Siqueira é um dos integrantes da ala pernambucana socialista ligada ao ex-governador e ex-presidenciável Eduardo Campos

O PSB escolheu, por aclamação, Carlos Siqueira, ex-coordenador da campanha de Eduardo Campos, como presidente nacional do partido, no lugar de Ricardo Amaral, que decidiu não participar das eleições após a decisão da legenda, tomada na semana passada, de apoiar a candidatura do tucano Aécio Neves.

A chapa eleita, única inscrita, tem a participação forte de socialistas de Pernambuco que colocaram na mesa o resultado das eleições deste ano, no qual o estado de Campos elegeu, oito deputados federais, um senador e o governador.

Siqueira é pernambucano, mas filiado ao PSB do Distrito Federal. Muito ligado a Eduardo Campos, ele foi o único nome de consenso para a formação da chapa na semana passada. Outros pernambucanos, inclusive filiados há pouco tempo, como o prefeito de Recife Geraldo Júlio, foram alçados a cargos de direção.

Além do prefeito, são do estado de Eduardo Campos, o novo vice-presidente, o governador eleito do estado, Paulo Câmara, e Fernando Bezerra, ex-ministro do governo de Dilma Rousseff, que ocupará o cargo de vice-presidente de Relações Parlamentares do partido. O atual governador de Pernambuco, João Lyra Neto, será o novo vice-presidente de Relações Federativas do PSB.

Entre os apoiadores de Dilma, três fazem parte da executiva: Ricardo Coutinho, que disputa a reeleição na Paraíba, com o apoio do PT será o novo vice-presidente para Políticas Públicas do PSB. A senadora Lídice da Mata (BA) e o governador do Amapá, Camilo Capiberibe, que também disputa a reeleição com apoio do PT, foram eleitos secretários especiais da legenda.

A escolha da nova executiva do PSB nacional ocorreu em clima de tensão, após a reação do presidente do partido, Roberto Amaral, de não participar da disputa e de ter saído disparando contra o partido, que declarou, por maioria, apoio à candidatura do tucano Aécio Neves.

Com a ausência do atual presidente Ricardo Amaral e de Luiza Erundina, a nova executiva foi eleita por aclamação.

Ao chegar à reunião, o deputado Beto Albuquerque, que foi candidato a vice na chapa encabeçada por Marina Silva disse que Amaral precisava aprender a respeitar as decisões partidárias e que se tivesse “força política” no partido, formaria sua própria chapa. “Se você não concorda com uma chapa e tem força política, se faz outra chapa”, disse Albuquerque.

A única chapa na disputa é liderada por Carlos Siqueira, ex-coordenador da campanha de Eduardo Campos. Siqueira conta com o apoio do PSB de Pernambuco que quer o controle da legenda alegando que foi o estado que mais elegeu deputados federais, senador e governadores.

Siqueira abandonou a campanha se desentendendo com Marina, assim que ela assumiu a candidatura após a morte de Campos. De acordo com Beto, antes de a chapa ser registrada, na semana passada Marina e Carlos Siqueira conversaram para aparar arestas. “Eles já conversaram e ele explicou a ela que suas acusações ocorreram em um clima de grande estresse”, disse o deputado.

Além de Amaral, a deputada Luiza Erundina também se recusou a participar da escolha da nova direção do partido, após a decisão tomada na semana passada de dar apoio à candidatura tucana. Amaral e Erundina não compareceram à reunião de hoje.

Além disso, integrantes da Rede também não participam da chapa. Segundo Albuquerque, a ausência dos políticos da Rede, partido informal liderado por Marina, faz parte do acordo firmado quando Marina chegou ao PSB. “Desde sempre a Rede declinou de participar dos cargos de direção do PSB”, informou.

Redação Painel Político

Redação Painel Político

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *