‘Charlie Hebdo’ ironiza fim da era Obama e violência racial

Na charge, o presidente Barack Obama aparece correndo de dois policiais brancos que disparam contra ele

O jornal satírico francês “Charlie Hebdo”, alvo de um atentado terrorista que deixou 12 mortos em janeiro de 2015, dedicou a capa de sua edição desta quarta-feira (9) à troca de comando na Casa Branca.

Na charge, o presidente Barack Obama aparece correndo de dois policiais brancos que disparam contra ele, ao lado da frase “Obama, novamente um cidadão como os outros”. O desenho ironiza o problema da violência racial da polícia dos Estados Unidos e a saída do primeiro mandatário negro da história do país para a chegada da retórica agressiva de Donald Trump.

Nos últimos dois anos, são frequentes os casos de afro-americanos mortos durante abordagens das forças de segurança, mesmo que em muitos casos eles estivessem desarmados.

Conhecido pela irreverência e pelo tom agressivo de suas charges, o “Charlie Hebdo” está sempre na mira de grupos extremistas por ridicularizar o profeta Maomé, mas também já foi duramente criticado por fazer piada com o menino sírio Aylan, símbolo da crise de refugiados, e o terremoto de 24 de agosto na Itália.

Anúncios
Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário