em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba. A vítima foi encontrada pela Polícia Militar com o pescoço cortado e vários ferimentos feitos com faca na cabeça. Vizinhos chamaram a polícia imaginando que o homem estava morto, porém, no local, ao perceberem que a vítima estava viva, a PM acionou o Siate.

O homem, que é morador do Jardim Gaziela, foi encontrado caído perto do trilho do trem, em um trecho com mato. Segundo testemunhas, havia muito sangue no local e ele estava inconsciente. “Quando chegamos ao local encontramos a vítima bastante ferida em estado grave com um corte profundo no pescoço e perfurações na cabeça. Ao que parece, tentaram degolá-lo, mas não conseguiram. Felizmente, o corte no pescoço, apesar de profundo, não atingiu a artéria”, informou o soldado Hamilton, do Siate.

O socorrista informou ainda que tudo indica que o homem passou horas no local, sangrando muito. “É impressionante ele ainda estar vivo porque perdeu muito sangue , ao que tudo indica, estava no local há horas. Conseguimos com o apoio médico estabilizar a vítima e encaminhá-la ao hospital. Porém, o estado de saúde é grave”, completou.

No momento em que o homem era colocado na ambulância, a filha apareceu e disse que se tratava o pai. A polícia investiga a tentativa de assassinato, mas até o fechamento da reportagem não havia pistas de quem teria atacado a vítima e por qual motivo.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário