Assista a íntegra do depoimento de José Dirceu a Sérgio Moro

O ex-chefe da Casa Civil do governo Lula e ex-deputado federal José Dirceu depôs na última sexta-feira ao juiz federal Sérgio Moro, no processo da Operação Lava-Jato. Assista a íntegra do depoimento do ex-ministro, que está preso. Dirceu afirmou em depoimento que “até 2006 vivia de salário”.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]

Essa foi a primeira vez que Dirceu falou desde que foi preso, pela segunda vez. Dirceu também foi condenado por crimes no processo do mensalão. Ele cumpria prisão domiciliar quando foi preso, pela segunda vez. O ex ministro também deu detalhes sobre seu patrimônio. Assista a íntegra do depoimento:

Segunda parte

terceira parte

Última parte

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

6 thoughts on “Assista a íntegra do depoimento de José Dirceu a Sérgio Moro

  1. Pessoas “suficientemente apenadas” não podem – caso comprovado ao cabo do processo – ser novamente apenadas em virtude de fatos novos, é essa a sua tese? A grande maioria do Supremo foi nomeada nos dois últimos governos (Fux inclusive admitiu que lhe propuseram a nomeação em troca da absolvição de réus do Mensalão), e as decisões do Moro têm sido, via de regra, quase todas confirmadas pelas diversas instâncias do Judiciário; só os advogados contratados pelos réus é que estão fazendo estardalhaço. Há uma grande conspiração contra o José Dirceu, é isso? Qual é, OBJETIVAMENTE, a explicação para os presentinhos que ele ganhou?

  2. É, e admitiu. Contudo, não pode ser condenado a uma prisão preventiva prolongada só por isso, quando delatores saem da prisão com os bolsos cheios de dinheiro, muito dinheiro, após usarem seu nome (até sem autorização) para ganhar dinheiro com a corrupção. Não é estranho. É apenas humano. A corrupção é extremamente humana. Somente humana. Delação premiada em massa também é muito estranho, cheira à confissão do pecado para a remissão do delito. Coisa do Paraná. De Moro. Da política. Zé Dirceu já foi suficientemente apenado em sua vida: uma dia; pela ditadura, contra a qual lutava; recentemente, pelo Supremo, para atender o clamor da mídia; agora, por um juiz que coloca a promoção pessoal acima do direito de defesa. Note-se que a ação penal 470 e o caso Petrolão são conexos no tempo, e quem já foi apenado na primeira não deveria ser na segunda.

  3. Não é relevante e nem suspeito que tenha usufruído/recebido voos e obras em apartamentos de “presente”?

  4. A Ministra Rosa Weber soltou a seguinte afirmação no seu voto para Condenar Dirceu no mensalão: “Não tenho prova cabal contra Dirceu – mas vou condená-lo porque a literatura jurídica me permite”.
    Além de estuprar a lógica probatória fundamental do direito penal, o
    péssimo uso da tal “literatura jurídica” foi recriminado por Claus
    Roxin. Moro vai fazer o mesmo.

  5. O Depoimento de José Dirceu

    Para mim, José Dirceu botou Moro e
    o MPF no bolso em seu depoimento que vi e ouvi em vídeo agora à noite.
    Nada eles têm de relevante contra ele. Será condenado sim, pois ninguém
    escapa da cadeia nesse processo kafkiano do clube de Curitiba, altamente
    ligado ao PSDB e parcial, além de surdo, cego e falante. A exceção fica
    por conta dos delatores, que além da liberdade, ganharam parte do que
    roubaram, o que se configura uma negociata judicial espúria.
    Ouvi por mais de duas horas o depoimento de Zé Dirceu. Não se levantou
    nada de relevante contra ele, nada, sequer demonstraram que tem
    patrimônio relevante. O que ele assumiu de errado não é motivo de
    prendê-lo preventivamente, nem de condená-lo, nem de colocá-lo como
    chefe de quadrilha. Seria um chefe atípico, ganhou muito pouco do que
    pretensamente seus subordinados roubaram da Petrobrás e mandaram para o
    exterior. O faturamento da JD tem pouco de dinheiro de empreiteiras,
    muitíssimo menos do que da iniciativa privada. A menos que Zé Dirceu
    guarde dinheiro em botija, enterrado, encerrado em alguma lâmpada mágica
    de um gênio oriental, ou mesmo na caverna dos quarenta ladrões, não tem
    patrimônio de ladrão. José Dirceu vendia prestígio, e isso só vende
    quem tem.

  6. Uma empresa de prestação de serviço que tem como despesas, 85% da sua receita, não pode depender do principal proprietário para se manter. Ai tem.

Participe do debate. Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: