PT e PSDB vão à Justiça para afastar Carlos Bolsonaro de gabinete no Palácio do Planalto

Político - https://politico.painelpolitico.com

Ações argumentam que, mesmo sem cargo no governo, filho do presidente ganhou sala ao lado do pai

PT e PSDB entraram na Justiça, nesta sexta-feira, 3, para pedir que o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (Republicanos) seja obrigado a se afastar do gabinete que ganhou esta semana no Palácio do Planalto, no mesmo andar onde despacha seu pai, o presidente Jair Bolsonaro.

A ação civil pública movida pelo PSDB na Justiça Federal pede que a União Federal e o presidente da República desocupem imediatamente qualquer sala utilizada por Carlos. Além disso, seja proibido de usar bens e serviços da União, sob pena de multa diária, e não possa dar ordens a outros agentes, em referência indireta ao Gabinete do Ódio.

O núcleo ideológico do governo, do qual o filho do presidente faria parte, tem ganhado mais espaço durante a crise do coronavírus. Influenciado por Olavo de Carvalho, o grupo cuida das redes sociais do governo. 

Carlos Bolsonaro em frente ao Palácio do Planalto; filho do presidente participa de reuniões com o pai e auxiliares desde o início da crise do coronavírus Foto: Dida Sampaio/Estadão

No texto, o PSDB cita que Carlos ajudou na elaboração do pronunciamento feito pelo presidente no dia 24 de março e tem desempenhado, nas dependências do Palácio do Planalto, atribuições “exclusivas de ocupantes de cargos legalmente investidos para tanto”. 

No pronunciamento que pegou de surpresa integrantes do Palácio do Planalto, Bolsonaro pediu o fim do “confinamento em massa” diante da escalada da pandemia do coronavírus.

Para evitar danos aos cofres públicos, a ação pede que o juiz antecipe a decisão antes de olhar o mérito da ação civil. “Deve ser concedida a tutela provisória de urgência, determinando as medidas suficientes para a proteção da coisa pública.”

Além disso, também pede que, após julgamento, seja encaminhada sentença à Câmara Municipal do Rio de Janeiro para se instaurar procedimento de perda de mandato. 

Sob a mesma justificativa, o deputado Rui Falcão (PT-SP) entrou nesta sexta com ação junto à Justiça Federal de Brasília para que o vereador seja afastado de suas atividades no Palácio Planalto. “A presença dele no Planalto, além de todo o mal que causa dentro e fora do governo, constitui usurpação de função pública e desvio de finalidade”, disse o deputado petista.

As informações são do Estadão

Cônsul chinês diz em carta aberta que Eduardo Bolsonaro é “ingênuo e ignorante”

Político - https://politico.painelpolitico.com

Felizmente, mesmo com todos os seus insultos à China, você não conseguirá tornar a China inimiga do Brasil, porque você realmente não pode representar o grande país que é o Brasil

Em carta ao deputado Eduardo Bolsonaro, o cônsul-geral da China no Rio de Janeiro, Li Yang, questionou “Você é realmente tão ingênuo e ignorante?”, para em seguida advertir: “Seria mais prudente não criar mais confusões”. 

Leia a íntegra da carta:

“Deputado Eduardo, no tuíte que você postou no dia 1 de abril,  chamou o Covid-19 de “vírus chinês”, o que se trata de mais um insulto à China que você fez depois de ter postado tuítes em 18 de março para atacar maliciosamente a China.

Você é realmente tão ingênuo e ignorante? Como deputado federal da República Federativa do Brasil que possui alguma experiência em tratar dos assuntos internacionais, você deveria saber que os vírus que causam pandemia são inimigos comuns do ser humano, e a comunidade internacional nunca chama os vírus pelo nome de um país ou região para evitar a estigmatização e a discriminação contra qualquer grupo étnico específico.

A Organização Mundial da Saúde seguiu esta regra do direito internacional para chamar o novo coronavírus de “Covid-19”. Além disso, ainda está por confirmar a origem deste vírus. O surto de Covid-19 em Wuhan não significa necessariamente que Wuhan foi a fonte inquestionável do novo coronavírus. O diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos já reconheceu que, durante a chamada “epidemia de gripe” nos Estados Unidos, no ano passado, algumas pessoas teriam morrido por Covid-19. Isso justifica que, muito provavelmente, os Estados Unidos foram a fonte de Covid-19. Mas podemos batizar o Covid-19 como “vírus norte-americano”? Não! Do mesmo modo, ninguém no mundo pode chamar o Zika como “vírus brasileiro”, apesar do fato da epidemia de Zika ter acontecido e ainda acontecer casos frequentemente no Brasil.

É por causa do seu ódio à China que ataca frequentemente à China? Mas de onde vem esse ódio? A aproximação entre a China e o Brasil é resultado de um desenvolvimento histórico com alicerce natural. Tanto a China como o Brasil são grandes países emergentes com território e população gigantes, com culturas ricas e coloridas e povos simpáticos e amigos.

Ambos os países possuem planos grandiosos para promover a prosperidade e riqueza nacionais, bem como ambição para salvaguardar a paz e justiça internacionais. É ainda mais importante o fato de que não há divergências históricas nem conflitos atuais entre os dois países que já se tornaram parceiros estratégicos globais. O povo chinês sempre abraça o povo brasileiro com sincera amizade, tratando o Brasil como nosso país irmão e parceiro.

Consul chinês Li Yang

O respeito recíproco e a cooperação de ganhos mútuos de longo prazo entre os dois países trazem benefícios pragmáticos para os dois povos. Por dois anos consecutivos, dois terços do superávit do comércio exterior do Brasil vieram da China, o seu maior parceiro comercial!

É por isso que tanto a geração do seu pai como a da sua idade estão todos se dedicando a promover a cooperação amigável sino-brasileira. Em resumo, os seus comportamentos remam contra a maré e não só colocam você no lugar adverso do povo chinês de 1,4 bilhões, mas também deixam a maioria absoluta dos brasileiros com vergonha, bem como criam transtornos ao seu pai, que é o Presidente da República. É realmente uma prova de ignorância a respeito do tempo atual!

Será que você recebeu uma lavagem cerebral dos Estados Unidos e quer ir firmemente na esteira deles contra a China? Os Estados Unidos eram realmente um país grande e glorioso. No entanto, neste ponto crítico do avanço da civilização humana, os EUA perderam sua posição histórica e o sentido de desenvolvimento, tornando-se quase totalmente causadores de problemas nos assuntos internacionais, e uma fonte de ameaça à paz e segurança mundiais.

Os líderes atuais norte-americanos já se esqueceram dos ideais dos fundadores do país de assegurar a justiça. Ademais, tornaram-se monstros políticos cheios de preconceitos ideológicos contra os outros países e sem capacidade de governar, o que pode ser justificado pelo desempenho horrível no combate à pandemia de Covid-19 nos EUA.

Por outro lado, sendo uma potência cheia de vitalidade e em ascensão, o Brasil deve e é capaz de fazer contribuições importantes para o progresso da civilização humana, desde que tenha sua própria visão estratégica, possua sua perspectiva correta sobre os assuntos internacionais e desempenhe seu próprio papel construtivo. O Brasil não deve tornar-se um vassalo ou uma peça de xadrez de um outro país, senão o resultado seria uma derrota total num jogo com boas cartas, como diz um provérbio chinês.

Deputado Eduardo, há pelo menos uma semelhança entre a cultura confucionista chinesa e a cultura cristã brasileira que é a crença em que sempre existe a causalidade em tudo, razão pela qual a gente tem que pensar nas consequências antes de fazer qualquer coisa. Como não é uma pessoa comum, você deveria entender melhor essa razão.

O que é o mais importante para o Brasil agora? Sem dúvida, é salvaguardar a vida e a saúde de centenas de milhões de pessoas, e reduzir ao mínimo o impacto da pandemia na economia do Brasil, da China e do mundo, através da cooperação China-Brasil no combate ao Covid-19. A China nunca quis e nem quer criar inimizades com nenhum país. No entanto, se algum país insistir em ser inimigo da China, nós seremos o seu inimigo mais qualificado!

Felizmente, mesmo com todos os seus insultos à China, você não conseguirá tornar a China inimiga do Brasil, porque você realmente não pode representar o grande país que é o Brasil. Porém, como é um deputado federal, as suas palavras inevitavelmente causarão impactos negativos nas relações bilaterais. Isso seria uma grande pena! Contaminaria e poluiria totalmente o ambiente saudável que China e Brasil conquistaram até aqui”.

Portanto, é melhor ser mais sábio e racional. Você pode não pensar na China, mas não pode deixar de pensar no Brasil. O demônio do Covid-19 chegou finalmente à maravilhosa terra brasileira. Neste momento crucial da cooperação bilateral no combate à pandemia de Covid-19, seria mais prudente não criar mais confusões. Ainda mais importante, seja um verdadeiro brasileiro responsável, ao invés de ser usado como arma pelos outros!

Li Yang, Cônsul-Geral da República Popular da China no Rio de Janeiro

Após acusações de estupro, Felipe Prior se pronuncia e alega inocência

Painel Político Revista - https://revista.painelpolitico.com

Eliminado do BBB nesta semana, o arquiteto publicou um vídeo falando sobre o assunto

Eliminado na votação que contou com o maior engajamento da história do Big Brother BrasilFelipe Prior foi o mais votado no paredão em que teve como principal rival Manu Gavassi. Após a eliminação do reality show, no entanto, o arquiteto voltou a figurar entre os assuntos mais comentados das redes sociais.

Nesta sexta-feira (3) uma reportagem da revista Marie Claire divulgou dois relatos de mulheres que afirmaram que foram estupradas por Prior, e uma que afirma que foi vítima de uma tentativa de estupro.

Em um primeiro momento, a assessoria de imprensa do rapaz chegou a negar as acusações, e Prior não deu sua versão da história para a reportagem. Na noite desta sexta, no entanto, ele publicou um vídeo nas redes sociais em que negou veementemente os casos.

Reprodução TV Globo/Divulgação

“Bem Brasil, vocês devem me conhecer, sou Felipe Prior, ex-participante do BBB20”, começa ele. “Eu tô muito chateado. Desconheço todos os fatos apresentados. Nunca cometi nenhuma violência sexual contra ninguém, sou inocente, O que me deixa chateado é saber que depois que eu entrei na casa [do BBB] as pessoas apresentaram uma denúncia pesada contra mim. Meus advogados estão tomando as providências”.

Uma nota dos advogados do arquiteto foi colocada também na publicação. “Felipe Prior estará à disposição das autoridades para qualquer tipo
de questionamento, e adotará todas as medidas necessárias contra os que investem contra a sua civilidade”, diz o texto.

Confira:

Bolsonaro é denunciado em tribunal internacional; entenda quais são as acusações e consequências

Político - https://politico.painelpolitico.com

Presidente é alvo de uma denúncia no Tribunal Penal Internacional por ignorar orientações para conter a pandemia do coronavírus

Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) protocolou na quinta-feira, 2, uma representação contra o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional em Haia, na Holanda. Na denúncia, a entidade alega que o chefe do Executivo praticou crime contra a humanidade ao incentivar ações que aumentam o risco de proliferação do novo coronavírus. Desde o início do avanço da covid-19, Bolsonaro minimizou a letalidade da doença e criticou o isolamento recomendado pelo próprio Ministério da Saúde.

O presidente Jair Bolsonaro usando máscara
Jair Bolsonaro, presidente da República Foto: Isac Nobrega/PR

A denúncia recupera um estudo da Imperial College, de Londres, que estima que até 1,1 milhão de brasileiros poderiam morrer caso as medidas de prevenção não fossem adotadas. “É precisamente o Presidente da República quem incita as pessoas a retornarem a seus postos de trabalho, as crianças a voltarem às escolas, os jovens a retornarem às universidades e as pessoas a circularem normalmente pelas ruas”, afirma o documento.

Entenda quais são as acusações e as eventuais consequências da denúncia:

Quais são os argumentos apresentados pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia para denunciar o presidente Jair Bolsonaro?

A denúncia parte de uma crítica ao Procurador-Geral da RepúblicaAugusto Aras, que arquivou um pedido de entidades para que o órgão emitisse uma recomendação aconselhando Bolsonaro a seguir as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) no combate ao coronavírus. O documento reforça que Aras é o único com competência para processar o presidente.

Na sequência, acusa Bolsonaro de crime contra a humanidade ao desrespeitar as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde, incitando cidadãos a voltarem ao trabalho e, consequentemente, assumindo o risco de provocar a infecção e morte de milhares de pessoas

“A confusão criada pelo próprio presidente é absurda, ao desobedecer, ele mesmo, as diretrizes do próprio governo. Assim, se o presidente relata que a covid-19 não é perigosa, muitos brasileiros assim o entenderão, e colocar-se-ão em risco próprio, de seus familiares e de todas as pessoas com as quais tiverem contato”, afirma o texto.

Segundo a ABJD, o presidente também teria cometido o crime de epidemia, previsto no artigo 267 do Código Penal Brasileiro e na lei 8.072/1990, além de infração de medida sanitária preventiva (artigo 268 do Código Penal) e violação à lei 13.979/2020, que prevê punições a quem descumpre as medidas de isolamento à covid-19.

Quais são os episódios apontados pela denúncia contra o presidente Jair Bolsonaro?

O documento aponta cinco momentos em que o presidente teria descumprido as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde:

  1. O cumprimento a apoiadores aglomerados no Palácio do Planalto, quando Bolsonaro entrou em contato com centenas de pessoas, em 15 de março;
  2. pronunciamento em rede nacional de rádio e TV, em que o presidente afirmou que não havia motivo para fechar escolas e chamou o coronavírus de “gripezinha”, em 24 de março;
  3. publicação do decreto 10.292, em que incluiu o funcionamento de igrejas e lotéricas como serviços essenciais, em 25 de março;
  4. O lançamento da campanha “O Brasil não pode parar”, em que o governo estimulava a volta dos brasileiros ao trabalho, em 25 de março;
  5. visita a comércios em funcionamento no Distrito Federal, em 29 de março.

Quais são as possíveis consequências para condenados no Tribunal Penal Internacional?

O decreto 4.388/2002, que trata da ratificação do Brasil ao Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, prevê pena de prisão aos condenados, sem especificar o período para cada tipo de crime.

“Pena de prisão por um número determinado de anos, até ao limite máximo de 30 anos, ou pena de prisão perpétua, se o elevado grau de ilicitude do fato e as condições pessoais do condenado o justificarem”, dispõe o decreto. Além do encarceramento, o estatuto prevê ainda a aplicação de multas e confisco de bens. A Constituição Federal também dispõe, no artigo 5º, que o País “se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja criação tenha manifestado adesão”.

O que é o Tribunal Penal Internacional de Haia?

Tribunal Penal Internacional é o primeiro tribunal internacional permanente. Estabeleceu-se em Haia, na Holanda, em 2002, e tem poder para julgar crimes cometidos por indivíduos de países signatários. Atua em casos considerados internacionais, como crimes de genocídio, guerra e contra a humanidade.

O que é a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia?

Associação Brasileira de Juristas pela Democracia se denomina uma associação civil sem fins lucrativos, criada em maio de 2018 para defender o regime democrático. Ainda de acordo com a descrição disponível em seu site, agrega 1300 associados pelo país, entre juízes, desembargadores, promotores, procuradores, advogados, defensores públicos, professores, servidores do sistema de justiça e estudantes de direito.

As informações são do Estadão

Bolsonaro é denunciado em tribunal internacional; entenda quais são as acusações e consequências

Político - https://politico.painelpolitico.com

Presidente é alvo de uma denúncia no Tribunal Penal Internacional por ignorar orientações para conter a pandemia do coronavírus

Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) protocolou na quinta-feira, 2, uma representação contra o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional em Haia, na Holanda. Na denúncia, a entidade alega que o chefe do Executivo praticou crime contra a humanidade ao incentivar ações que aumentam o risco de proliferação do novo coronavírus. Desde o início do avanço da covid-19, Bolsonaro minimizou a letalidade da doença e criticou o isolamento recomendado pelo próprio Ministério da Saúde.

O presidente Jair Bolsonaro usando máscara
Jair Bolsonaro, presidente da República Foto: Isac Nobrega/PR

A denúncia recupera um estudo da Imperial College, de Londres, que estima que até 1,1 milhão de brasileiros poderiam morrer caso as medidas de prevenção não fossem adotadas. “É precisamente o Presidente da República quem incita as pessoas a retornarem a seus postos de trabalho, as crianças a voltarem às escolas, os jovens a retornarem às universidades e as pessoas a circularem normalmente pelas ruas”, afirma o documento.

Entenda quais são as acusações e as eventuais consequências da denúncia:

Quais são os argumentos apresentados pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia para denunciar o presidente Jair Bolsonaro?

A denúncia parte de uma crítica ao Procurador-Geral da RepúblicaAugusto Aras, que arquivou um pedido de entidades para que o órgão emitisse uma recomendação aconselhando Bolsonaro a seguir as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) no combate ao coronavírus. O documento reforça que Aras é o único com competência para processar o presidente.

Na sequência, acusa Bolsonaro de crime contra a humanidade ao desrespeitar as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde, incitando cidadãos a voltarem ao trabalho e, consequentemente, assumindo o risco de provocar a infecção e morte de milhares de pessoas

“A confusão criada pelo próprio presidente é absurda, ao desobedecer, ele mesmo, as diretrizes do próprio governo. Assim, se o presidente relata que a covid-19 não é perigosa, muitos brasileiros assim o entenderão, e colocar-se-ão em risco próprio, de seus familiares e de todas as pessoas com as quais tiverem contato”, afirma o texto.

Segundo a ABJD, o presidente também teria cometido o crime de epidemia, previsto no artigo 267 do Código Penal Brasileiro e na lei 8.072/1990, além de infração de medida sanitária preventiva (artigo 268 do Código Penal) e violação à lei 13.979/2020, que prevê punições a quem descumpre as medidas de isolamento à covid-19.

Quais são os episódios apontados pela denúncia contra o presidente Jair Bolsonaro?

O documento aponta cinco momentos em que o presidente teria descumprido as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde:

  1. O cumprimento a apoiadores aglomerados no Palácio do Planalto, quando Bolsonaro entrou em contato com centenas de pessoas, em 15 de março;
  2. pronunciamento em rede nacional de rádio e TV, em que o presidente afirmou que não havia motivo para fechar escolas e chamou o coronavírus de “gripezinha”, em 24 de março;
  3. publicação do decreto 10.292, em que incluiu o funcionamento de igrejas e lotéricas como serviços essenciais, em 25 de março;
  4. O lançamento da campanha “O Brasil não pode parar”, em que o governo estimulava a volta dos brasileiros ao trabalho, em 25 de março;
  5. visita a comércios em funcionamento no Distrito Federal, em 29 de março.

Quais são as possíveis consequências para condenados no Tribunal Penal Internacional?

O decreto 4.388/2002, que trata da ratificação do Brasil ao Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, prevê pena de prisão aos condenados, sem especificar o período para cada tipo de crime.

“Pena de prisão por um número determinado de anos, até ao limite máximo de 30 anos, ou pena de prisão perpétua, se o elevado grau de ilicitude do fato e as condições pessoais do condenado o justificarem”, dispõe o decreto. Além do encarceramento, o estatuto prevê ainda a aplicação de multas e confisco de bens. A Constituição Federal também dispõe, no artigo 5º, que o País “se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja criação tenha manifestado adesão”.

O que é o Tribunal Penal Internacional de Haia?

Tribunal Penal Internacional é o primeiro tribunal internacional permanente. Estabeleceu-se em Haia, na Holanda, em 2002, e tem poder para julgar crimes cometidos por indivíduos de países signatários. Atua em casos considerados internacionais, como crimes de genocídio, guerra e contra a humanidade.

O que é a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia?

Associação Brasileira de Juristas pela Democracia se denomina uma associação civil sem fins lucrativos, criada em maio de 2018 para defender o regime democrático. Ainda de acordo com a descrição disponível em seu site, agrega 1300 associados pelo país, entre juízes, desembargadores, promotores, procuradores, advogados, defensores públicos, professores, servidores do sistema de justiça e estudantes de direito.

As informações são do Estadão

Martin Luther King: a trajetória do homem que mudou os EUA para sempre

Painel Político Revista - https://revista.painelpolitico.com

Há 52 anos era assassinado o pastor americano que fez da palavra sua arma contra o racismo e emocionou o mundo com seus discursos

Em 4 de abril de 1968, às 18 horas, o pastor, prêmio Nobel da Paz e líder da luta pela igualdade de direitos raciais nos Estados UnidosMartin Luther King, saía à varanda do quarto de seu hotel em Memphis, no estado americano do Tennessee. Minutos depois, um tiro disparado de fora do hotel acertaria seu rosto deixando Luther King inconsciente. Sua morte foi confirmada uma hora mais tarde, no St. Joseph’s Hospital, dando início a uma caçada de meses por seu assassino e, em seu rastro, deixando um legado de diversas teorias sobre a morte do líder social.

James Earl Ray foi apreendido em julho de 1968 no Reino Unido e deportado para os Estados Unidos como o principal suspeito pelo assassinato. Com base em testemunhas que afirmaram tê-lo visto próximo à cena do crime e de digitais presentes na arma encontrada no local de onde se assume que ocorreu o disparo, Ray foi considerado culpado. Para evitar a pena de morte, ele admitiu ser o assassino, mas, mais tarde, voltou atrás em sua confissão e afirmou até o dia de sua morte que não havia assassinado Luther King. A família do pastor americano diz acreditar na inocência de Ray, e há cinquenta anos diversas teorias defendem a existência de uma conspiração que envolve o governo americano, o FBI, a CIA, a máfia, a polícia de Memphis, um comerciante e uma pessoa misteriosa chamada Raul.

Martin Luther King havia chegado a Memphis no dia anterior a sua morte, para participar de uma marcha em favor de trabalhadores negros da área de saneamento, que pediam por melhores salários e condições de trabalho. Ele se hospedou no quarto 306, no 2º andar do Lorraine Motel, juntamente com Andrew Young, ex-embaixador americano na ONU e prefeito de Atlanta.

Martin Luther King Jr.
Rev. Martin Luther King Jr. junto de outros líderes de direitos civis na varanda do Hotel Lorraine, um dia antes de ser assassinado no mesmo local – 2/4/1968 //AP

O tiro que atingiu King, segundo as investigações do FBI à época, partiram do banheiro de uma pensão localizada do outro lado da rua. Próximo à porta da pensão, a polícia encontrou um rifle 30.06 Remington e um binóculo. As digitais presentes na arma levaram a James Earl Ray, um americano que havia fugido da prisão no ano anterior, deixando um rastro que levou o FBI a buscá-lo em Atlanta, no Canadá e, por fim, no Reino Unido, onde Ray foi encontrado portando documentos canadenses falsos.

Martin Luther King Jr.

Deportado para os Estados Unidos, ele foi considerado, sozinho, culpado pelo assassinato de Martin Luther King. Prestes a ser condenado à morte, Ray fez um acordo com a promotoria, confessando o crime e recebendo uma pena de 99 anos de reclusão em vez da pena capital. Entretanto, dias após receber a sentença, Ray voltou atrás em sua confissão, alegando ter sido coagido por seu então advogado e pelo FBI para poder evitar a pena de morte.

Ray contratou um novo advogado que buscou, sem sucesso, provar sua inocência. Ele dizia não ter sido a pessoa que disparou o tiro, embora fosse “parcialmente culpado”, mesmo sem saber. As teorias de conspiração em torno do assassinato de Luther King começaram a ganhar fôlego quando Ray apontou um homem chamado “Raul” como o real culpado pelo crime.

Ray teria conhecido Raul em Montreal, no Canadá, um ano antes do crime. Raul o teria orientado a comprar o rifle. Em uma das versões de defesa apresentadas por Ray, o americano afirma que Raul teria disparado o tiro enquanto ele, na verdade, se encontrava em um posto de gasolina.

Ninguém nunca soube quem era Raul e se ele de fato existiu. As descrições que Ray apresentou do homem misterioso variaram com o tempo. A polícia não encontrou impressões digitais diferentes das de Ray na arma e o próprio advogado não conseguiu provar que seu cliente não estava na pensão no momento do crime. O advogado da família King, William Pepper, chegou a procurar por Raul, tendo localizado um trabalhador em Nova York, que negou envolvimento no assassinato e colaborou com as investigações.

James Earl Ray

O assassinato provocou protestos em mais de 100 cidades dos Estados Unidos, incluindo na capital, Washington. A violência dos conflitos entre manifestantes e policiais resultou em mais de 40 mortes, além de extensos danos à propriedade.

Vida e ativismo

Martin Luther King Jr. nasceu em Atlanta em 15 de janeiro de 1929. Tanto seu avô como seu pai eram pastores da igreja batista e King resolveu seguir seus passos na vida religiosa.

Formou-se em sociologia na Morehouse College em 1948 e no Seminário Teológico Crozer em 1951. Posteriormente, fez doutorado na Universidade de Boston, onde conheceu sua esposa, Coretta Scott King, com quem teve quatro filhos.

Viveu durante sua infância e adolescência o segregacionismo racial que imperava no Estado da Geórgia. Já no início de sua carreira, King começou a militar como ativista que lutava pela igualdade civil entre negros e brancos.

Conhecido por táticas de não-violência e desobediência civil e pela sua maravilhosa oratória, ele baseava seu ativismo também em suas crenças cristãs.

“Martin Luther King forçava os Estados Unidos a viver de acordo com as promessas feitas nos documentos que fundaram nossa nação, na Constituição e na Declaração de Independência”, afirma Vincent Southerland, diretor executivo do Centro para Raça, Desigualdade e Lei da Universidade de Nova York. “Ele ajudou a acordar o país e a despertar a consciência americana quanto ao racismo. E ele o fez de uma maneira revolucionária.”

Como pastor, serviu em uma igreja em Montgomery, no estado de Alabama, onde também se engajou na luta pela igualdade racial. Foi um dos líderes, em 1955, do boicote aos ônibus de Montgomery.

Rosa Parks

Os protestos começaram após a prisão de Rosa Parks, mulher negra que se negou a ceder seu lugar a uma mulher branca no ônibus. O boicote durou 382 dias e causou déficits financeiros elevados no sistema de transporte público da cidade, em função do grande número de pessoas que deixaram de usar os ônibus.

O boicote só acabou quando a Suprema Corte decidiu tornar ilegal a discriminação racial em transportes públicos. Durante o período, King foi preso, sofreu diversos atentados e sua casa foi bombardeada.

Em 1957, King foi eleito presidente da Southern Christian Leadership Conference (SCLC), uma das principais organizações do movimento pelos direitos civis. Ele ocupou o cargo até ser assassinado em 1968 e, durante esse período, emergiu como o líder mais importante do movimento moderno pelos direitos civis nos Estados Unidos.

Carta de uma prisão em Birmingham

Em 1963, liderou uma coalizão de numerosos grupos de direitos civis em uma campanha não violenta em Birmingham, Alabama, que na época era descrita como a cidade mais racista do país. A brutalidade da polícia local, ilustrada por imagens transmitidas pela televisão de jovens negros sendo agredidos por cachorros e mangueiras de água, despertaram a indignação nacional.

Martin Luther King no Alabama

Durante a campanha, King foi preso junto com outros ativistas por protestar sem permissão. Durante seu confinamento, escreveu uma carta em resposta a outros clérigos, que aconselhavam os negros americanos a lutarem por igualdade a partir dos tribunais e não por meio de manifestações. Transformada em livro, a obra defende a a estratégia da resistência não-violenta ao racismo e é uma das mais importantes de Luther King.

‘I have a dream’

Durante a Marcha sobre Washington por Trabalho e Liberdade, uma manifestação política de grandes proporções ocorrida na cidade na capital americana em 28 de agosto de 1963, King fez seu mais famoso discurso, com a frase que entraria para a história da oratória: “Eu tenho um sonho!” (I Have a Dream!)”.

Em frente a uma plateia de mais de 200.000 pessoas, na escadaria do Lincoln Memorial, King defendeu o fim da marginalização dos negros, a liberdade e a igualdade.

A Marcha de Washington colocou mais pressão sobre a administração do então presidente John F. Kennedy para que as questões de direitos civis fossem levadas ao Congresso. Mas foi seu sucessor, Lyndon B. Johnson, quem conseguiu fazer com que o Ato de Direitos Civis de 1964 e o Ato de Direitos do Voto de 1965 fossem aprovados. As duas legislações são grandes marcos da luta contra racismo no país, pois proibiram práticas eleitorais discriminatórias e os sistemas estaduais de segregação racial.

Após seu discurso, King foi nomeado o Homem do Ano de 1963 pela revista Time. E mais tarde, aos 35 anos, se tornou a pessoa mais nova até então a receber um Prêmio Nobel da Paz.

Controvérsia e legado

Após 1965, o ativista mudou seu foco para a luta pela justiça econômica e a paz internacional, que defendeu ao se manifestar fortemente contra a Guerra do Vietnã.

King acabou se tornando uma figura considerada radical e polarizadora à época, sendo um oponente ferrenho da política externa americana da década de 1960. Seu posicionamento contrário à guerra do Vietnã foi visto por muitos como extremado, em um momento em que o apoio ao conflito ainda era relativamente elevado entre os americanos.

Quando foi assassinado, King já estava havia décadas sob a constante vigilância do FBI, que o classificava como “perigoso para o país”. Sua defesa da não-violência como forma de promover mudanças também estava sendo desafiada por uma nova geração de ativistas negros mais impacientes.

Ainda assim, a herança de Martin Luther King para o movimento dos direitos civis e negros é inegável. Seus livros fazem parte de muitas leituras obrigatórias de universidades e escolas dos Estados Unidos e do mundo. Sua luta e sua coragem são celebradas anualmente nos Estados Unidos na terceira segunda-feira de janeiro em um feriado que leva seu nome. O Dia de Martin Luther King é feriado no país e conclama os cidadãos a prestarem serviços voluntários em suas comunidades.

“Seu legado está refletido na forma como lidamos atualmente com a educação, no que fazemos em nosso ambiente de trabalho, nas políticas anti-discriminação que os Estados Unidos aplicam”, diz Alejandra Y. Castillo, CEO da YWCA USA, organização que luta contra o racismo e o machismo no país. “O trabalho dele nos colocou no caminho certo, mas é importante lembrar que ainda há um longo caminho pela frente.”

A herança de King também aparece no movimento “Black Lives Matter” contra a violência policial — outros movimentos, como o que convocou recentemente a Marcha por Nossas Vidas, em que milhões de jovens foram às ruas para exigir leis mais duras para o uso de armas, também se inspiram nos ideais do ativista.

Um dos participantes dessa marcha foi a neta de King, Yolanda Renee, de 9 anos, que lembrou as palavras mais famosas de seu avô à multidão. “Tenho um sonho de que já basta”, declarou a pequena Yolanda. “E de que este deve ser um mundo livre de armas, ponto”.

Textos de Julia Braun e Carolina Marins publicado na Veja em 2018 e adaptados

Homem usa tornozeleira comprada por R$ 60 de usuário de droga para dizer que é ‘perigoso’

Painel Político Revista - https://revista.painelpolitico.com

Ele usava o equipamento quando foi abordado pela PM

Uma caso, no mínimo inusitado, foi descoberto por policiais militares do Batalhão Rotam.  Eles flagraram um homem de 22 anos utilizando uma tornozeleira eletrônica desligada e que não lhe pertencia.

A prisão ocorreu no bairro Pedregal, em Cuiabá, na tarde da última sexta-feira (3). O suspeito confessou que comprou o equipamento de monitoramento de outra pessoa para mostrar que é perigoso. O aparelho foi “vendido” por R$ 60.

Foto – Otmar de Oliveira

Os policiais realizavam patrulhamento de rotina na rua Mamoré quando visualizaram o suspeito com mais dois homens em uma esquina, segundo a PM, de maneira suspeita. Durante abordagem pessoal, o policial notou que o suspeito utilizava a tornozeleira eletrônica e que ela estava desligada.

O homem relatou que pagou a um usuário de drogas a quantia de R$ 60 pelo equipamento para, segundo ele, “ostentar e pagar de perigoso”.

O irmão do verdadeiro dono da tornozeleira estava entre o grupo abordado pela PM. Inicialmente, ele chegou a passar um nome falso, mas acabou confessando que o equipamento é do irmão. (Gazeta Digital com informações da assessoria da PM)

Grávida de 8 meses, marido e cunhado são mortos a tiros dentro de casa em Natal

Painel Político Revista - https://revista.painelpolitico.com

Crime aconteceu em uma granja em Nordelândia, na Zona Norte da capital

Um mulher grávida de oito meses, o marido dela e um cunhado foram mortos a tiros dentro de casa, na Zona Norte de Natal, na noite desta sexta (3). Um bebê que também estava na casa não foi ferido.

O crime aconteceu em uma granja localizada em Nordelândia. De acordo com a polícia, homens armados invadiram a residência e atiraram contra os moradores. Os vizinhos ouviram os disparos e acionaram a polícia.

A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) esteve no local. As vítimas foram identificadas como Mikarla Rodrigues Miranda da Silva, de 22 anos, José Wilson Rodrigues, de 24 anos, e Pedro Rafael Rodrigues, de 23 anos. A motivação do crime será investigada pela polícia.

O bebê que estava na casa e não ficou ferido foi entregue a familiares. Ninguém foi preso. Via G1

Polícia Civil de MT pede prisão temporária do irmão e padrasto de menino de 10 anos desaparecido desde dezembro

Painel Político Revista - https://revista.painelpolitico.com

Caso envolve toda a família do menino que desapareceu; polícia acreita que ele tenha sido morto

Tiveram os mandados de prisão temporária pedidos pela Polícia Civil, o padrasto e o irmão do menino Claudemir Ramos Quintino, de 10 anos, que está desaparecido desde dezembro do ano passado. Os investigadores trabalham com a suspeita de que o garoto tenha sido morto, apesar de o corpo não ter sido encontrado.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Nilson Farias, o pedido acabou sendo indeferido pelo juiz de direito e diretor do fórum da Comarca de Nova Ubiratã, Glauber Lingiardi Strachicini.

Atualmente a Polícia Civil aguarda o resultado da perícia feita em celulares de possíveis suspeitos. Os familiares registraram o caso após quase uma semana do desaparecimento de Claudemir. Segundo eles, o menino teria saído para brincar e não retornou mais.

Claudemir Ramos Quintino está desaparecido desde dezembro

O caso

Claudemir Ramos Quintino, 10, desapareceu em dezembro na Vila Entre Rios, próximo à cidade de Sorriso (420 km ao norte de Cuiabá). O caso chama atenção pela falta de respostas. A mãe afirma que o menino foi almoçar na casa do irmão mais velho, localizada na mesma vila, e não havia voltado para casa. Informação que é negada por testemunhas.

O menino foi visto andando de bicicleta com algumas crianças em um praça e voltando para casa. Um vizinho que sabia das dificuldades que a família passava teria dado uma frango assado para o menino levar para comer. Na noite do sumiço, vizinhos ouviram gritos vindos da casa da família.

Principais suspeitos do desaparecimento

O padrasto e a mãe do garoto são investigados e apontados como suspeitos, após o boletim de ocorrência de desaparecimento ser registrado somente 4 dias depois do sumiço da criança.

Na noite de desaparecimento de Claudemir, uma testemunha não identificada, afirmou ter visto o padrasto, Juliano, saindo de uma área de mata empurrando um carrinho de mão com um pedaço de pano branco. A suspeita por Juliano aumentou após ser verificado que o álibi dado por ele era falso. O investigado disse à polícia que estava fazendo um “bico” de pedreiro, mas o contratante desmentiu o suspeito.

A criança, que teria passado um ano letivo inteiro sem frequentar a escola, foi matriculada pela mãe em uma instituição durante o período do sumiço, o que chamou a atenção dos vizinhos e da polícia.

Testemunhas afirmaram que o comportamento da família deveria ser investigado, já que, além de continuarem vivendo um vida “normal” sem o menino, casos de agressão do padrasto contra Claudemir eram constantes e a mãe tinha comportamento tido como “relapso” com ele.

 Os moradores da vila em que Claudemir morava disseram aos investigadores que o menino sofria maus tratos pela família. Após almoçar com o irmão e a cunhada o menino foi visto brincando com crianças, que afirmaram que Claudemir tinha hematomas pelo corpo, e ao ser questionado sobre as marcas ele teria dito que a mãe havia o agredido.

Os policiais não descartam a possibilidade do garoto ter fugido após ter sido abusado sexualmente pelo padrasto ou irmão.

Seguindo essa linha de investigação, os agentes seguem buscando o garoto com vida, morando em outra localidade, com uma família provisória. No decorrer das investigações a família e o irmão mais velho se mudaram. Entretanto, o paradeiro do irmão é desconhecido.

Desde o início da investigação os policiais receberam duas denúncias. Buscaram o corpo do garoto por uma área de mata e seu paradeiro em um assentamento nas proximidades de Feliz Natal. Os celulares da mãe de Juliano, já que o padrasto não possui aparelho, e a mãe de Claudemir foram apreendidos. Com informações do Nortão Notícias e Gazeta Digital

Menina de 13 anos foi morta por namorado de 15 por estar grávida, em MT

Painel Político Revista - https://revista.painelpolitico.com

Anna Luiza Nunes do Carmo foi assassinada em Sorriso. Adolescente disse que cometeu o crime porque ela estava grávida e ele tinha outra namorada

O adolescente de 15 anos, apreendido suspeito de matar Anna Luiza Nunes do Carmo de 13 anos, em Sorriso, na região norte do estado, disse ao delegado da Polícia Civil Nilson Farias, que investiga o crime, ter matado a vítima com o golpe de mata-leão e depois arremessado um tijolo nela e vários golpes com um pedaço de madeira.

Ele afirmou que cometeu o crime porque ela estava grávida e temia as consequências, já que ele tinha outra namorada.

Depois do crime, o suspeito atirou fogo na roupa nas roupas dele na tentativa de apagar os vestígios do crime. A informação também foi dada por ele a polícia. Um exame ainda deve apontar se a adolescente estava grávida, conforme ele informou.

O adolescente encontra-se na delegacia de Sorriso e o delegado afirmou que vai pedir a internação dele.

Ele foi apreendido nessa quinta-feira (2) depois que o corpo dela foi localizado. A menina estava desaparecida desde terça-feira (31) e foi encontrada morta na madrugada desta quinta-feira em um terreno baldio no bairro Jardim Itália, na cidade.

Anna Luiza Nunes do Carmo, de 13 anos, foi encontrada morta com sinais de espancamento em Sorriso — Foto: Arquivo pessoal

De acordo com a polícia, no dia do desaparecimento a garota utilizou o celular da sua irmã para falar com um rapaz, arrumou a cama com travesseiros para que pensassem que ela estava dormindo e saiu de casa.

Assim que o corpo foi localizado, a Polícia Civil iniciou as investigações que apontaram o adolescente como principal suspeito do crime. Durante o depoimento de testemunhas, a polícia descobriu que havia um relacionamento entre o suspeito e a vítima.

De acordo com testemunhas, antes ele estava bem fisicamente e sem lesões aparentes, porém, no dia seguinte do crime amanheceu com o tornozelo torcido, com fratura evidente e as mãos machucadas, possivelmente devido aos esforços empregados para desferir as agressões contra a vítima.

O caso

A mãe da garota registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil na quarta-feira (1º). Ela contou à polícia que Anna Luiza foi para o quarto e dormiu. Na manhã do outro dia ela não foi encontrada na cama e havia desaparecido.

Câmeras de segurança registraram o momento em que a menina anda a pé pelas ruas. Aparentemente ela estava sozinha.

O corpo dela foi encontrado dois dias depois em um terreno no cruzamento da Avenida Los Angeles esquina com Avenida Curitiba, atrás de um ginásio.

Fotos da jovem foram divulgadas em grupos de rede social com o telefone da família que pedia informações.

A Perícia Oficial Técnica (Politec) esteve no local e informou que o corpo já estava no nesse terreno há mais de um dia e tinha sinais de espancamento.

Anna Luiza não estava com documentos, mas o corpo dela foi reconhecido pela mãe. Inicialmente os peritos não identificaram sinais de violência sexual.

A perícia deve fazer os exames necessários para comprovar a causa da morte da jovem. Com G1