Blatter renuncia e convoca novas eleições para a presidência da Fifa

Atual mandatário, reeleito na última sexta-feira para mais quatro anos, anunciou em entrevista coletiva que está deixando o cargo máximo do futebol mundial

Quatro dias após ser reeleito para mais um mandato à frente da Fifa, o suíço Joseph Blatter convocou nesta terça-feira uma entrevista coletiva na sede da entidade, em Zurique, e surpreendeu ao anunciar que abrirá mão do cargo.

Sentindo-se pressionado pelas denúncias de corrupção envolvendo membros da entidade e escolha das sedes da Copa do Mundo de 2018 (Rússia) e 2022 (Catar), Blatter, de 79 anos e na Fifa desde 1998, decidiu renunciar ao novo mandato e convocar novas eleições, que devem acontecer entre novembro deste ano e março de 2016.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]”Embora os membros da Fifa tenham me reelegido presidente, não pareço estar sendo apoiado pelo mundo do futebol. Jogadores, clubes, que inspiram a vida no futebol. É por isso que eu vou convocar um congresso extraordinário e colocar minha função à disposição”, avisou Blatter em seu discurso.

“Um novo presidente será eleito para me suceder entre novembro deste ano e março de 2016. Vou continuar a exercer minha função como presidente até lá. O próximo congresso demoraria muito e esse procedimento será de acordo com o estatuto”, acrescentou.

Blatter salientou que lutará daqui para frente por mais transparência na Fifa. ”Agora estarei numa posição de focar em implementar ambiciosos protocolos de transparência e reformas para seguir o meu mandato”, afirmou. ”Precisamos de limitação de mandatos, não apenas para o presidente, mas para o comitê executivo”, completou.

A Uefa, presidida pelo francês Michel Platini, chegou a planejar uma reunião para boicotar Blatter e a Copa da Rússia.

Corrupção

Na última quarta-feira, sete dirigentes da Fifa e de outras federações do futebol mundial, entre eles, o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, foram presos em Zurique, na Suíça, suspeitos de participar de um esquema de corrupção.

Segundo o Departamento de Justiça americano, que comandou a operação juntamente com a polícia suíça, há suspeita que os dirigentes teriam pagado mais de US$ 100 milhões propinas desde os anos 90, além de serem acusados por lavagem de dinheiro, crime organizado e fraude eletrônica. Golpes nas escolhas das próximas Copas do Mundo (Rússia em 2018 e Catar em 2022) também serão investigadas.

IG

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário